Certamente você segue várias pessoas na internet, mas é preciso que, antes de dar um simples clique, ter atenção com quem você segue.

Atenção com quem você segue

(Post 27/30 do Desafio 30 dias para crescer)

 

Estive assistindo algumas reportagens mais antigas e uma delas foi a da blogueira que resolveu “casar sozinha”.

Se você não soube do caso, ou não está lembrando, trata-se de Alinne Araújo, de 24 anos, cujo noivo desistiu do casamento um dia antes da festa.

Alinne, que fazia de sua rede social uma espécie de diário da depressão – doença que enfrentava havia vários anos – chegou a postar o ocorrido em suas redes sociais.

Embora qualquer pessoa pudesse pensar que ela iria se afastar das redes para se recuperar do baque, não foi o que aconteceu.

Inesperadamente, um post no dia do casamento mostrava uma pessoa que parecia não ter se abalado:

Poderia ficar aqui chorando, mas tem uma festa linda me esperando, então, hoje caso comigo mesma em nome da minha vida nova.

Todos os detalhes da festa foram publicados em fotos e vídeos.

Entretanto, no dia seguinte, Alinne decidiu tirar a própria vida, mostrando que a realidade era bem diferente do que parecia ser.

Ela não venceu a depressão, mas foi vencida por ela. E, segundo uma tia, as inúmeras críticas que recebeu pela decisão de casar consigo mesma é que a fizeram optar por esse caminho sem volta.

Embora pareça insensível da minha parte usar um assunto dessa natureza no nosso desafio, a ideia aqui é ajudar você a raciocinar.

Por isso, leia as próximas linhas com a mente aberta.

Se você tem uma fraqueza, doença, ou algo negativo na sua vida que não consegue vencer, você acha que alguém que passa pela mesma situação vai poder lhe ajudar?

Certamente que não!

O que acontece é que pessoas que enfrentam algum tipo de problema, em vez de buscarem solução, buscam consolo, comiseração e, em alguns casos, buscam por pena mesmo.

Mas a pergunta é:

De que adianta que o mundo inteiro entenda o problema ou a situação que você vive?

No que a empatia das pessoas vai lhe ajudar?

Decerto que não vai ajudar em nada!

Talvez provavelmente você se sinta um pouco melhor, mas o problema vai garantir que você se sinta mal novamente.

Por isso, fuja de perfis e blogs de pessoas que dão o maior ibope para seus problemas, fraquezas ou vivam em função das situações adversas pelas quais passam.

Essas pessoas querem que você veja os problemas que elas estão passando sob o mesmo ponto de vista delas, isto é, como algo normal com o qual terão de conviver.

E, para aliviar o lado delas, despejam sobre você ora suas frustrações, ora suas pseudo conquistas.

Quando elas mostram frustração, querem consolo, piedade e manifestações similares para sentirem-se melhor.

Ou despejam suas pseudo vitórias para mostrarem o quão boas são por estarem suportando seus problemas (em vez de lutar de fato para vencerem).

É claro que a intenção da blogueira não foi essa. Eu não acredito que ela fez isso por mal, muito pelo contrário.

Creio que ela quis mostrar que deu a volta por cima, que venceu a depressão e que era possível curtir a vida mesmo depois de um problema daquele tamanho.

As imagens, aliás, “comprovaram” isso mostrando uma mulher feliz, dançando com um sorriso no rosto e curtindo a festa com muita animação.

Alinne disse ter criado o perfil para ajudar outras pessoas com quadro de depressão, o que muita gente apoiou e viu como algo excelente.

Porém, permita-me falar o português bem claro:

Um cego, por melhor intenção que tenha, não pode guiar outro cego.

Simplesmente não pode. Não porque não queira, mas porque não tem condições.

Por isso, preste muita atenção a quem você segue, principalmente se você começa a achar normais coisas que não deveriam ser vistas como normais.

 

Para ler os desafios anteriores, clique nos títulos abaixo:

 

1 – Regras: uma relação de amor e ódio

2 – Por que não consigo mudar?

3 – Vivo sem dinheiro, o que faço?

4 – 10 segredos dos campeões quenianos

5 – Boa comunicação faz diferença

6 – O desafio de tomar água

7 – Sextou! Como aproveitar bem o fim de semana

8 – Boa convivência na internet

9 – Seu mês de janeiro teve 100 dias?

10 – Viver de crédito é a escravidão moderna

11 – Hábitos de fracasso levam ao fracasso

12 – Como fugir das fake news

13 – Comodismo só leva ao fracasso!

14 – O mito da zona de conforto

15 – Você vive para trabalhar e ter dinheiro?

16 – Você é parte do problema ou da solução?

17 – Guardar dinheiro é sinal de falta de fé?

18 – 5 frases inspiradoras de Steve Jobs

19– Para que juntar dinheiro se eu vou morrer?

20 – Economize: dicas para o seu dinheiro crescer

21 – Saber priorizar é uma arte

22 – Diferença entre o quê pensar e como pensar

23 – Técnica dos 5 porquês

24 – Problemas pioram com o tempo

25 – Abandone conceitos antigos

26 – Como pagar dívidas que saíram do controle

Para ler o próximo post, clique no título abaixo:

28 – Não se conforme com o que não deve

 

Nos vemos!

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Patricia,

    Desculpa, eu não entendi muito bem esse post.
    Poderia discutir mais em video?

    Obrigada!

  • Concordo plenamente. E é preciso também ter muita atenção quando se busca ajuda com os profissionais de uma determinada área. Ja tomei conhecimento de psicólogos que trabalhavam para ajudar os outros, mas não estava nem conseguindo ajudar a si mesmo.

    Tomei conhecimento de uma jovem que começou a estudar psicologia pra ajudar a ela mesma… mas coitada isso não foi suficiente pra ela se curar da depressão.

    legal Patricia esse assunto…. grande abraço.

  • Patrícia, parabéns!!! Eu adoro a forma como você escreve seus textos! Concordo com você, um cego não pode guiar outro cego!

  • Pois é as pessoas saem curtindo e compartilhando coisas que muitas vezes nem sabem explicar o que é! Prefira o tapa da verdade do que o beijo da mentira!

  • Que texto profundo, está cada vez mais escasso esse tipo de texto, pois tudo o que se diz tem que ser bonitinho; analisar a aprofundar-se está cada mais raro, pela falta de capacidade de quem escreve ou pela incapacidade de quem lê.
    Talvez você receba críticas. Mas acredito que confia no que está dizendo, pois foi incrível.
    Maravilhosa interpretação, em meio ao confuso, tirou verdades muito bacanas e úteis, e está dividindo conosco.

    Hoje mais cedo eu estava em uma página defendendo uma pessoa que foi atacada por defender a educação. Nos dias de hoje se a gente não se rende ao que as pessoas consideram bonitinho, estamos sendo os errados, os vilões. É inacreditável a inversão de valores que tem se instalado por todos os lugares, e atinge os mais vulneráveis, que não pensam… Hoje em dia o certo, justo, está sendo visto como ultrapassado ou até criminoso.

    Obrigada por seguir pensando, analisando e dividir sua opinião conosco.

    • Obrigada, Tamires! Jamais vamos deixar de fazer o certo, ainda que a maioria faça o errado. Esse é o nosso compromisso! Bjs

  • Infelizmente , ouvir falar essa trágica história .
    E ,concordo com você, que um cego não pode guie outro cego .
    Se Alinne ,tivesse lindo um texto desse quem sabe não teria tido o final que teve.
    Porque esse assunto tem que ser falodo , para poder abrir os olhos de outras pessoas.
    Bjs

  • Bah muito real isso… Devemos estar atentos a esses pontos…

  • Boa noite!
    Sigo pessoas que possam me acrescentar e portanto eu as conheço pelo seus frutos!

  • Patrícia, sou sua fã assumida. Você trata das situações da vida de uma maneira bem clara e objetiva, não faz rodeios, de uma sensatez ímpar. Fala sobre diversos assuntos, dos mais corriqueiros aos mais delicados com postura, ética e experiência. Muito grata por dividir seus conhecimentos com todos, Deus te abençoe sempre e ilumine seus caminhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *