Essa pergunta vira e mexe aparece aqui no blog. E hoje trazemos uma reflexão para quem acha que nada vale a pena na vida só porque a morte existe.

 

“Para que juntar dinheiro se eu vou morrer?”

(Post 19 de 30 do Desafio 30 dias para crescer)

Surpreendentemente há muita gente que pensa dessa forma.

É óbvio que todos vamos morrer, mas enquanto estamos vivos, temos a obrigação de viver bem.

Sim, OBRIGAÇÃO, essa é a palavra.

Você pode ter nascido pobre e, quando a isso, ninguém tem escolha, mas como você vai viver certamente é escolha sua.

Apesar de termos tanta informação disponível hoje em dia, quando o assunto é dinheiro ainda há muito conceito furado.

A questão é que para cuidar bem da vida financeira, sem dúvida, é preciso ter responsabilidade.

Porém, o ser humano está sempre tentando fugir dela!

E essa de “para que juntar dinheiro se eu vou morrer mesmo” é apenas mais uma desculpa esfarrapada.

Mas, uma vez que a pessoa se convence disso, ela se acomoda e continua na vidinha de sempre.

Só que é preciso lembrar que vivemos uma vez só, quer acredite, quer não.

E vida é o período entre o nosso nascimento e a nossa morte e nem eu, nem você sabemos quanto tempo teremos aqui.

Muitas pessoas estão vivendo um inferno porque gastaram como se não houvesse amanhã.

Mas o amanhã chegou e ela está de cabeça quente hoje e, além disso, com o futuro comprometido.

A probabilidade de que você estará viva amanhã é muito alta, por isso, esqueça dessa fala sem noção.

Você não tem de viver apenas para juntar dinheiro (tem um vídeo bem legal sobre isso no Desafio 15), mas não pode ser infantil a ponto de achar que pode fazer tudo o que quiser e que isso é que é aproveitar a vida.

Sua condição financeira é de sua responsabilidade.

Pode ser que você tenha sido enganada por um gerente de banco que lhe convenceu a fazer um consignado que está levando uma parte importante do seu orçamento.

Ou talvez tenha caído na lábia da publicidade e se enchido de parcelamentos de tudo e mais um pouco.

Há também quem diga que o governo é responsável pelo número recorde de inadimplentes no país.

Mas como eu sempre digo:

 

Para haver um enganador é preciso que haja alguém que se deixe enganar.

 

Não são poucas as pessoas que entram em frias financeiras por pura falta de critério.

Acreditam em tudo o que ouvem e se permitem ser enganadas por propostas absurdas.

Depois que se enrolam até não poder mais, vêm com essa de que dinheiro é feito para torrar porque um dia vamos morrer.

Sim, nós vamos morrer, mas as estatísticas dizem que estaremos vivas amanhã e, para não morrer de raiva de si mesma, seja responsável com o seu dinheiro!

 

 

Para ler os desafios anteriores, clique nos títulos abaixo:

 

1 – Regras: uma relação de amor e ódio

2 – Por que não consigo mudar?

3 – Vivo sem dinheiro, o que faço?

4 – 10 segredos dos campeões quenianos

5 – Boa comunicação faz diferença

6 – O desafio de tomar água

7 – Sextou! Como aproveitar bem o fim de semana

8 – Boa convivência na internet

9 – Seu mês de janeiro teve 100 dias?

10 – Viver de crédito é a escravidão moderna

11 – Hábitos de fracasso levam ao fracasso

12 – Como fugir das fake news

13 – Comodismo só leva ao fracasso!

14 – O mito da zona de conforto

15 – Você vive para trabalhar e ter dinheiro?

16 – Você é parte do problema ou da solução?

17 – Guardar dinheiro é sinal de falta de fé?

18 – 5 frases inspiradoras de Steve Jobs

 

Para ler o próximo post, clique no título abaixo:

20 – Economize: dicas para o seu dinheiro crescer

 

Nos vemos!

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Patrícia, boa tarde!!

    “Você pode ter nascido pobre e, quanto a isso, ninguém tem escolha, mas como você vai viver certamente é escolha sua.”
    É a mais pura verdade!

    Tomara que 100% das Blindetes tenham aprendido e continuem ensinando outras tantas desavisadas!!

    Beijos

    Vânia

  • Vou aproveitar o comentário da Vânia M. G. de Souza e esse período de carnaval para comunicar que no quesito “reserva financeira” eu sou “blindete” nota 10!!!

  • Imagine ninguém mais querer cuidar da saúde, ter uma boa alimentação por que sabe que vai morrer mesmo, então começa a comer só o que não presta. Gente o assunto é muito sério, isso não é só na vida financeira, é em tudo.

  • Acho que já comentei aqui: minha avó morreu sem ter tido conta em banco. Guardava dinheiro em casa, dentro da lata de biscoito chique que ganhou da patroa (era doméstica). Era prendada, não tinha dinheiro para comer em restaurante chique mas sabia preparar o trivial fino. Como foi que viemos parar aqui com essa mentalidade numa distância de 2 gerações? Eu não me conformo. Você sabe, trabalho em banco. A pessoa deve pro banco mas chega na hora do seu atendimento e ela solta a pérola: eu sou uma ótima cliente deste banco. Se você não me der o valor que quero, tem 3 bancos que já me ofereceram. E é verdade. Não é papo de quem tá querendo forçar o atendimento.
    PS: chegaram os meus Diários de Consumo. Yes!

    • Pois é, Adri… Não podemos mesmo nos conformar. Espero que use bem os Diários! 😀

  • O engraçado é que esse frase não é a única que nos prejudica, as vezes até não falamos isso, mas agimos assim em tudo o resto, para quê fazer a cama se eu vou deitar logo e desfazer (rsrsrs), para quê limpar se logo logo vai estar tudo sujo, para quê me esforçar se os outros não se esforçam, para quê estudar se tem tanta gente graduada no desemprego, para quê ecologia se o mundo está condenado, … essas frases e muitas outras só para tirar de nós mesmos o foco e a responsabilidade como você falou muito bem, e desculpas para não avançar e fazer o que tem de ser feito, como se de qualquer forma já estivessemos condenados e que esses atos não fossem trazer benefícios a nós mesmos . O que nós não queremos mesmo é sacrificar para chegar nesses benefícios…e para viver mais tranquilos com a nossa consciência arranjamos uma desculpa para ficar como estamos…

  • Responsabilidade e não dar desculpa esfarrapada para ficar acomodado… Estando vivos e temos a obrigação de viver bem. Ótimo post.

  • O pior das pessoas , que pensam em torrar tudo ,pelo fato de não sabe se está vivas amanhã. Não tem responsabilidade com a vida delas ,e também quer atrapalha a vida da família. Sei bem como é isso. Bjs ?

  • Meus pai era sapateiro, minha mãe dona de casa. Quando solteira trabalhou na São Paulo Alpargatas, era super controlada, guardou muito dinheiro, casou, comprou 1 casa, o enxoval casava 3 noivas, compraram uma sapataria, como teve muitos filhos e era só meu pai que trabalhava, aos poucos ela foi perdendo tudo que tinha, pois para ele a geladeira cheia era o que importava. Meu pai não está mais conosco, morreu cedo, triste porque minha mãe voltou a trabalhar e nao quis mais viver com ele. Agora ela vive da aposentadoria, da ajuda de muitos, paga aluguel e ainda trabalha, está com 78 anos. Eu quando casei, claro, nao tinha nada, mas entendemos que ao menos uma casa, desvariamos comprar, (pagamos 15 anos de aluguel), tínhamos assistência médica e os filhos em escola particular. Hoje temos uma no interior de Sao Paulo e pagamos a hipoteca de um apartamento na Espanha. Meu marido já é aposentado, mesmo assim, trabalha quando aparece e eu como faxineira trabalhei aqui 4 anos, agora faço trabalho on-line em casa. Não consigo imaginar-me parada, sem trabalhar, viajar, presentear, cuidar da saúde, etc. Creio que temos que aproveitar enquanto estamos aqui, o futuro só Ele que sabe qual será. E ainda bem que conheci você, pois tive que aprender a sair do vermelho e guardar para não ser pega de surpresa. hehehe. Beijos a todos.

  • Minha mãe sempre me dizia, em relação aos que diziam que amanhã poderiam não estar vivos: o problema é que todo dia se acorda… vivinho. E eu acrescento, pedindo dinheiro emprestado aos que “sabem” da grande probabilidade de acordar e é atencioso com suas finanças

  • Ri com a imagem do post e com o comentário final!

    Estava pensando, hoje, sobre tudo isso que você escreveu!

    Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *