Você já se deparou com momentos na vida que não sabe se deve insistir ou desistir? Caso sim, este post é para você refletir sobre isso! Insistir ou desistir?

São perguntas como essa que levam muita gente a querer adivinhar o futuro (ou buscarem quem diz fazer isso).

É, no mínimo, curioso ver pessoas que se julgam inteligentes buscarem auxílio em cartomantes, videntes etc.

Isso porque é óbvio que se alguém tivesse o poder de prever futuro seria a pessoa mais bem de vida do mundo!

Além disso, praticamente não haveria tragédias, pois elas nos avisariam com antecedência para que fossem evitadas.

O que acontece é que, nós, seres humanos, agimos e reagimos de formas muito similares e previsíveis.

Vou te dar um exemplo:

Eu sou especialista em finanças pessoais e trabalho nessa área há oito anos.

Quando alguém diz que vai pegar um empréstimo a uma taxa de juros alta para abrir um negócio no qual ela não tem experiência, eu sei que as chances de dar errado são grandes.

Eu não estou adivinhando, mas estou me baseando na minha experiência.

Além disso, estou considerando tanto a matemática quanto o comportamento humano em relação a algo novo.

E o que eu quero dizer com essa introdução?

Primeiramente que vale a pena consultar pessoas que sejam especialistas na área que você tem dúvida se deve insistir ou desistir de algo.

Porém, mesmo consultando especialistas (não adivinhos), a última palavra que levará a uma decisão deve ser sua.

Por isso, quem deve ter as ferramentas necessárias para decidir entre insistir ou desistir é você e mais ninguém!

Não daria para abordar esse assunto, sob o meu ponto de vista, sem fazer essa introdução.

Dito isso, vou abrir para vocês o que eu faço diante de situações que exigem de mim uma decisão desse tipo.

Geralmente uso 3 passos, onde o último é o mais importante de todos:

Passo 1 – Planejo com racionalidade

Primeiramente, temos que planejar tudo o que desejamos fazer.

Sem planejamento não há como saber se o que você quer é possível, é viável e nem mesmo se é necessário.

Costumo dizer que sem planejamento não se age, mas, por outro lado, você não deve se prender às suas ideias como se elas fossem as únicas verdades do universo.

A palavra de ordem, então, é equilíbrio.

Planejar, sim, mas com racionalidade (não com emoção) e com equilíbrio.

Passo 2 – Considero prós e contras

Quando temos uma ideia é comum acharmos que ela é a melhor do mundo.

Porém, é preciso saber que tudo na vida tem prós e contras e você precisa analisar os dois lados.

Geralmente eu insisto muito nas minhas ideias porque acredito nelas, mas no momento que percebo que têm mais contras do que prós, não hesito em abandoná-las.

Passo 3 – Entrego ao Único que realmente conhece o futuro

Quando eu, de fato, esgoto as minhas possibilidades, recorro ao Único que conhece o dia de amanhã e deseja o melhor para mim.

Sim, eu recorro a Deus.

Ele tem sido a inspiração de tudo o que faço, ao mesmo tempo que me alerta sobre o que não devo fazer.

Com Ele à frente não tem erro.

Pense nisso!

Para ler as reflexões anteriores, clique abaixo.

Dia 1 – Tempo para pensar

Dia 2 – Andar a segunda milha

Dia 3 – Cuide da sua vida

Dia 4 – O que as dúvidas causam

Dia 5 – Não se perca pelo caminho

Dia 6 – O que o mimimi faz por você?

Dia 7 – Eu sei o que fazer, mas como faço?

Dia 8 – Caráter, intenção e conduta

Dia 9 – Preguiça até para receber ajuda

Dia 10 – Finanças e relacionamento afetivo

Dia 11 – Não venda a verdade

Dia 12 – Aja diferente, faça a diferença

Dia 13 – 12 regras para a vida

Dia 14 – Você está em guerra

Dia 15 – Dia das Crianças: presente ou presença?

Dia 16 – Como dar conta de tudo

Nos vemos no próximo post!

Jornalista, especialista em finanças, autora de 5 best-selleres, colaboradora dos programas Mulheres (TV Gazeta) e Escola do Amor (Record TV). Colunista do portal R7 e youtuber.

  • Patrícia vc é uma mulher que me inspira a ser melhor, a avaliar minhas decisões, a pensar, ser uma melhor versão de mim mesma, seus vídeos, livros…sao ótimos.continue!

  • Oi Paty! Eu me identifiquei com este blog. Vi que não estou tão perdida, pq tenho em mente esses 3 passos que vc citou. Mas, o terceiro é o que normalmente temos mais dificuldades em conseguir realizar, pq exige uma postura humilde. De admitir que não sabe tudo e que precisa da ajuda Dele. Vencer esse orgulho é um trabalho constante e diário. Simples, mas que exige nosso empenho em mudar. Como estou justamente nessa fase de tomadas de decisão para empreender, ainda me falta parar e me ligar a Deus. Obrigada mais uma vez pela lembrança! E, como disse antes, vou sentir falta desses 20 dias de reflexão. De todos os seus blogs, tem sido o que mais gostei de acompanhar! Bjos!

  • Muitas vezes!
    Para falar a verdade as situações de desistir são as mais fortes; com muita força e positivismo faço continuar.
    Mesmo assim é muito difícil quando a gente se sente “patinando” sem sair do lugar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *