Tem gente que, de tão acomodada – ou preguiçosa para ser mais exata – torna impossível até mesmo receber ajuda. Essa é a reflexão de hoje, acompanhe!

Preguiça até para receber ajuda

Primeiramente quero dizer porque estou escrevendo sobre esse assunto.

Gosto muito de ajudar as pessoas, se não fosse assim, esse blog não existiria.

Entretanto, há quem me escreva, mas não ajude a ser ajudada!

Por exemplo:

  • “Patricia, abri um negócio recentemente. Me mande dicas!”
  • “Tou devendo. Mande link de post sobre.”
  • “Quero receber dicas por e-mail para não ter que entrar no blog.”
  • “Essa palestra que você deu no Center Norte, você pode dar aqui em Guarulhos? É meu sonho assistir uma palestra sua!”

Bom, vamos respirar fundo e… seguir em frente!

A primeira não se deu nem ao trabalho de dizer que tipo de dica quer…

É como se eu tivesse um manual para todo tipo de negócio (ou adivinhasse o que ela precisa)…

A segunda não teve nem coragem de mandar uma frase bem escrita (além de querer tudo na mão!).

A terceira acha muito trabalhoso clicar em um link (que dirá seguir as dicas?).

Por fim, será que a quarta “sonha”mesmo em assistir uma palestra?

Guarulhos fica a 20 km de onde aconteceu a palestra e, se ela sonhasse mesmo, poderia ir até à pé!

Melhor esperar sentada!

Quem tem esse tipo de atitude e quer tudo na mão precisa aprender a esperar.

Aliás, esperar sentada!

O mundo de hoje é extremamente competitivo, mas ainda há pessoas que não perceberam isso.

A tecnologia facilita a nossa vida, mas não devemos deixar que ela tire o nosso raciocínio e nos torne preguiçosas.

Quanto mais preguiçosa você for, mais no fim da fila vai ficar.

Eu costumo dizer para as pessoas que para se destacar aqui no Brasil é muito fácil.

Basta você fazer o que tem de fazer e você já estará à frente da maioria.

Agora, se você fizer um pouco mais – só um pouquiiiiiiinho – você já vai estar muito além da maioria.

Percebi isso quando trabalhei em outros países, como Inglaterra e Israel.

Nesses lugares a maioria das pessoas já era bastante competente e tive de me esforçar para me igualar.

E, por mais que eu não fosse nativa, ninguém ligava a mínima quando eu não entendia alguma palavra, mesmo que fosse uma gíria.

Eu tinha de me virar para entender (ou ia ficar boiando!).

Além disso, havia uma competição para ver quem fazia melhor, em menos tempo e de uma forma mais criativa.

Aqui, parece que a briga é para ver quem ganha mais fazendo menos…

Por isso, ajude a si mesma e não tenha preguiça.

Afinal de contas, quem vive na base da preguiça nem ajuda consegue receber!

Para ler as reflexões anteriores, clique abaixo.

Dia 1 – Tempo para pensar

Dia 2 – Andar a segunda milha

Dia 3 – Cuide da sua vida

Dia 4 – O que as dúvidas causam

Dia 5 – Não se perca pelo caminho

Dia 6 – O que o mimimi faz por você?

Dia 7 – Eu sei o que fazer, mas como faço?

Dia 8 – Caráter, intenção e conduta

Nos vemos amanhã!

Jornalista, especialista em finanças, autora de 5 best-selleres, colaboradora dos programas Mulheres (TV Gazeta) e Escola do Amor (Record TV). Colunista do portal R7 e youtuber.

  • Patrícia, bom dia,

    Um excelente texto, concordo totalmente!
    Percebo isso no meu dia a dia!
    Beijos e bom final de semana!

  • Ai, Paty, dei risada agora! Mesmo chamando nossa atenção, vc é divertida! Adorei tb aquele seu vídeo respondendo às 5 mais frequentes perguntas. Eu concordo com vc com relação à maternidade. Por isso que saí da empresa que trabalhava na época em que meu filho tinha 1 ano. Não estava dando certo. Me ferrei financeiramente (pq não tinha a cabeça que tenho hoje – só para vc ter uma ideia, 14 anos depois eu ainda não consegui ganhar o salário que ganhava na época que saí da empresa e não foi por falta de trabalho, mas de como eu lidava com o dinheiro). Mas, pude dar ao meu filho uma coisa que dinheiro não compra: minha presença como mãe em todos os sentidos. Cada um tem uma missão na vida. Vc pode não ter um filho biológico, mas tem seus seguidores atrapalhados, que precisam de orientação e muita paciência! rsrsrsrs Bjos!

  • Pt,
    Eu poucas palavras voce disse tudo e a verdade da nossa raça brasileira. Parabéns

  • Muito bom Patricia, pura verdade! Obrigada por compartilhar conosco.

  • Bom dia, Patrícia!!
    Infelizmente e uma realidade, se pessoa tem preguiça de responde um pergunta simples no ZAP , imagina ajuda a uma pessoa dessa.

  • Falou e disse Paty, infelizmente encontramos com muitas pessoas assim.

  • Patrícia, seus posts me ajudam a amadurecer. Não tenho uma roda enorme de amigos, mas como conversei com meu esposo, busco pessoas de carácter, fortes e corajosas para serem meu referencial, mesmo que não tenha ainda a oportunidade de conviver com essas pessoas. E você é uma delas. Obrigada. Vamos pra cima!

  • Patrícia boa tarde você é ótima rsrsrs nas respostas parece que estou me vendo kkkkk.
    Estou amando cada post obrigada por contribuir para o meu crescimento que sejas sempre iluminada pelo nosso Deus. Bjs.

  • Ola Patrícia, gosto dos seus ensinamentos, nao consigo acompanhar tudo, parabéns pela dedicação e obrigada por nos ajudar. Ainda não estava acompanhando a série, mas amei este texto sobre a preguiça. A gente vê muito disso mesmo.

  • kkk nossa, nem sei se rio ou se choro!!! A preguiça realmente é terrível.

  • “Eu costumo dizer para as pessoas que para se destacar aqui no Brasil é muito fácil. Basta você fazer o que tem de fazer e você já estará à frente da maioria. Agora, se você fizer um pouco mais – só um pouquiiiiiiinho – você já vai estar muito além da maioria.”

    Olá Paty, achei muito interessante as frases supra citas. Eu gostaria de ter essas oportunidades que as pessoas tem aí no Brasil tem e não sabem aproveitar. Hoje em dia, aqui no meu País (Moçambique) já começa a ter alguma abertura para dar oportunidade as pessoas principalmente os jovens e em particular as mulheres mais é uma guerra tremenda para conseguir, as pessoas lutam, madrugam, correm atrás para garantir um pouquinho. È claro que existem preguiços mas de um modo geral há o espírito de batalha. Sem querer nós vangloriar quando um individuo do meu país saí para o estrangeiro, para estudar ou por qualquer outra razão ouvimos notícias de que a pessoa tem se destacado. Creio que por causa de a vida aqui ser extremamente dura com elas, já tem o espírito de luta e batalha.

    • Sem dúvida! Quando a pessoa é batalhadora qualquer fresta que se abre ela transforma em uma porta! Bjs

  • Oi Patrícia,

    Sempre que tem algo novo no blog recebo um e-mail avisando, vou confessar que devoro os posts e que isso facilita muito nossa vida. Seus conteúdos são maravilhosos e amo lê-los, porém não fica por ai… devemos estar em uma busca constante para nos aperfeiçoar, aprender e crescer. Depende da nossa vontade e interesse… obrigada por nos ajudar a pensar cada dia mais, sobre nós mesmos. Bjs

  • Olha Pati, que Deus continue de dando paciência para ensinar! Cada vez mais está mais difícil tentar ensinar algo de bom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *