Sim, você está em guerra, quer queira, quer não. Cabe a cada um escolher se vai lutar para vencer ou se esconder! É guerra!

Você está em guerra!

Às vezes a gente pensa coisas do tipo:

“Por que tudo tem de ser tão difícil?”

“Por que ninguém apoia quando fazemos escolhas certas?”

E a resposta é: porque estamos em guerra!

O mundo está tão mergulhado em viver no erro que, quando fazemos o certo, declaramos guerra ao errado.

Simples assim:

Se você não bebe antes de dirigir, você “ofende” quem faz isso, afinal, “o que é que tem beber socialmente e pegar o carro?”

Se você não mente, mesmo que se prejudique, vira uma ameaça para quem mente, pois a pessoa verá que você não irá encobri-lo.

Se você faz o seu melhor, vai incomodar – e muito – quem pratica a lei do mínimo esforço.

Quanto a isso, nem eu e nem você temos escolha.

O mundo é assim e, segundo minhas expectativas, a tendência é piorar…

E por que eu creio que vai piorar? Porque as pessoas estão buscando o caminho mais fácil em tudo.

Por exemplo: se alguém ofende, querem calar o ofensor e não aprender a lidar com a ofensa.

E antes que a turma do mimimi apareça, aqui vai um recado:

NÃO SOU A FAVOR DA OFENSA!

Mas não posso ignorar que ela existe – e sempre existirá – e que é preciso aprender a lidar com ela e não querer dar uma de justiceiro.

Nós não estamos na era da tolerância e de aprender a conviver com as diferenças?

Ou será que estamos no velho oeste, onde o xerife pode “queimar” quem sai da linha?

Mas o que temos visto é a opção pelo caminho onde nenhum esforço é exigido.

  • Se o filho vai mal na escola, lá estão os pais para passar um sermão no professor que “não ensinou direito”. E claro que irão jogar na cara do tal professor que “pagam caro” e que podem mudar de escola a qualquer momento.
  • Se o filho recebe uma chamada de atenção do chefe, lá estão os pais aconselhando que peça demissão, pois ele “não precisa disso”. E claro que antes de sair da empresa mandam o filho falar “poucas e boas” na cara do tal chefe, se possível, na frente de todo mundo.
  • Se o filho quer fica horas no vídeo game, lá estão os pais comprando mais jogos, pois ele “não está fazendo mal a ninguém” e, ainda por cima, fica em casa “em segurança”. Mas a verdade é que os jogos são um alívio para esses pais, porque quando o filho está hipnotizado no computador não dá trabalho nenhum!

Isso se aplica a tudo, não só à relação de pais e filhos.

Porém, o que quero dizer é que, com uma geração sendo criada assim, o que esperar do futuro? Melhora? Acho que não…

Nessa guerra que é o nosso dia a dia, a maioria das pessoas está se escondendo em vez de lutar.

O problema é que, enquanto se escondem, não aprendem – e nem ensinam – a lutar.

Mas a questão é que, cedo ou tarde, seu esconderijo será descoberto e ela vai pagar caro por não ter encarado a batalha antes.

Portanto, saiba que você está em guerra e que, quanto mais tenta fugir dela, mais vai sofrer daqui para frente.

Você pode lutar, todos podemos. Basta saber se tem disposição!

Para ler as reflexões anteriores, clique abaixo.

Dia 1 – Tempo para pensar

Dia 2 – Andar a segunda milha

Dia 3 – Cuide da sua vida

Dia 4 – O que as dúvidas causam

Dia 5 – Não se perca pelo caminho

Dia 6 – O que o mimimi faz por você?

Dia 7 – Eu sei o que fazer, mas como faço?

Dia 8 – Caráter, intenção e conduta

Dia 9 – Preguiça até para receber ajuda

Dia 10 – Finanças e relacionamento afetivo

Dia 11 – Não venda a verdade

Dia 12 – Aja diferente, faça a diferença

Dia 13 – 12 regras para a vida

Nos vemos no próximo post!

Jornalista, especialista em finanças, autora de 5 best-selleres, colaboradora dos programas Mulheres (TV Gazeta) e Escola do Amor (Record TV). Colunista do portal R7 e youtuber.

  • Olá Patrícia, esta frase “Mas o que temos visto é a opção pelo caminho onde nenhum esforço é exigido.” Eu vejo claramente sendo utilizada nas escolas. Sou professora na Educação Básica e sinto um descaso muito grande das famílias com a Educação de seus filhos. Então, realmente fica a pergunta: O que esperar desta geração que não se esforça? Entrega a luta antes mesmo da primeira batalha? Que Deus nos dê sempre Coragem e esforço na realização de nossos objetivos.
    Obrigada pela reflexão.
    Um grande abraço.

    • Olha, Flavia, eu acho a sua profissão uma das mais desafiadoras nos dias de hoje. Porque nenhuma criança se esforça sem estímulo e, enquanto vc tenta estimular para que elas se esforcem, os pais dizem que não precisa… Que Deus lhe dê muita sabedoria, paciência e disposição! Beijos

  • Quando vc disse: “Se o filho vai mal na escola, lá estão os pais para passar um sermão no professor que “não ensinou direito”. E claro que irão jogar na cara do tal professor que “pagam caro” e que podem mudar de escola a qualquer momento”; vejo isto na classe da minha filha. Hoje no WhatsApp das mães, uma mãe quis “acabar” com a professora pq ela entregou um lembrete do 4º ano para a filha ao invés do 3º ano. Daí minha filha viu e disse que foi a menina quem pegou o lembrete errado. Como pode? A culpa sempre é dos outros e nunca nossa.
    Paty eu poderia ficar horas lendo os seus posts de tanto conteúdo e sabedoria neles. Parabéns e um grande abraço!

    • Meu Deus… Tenho pena dessas crianças! Obrigada por comentar 🙂

  • Oi, Patrícia! Post maravilhoso!
    Essa semana aconteceu exatamente isto comigo. Só porque discordei da pessoa, ela disse que eu era boba, tosca, que estava falando bobagens. Perguntei a ela onde estava a tolerância tão pregada atualmente, disse a ela que, pelo menos, respeitasse a mim, já que não concordava com meu ponto de vista. Sabe o que aconteceu? A pessoa me pediu pra não falar com ela nunca mais. 🤷 Já imaginou se todo mundo resolver agir assim: “Ah, você não concorda com minha opinião? Então não fale mais comigo!”. Onde vamos parar?

    • Nesse caso é melhor que vc não fale mesmo. Não se joga pérolas aos porcos…

  • Patricia, parabéns por expor verdades com tanta coerência. Sempre acreditei que a verdade é o caminho para sair da guerra e as vezes perdemos a disposição pelo caminho. Nao mudar suas verdades facilitará reencontrar a disposição.

  • Bom dia, Patrícia!
    Lendo seu texto lembrei que ontem, na feira, tive medo de um pai violento…..
    Eu estava comprando uvas e bem ao meu lado um menino beliscando uma, outra, outra, outra e outra…. me incomodei tanto porque o dito pai estava ali e nem se preocupou com o roubo do pequeno…. Eu disse para o menino: “Hei! Que tal parar com isso?”…. ele sabia que estava errado, ah, ele sabia, sim! O tal pai começou a defender o pequeno com palavras absurdas a meu respeito? Eu engoli seco, indignada! O menino estava roubando, sim!
    Que tipo de família é essa?
    Andar na contramão é assim, continuo disposta a me manter firme nessa guerra! Não vou fechar os olhos!

  • Muito bom. Eu n tive disposiçao e acabei saindo de uma faculdade onde era tutora. Alunos desinteressados, conversavam demais, saiam da sala quando queriam etc. Acho que não soube contornar a situação, desanimei.

  • Sim, estamos em uma guerra constante e infinita, e a nossa única opção é aprender a lutar para sobreviver!

  • Verdade!!
    Essa realidade de escola eu conheço bem! Fui demitida de uma escola porque não aceitei (com muita educação) ensinar uma disciplina que não estava apta para lecionar. Não era da minha area. O conhecimento que eu tinha era muito básico para as necessidades que as crianças teriam. A dona não me entendeu e me colocou para fora me dizendo desaforos. Fui humilhada só por ter dito que não dava para mim. Já vivi e presenciei muitos outros abusos, falta de respeito e educação em ambientes de ensino. Em outros âmbitos também.

    Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *