Você já passou pela falta de apoio de terceiros? O que devemos fazer quando precisamos que as pessoas confiem em nós, mas não temos retorno?

O que fazer quando há falta de apoio

Não são poucas as pessoas que abandonam seus objetivos por causa da falta de apoio de terceiros.

Recebo diversas mensagens, principalmente de mulheres e jovens sobre essa questão.

Na maioria das vezes, as mulheres reclamam da falta de apoio dos maridos.

E, quanto aos jovens, reclamam da falta de credibilidade das empresas para lhes oferecer o primeiro emprego.

Isso realmente existe, inclusive, cito uma pesquisa da Harvard Business Review no meu livro Lugar de mulher é onde ela quiser sobre a falta de apoio dos maridos.

Porém, é preciso entender que tudo tem dois lados.

O objetivo deste post não é generalização, mas apenas levar você a uma reflexão.

Pode ser que você esteja cometendo algum desses erros e, por isso, acabe ficando estagnado.

Portanto, tenha a mente aberta para fazer essa autoanálise!

Por que muitos jovens não têm oportunidade no mercado de trabalho

O que tenho visto é que um grande número de jovens quer que as empresas se adaptem a eles e não eles às empresas.

Pode parecer um discurso muito bonito o “têm de me aceitar como eu sou”, mas na prática, não é assim que as coisas funcionam.

É a empresa que recruta, contrata e paga os salários, portanto, é ela quem define as regras e não o contrário.

E não adianta querer que o governo resolva a questão do desemprego em uma canetada, criando leis para obrigar as empresas a fazerem o que não querem.

Por exemplo: legalmente não é permitido que as empresas recusem um candidato porque ele tem o nome sujo.

Porém, se a empresa dispensa o candidato por isso, pode alegar qualquer outra coisa: “não tem o nosso perfil”, “buscamos uma pessoa bilingue” ou um simples: “já preenchemos a vaga, obrigado”.

Por isso, é importante que os jovens saibam que precisam fazer a lição de casa antes de tentarem uma vaga.

Aqui vão algumas dicas:

  • Conhecer a história da empresa
  • Adaptar-se a ela no que se refere a postura, linguagem e vestimenta
  • Ter um objetivo definido para o trabalho que não seja apenas “pagar as contas”
  • Demonstrar interesse pelo trabalho
  • Expor como pode contribuir para o crescimento da empresa e não apenas o seu próprio

Pode parecer óbvio (e é mesmo), mas hoje em dia é muito difícil para alguns jovens se interessarem pelo passado, se adaptar a regras, ter objetivos de médio prazo, ter interesse por algo e pensar no próximo.

Infelizmente, muitos jovens se acomodaram em esperar as coisas caírem do céu alegando que a culpa é do mercado.

Mas, você que é jovem e se dignou a ler até aqui, pense:

Será que os seus pais tiveram as oportunidades que você tem hoje?

Eles estudaram numa escola melhor que a sua?

Tiveram uma casa na infância melhor do que a que vocês moram hoje?

Vestiram roupas ou tiveram tantas coisas como você tem hoje?

Pode ser que não seja falta de oportunidade, mas de postura adequada de sua parte.

Você não precisa concordar comigo (já que agora é regra discordar).

Mas apenas pense, afinal, é o seu futuro e não o meu.

 

A falta de apoio para as mulheres

Vou ser bem direta:

Quando você depende do apoio dos outros, você entrega o controle da sua vida nas mãos deles.

Acho que já disse tudo!

Ter apoio de terceiros é ótimo e eu conheço os dois lados da moeda.

No passado não tive apoio algum, ao contrário, só críticas e cobranças por resultado.

A cada erro eu ouvia horas e horas de coisas do tipo “eu falei, eu te avisei, você é teimosa, tem mesmo que quebrar a cara!”

Sim, eu já ouvi tudo isso e é muito difícil.

Mas quando decido que ninguém ia controlar a minha vida, fui em frente assim mesmo.

Então, amiga, vá em frente.

A sua vida é sua e o controle sobre ela nem Deus tira de você.

Há alguns dias fiz uma live sobre o mercado de trabalho para a mulher.

Clique aqui para conferir o vídeo!

 

 

Confira os desafios anteriores

1 – 21 dias de boas notícias

2 – Limpeza digital

3 – O que fazer com o tempo livre

4 – O efeito da Bíblia no cérebro humano

5 – Novo normal ou fora do normal?

6 – Livre-se do medo

7 – Como estão seus pensamentos

8 – O menino engraxate que encantou o país

 

Confira o próximo desafio

10 – Por que as pessoas não têm confiança em você?

Cadastre seu e-mail e não perca nada!

Você receberá uma notificação a cada nova publicação.

 

 

 

 

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Boa tarde! Lendo esse post descobri que cheguei aos 59 anos e a única vez que pedi autorização p trabalhar foi com 12 (doze) anos, pois queria trabalhar em um banco de feira da irmã da minha amiga, e meu pai deixou, fiquei mt feliz, foi meu primeiro emprego de mts que tive ao longo da minha vida, sempre decidi sozinha a minha vida, independência me define, principalmente a emocional. Hj tenho uma estética e trabalho sozinha, já sou aposentada, mas amo trabalhar, ñ consigo parar rsrsrs…tmb nunca tentei. Um grande abraço, estou amando o detox de 21 dias, ansiosa esperando meu livro “virada financeira” .

  • A sua vida, é sua e o controle sobre ela, nem Deus tira de você……é verdade…Livre-Arbítrio.

  • Interessante esse assunto sobre as oportunidades de trabalho.

    Eu trabalha de empregada doméstica e babysitter, mas com o passar do tempo fiquei farta desse trabalho, queria fazer algo diferente e não sabia o que e onde trabalhar.

    Minha ex-patroa me despediu e eu fiquei no fundo de desemprego.

    Então, eu encontrei com uma amiga que trabalhava num departamento de rádio, e eu falei pra ela se havia a possibilidade de apenas eu aprender.

    Veja que não pedi trabalho, eu me ofereci para trabalhar de graça.

    Olha como as coisas aconteceram!

    Ela falou para o responsável de mim, passado uns dias ele me procurou e me disse assim:

    Olha eu não posso ter alguém aqui só aprendendo sem estar trabalhando com contrato, pois eu posso ter problemas se chegar uma fiscalização, mas eu estou precisando de alguém que cubra as férias do pessoal em novembro e dezembro, você quer?

    Eu aceitei na hora, abri mão do subsídio e agarrei a oportunidade.

    Dei o meu melhor, aprendi tudo o que eu podia, sabe o que aconteceu?

    Gostaram de mim, ficaram comigo mesmo sem estar precisando, pois o pessoal todo voltou das férias e foram me mantendo ali…

    Passado 7 meses eu fui enviada para ficar responsável de um departamento numa outra cidade sozinha, e fiquei nessa empresa por 7 anos.

    Eu aprendi muita coisa ali, e não fiz faculdade, não fiz curso nenhum.

    Sabe Patricia, as pessoas precisam aprender a criar as oportunidades e não ficar esperando cair do céu.

    Um grande abraço pra você!

  • Patrícia, boa tarde! Meninas, boas tarde!
    “Quando você depende do apoio dos outros, você entrega o controle da sua vida nas mãos deles.”
    Viver uma situação assim é desesperadora. Se o marido não apoia a esposa, ela que puxe o fôlego e siga em frente. Vamos ver se ele consegue suportar o brilho da amada quando ela estiver fazendo sucesso! (esta eu copiei da Rossana Lira, uma professora incrível!)

  • Uau!! Ainda hoje eu estava falando sobre a falta de apoio na minha empresa para estudantes.

    E falando da minha necessidade de tomar as rédeas da minha vida.

    Se eu recebi um “não”, preciso ir atrás do que é essencial pra mim, então vou insistir mais um pouco, e não simplesmente aceitar um “não” e ficar vivendo a mercê das decisões de quem quer os meus serviços e quer que eu fique para sempre nesse mesmo cargo.

    Enquanto me derem um “não” e eu aceitar essa decisão, não chegarei aonde quero.

    Vou exigir meus sonhos, de mim mesma! Estou aprendendo a me ouvir e ir atrás do que eu quero.

    Amei seu texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *