Na semana passada viralizou nas redes o vídeo do menino engraxate que juntou dinheiro para comprar um presente para o pai. Vamos aprender com ele?

O menino engraxate que encantou o país

No vídeo abaixo, um menino de 10 anos trabalhou como engraxate e, com os 30 reais que conseguiu juntar, foi a uma loja comprar um relógio.

Se você ainda não assistiu (ou quer rever), veja antes de continuar a leitura.

Além de emocionar muita gente, a atitude do menino, gravada pelo dono da loja, trouxe também uma reflexão necessária.

A nossa sociedade, muitas vezes, considera a presença dos pais desnecessária.

Inclusive, muitas mulheres pregam que são autossuficientes como mães e que o pai não faz diferença na criação dos filhos.

É uma situação bem triste, ainda mais porque tratam-se de pessoas definindo o que é melhor para outras.

Além disso, ao terem sua presença desmerecida, muitos pais acabam abandonando os cuidados com os filhos, o que também é lamentável.

Atitudes como essas, consideradas modernas e “normais” contribuem para a desconstrução da família, a célula base da sociedade, e os resultados estão aí para quem quiser ver.

Mas ver a admiração desse menino pelo pai, é como uma lufada de ar fresco em meio a tanto descaso com a figura paterna.

Esse post não é para culpar as mães que criam seus filhos sozinha, muito pelo contrário, é para que todos nós venhamos nos lembrar que é preciso um pai e uma mãe para trazer uma nova vida a este mundo.

Portanto, não é justo que a educação de um filho – que é algo extremamente desafiador – recaia apenas sobre as mães.

Porém, a nossa sociedade, as novelas, a publicidade e a mídia em geral, sem que a gente se dê conta, vem ao longo dos anos excluindo e menosprezando a imagem dos pais.

Ao mostrar uma imagem falsa e romanceada da mulher como um ser sobrenatural, capaz de ser uma super profissional, estar linda desde a hora que acorda até a hora que vai dormir e que pode ser uma super mãe sem precisar da ajuda de ninguém, tem feito as próprias mulheres pagarem muito caro.

E a maior cobrança sabe de quem surge? Das próprias mulheres!

É comum que outras mulheres digam a uma mãe que ela pode fazer tudo sozinha e que criança não precisa de pai.

Mas a verdade é que, por mais que a sociedade queira parecer moderna, há coisas que não mudam (ou não deveriam).

Criança precisa de mãe e de pai.

Filhos precisam admirar seus pais, pois é deles que recebem as maiores influências, seja para o bem o para o mal.

Um filho que admira seu pai, como o menino engraxate, mostra uma índole amorosa e respeitadora, o que, infelizmente, é raro de se ver hoje em dia.

Que tenhamos mais meninos e meninas como esse!

 

Confira os desafios anteriores

1 – 21 dias de boas notícias

2 – Limpeza digital

3 – O que fazer com o tempo livre

4 – O efeito da Bíblia no cérebro humano

5 – Novo normal ou fora do normal?

6 – Livre-se do medo

7 – Como estão seus pensamentos

 

Confira o próximo desafio

9 – O que fazer quando há falta de apoio

Cadastre seu e-mail e não perca nada!

Você receberá uma notificação a cada nova publicação.

 

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Bom dia! Verdade, a figura da mãe que faz também o papel de pai está cada vez mais presente na nossa sociedade e meio que torna-se uma coisa “nomal”, mas sabemos que a figura do pai é extremamente importante para o desenvolvimento emocional da criança. Um grande abraço.

  • Verdade Patricia!

    Muitas pessoas não tem a noção
    de como uma criança sofre quando há separação dos pais.

    Eu fui uma delas, o meu pai separou da minha mãe quando eu tinha uns 3 anos não me recordo exatamente.

    Isso gerou dentro de mim com o passar dos anos muita revolta, ódio da minha mãe, carência e muita tristeza.

    Eu fui uma criança que sofri muitos anos calada, ninguém sabia da minha dor, eu não partilhava a minha vida com a minha mãe, tudo eu guardava dentro de mim.

    Quando chegava o dia dos pais para mim era a pior data do ano, pois quando eu via os meus coleguinhas entregando o desenho que tinha feito na sala de aula para entregar aos seus respectivos pais, eu não tinha o meu para entregar…

    Os pais iam na escola buscar seus filhos e eu não tinha o meu presente, sempre fui e voltei sozinha da escola.

    Aquilo me doía muito, mas muito mesmo.

    O pai e a mãe que se divorciam eles pensam no que é bom para cada um, mas normalmente não pensam nas consequências que esse divórcio vai causar nos seus filhos.

    E a fatura ela chega e é bem cara.

    Fui crescendo com esse turbilhão de sentimentos guardados e tudo foi piorando, cada vez eu era mais rebelde, agressiva, já ninguém podia mais me dominar.

    Comecei a namorar muito cedo, por volta de 12 anos, naquela altura era só ficar, e eu me envolvia com muitos rapazes, eu não conseguia ficar sozinha, a carência era tão grande que eu tinha uma necessidade enorme de ter alguém.

    Passado alguns anos a minha mãe arranjou outra pessoa, se casou e quem disse que eu aceitei a decisão dela! mais ódio eu senti da minha mãe, na minha cabeça eu queria e tinha a esperança que um dia os meus pais iriam voltar.

    Lembro que eu tratava muito mal o meu padrasto, eu humilhava ele de todas as formas, hoje eu o admiro, pois ele teve muita paciência comigo, eu não era fácil.

    Aliás esse é outro ponto importante, a pessoa que entra em um relacionamento onde ja existe filhos de relacionamentos anteriores, precisa estar ciente e preparada porque normalmente a criança não administra muito bem essa chegada de alguém novo no pedaço.

    Outra questão que vejo nos dias de hoje são mulheres se orgulhando dizendo: Eu sou o pai e mãe dos meus filhos!
    Desculpe a franqueza, mas a minha mãe só pode fazer o papel de mãe, de pai nunca conseguiu fazer, ela é mulher como fará o papel que é do homem?

    Essa conversa fiada não existe, as crianças precisam sim do pai e da mãe presente.

    Bom, resumindo e concluindo tudo o que sofri é passado, pois foi superado, hoje eu amo a minha mãe, o meu pai, a família dele, os meu irmãos por parte de pai, nos damos muito bem graças a Deus.

    Um abraço pra você linda Patrícia!

  • Impossível não chorar com a atitude do menino! E as palavras do relojoeiro sobre a vida do pequeno certamente farão que ele se torne um grande homem!
    Família é composta de pai (homem) e mãe (mulher) e nada, nada, nada poderá mudar isso porque o próprio Deus assim definiu!
    Obrigada, Patrícia, por tornar este vídeo mais forte ainda em nossa mente! Vi ontem na televisão e pensei que você poderia, mesmo, atentar para ele – que é algo muito bom – e transmitir a nós, suas blindetes!

  • As mulheres que criam os filhos sozinhas se consolam com essas frases de super mãe mas na verdade elas precisam do apoio do parceiro que anda fugitivo da responsabilidade que em algum momento cansa viver recorendo a justica .

  • Patrícia,
    Muito obrigada por compartilhar essas informações, é de extrema importância assuntos como esse, ontem assisti com meu esposo o filme Corajosos, no Univer, maravilhoso filme, retrata essa importância que os pais tem na vida dos filhos.
    Alexandra

  • há coisas que não mudam, as crianças precisam sim do pai e da mãe presente

  • Concordo! Um filho necessita de um pai e uma mãe 🙌🏼🇧🇷 ♥️🇵🇾

  • Eu até entendo o que quis mostrar com a história da atitude do menino. Tipo ele poderia estar roubando mas estava trabalhando pra presentear o pai.
    Mas não vi ninguém se preocupar com o outro lado da questão:
    Primeiro ponto o que de maravilhoso tem ver uma criança de apenas dez anos, na rua sozinho, trabalhando e arriscando a própria vida pra ter dinheiro? Eu chorei por não conseguir imaginar meu filho ter que passar por algo assim pra ter dinheiro…
    Segundo ponto seu tá separado da mãe? Onde está seu pai? E onde está sua mãe? Eles vivem na rua? Eles tem trabalho, tem o que comer dentro de casa? Como vive essa família?
    Alguém com condições, se preocupou em ir lá saber e verificar a situação toda desse menino?
    Do porquê dele estar engraxando sapatos e não pensando só no dia dos pais, mas na situação toda que essa criança tá vivendo…
    Deixo está reflexão a ser realizada a todos…
    Eu realmente não consigo ficar em paz vendo que todos acham lindo uma criança passar por isso… Nós temos de antigamente onde nossos filhos ficavam na rua e não havia tanta maldade e crueldade no mundo, até concordo ensinar desde pequeno aprender a dar valor ao trabalho, mas o mundo mudou pra pior, não dá pra fechar os olhos para as coisas ruins que colocam em riscos tantas vidas inocentes.
    Óbvio que que não podemos viver presas ao medo, mas uma criança de dez anos merecia uma vida melhor…
    E outra coisa que falaram sobre a falta que faz um pai, não vamos esquecer que nem todo pai realmente faz falta, existem pais que não dá pra conviver em harmonia, por isso mães são obrigadas a separarem.
    Um ambiente cheio de brigas, agressões, traição, alcoolismo ou drogas , quantas mães passaram por tudo isso pra “manter um pai presente” e os filhos muitas vezes não entendem ou pela pouca idade, ou por só verem seu lado e por falta de conhecimento de tudo que suas mães passaram.
    Só é possível ter pais presentes quando o mesmo sabe se comportar como pai, sabe manter o respeito pela mulher e mãe, sabe dar um bom exemplo aos filhos.
    Infelizmente existem homens que não sabem ser pai, não assumem suas responsabilidades, não querem ser pais. Ou ainda pior existem pessoas que só pensam em usar os filhos pra distruir a outra parte tanto pais quanto mães.
    É triste mas o ser humano precisa de direcionamento, caminhar com Deus no coração pra evitar famílias destruídas.
    Infelizmente a falta de respeito a palavra de Deus é a causa do mundo estar como está…

    • Suely, se esse fosse o único menino a estar na rua sozinho seria muito fácil resolver o problema. Isso sempre existiu e sempre vai existir. A cidade onde ele mora não é como SP ou Rio, tem uma certa segurança e todo mundo se conhece.
      O pai do menino o abandonou e ele comprou o relógio para homenagear o tio que o cria, mas que é bastante pobre. O menino é grato a esse pai (o único que ele conhece e que se preocupa com ele) e foi trabalhar para comprar um presente. Acho que essa gratidão merece ser louvada em uma época que filhos simplesmente odeiam seus pais, esse foi o ponto principal do post.
      Famílias destruídas sempre haverá e não há o que possa ser feito, pois é uma escolha das pessoas que acham que casamento é bobagem e fazem filhos irresponsavelmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *