O termo da moda agora é o “novo normal”, mas de tudo o que ouvi sobre isso, nada me pareceu muito bom, então optei pelo fora do normal. Saiba o que é!

Novo normal ou fora do normal?

Com a chegada da pandemia que mudou a rotina de vida praticamente do mundo inteiro, muito tem sido dito sobre um “novo normal”.

Trabalhar em casa por tempo indeterminado, esquecer as viagens, usar máscara, lavar as mãos dúzias de vezes por dia.

Essas são apenas algumas das novas atitudes que a quarentena nos trouxe e que todos estamos seguindo, porém….

Não é porque estamos vivendo uma situação anormal, que pede medidas especiais, que devemos achar que tudo o que estamos vivendo é normal.

Não é normal que avós não possam abraçar seus netos.

Ou que tenhamos que viver afastados de todo mundo.

E nem que segurança é algo que só teremos dentro de casa.

Não, nada disso é normal.

Mas, você pode estar pensando: que diferença faz se é normal ou não se é o que temos para hoje?

E a resposta é: MUITA diferença.

Isso porque nós não devemos condicionar a nossa mente a aceitar o anormal como normal.

Quando você acha que uma vida cheia de restrições como estamos vivendo é normal, você troca a liberdade pelo medo, a sensibilidade pela indiferença.

Aliás, vale uma ressalva: não estou dizendo que você deve agir de forma contrária às regras!

Ao contrário, você deve obedecer todas as determinações, porém, aceitar como normal é algo totalmente diferente.

Não, não é para sempre!

Tenho ouvido pessoas dizerem que, mesmo depois da pandemia, não vão mais voltar ao trabalho por ter muita gente junta, que não vão mais permitir que os pais idosos saiam de casa, que os filhos vão estudar à distância e não voltarão à escola.

É óbvio que cada um é livre para fazer o que quiser, mas uma vida centrada no medo não pode ser considerada normal…

Sair de casa é um risco. Começar um curso é um risco. Empreender é um risco. Sabe por quê?

Porque viver é um risco!

O que precisamos fazer é não esquecer – mesmo vivendo dias malucos – que esse não é o normal e nem deve ser o “novo normal”.

Eu prefiro manter o meu foco em me esforçar para ser alguém fora do normal, para obter resultados fora do normal e para inspirar pessoas de maneira fora do normal.

O mundo já anda medíocre demais para sermos apenas normais, concorda?

Vamos lutar para não aceitarmos o normal, nem muito menos o novo normal, mas sim, para sermos pessoas fora do normal!

 

Confira os desafios anteriores

1 – 21 dias de boas notícias

2 – Limpeza digital

3 – O que fazer com o tempo livre

4 – O efeito da Bíblia no cérebro humano

 

Confira o próximo desafio

6 – Livre-se do medo

Cadastre seu e-mail e não perca nada!

Você receberá uma notificação a cada nova publicação.

 

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Eu precisava ler isto. Me dei conta de que, sim, minha rotina tem se baseado no medo, aceitando tudo sem questionar em nome do “novo normal”. Agora mesmo minha mãe viajou (respeitando todas as regras que a situação atual exige) e eu, que inclusive tô de férias, não quis ir por medo (mesmo sabendo que poderia viajar). Eu tô tão feliz de ter lido esse texto, sério mesmo! A impressão que tenho é de que alguém veio aqui e me abriu os olhos. Amo seu jeito direto de falar. Obrigada por compartilhar tanto com a gente!

  • Isso mesmo! Não é porque todos estão dizendo isto que simplesmente devemos aceitar. Ter cuidado, todos devemos ter e com tudo e em qualquer momento, mas deixar a vida estagnada não é normal.

  • Sim……eu concordo…….O mundo já anda medíocre demais para sermos apenas normais.

  • Patrícia, boa noite!
    Obrigada por transmitir recado tão importante! Tudo é um risco, mesmo…. é à medida que avanço os resultados extraordinários chegam!! Então é “não pagar prá ver”, mas viver!!

  • Esse novo normal tem custado muito caro com tantas pessoas perdendo seus empregos e sua liberdade de ir e vir.

    • Infelizmente muita gente vai perceber tarde o erro que está sendo esse tal de #fiqueemcasa

  • Sabia que eu não era a única que não suportava e não via sentido nessa expressão “novo normal”. Realmente, muita gente vai acordar tarde demais. Mas como tudo no Brasil, é só procurar um culpado pra isso tudo é fugir das suas responsabilidades.

  • Reflito sobre isso todos os dias ! Normal no meu ponto de vista seria, Inspirar oxigênio e expirar gás carbônico livremente, sem máscaras de preferência. Cansada da mídia, enfiando guela abaixo esse “novo normal”. Precisamos estar atentos a tudo que ouvimos, e pensar e refletir, não podemos nos acostumar com certos hábitos que não são normais.

    • Exatamente! Nem respirar livremente podemos, pois a mídia incutiu tanto que nós podemos adoecer as demais pessoas que as próprias pessoas querem usar e exigem que o outro use algo que até agora NÃO houve consenso algum. Ver pessoas sozinhas dirigindo seus carros fechados e de máscara é ter certeza de que o medo que a mídia impôs funciona. Pensem: pessoa sozinha, dentro do carro fechado e de máscara… quer melhor exemplo de resultado de controle do que esse??

  • Para saber o que é normal e não é normal, é preciso primeiro aprender a pensar, questionar e no geral isso dá muito trabalho. E quando a pessoa faz isso, está indo contra a boiada, está na contramão do que todo mundo faz sem nem ao menos pensar no que está fazendo.
    Deus sempre nos instiga a pensar e refletir nossas ações e toda informação que chega até nós para não sermos enganados.
    Obrigada Patrícia por ser usada por Deus para abrir os nossos olhos!

    • Sim, Deus nos deu a dádiva do raciocínio, mas pouco têm usado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *