Você já ouviu sua mãe falar algo assim? Assuma suas responsabilidades, menina! Pois é, talvez você não tenha entendido a razão, mas no post de hoje vamos refletir sobre isso!

Assuma suas responsabilidades

Já falamos muitas vezes sobre responsabilidades aqui, mas hoje teremos um enfoque diferente.

Ontem assisti no YouTube um quadro de TV sobre defesa do consumidor.

Para que você entenda onde quero chegar, precisa entender o caso, que era o seguinte:

O pai foi financiar um celular para o filho que tinha acabado de arrumar o primeiro emprego, ou seja, o filho ainda não tinha crédito para fazer no nome dele.

Sendo assim, o pai foi passar o cartão para parcelar em 10 vezes sem juros, como tinham visto no anúncio da loja.

O celular custava R$ 1.999, ou seja, seriam 10 parcelas de R$ 199,90

Só que, chegando lá, a coisa mudou totalmente de figura…

O pai assinou uma porção de papéis (que nem ele e nem o filho leram) e recebeu um carnê com 18 parcelas de R$ 331.

Chegando em casa, o filho mostrou a compra para a mãe, mas ela quis ver o carnê.

A mãe ficou louca da vida por causa do gasto e fez as contas: R$ 5.958.

Por fim, ela mandou os dois voltarem lá para que a compra fosse cancelada.

Mas, não foi nada disso que aconteceu.

 

Quando a cabeça não pensa…

Os dois voltaram à loja, mas o vendedor deu aquele “enrolation” e disse que não podia cancelar etc.

Por isso os dois chamaram o programa de TV para ajudar a resolver a questão e a mãe não coloca-los para fora de casa!

Bom, o programa resolveu, claro! Afinal, chega com câmera, repórter etc. e loja nenhuma quer má publicidade…

Mesmo assim, é claro que a imagem da loja ficou arranhada, enquanto pai e filho saíram como “coitadinhos”.

Porém, é aí que quero chegar!

Coitadinhos por quê? Porque foram enganados?

Minha análise é a seguinte:

  • Se eles tinham visto 10 vezes sem juros no cartão, por que aceitaram pagar um carnê em 18 vezes?
  • Se eles já sabiam que era R$ 199,90 por mês, como aceitam um carnê cuja mensalidade era R$ 331?
  • Os dois sabiam ler, então por que não leram?
  • Os dois sabiam fazer contas, então por que não fizeram?

Isso sem falar que o menino tinha arrumado um emprego havia poucos DIAS, mas já estava fazendo uma compra para os próximos DEZ MESES.

Ele estava em período de experiência, ou seja, em questão de 45 ou 90 dias poderia não estar mais empregado.

E quem iria pagar o restante do financiamento?

Entendo perfeitamente que o objetivo do quadro de TV é defender o consumidor e isso foi cumprido, mas foi o próprio consumidor que se meteu numa fria por não assumir a sua responsabilidade na hora da compra.

E o que eles aprenderam? NADA!

E o que o expectador aprendeu? Que QUANDO FOREM ENGANADOS devem chamar o programa de TV!

Esse é o tipo de cultura que é difundido hoje: a cultura do coitadismo!

Ai, como eu detesto!!

Vitimismo e sucesso não combinam

Eles posaram de vítimas – o que realmente foram, nesse caso – mas eles permitiram que o vendedor espertalhão os enganasse porque não fizeram o que era responsabilidade deles.

O filho escolheu um celular cheio de recursos e que obviamente tinha uma calculadora.

Para que uma pessoa quer um celular de última geração se a cabeça não faz nem sequer uma multiplicação?

Se eles não tivessem tido a sorte de serem atendidos pelo programa, teriam perdido quase 4 mil reais por serem displicentes.

Por mais que a gente esteja rodeado de espertalhões, nós temos que assumir a nossa responsabilidade de NÃO PERMITIR SERMOS ENGANADOS.

Você sabe ler, então NÃO ASSINE NADA SEM LER.

Você sabe fazer contas, então NÃO COMPRE NADA SEM CALCULAR O PREÇO.

Você tem uma cabeça, então PENSE, pelo amor do seu dinheiro!

Para fechar:

  • Não seja vítima do que pode ser evitado
  • Não permita que lhe façam de vítima
  • Não se faça de vítima

Combinado?

 

VEJA OS DESAFIOS ANTERIORES!

DIA 01 – Desafio 30 dias sem compras – Começa aqui!

Dia 02 – Vença os obstáculos invisíveis

Dia 03 – Vença as lutas visíveis

Dia 04 – Vença as vergonhas financeiras

Dia 05 – Não é uma resposta completa

Dia 06 – Defina um objetivo e as lutas virão!

Dia 07 – Critérios para compras durante o Desafio

Dia 08 – A onda do empoderamento desempoderado

Dia 09 – Cuidado com as compras via internet

Dia 10 – Você foi programada para ser pobre

Dia 11 – Não te entendo, te ofendo

Dia 12 – Autoconhecimento é a palavra-chave para o sucesso

Dia 13 – Ilusão, fantasia e perda de dinheiro

Dia 14 – Viver sem crédito

Dia 15 – Fundo do poço para despertar

Dia 16 – Na seleção natural só ficam os fortes

Dia 17 – Projeção financeira, como fazer a sua

 

VÁ PARA O PRÓXIMO DESAFIO!

Dia 19 – Perseverar para vencer

 

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

 

Nos vemos amanhã!

Jornalista, especialista em finanças, autora de 5 best-selleres, colaboradora dos programas Mulheres (TV Gazeta) e Escola do Amor (Record TV). Colunista do portal R7 e youtuber.

  • Perfeito! É bem isso mesmo! As pessoas na ânsia de terem aquele bem vão aceitando tudo para ter o crédito liberado mais rápido e sair da loja logo com a nova aquisição. Não param pra pensar porque os vendedores são treinados para não deixar a pessoa pensar! Aí junta o filho que quer o celular a qualquer custo, o pai que quer agradar o filho e o vendedor que quer vender, pronto! Pensar pra quê? Parabéns pelos ótimos textos!

  • A cultura do coitadismo é péssima! E a tal história de que depois de 5 anos a dívida caduca? Quantas pessoas se endividam apoiadas nessa cultura absurda? Compram sem a menor responsabilidade acreditando cegamente que em 5 anos a dívida simplesmente some.

  • Bom dia, excelente reflexão, Paty. Adoro seus textos, leio todos, todos os dias. Meu dia não acaba, sem eu entrar no seu blog, alias, geralmente, ele começa por aqui. Que Deus continue, lhe iluminando cada vez mais. Um grande abraço.

  • É isso mesmo. No meu trabalho, tenho muita raiva de pessoas que assinam o Contrato de Prestação de Serviços sem ler e depois vem me questionar – “A vendedora não me falou sobre tal coisa”, daí eu respondo: “Mas você assinou o Contrato sem ler?” – ” era muito grande pra ler tudo, ela podia ter me falado”. 🙄

  • Muito verdadeiro! As pessoas têm preguiça de ler… aí acabam prejudicados e se consideram os ‘coitados’. A maioria dos problemas seria evitado se as pessoas se preocupassem em ler…algo tão simples né.
    Parece que gostam de complicar 🤷

  • É isso aí! Vamos ler tudo antes de assinar!!
    Depois não adianta chorar pelo leite derramado…

  • Concordo plenamente. As pessoas precisam achar uma justificativa para não assumir suas responsabilidades. A cultura do “coitadismo” acaba sendo conveniente. Obrigada pelo texto!

  • Para sair do vitimismo é importante desenvolver o espírito de responsabilidade. Tomando para nossa vida as dicas enumeradas neste post. Muitas vezes, a pessoa só olha para os benefícios e vantagem, mas por detrás disso é cheio de ratoeiras que só se apercebe muito depois (as vezes tarde demais). Exatamente por falta de auto-analise em relação ao que lhe é exposto.

  • Muito Bom
    Aprendei bastante, serviu de alerta para mim.
    No desejo e impulso de querer a mercadoria, colocamos a mercadoria em primeiro lugar, e não importamos a maneira de pagar, e onde entramos nas dividas.
    Tem um ditado que diz: quando a cabeça não pensa, o corpo padece.
    Bjs.

  • Caramba! Esse texto foi, como se diz aqui em Sergipe, de com força! Ontem eu li o contrato do financiamento da casa e pensei: pq eu fiz isso? 😭😭😭

  • É, já vi que aprender a lidar com as finanças é questão sobrevivência, de necessidade para qualquer pessoa, independente do seu nível social. Não é um requisito de luxo.

    Ainda estou impactada com o post de ontem. Repensando na minha vida em um todo rsrsrs… Ainda não comentei, mas vou comentar!!! 😀

  • Bom dia!!
    É as sintonias estão boas, kkk. Hoje quando eu estava vindo para o trabalho e nem tinha visto o meu email estava pensando sobre a falta de responsabilidade minha e a dos outros e como fazer para ser uma pessoa mais integra. E a resposta é deixar de ser vítima e ser protagonista, com humildade e coragem.

  • Concordo com sua colocação! E confesso nunca havia pensado por esse lado! Obrigada por compartilhar!

  • Concordo plenamente, top esse post, tem gente que parece que tem preguiça de pensar ou cuidar do próprio dinheiro. Não entendo, as pessoas trabalham duro para receber o salário e aí vão lá e gastam quase tudo em coisas desnecessárias e depois reclamam que na metade do mês já não têm mais dinheiro, como se o jeito que ela usa o próprio dinheiro, não fosse responsabilidade dela.

  • A gente chega até a loja e logo se ilude com as promoções mas quando vamos efetuar a compra o vendedor sempre vem com garantia extendida, seguro de quebra, seguro de furto e não sei mais o quê. Se não tomarmos cuidado saímos devemos muito mais do que pretendíamos e pior, saímos felizes KKK até que a ficha cai e a alegria vira desespero pela burrada.

  • Confesso que tô cansada, Paty.

    Nós não vivemos numa cultura que ensine autorresponsabilidade. O erro é sempre do outro, a culpa, a responsabilidade. Nada é com a pessoa. Quem tem que mudar é o marido, a empresa, o governo, nunca a própria pessoa.

    • Verdade! Mas vamos trabalhando para que isso melhore e, quem sabe, mude!

  • Ah Patricia,comigo aconteceu quase igual,meu celular custava 600,00 a vista mas preferi parcelar no carnê no nome de minha mãe,além da dor de cabeça na hora de aprovar a compra ,parcelei em 11 vezes ,em casa quando fui somar que vi a burrada que fiz o valor total foi de 1.120,00 o vendedor foi falando e eu só fui concordando,ah!e é um J2 tá? PRA NUNCA MAIS .😘

  • Bah! Perfeito! O bom desse blog é que a gente não lê o que QUER ler, mas o que PRECISA ler. E tapas na cara como esse são ótimos pro nosso futuro. Obriagda Patrícia. Excelente post!

  • Vivemos rodeados de tentações e nesse cenário os oportunistas de plantão entram em ação. E muita gente não resite aos ataques. Olha a ansiedade aí presente nas decisões impensadas.
    Vamos que vamos

  • Parabéns! Eu passo por isso, Meu filho quer tudo e diz que tem dinheiro guardado. Mas ele não pensa que tem prestações em meu cartão a longo prazo, o que significa não ter esse dinheiro guardado. Sempre estou alertando ele sobre as parcelas. Meu marido se empolga rápido também e as vezes não pensa no valor total e sim na prestação baixa. Muitas pessoas agem assim, infelizmente! beijos Paty

  • Excelente Patrícia! É tanta ansiedade p ter o objeto q nem pensa como pagar. Só se sabe q aquela parcelinha de R$ 199,00 cabe no bolso. Não se pensa em nada só na hora de pagar a primeira parcela ou a fatura do cartão.

  • Esse foi “de com força”, como se diz aqui em Sergipe!
    Segue o desafio!

  • Disse tudo, Patrícia… estamos muito vitimistas e dando desculpas para tudo.

  • Passei por algo parecido. Precisei trocar de aparelho e optei por um de 64GB. Pesquisei e fui na loja ciente do que queria e, na hora de assinar, quando vi o valor, questionei e pedi para ler o contrato de venda. Pedi para cancelar vários itens que não pedi e para me vender o que pedi, sem nada mais.
    Infelizmente, muitos se aproveitam da cultura não-leitura da maioria dos brasileiros. Reivindicar direitos é um direito, mas cumprir deveres uma obrigação. Leia, questione, não aceite se não entender e não concordar. Hoje, muitos compram além do que precisam e, “na onda”, tentam nos vender além do que queremos.

  • Isso mesmo…que irresponsabilidade…pior que vejo isso todo dia…mãe diarista comprando celular para filho que nem trabalha….sei que tem direito de ter as coisas mas como você falou faça as contas primeiras….Antes aqui na minha cidade compravam muita moto tanto que a cidade já chegou ser a capital da moto….Um diarista chegou pra trabalhar e já queria fazer consorcio param comprar moto imagina;… valor carnê 70.00 já pensou quantas motos ela pagaria…. Por isso ensino se tem compra se não tem espera.,…

  • Nosso país precisamos de educação financeira urgente. Adorei o post.

  • Muito bacana esse comentário, é que hoje em dia, as pessoas fazem suas besteiras e querem culpar alguém, menos elas, elas nunca são culpadas. Mas enfim, estou feliz e surpresa comigo mesmo, esses dias todos sem comprar e olha que não faltou vontade e nem oportunidade, trabalho numa rua de comércio e para não gastar resolvi não sair no horário do almoço, mas hoje sai e vi um monte de promoção, cada coisa linda. Eu disse…eu não preciso disso, tenho coisas que nem cabe no guarda roupa…stop …fui embora e fiquei feliz por ter enfrentado isso de cara e ter vendido. Vamos que vamos. Um grande bjo. Estou amando o desafio…

  • É verdade, costumo dizer que os brasileiros são letrados e não alfabetizados! Querem respostas prontas. É por isso da cultura da irresponsabilidade, porque é sempre o outro que falou. E você não entendeu?! Essa situação me deixa irritada, concordo plenamente com você Patrícia.

  • combinadíssimo! Isso acontece muito com algumas pessoas as vezes por ter preguiça de ler o contrato, a empresa esperta coloca varias folhas e a pessoa as vezes com pressa ou com preguiça não le e sai assinando, um perigo !

  • Parabéns pelo otimos textos, estou acompanhando esse desafio e lendo o seu livro bolsa blindada, estou aprendendo muito, primeiramente a me conhecer e a saber o que é prioridade!

  • Foram levado pela emoção do momento, e esse é um grande perigo. Infelizmente essa história muito se repete, pessoas que fazem compras achando que estão fazendo um “bom negócio” e acaba sendo uma furada, junta a ânsia de que querer ter algo com a lábia de quem quer tirar proveito, e o crédito fácil nas lojas se torna um pesadelo para quem não sabe usar. Perdi as contas de quantas vezes minha mãe fez isso, cai na conversa de vendedores e aceita um monte de coisas que não eram para estar ali, seguro disso, seguro daquilo, taxas embutidas, a compra chega a dobrar por pura falta de atenção, depois tem que ir atrás para cancelar tudo.

    Prefiro não decidir nada a respeito de compras na hora, se surge dúvidas então aí que não fecho mesmo, é preciso ler, fazer os cálculos antes de de decidir por algo, como disse no post “…nós temos que assumir a nossa responsabilidade de NÃO PERMITIR SERMOS ENGANADOS” e isso é o que cada um de nós precisamos fazer pelo bem do nosso bolso.

  • Também assisti a esse programa de tv que vc narrou… está perfeito todas as suas colocações. Concordo com vc em tudo…não podemos ser vítimas e ficar engolindo tudo o que os vendedores querem nos empurrar.
    Às vezes vc vai numa loja …olha uma roupa na vitrine e quando vai ao provador…percebe que a roupa está horrivel e daí vem a vendedora te dizer ” esta lindo…foi feito pra vc” …conclusão…se vc não é seguidora da Patricia Lages rsrsrs vai levar o vestido horroroso pra casa…pagar em parcelas infinitas e com juros embutidos …enfim, vai se ferrar.
    Agora, após ler seu post e a cada dia desse desafio maravilhoso…temos que aprender a nunca ser vítimas e sim usar nossa cabeça para pensar e aprender a ter amor ao nosso dinheiro e assim usá-lo de forma correta. Valeu Paty…estamos juntas

  • Muitas vezes eu tenho dificuldades em compreender essas atitudes, como citado no texto… O prazer momentaneo de ter um celular top de linha e o despazer de ter aquela prestação no cartão de crédito… Nesse caso no carnê. eu faço trabalho voluntário em comunidades carentes aqui no Brás, nas imediações do Templo de Salomão e muitas vezes vejo a família comendo arroz e feijão puro… mas em frente aquela TV de XX polegadas que com o valor da prestação de uma TV destas faria a família comer melhor o mês inteiro… Outra coisa que me dá raiva, tamanha insensatez é ver famílias inteiras que ao receber o Décimo Terceiro salário, ao invés de poupar, lota as redes de Fastfoods (principalmente a do palhaço) e gastam como se não houvesse amanhã… gente… se a questão é o hambúrguer, 1 quilo de carne moída faz muuuuuuitos hambúrgueres mais saudáveis que aquele. É só pra usar o celular comprado em 30 parcelas no carnê e ´postar no Face, a família feliz no restaurante, gastando o dinheiro de um mês de supermercado. E, se observarmos bem, aquela criança, está calçada com um chinelinho, bem inferior ao brinquedo que vem na caixinha…
    #prontofalei

  • Oi Paty, eu preciso de ajuda pra começar a quitar minhas dividas. Eu fiz uma revisão da contas pro próximo mês (maio) somando oq já devo no passado. Estou devendo o banco quase R$50.000,00 de fies + 3 cartões que acumulou + divida com faculdade. Somando tudo chega a quase R$80.000,00 já vencido, não contado as contas basicas mensais. Sou corretora de imóveis então minha renda e muito variável, não tenho conseguido cumprir com as datas de vencimento visto que tem mês que fico sem dinheiro. Agora em abril, no desespero de nao ter tido ainda venda, entrei no cheque especial pra conseguir pagar transporte e algumas contas, ou seja, peguei mais uma divida de quase 1000… Não sei por onde começar, como administrar meu dinheiro!

  • Linda Patricia tudo bem?

    quero partilhar aqui no seu blog uma experiência que tive há uns anos atrás…. recebi em casa umas folhas de um determinado banco que não vou mencionar o nome, e nessas folhas pediam para que eu assinasse tudo o que estava la… detalhe: umas letras muito pequena….

    aí fui lendo e percebi que eu se assinasse estava autorizando eles fazerem infinitas coisas com a minha conta, enfim…. muito esquisito aquilo, não assinei por que não concordei com o que estava escrito.

    sei que rasguei o papel, um rapaz me ligou e disse que precisava do papel assinado e perguntei pra que?

    e ele disse que o banco precisava pra atualizar meus dados e etc….

    enfim não assinei nada e ficou por isso mesmo.

    passado um bom tempo depois, o banco me envia uma carta e diz que foi encerrado o trabalho em Portugal…..

    aí eu fiquei pensando: e se eu tivesse assinado aquela papelada toda? sabe se la as intenções dos funcionários? o que mais tenho visto na TV são pessoas caindo em vários golpes…

    Nós não podemos sair assinando tudo o que trazem até nós, eu sei que da preguiça de ler aquelas letras minúsculas, temos que estar atentas e muito atentas.

  • Eu fiz uma exceção no 30 dias sem compras (dois ebooks, menos de 5 euros no total ambos 🤣🤣). Um deles tem um pouco a ver com alguns temas que fala aqui no blog ( Qué Hace La Gente Exitosa Antes Del Desayuno, Laura Vanderkam ).
    Fiquei, confesso, meio arrependida. 🙄 De resto, continuo ulta blindada 😀 . Beijos

  • Incrível como essas coisas acontecem de monte! E quando você é um consumidor que faz questão de ler e se depara com palavras e sentenças com termos tão “tecno-judiciais” que é o mesmo de não ter lido. Ficando a mercê da explicação dos funcionários prestadores do serviço.
    ‘Direitos e deveres do consumidor’ era pra ser matéria obrigatória de educação financeira na escola.

  • Oi Paty… Muitas vezes eu tenho dificuldades em compreender essas atitudes, como citado no texto… O prazer momentaneo de ter um celular top de linha e o despazer de ter aquela prestação no cartão de crédito… Nesse caso no carnê. eu faço trabalho voluntário em comunidades carentes aqui no Brás, nas imediações do Templo de Salomão e muitas vezes vejo a família comendo arroz e feijão puro… mas em frente aquela TV de XX polegadas que com o valor da prestação de uma TV destas faria a família comer melhor o mês inteiro… Outra coisa que me dá raiva, tamanha insensatez é ver famílias inteiras que ao receber o Décimo Terceiro salário, ao invés de poupar, lota as redes de Fastfoods (principalmente a do palhaço) e gastam como se não houvesse amanhã… gente… se a questão é o hambúrguer, 1 quilo de carne moída faz muuuuuuitos hambúrgueres mais saudáveis que aquele. É só pra usar o celular comprado em 30 parcelas no carnê e ´postar no Face, a família feliz no restaurante, gastando o dinheiro de um mês de supermercado. E, se observarmos bem, aquela criança, está calçada com um chinelinho, bem inferior ao brinquedo que vem na caixinha…

  • Oi Patrícia, tudo be,? Senti falta dos posts de ontem e hoje do desafio. Bjs.

  • Ok. Aprendi a lição o comportamento vitimista nós faz perder a razão
    agir pela emoção e sofrer as consequências de uma atitude irresponsável.
    Agir com responsabilidade nos poupa dinheiro e de situações constrangedoras.
    Muito Obrigada Paty !!! por usar fatos reais para abrir os nossos olhos, e nos fazer agir
    de forma consciente com o nosso dinheiro. Vamos que vamos 30DSC !!!

  • Meu pai ja fala so tem gente esperta porque tem gente tonta, e uma pessoa influenciadora que sigo falou so tem gente oferecendo coisas caras porque tem gente que compra ( ela falava sobre a falcatrua do instagram), precisamos parar de ter preguica de pensar e parar de agir no imediatismo

  • Olá Patrícia, gostei da sua colocação. Imagine a mãe quando viu o valor do carnê e pegou a calculadora para somar, embora eu acho que não precisou porque era claro a irresponsabilidade dos dois. Abraços. Amando os posts.

  • Impressionante. É verdade que temos a cultura do vitimismo, então é hora de acordarmos e analisarmos o que nos é imposto. Vou dar um exemplo bem simples: Você vai fazer uma compra em uma loja de rede (riachuelo, c&a, rener etc) e a caixa fala: 6x de R$32. Ou seja, ela já inclui os juros na sua compra e te informa o valor da parcela (com jutos imbutidos). Você nem percebe e diz faz o pagamento. São muitas armadilhas para fazer com que a gente consuma mais e pague mais, infelizmente.

  • O mais triste é ver pai e filho entrando numa fria dessas…Duas pessoas e nenhuma para ler… Já vi várias dessas propagandas, e quando você está no supermercado e tem um vendedor com microfone anunciando a “super TV” por uma mega promoção, “tem que levar agora senão você perde”; aí por curiosidade peguei o celular e digitei o modelo da TV só para ver quanto custava, afinal nada é assim fácil…deixa eu matar a minha curiosidade….só para acabar com a curiosidade e constatar o que eu já tinha certeza: que promoção que nada! As prestações ficavam ainda mais caro do que estava na internet.
    Aí as pessoa está lá comprando comida e entra numa dessas achando que está fazendo um negócio da china; aprendi a sempre pesquisar as coisas antes de comprar e pensar bem antes; ver se realmente preciso. Desafios para aprender mais e mais.

  • bela reflexão muitas vezes só pensamos no produto a ser comprado e não nas consequências,a emoção fala mais alto e muitas vezes caímos ,mas nem sempre vamos achar o programa de televisão para nos fazer de coitadinho se eu não penso passo batido

  • Essa foi uma ótima reflexão! Merece ser compartilhada para mais pessoas. Amei 🙂

  • Tudo o que vou comprar penso analiso e faço as contas, o que mais vemos são vendedores ótimos para enrolar ,e tentar ,de fazer comprar por impulso ,depois que chora e a gente ,sem dinheiro ,com um produto que poderia esperar ,e outra coisa temos que saber o real valor das coisas ,ontem fui comprar um xarope para minha mãe, fui em uma farmácia que estava vendendo o remédio por quase R$18,00 ,como sei quanto custa na farmácia que estou acostumada a comprar ,na hora o sinal tocou na minha cabeça ,eu falei não pode deixar eu tenho este xarope por R$14,00 ,minha mãe fez cara feia kkkk, por isso temos que saber sempre o valor das coisas que compramos.

  • Perfeito! É um tal de oferecerem seguro estendido da loja, seguro contra roubo e mais tantas outras coisas aaaffffff! Que a parcela sofre um “pequeno ajuste” – oi?! Bora ler e fazer as contas, afinal, meu recurso financeiro custou investimento de horas de trabalho e planejamento para ir pelo ralo abaixo por conta de espertinhos! Eu sou a espertinha agora é digo ” não, obrigada!”.

  • Adorei! Isso é algo que sempre falo pras pessoas, assumir a responsabilidades pelas ações é até mesmo libertador, serve pra tudo na vida. Quando nos colocamos como vítima é como se tudo fosse caso perdido, é tudo resultado de terceiros. Mas quando assumimos a autonomia de nossas vidas e decisões, mesmo os fracassos parecem ter peso bem menor, porque você tem o poder de dar a volta por cima.

  • Nossa, que burrada! E olha que ele tinha cartão de crédito para fazer a compra.
    Eu fico bem doida com a minha mãe quando ela compra móveis e eletros no crediário.
    Ela não tem cartão de crédito, então depende de pegar o meu emprestado, mas ela não sabe esperar um dia pra falar comigo e pegar o cartão, nem pra pedir uma opinião sobre qual a melhor opção.
    Muitas vezes nas lojas online o mesmo produto é bem mais barato, mas ela compra na física pois é onde ela tem acesso sozinha, sem ajuda.
    Ai no final ainda quer que os filhos a ajudem a pagar hehe Assim fica difícil!

  • Eu concordei com você em tudo, mas ri demais também! kkkkkk
    Foi muito engraçado! kkk
    O melhor foi:
    E o que eles aprenderam? NADA!
    E o que o expectador aprendeu? Que QUANDO FOREM ENGANADOS devem chamar o programa de TV!
    Tô rindo até agora kkkkkkkkkk

  • É triste. Mas me fez lembrar da dica já ensinada de viver sem crédito. Viver com exatamente com o que tem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *