Creio que você já ouviu falar que o brasileiro tem uma das maiores cargas horárias de trabalho, mas você sabia que isso é um reflexo da baixa produtividade? Confira o post!

O mito da carga horária brasileira

Antes de mais nada, vou explicar porque classifiquei a carga horária brasileira como mito.

Para isso, é preciso que você entenda minha linha de raciocínio.

Então, se você não é empreendedor, empresário e não trabalha por conta própria, peço que “pule o balcão”.

Ou seja, que se coloque no lugar de alguém que contrata colaboradores para fazer seu negócio acontecer.

Uma vez que você está do lado de quem contrata, responda o seguinte:

  • Você gostaria que seus funcionários produzissem mais, ou apenas ficassem mais tempo dentro da empresa?
  • Considerando que cada hora que seu funcionário permanece na empresa você gasta mais água, mais luz, mais telefone etc., você gostaria de mantê-lo o máximo de horas possível no trabalho?

É bem fácil de responder, não é?

Claro que estão excluídas as funções que realmente precisam cumprir uma determinada carga horária, como atendentes de todos os tipos, seguranças, vendedores de loja etc.

Mas fora isso, é claro que todo bom empregador focará muito mais na produtividade do que no cumprimento de um horário.

Então, por que a carga horária brasileira é alta em comparação com diversos outros países?

Uma das razões é porque a produtividade da maioria das pessoas é baixa.

Portanto, como citei neste post, se um brasileiro leva 1 hora para fazer o que um americano faz em 15 minutos, logo, o brasileiro tem de permanecer mais horas no trabalho para produzir o mesmo que um americano.

Qualquer empresa bem administrada prefere manter o funcionário em suas dependências pelo menor tempo possível.

Além da diminuição de despesas, isso tem a ver com questões trabalhistas, pois o empregador é responsável pelo que acontece com o colaborador dentro do local de trabalho.

Não é difícil perceber o quanto a maioria dos brasileiros “enrola” no trabalho.

Sei que a frase desagrada, mas infelizmente, é a nossa realidade.

Ainda mais em tempos de internet, onde as pessoas perdem horas navegando em sites ou redes sociais que nada têm a ver com o trabalho.

Mas isso não é de hoje.

Antigamente, com o advento do telefone, as empresas não dispunham de um aparelho por funcionário, pois era bem caro.

A medida mais comum era ter poucos aparelhos e, claro, que fossem usados apenas para assuntos de trabalho.

Uma das maneiras de controlar o uso era por meio de telefonistas.

Os funcionários tinham de pedir suas chamadas, então era mais difícil usar o telefone de forma particular.

Alguns anos atrás as empresas passaram pelo mesmo processo com os computadores.

Primeiramente compraram o equipamento só para alguns cargos específicos, depois tentaram controlar o uso apenas para o trabalho.

Daí veio a internet e, novamente, mais um meio que exigiu medidas de controle.

Agora as empresas penam com o uso indevido do celular…

E se você acha que as empresas adoram controlar seus funcionários, está enganada!

Controlar custa caro e as empresas só fazem isso porque deixar o funcionário perder o tempo que elas pagam para que ele trabalhe sai mais caro ainda!

Não me refiro àqueles chefes inseguros que adoram ser controladores por não ter nada de útil para fazer…

Falo das empresas sérias que não existem apenas para tornar a vida dos funcionários um inferno, mas sim, para trazer crescimento para todas as partes: funcionários, clientes, sociedade e, claro, manter sua subsistência.

Portanto, o desafio de hoje é:

Pense se você tem trabalhado de forma produtiva ou se passa boa parte de tempo enrolando.

Seja sincera consigo mesma, pois se você está nesse desafio não é para ser agradada, mas para ser DESAFIADA!

Se você reconhece que enrola demais, perceba o que a faz perder tempo e corte isso do seu dia a dia.

Se todos fizerem mais em menos tempo, a carga horária tende a se acomodar de acordo e acabamos com o mito de que “trabalhamos” demais.

Se isso fosse verdade, o país não estaria como está.

Vamos deixar de apenas permanecer tempo demais dentro das empresas e começar a produzir verdadeiramente.

Já deu para perceber que esse desafio não é para as fortes, mas sim, para as mais fortes?

E então, você continua dentro?

Te espero nos próximos posts:

Para acompanhar, seguem os links:

Desafio da Produtividade #2 – Hábitos de produtividade

Desafio da Produtividade #3 – Técnica Pomodoro

Desafio da Produtividade #4 – Tenha metas

Para não perder nenhum dos 15 desafios, cadastre-se aqui no blog!

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Nos vemos!

Nos vemos!

Jornalista, especialista em finanças, autora de 5 best-selleres, colaboradora dos programas Mulheres (TV Gazeta) e Escola do Amor (Record TV). Colunista do portal R7 e youtuber.

  • Bom dia Paty,

    Mtos enrolam pq acham que a empresa, vai achar que o serviço e fácil e qualquer pessoa poderá fazer com um salário, mais baixo.
    Um dia eu estava conversando com um conhecido, que é eletricista.
    Ele disse que vai nos clientes e as vezes oque ele precisa fazer leva uns 10 minutos, .Mas ele enrola pq o cliente acha que foi mto rápido e não quer pagar o que ele cobrou, pq foi rápido de mais.
    Se as empresas brasileiras pensassem igual às americanas, seria mto melhor, mas mtas pensam que se o funcionário que ficam 10 horas na empresa e pq ele ama a empresa e trabalha mto para eles.
    O pensamento do empresários do Brasil e mto pequeno ainda.
    Bjs

  • Verdade isso fez-me refletir de que forma posso melhorar a minha produtividade…

  • Esse é o desafio para encontrar-se consigo mesma e se encarar. Às vezes é duro… mas necessário!

  • Tenho questionado sobre isso. Paty, tenho a sensação de que o empresário foca mais em o funcionário cumprir o horário ao que ele produz. Mesmo que se tenha cumprido e ido até além do que se espera de você, e que isso tenha ocorrido antes do horário oficial da sua saída, o empregado não é liberado, acredito que seja um dos motivos de alguns funcionários enrolarem, pois sabem que vão corre e que mesmo assim ficaram presos ao horário. Tenho uma conhecida que está vivenciando isso, ela trabalha em um empresa de segunda à sábado, porém aos sábados não tem nada para fazer, e mesmo assim ela é obrigada a cumprir horário. Outro caso bem curioso é o da minha ex cunhada, ela é pedagoga e tem um filho com doença rara, devido a situação do filho, ela ia pouco ao curso, onde ela trabalhava, porém, qualquer pergunta sobre qualquer aluno que faziam à ela respondia, sabia tudo sobre os alunos e o cronograma anual da escola, tinha todos os documentos prontos, mesmo assim foi criticada porque achavam que ela não trabalhava, e foi demitida. Vai entender 🤷

  • Bom dia! Sim, estou dentro, sem dúvida! Amei o post de hoje e se colocar do outro lado do balcão é uma experiência esclarecedora! Vou continuar no desafio que sei me ajudará em muito. Parabéns Patricia pela iniciativa! Forte abraço!

  • Nossa que top dos pontos observados é bem assim.
    Estou dentro desse proposito e quero mudar a minha vida e de outras pessoas com essa logica.

  • Hoje é feriado municipal, já sei que amanhã vou trabalhar por dois dias. Faz parte, meu trabalho é uma sequência do trabalho de outros, então não tenho total controle…
    Eu não enrolo, sei o que preciso fazer e o que tem que ser feito, não deixo para amanhã o que posso fazer hoje, porque não tenho controle sobre o que vou ter para fazer amanhã. Quanto menos se faz, menos se quer fazer…pode ver.
    Já me peguei pensando que a desculpa de um colega de trabalho, de que não deu tempo de fazer, não cola em 99% das vezes. 8h de trabalho por dia rende muuito! Se não deu tempo é porque desperdiçou ele em algum momento ou fez corpo mole. Às vezes até me impressiono por ter conseguido fazer mais do que eu imaginava, de tanto que o dia rende!
    E quando já concluí minhas tarefas e que o dia fica meio parado, também penso que poderia estar fazendo algo mais produtivo em minha casa, por exemplo, ou resolvendo algo pessoal, mas não, tenho que cumprir minha carga horária. Mesmo que eu fique ociosa…
    Cargas horárias longas são exaustivas e menos produtivas, especialmente para quem trabalha em escritório. Acredito que uma carga horária menor, força o colaborador a ser produtivo em praticamente tempo integral.
    Mas essa flexibilidade de horário é utopia, a não ser que a pessoa seja autônoma ou trabalhe numa empresa com ideologia própria. As que eu conheço, estão todas presas ao sistema. Bjs

    • É verdade que a maioria das empresas estão presas ao cumprimento do horário, já trabalhei em locais que meus superiores só não me dispensavam porque eu tinha que “bater o cartão”. Mas o bom é que quando eu precisava me ausentar em um período ou mesmo o dia todo, nunca tive um pedido negado. Já aconteceu de eu estar apenas cansada e recebi permissão para não ir, pois meu trabalho estava todo em dia. Sempre usei isso como moeda de troca e funcionou! 😀

  • olha eu quero ser mais produtiva, tem dia que e uma luta gigante para nos mesmo sabe aquele dia que vc desanima e nao quer fazer mais nada ou nao consegue se concentrar, esses dias roubam nossa produtividade e eu quero mesmo produzir mais preciso

    • Nem todos os dias estamos a mil por hora, por isso mesmo é que não podemos enrolar nunca. Se cumprimos nossas tarefas hoje e adiantamos as de amanhã, ótimo! Pois se amanhã não estivermos com a mesma energia, não vamos ficar tão atrasadas. Esse é o conceito! 😀

  • ah sim ja ia esquecendo, como outra moça citou talvez o problema nao esteja tanto assim no funcionario produzir e sim muito mais no empresario, em achar que se o funcionario termina rapido sua função significa que tem pouco trabalho e tem que dar cada vez mais trabalho e mais de uma função, porque termina rapido ou seja o serviço é facil demais tem que complicar a vida dele mas o mais triste é sem aumento de remuneracao, eu senti isso na pela em outro lugar que eu trabalhava, resultado tive que trabalhar em passo de tartaruga pois se nao eu teria que fazer nao so o meu como de outras pessoa tambem.

    • Quando trabalhava como funcionária, sempre terminava meu trabalho antes dos outros e, em vez de fazer o trabalho dos meus colegas (que tinham a mesma função que eu), ia ajudar um superior ou alguém que exercia uma função que me interessava aprender. Isso não era permitido na empresa, mas como meu trabalho era valioso aos olhos do meu chefe, ele permitia. Algumas vezes a nossa performance se torna tão indispensável que conseguimos fazer nossas próprias regras e exceções! 😀

  • Bom dia,
    É claro que continuo “dentro”. Aliás vou divulgar para que muitas pesoas mais tenham conhecimento desses conteúdos tão importantes.
    Obrg por tudo

  • Sim! Continuo dentro porque sei que tenho que ser mais produtiva. O post foi ótimo! Uma coisa que acho muito difícil é quando seu trabalho depende de uma outra pessoa que claramente está enrolando e você acaba meio preso da situação. Vamos em frente!

  • Oi Paty! Eu sempre leio os comentários disponíveis, pq sempre tem alguns casos interessantes. Me lembrei da faxineira que trabalha na minha empresa (minúscula). Ela vem apenas a cada 15 dias e 4 h é suficiente para ela fazer o trabalho e bem feito. O valor acertado com ela foi de acordo com esses dois critérios – tempo (apenas 4 h e o trabalho é muito mais simples do que uma casa). Eu não fico no pé dela, mas ela mesma já admitiu que demorou demais pq ficou em app do celular conversando. E tb me contou que um de seus clientes reclamou pq ela terminou todo o serviço antes do horário, mas ele achou ruim pq ela foi embora antes. Meu trabalho é de pico. Voltei de férias semana passada, fiquei 4 dias com quase nada para fazer quando, na sexta, é que veio uma bomba tão grande de trabalho, que passei mal. Por causa disso, foi verificado que estou com problema de pressão alta. Agora, estou tendo que perder tempo de trabalho correndo atrás de médicos e e exames… Então, tem trabalho que deixa a gente doido, tem aquele que suga o teu sangue, de vc produzir enlouquecidamente até cair doente… Vale a pena cada um analisar seu próprio caso, com honestidade. Sem justificativas.

    E, pelo que entendi deste desafio, este é o primeiro tema. É isso mesmo? Eu já coloquei na planilha justamente meu calcanhar de Aquiles e minha estratégia! 😀

    • Oi, Paty! Sim, esse é o primeiro tema, teremos 15 no total. O meu trabalho uma época também foi de pico. Havia dias que eu não tinha nada para fazer e outros que acumulava uma avalanche. Para mim, o segredo foi aproveitar os dias calmos para automatizar ao máximo os dias de pico. Tudo o que era possível deixar organizado, limpo e à mão eu fazia. Além disso, aproveitava o dia para estudar outras coisas e até ajudar meus colegas. Quando eu não fazia isso e ficava “moscando”, perdia o pique de trabalho e quando vinha a avalanche eu ficava mal… A dica é não perder o pique e não se cobrar demais. Melhoras!

  • Realmente e o que acontece! Estou dentro e espero ir até o fim!

  • Sou funcionária do público, professora. Vejo muitas vezes pessoas falando mal de corruptos/ladrões e questiono quantas oportunidades aproveitamos para fazer de conta no trabalho “roubando” do Estado, dos cidadãos (estudantes) o salário que recebemos sem desenvolvermos nossas funções com qualidade.

    • Falou tudo! Mas isso não ocorre apenas com funcionários públicos, não. Todos que têm essa conduta do “enrolation” estão roubando algo de alguém. Precisamos abrir os olhos quanto a isso! Bjs

  • Excelente Reflexão!!! Muitas vezes não nos damos conta do quanto a procrastinação nos atrapalha no dia a dia.
    Por isso a expressão de C.S. Lewis merece uma análise mais aprofundada: “o futuro é algo que todos alcançam a uma velocidade de sessenta minutos por hora, faça o que for, seja quem for”.
    O desafio é como agimos com os nossos sessenta minutos? E de que forma eles podem se tornar verdadeiramente produtivos de maneira a nos sentirmos gratificados e não culpados?
    Gratidão por mais essa experiência.

    • Super interessante esse ponto de vista. C.S.Lewis é leitura “obrigatória”! Bjs

  • No meu caso sou servidora pública faço sempre menos do que poderia. Mas dependo da velocidade dos outros. Na hora em que não produzo procuro ler ou fazer algo para mim mesma. Infelizmente no atual cenário estou fazendo menos.

    • Quando dependemos de terceiros e não há como resolver, devemos fazer exatamente isso: usar o tempo para nosso crescimento! Beijos 😀

  • Espero poder aproveitar e por em pratica muitos dos seus ensinamentos. Acho que o desafio vai me ajudar muito. Preciso mudar algumas atitudes e a produtividade precisa de sacrificios para ser alcançada as vezes.

  • Adorei o POST sei que não será fácil,mas vou conseguir.
    Pq foi um tremendo puxão de orelha 🥺

  • Excelente post! Às vezes reclamamos por não ter tempo, mas se observarmos bem utilizamos ele de forma inadequada, logo o segredo está em utilizá-lo de forma sábia. Confesso que muitas vezes por causa de redes sociais acabo enrolando nas minhas atividades, mas a partir de agora vou cortar as distrações. Eu vou continuar nesse desafio e já convidei uma amiga!

  • Tem dias que enrolo mesmo Patricia, mas não por conta de preguiça ou de ficar na internet, em redes sociais.. Mais é o mesmo caso que vi uma moça dizer no comentário, mesmo que eu finalize o meu trabalho, não posso simplesmente ir embora, ainda serei obrigada a continuar no meu local de trabalho pra cumprir horário, isso porque meu horário é só 6 horas, mas tem coisas e dias que eu faria tudo no máximo em 3 horas.

    • Em vez de enrolar, vc pode terminar (o que vai mostrar a sua competência) e aproveitar o tempo restante para algo mais produtivo, como ler, estudar ou até aprender uma nova função na empresa. 😉

  • Adorei o post, Patrícia! Estava mesmo precisando de um desafio desses. Às vezes tenho a sensação que o dia dos outros tem mais horas que o meu, mas no fundo sei que não estou é utilizando as “minhas” horas direito. Obrigada, fico aguardando os próximos passos.

  • Paty,

    Gostei muito do post de hoje, pois nos leva a refletir sobre o nosso trabalho e em que podemos melhorar.

    Abraços,

    Mari

  • Perfeito! Para começar devemos perceber como agimos… Obrigada!!!

  • Hiiiii Patricia,

    estou lendo o seu mail no trabalho…. :/

    Entendi o recado! Eu topo!

    Beijos

  • Há um tempo atrás, quando comecei a acompanhar o seu trabalho, uma das coisas que mais gostei de te ouvir falar sobre a utilização produtiva do tempo no trabalho foi: quando você estava numa determinada empresa, focava em realizar suas atividades de forma eficiente para ter tempo depois para realizar outras atividades que lhe agregassem valor enquanto profissional. Eu achei isso muito legal porque era justamente o que eu fazia e, às vezes, era mal interpretada. Continuo fazendo, inclusive aprendo novas atividades profissionais dentro do meu horário de trabalho formal. Realizo minhas atividades sempre buscando entregar além do que é esperado por quem solicita e uso as horas ociosas estudando para agregar valor a minha atividade formal e também para aprender sobre outros assuntos, conseguindo até ter outros trabalhos home office que me garantem uma renda extra. O tempo é igual para todos, a diferença está em como fazemos uso dele. Gratidão Pati.

  • Vejo muito isso associado a mentalidade dos brasileiros. Muitos veêm o trablaho como um fardo, querem somente ganhar no final do mês e tudo bem, não utilizam isso para desenvolver, crescer, contribuir para algo melhor.
    Uma pena, porque no final quem mais perde é a própria pessoa, que vive insatisfeita, mas não sabe que ela mesma é responsavél por isso !!
    Um abraço, amei o desafio 😀😘

  • Realmente! Já perdi muito tempo em sites, procurando coisas banais. Hoje procuro por assuntos condizentes com o trabalho, capacitando-me cada vez mais, isso nas horas vagas.

  • Concordo plenamente… não é o tempo que você passa dentro de uma empresa que vale, mas sim o quanto você produz!!!

  • Verdade.
    E temos que ficar alertas com a queda de produtividade com o tempo… as vezes começa com todo vapor e depois vai caindo, se acomodando…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *