Quando o seu crescimento começa a se tornar realidade algumas coisas na sua vida ficarão bem desconfortáveis, mas faz parte!

Todo crescimento é desconfortável e dói

Há alguns meses uma amiga compartilhou a história de uma mãe que estava tentando descobrir porque o filho sentia tantas dores.

Embora ela já tivesse dado vários tipos de analgésicos e levado a algumas consultas médicas, nada havia aliviado as dores do menino.

Para piorar, as dores não eram localizadas, mas sim, pelo corpo todo: coluna, braços, pernas, pescoço.

Às vezes as dores eram mais intensas e, por alguns dias, dava uma trégua.

E ainda que os pais tentassem associar a dor a alguma coisa, como atividade física, dormir de mal jeito etc., o problema persistia.

 

Sem saber muito como resolver, a mãe arriscou mais uma consulta com um médico diferente.

Uma bateria de exames foi solicitada e, à família, só cabia esperar os resultados e torcer pelo melhor.

Surpreendentemente, o médico estava bastante sorridente na consulta de retorno e informou:

“Mãe, fique tranquila porque o seu filho não tem nada. Ele está apenas crescendo e crescer, dói!”

 

Tal qual o crescimento do corpo é o crescimento da vida

Na nossa vida acontece o mesmo: quando você começa a crescer, as “dores” começam a aparecer.

Mas, que dores seriam essas?

A dor de ver as pessoas se afastando de você ao ver que seus interesses mudaram.

O desconforto de saber que até seus parentes começaram a falar mal de você por inveja.

O aborrecimento de ver vários “amigos” lhe criticando por não conseguirem mais tirar proveito de você.

E a decepção de testemunhar que muitos ao seu redor não são capazes de ficarem felizes por você.

Se isso está acontecendo com você, alegre-se, afinal, tudo isso faz parte de uma vida bem-sucedida.

Lembre-se sempre: ninguém atira pedra em árvore que não dá fruto. Portanto, vá em frete!

 

Nos vemos!

 

Confira o post anterior clicando aqui.

 

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

 

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Esse texto foi exatamente de encontro ao que estou vivendo agora. No ano passado comecei a investir mais no meu negócio próprio e rapidamente já notei várias pessoas próximas (que eu julgava serem minhas amigas) falando mal de mim, das minhas ideias e me criticando. Passaram a me ignorar! No começo é bem ruim, depois você nota que aqueles que te amam estarão realmente ao seu lado e pronto… Mas é muito difícil ver amigos boicotarem suas ideias.

  • Olá Patrícia,
    Ainda me lembro de ser criança e ter essas dores de crescimento. Na vida adulta as dores continuam, mas não a nível físico.
    Agora é a dor de contrariar o que sinto vontade de fazer em prol do que eu sei que tem de ser feito, a dor de ser incompreendida pela família, a dor do sacrifício para alcançar algo maior no futuro.
    Assim como no dia em que atingi o meu tamanho máximo (1,56 m – não levei assim tanto tempo a crescer kkk 😂) as dores de crescimento pararam, sei que um dia essas dores de “crescimento da vida” também passarão. 🙂 Por isso foco nos resultados.

  • Bom dia Patricia!

    No Instagram do Godlywood Portugal, há um vídeo muito interessante com o tema: O que os desertos tem lhe ensinado?

    Tem tudo haver com o post de hoje!

    Deus permite passarmos por momentos difíceis, de dor, mas cabe a cada um de nós saber tirar vantagens dos problemas para nos conhecermos, para podermos crescer e desenvolver.

    Um grande abraço pra você!

  • Bom dia querida! E como dói, principalmente se vc for uma pessoa emotiva, o que ñ é o meu caso, pois sou mais racional, e por experiência própria quem é assim (racional) dói bem menos, ñ dou ibope para o que pensam ou deixam de pensar ao meu respeito. 😍🤗

  • Nossa, Paty! Bem isso. No meu caso, nem preciso sair de casa. Meu núcleo mais próximo é do jeito que você falou. Algumas coisas só consegui identificar com terapia mas agora estou bem esperta. Foi bom porque aprendi que não preciso de estímulos externos de ninguém mesmo e posso continuar o meu crescimento e construção da minha vida.

  • Boa tarde Patrícia,
    Crescimento dói mesmo, as pessoas se afastam de você, fala mal e ri também. Por um tempo pensei que eu estava errada, tudo parecia conspirar. Será que realmente estou fazendo o que é certo? Me perguntei. Mas foi pensando em fazer valer a minha história que continuei a jornada, com dores e entendendo que era preciso passar para aprender a saber o valor de cada coisa.
    Perdemos batalhas mas não a guerra quando confiamos em Deus.

    Força em força, até a vitória final!

    Grande abraço.

  • Olá Patrícia, boa tarde! Realmente, a criança em fase de crescimento sente muitas dores e até que seja descoberto de que se trata, é muito sofrimento. Vivenciei essa situação com um dos meus filhos e, felizmente como o Pediatra tinha bastante experiência, logo tratou de nos acalmar. Quanto ao crescimento nas outras áreas…muita calma nessa hora! De fato, há sempre uma “pessoa bondosa” que adora colocar a outra pessoa, no mais “raso patamar” da face da terra. Acrescento o que está em 2 Timóteo 1,7 “Pois Deus não nos deu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de amor e de sabedoria.” Abraços!

  • Olá Patrícia!
    Hoje, eu e minha tia estávamos realizando algumas tarefas e nos lembramos de um de seus textos sobre disciplina.

    Quanto aprendizado bom há quando fazemos a escolha de crescer, mesmo sabendo que crescer dói.

    Um abraço!

  • eu tinha muitas dores como essas(físicas) …. e hoje, depois de mudar radicalmente minha vida e crescer em tds os sentidos não tenho dores nenhuma mais…. só sinto um desconforto por não ter crescido antes, rsrsr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *