Muitos reclamam que não são respeitados profissionalmente. Mas será que você tem respeitado os outros?

Uma antiga colega de trabalho foi casada com um músico e, na época em que trabalhamos juntas, pude conhecer um pouco mais desse universo. Principalmente a parte em que as pessoas perguntavam a ela:

“Seu marido é músico? Que legal! E ele trabalha com quê?”

_MG_0347_bxLembro-me de vê-la irritada com isso, afinal, ser músico era a profissão dele, embora todo mundo achasse que fosse apenas diversão. Fora as pessoas que queriam “dar oportunidade” para que ele tocasse – de graça – em seu estabelecimento comercial para “divulgar” o trabalho. Tá bom, ele divulga, o dono do local ganha e quem paga a conta do músico?

Tenho um amigo ilustrador, muito bom aliás. Mas em vez de as pessoas prestigiarem seu trabalho e encomendarem o que precisam, ficam pedindo para ele “treinar” fazendo uma ilustração de graça para isso ou aquilo. Ora, ele é ilustrador e não precisa “treinar” a ideia dos outros. Quer ajudar? Encomende e pague o preço!

Fora outra amiga que resolveu largar o jornalismo e partir para um negócio próprio: decoração de festas e artesanato. Ela é ótima e faz coisas lindas, mas o que não faltam são pessoas querendo tudo de graça, para “ajudá-la” a divulgar.

10384837_10203900193322315_6968719509035969309_nSem mencionar aquelas pessoas que querem colocar preço no trabalho dos outros: “Eu sei que custa 100 reais, mas só tenho 50. Se eu gostar, na próxima eu pago os 100.” Ora, desde quando recebemos amostra grátis de tudo o que compramos? Quem quer uma coisa de 100 por 50, deveria receber algo assim, como mostra a foto da Hello Kitty! hahahahahahaha…!

Portanto, amiga, respeite a profissão dos outros. Se você não entende de que se trata, pergunte, informe-se, mas não entre nessa onda de oferecer “ajuda” querendo ser ajudado. Isso demonstra falta de respeito, ignorância e, o pior de tudo: querer tirar vantagem dos outros dando uma de bom samaritano. Não aceite essas propostas e, óbvio, não as faça nunca.

Você já recebeu uma proposta assim? Qual foi sua reação? Como reagiria hoje?

Nos vemos!

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Bom dia Patricia…
    Este post é muito interessante para consciencializar as pessoas já que existem muitas pessoas que não têm noção do investimento em tempo e em dinheiro desses profissionais.
    Eu própria já tive essa experiência. Há alguns anos, decidi ocupar os meus tempos livres, a fazer quadros em ponto cruz e toda gente adorava os quadros mas quando apresentava o valor achavam muito caro. Será que as pessoas pararam para pensar nos gastos que eu tive (no pano, nas linhas, no quadro) ou pelo menos pararam para pensar no tempo que levei para fazer aquele quadro (até porque trabalhei 18h para terminá-lo). Lembro-me de ter pedido 25 euros por aquele quadro, que aos olhos de muita gente era caríssimo, mas será que essas pessoas iriam trabalhar 3 dias para ganhar 25 euros?
    Portanto Patricia, muito obrigada por todos os posts, mensagens e dicas.
    Beijinhos.

    • Pois é… Quando o tempo é do outro parece que não tem valor. Mas vc deve se valorizar e buscar clientes que a valorizem também. Beijos!

  • Infelizmente Patty é pura realidade.
    Estou numa situação parecida.Uma ´amiga’ foi de férias com sua familia 1 mês ( hôtel 4 pessoas) para Baly na Indonésia.
    Tudo bem até aqui, só que agora está pedindo que eu lhe mande 2500euros, porque quer trazer umas coisas de là.

    Sinto-me muito revoltada porque o marido está sempre de peito cheio a falar dos seus bens, das suas rendas…. Que tem isto e aquilo..
    E finalmente fico duvidando que typo de amizade é esta e se não såo simplesmente pessoas aproveitadoras!!!
    Imagine só estão là faz 10 dias, quer dizer que o plano já estáva planejado certamente à partida e começo agora a entender o porquê de tanta oferta de ajuda para coisaS que graças a Deus nem precisava ,mesmo sendo uma pessoa que vive sózinha!!

    Desculpe ser tão longa no meu comentário mas é atraves destas situaçoes que Deus nos abre os olhos.

    Bisous !! E Um bom dia para si Patty
    Cidalia

    • Sim, querida, temos que ficar atentas a esse tipo de “amizade”. Se ele tem “peito de pombo” porque manda a esposa pedir dinheiro? Engraçado, né?? Rs…rs…

  • Quando eu tinha uns 19 anos um tio me chamou para trabalhar nas lojas dele para “me ajudar” pois eu precisava de um trabalho. Trabalhei seis meses de graça, nunca recebi um real, dormia no sofá da casa deles (era outra cidade), era obrigada a fazer faxina para tia, que ainda dizia que eu não sabia fazer nada e não podia sair para passear. Escravizada em pleno sec 21.

    • Realmente não vejo outra palavra para isso. Escravizada… Mas ainda bem que chegou sua carta de alforria!!

  • Boa! Não tem nada pior do que a falta de respeito pelo seu trabalho.

  • Olá! Bom dia Patrícia,
    Tenho o meu trabalho fixo, mas para que eu tenha uma renda extra no mês, faço unhas para fora aos finais de semana.
    O que não faltam são pessoas para que eu faça suas unhas de graça como amostra para divulgar o meu trabalho ou então que eu faça a unha em troca de outra coisa que a pessoa vende. No início até aceitei para ser sincera, mas ao invés de ter dinheiro extra, nada eu tinha mas aprendi muito! Hoje eu já contorno a situação. Se a pessoa não quer pagar, então ficará sem meu serviço, pois tudo tem um custo. Inclusive gasto um dinheiro para comprar os materiais que eu uso. Quem vai arcar com os meus gastos, se eu não cobrar pelo meu trabalho? Não é?
    #Rumoaprosperidade.
    Bjinhos

  • Bom dia, sempre leio os posts da senhora e cheguei a começar a fazer o curso bolsa blindada mas não consegui fazer tudo e tinha algumas coisas que eu me identificava muito e outras não e por isso acabei por não terminar mas confesso preciso da ajuda da senhora pois: quero me organizar sou muito desorganizada com minhas coisas sei que tenho tudo para arrebentar mas não ando pra frente as coisas não flui, sabe esse post foi a gota d”agua para mim escrever para a senhora pois eu sempre tive disposição para trabalhar não tenho preguiça e ultimamente estou no ramo de pós obra em construção civil e estou meia desnorteada mas alguns dias recebi uma proposta para fazer uma decoração em ambiente e aceitei a proposta só que eu errei em algo eu aceitei o serviço para combinar depois pois não tinha noção de valores por mais que pesquisasse não sabia o exato então por conhecer a pessoa fiz…. ai que raiva que passei pois depois de três semanas com o serviço realizado enviei o valor e ela me disse que não concordava e que era como se estivesse me ajudando para começar sabe, e que valia a metade do valor fiquei muito chateada e agora estou aqui perguntando a senhora o que devo fazer P.S cheguei a cobrar barato pra ela mas agora ela quem vai pagar o que quer .

    • Oi, Fernanda. Eu creio que vc deveria fazer sim o curso, pois ainda que pareça que há coisas com as quais vc não se identifica, elas são necessárias para vc compreender o conceito e poder começar a organizar e decidir a sua vida financeira. Quanto ao serviço que vc fez, o que sempre deve ser feito é combinar o valor antes. Vc teria que ter feito um orçamento com a descrição de cada serviço e os valores. Como isso não foi feito e o trabalho já foi entregue, vc vai ter que aceitar o que eles quiserem pagar, infelizmente… Não tem como vc provar que o valor não era o que vc quer agora, então fica o dito pelo não dito. Aceite o que eles pagarem e saiba que, apesar de eles estarem se aproveitando da situação, o erro partiu de você. Então, nunca mais proceda dessa forma. Valores primeiro – e por escrito – e trabalho feito depois de assinado o aceite do orçamento. Assim não vai ter mais problemas desse ripo, ok? Bjs

  • Adorei o post, porque eu mesmo já passei por isso, como eu sou Trader em Mercado Financeiro e quase 90% do meu trabalho é em casa, a nossa família não entendia, sabia que eu estava em casa, e ligava todos os dias ma parte da manhã, e pior sempre na hora que eu estava atendendo um cliente ou estava concentrado no trabalho. Tivemos eu e minha esposa de pegar firme e eu comecei a não atender mais ninguém e se alguém reclamasse dizia que era hora do meu trabalho e por isso não poderia atender. Tenho um projeto próprio e temos que colocar limites para os clientes também, informar a hora de atendimento, valor do serviço e pegar firme, mas tem que ser claro a falta de comunicação hoje pode gerar um monte de problemas no futuro.

    • Sei bem como é isso, Vinicius. Uns 15 anos atrás eu tb trabalhei em casa e muita gente aparecia pedindo pra eu fazer uma série de coisas para elas – inclusive cuidar de criança – já que “eu tinha tempo”. Tive que colocar ordem nas coisas e definir horários de visitas e ligações. Vc está certo em manter a disciplina, senão vai virar bagunça! Abs!

  • kkkkkkkkk não consigo para de rir com essa foto da Hello Kitty, ilustra muito bem essa situação, hahahahahaha…..
    Falou tudo mais uma vez!!!

  • Bom dia Patricia,

    Eu trabalho como corretora de imóveis e faço decorações de festas( que eu amo) nos momentos livres para ganhar um extra. Porém todos que me procuram querem pagar nada ou quase nada. Como se me fizessem um favor em me contratar para mostrar o meu talento! Se faço de graça.. todo mundo fica feliz, mas se comunico o meu preço, afinal tenho gastos com materiais9que são super caros), tempo, gasolina e energia, elas acham muito caro! Mas gastam quase o dobro com pessoas que já fazem a mais tempo. Sinceramente me sinto desvalorizada. Inclusive amigas próximas fazem isso.

    • Se eu estivesse no seu lugar não faria de graça e nem mais barato. Busque clientes de fora da família e do seu círculo de amizades, as chances de ser valorizada serão maiores.

  • Boa tarde, Patrícia!

    Já acompanho seu trabalho há um ano, mas esta é a primeira vez que escrevo um comentário no blog.
    O post de hoje retrata muito bem o que vivo no meu escritório.
    Sou advogada e há 2 anos e meio resolvi, juntamente com meu sócio, arriscar e abrir nosso próprio escritório.
    Desde então tenho “perdido” (não considero uma perda, mas um livramento divino) várias amizades, pois as pessoas nos procuram apenas para
    “fazer uma perguntinha” e se sentem ofendidas quando cobramos para respondê-la.
    É difícil que aceitem que nossa profissão é de caráter intelectual, e que “comercializamos” a informação e o direito.
    Faz um mês que um parente cortou relações comigo após eu ter cobrado pela prestação de um serviço. A pessoa ainda saiu dizendo que me vali de um problema familiar para “tomar” o seu dinheiro.
    Já me senti muito incomodada com isso no início, mas hoje compreendo que até esse tipo de situação é importante, pois aprendemos a separar o joio do trigo e descobrimos quem realmente é nosso amigo e quem apenas quer se aproveitar do resultado de anos de estudo, empenho e dedicação.
    É muito importante saber falar não para que o negócio dê certo!

    • Falou tudo, Bruna. O “não” faz parte do negócio e serve muito bem para separar o joio do trigo. Melhor assim! Bjs e comente mais vezes! 😀

  • Olá Patrícia, bom dia!
    Eu sou nutricionista e este ano comecei a atender paciente, então ainda estou formando carteira de clientes e o que mais ouço é: ” Ah vc me passa uma “dietinha” e te indico para os demais.” Ou então: “Ah vc está começando, então faz mais barato pra mim q eu te ajudo a divulgar” Só que as pessoas não entendem que o valor da consulta engloba quase 10 hora de trabalho para um paciente ou uma “simples dietinha” e eu sinceramente não faço trabalho porco. Faço valer cada centavo que o paciente pagou. Não param para pensar que o trabalho do nutricionista que além da consulta, precisa analisar todos os dados, exames, remédios entre outros fatores e montar um cardápio conforme a necessidade daquele paciente. Estudei 4 anos na faculdade, 2 na pós graduação e respiro nutrição há 7 anos, sempre fazendo cursos e me atualizando. Logo as informações que coloco para o paciente não são coisas da minha cabeça, mas as pessoas acham que é fácil, simples e que vc vai pegar algo da internet de uma dessas blogueiras. Além do que tenho meus custos também: transporte, locação de consultório, receituário ( que não é barato) entre outros. Infelizmente ainda é uma profissão desvalorizada e parte da culpa é por nós mesmas que não sabemos nos “impor” e cobrar o justo. Eu tenho um grande problema em cobrar as pessoas e todos ficam me pedindo desconto. Aos poucos estou trabalhando isso….Obrigada pela atenção e bjos.

    • Oi, Adriana. Essa banalização existe em todas as profissões e a sua não é diferente, infelizmente. Mas cabe a nós educarmos as pessoas e a educação vem do não. Ninguém educa uma criança com o sim, certo? Não faça de graça, coloque o preço e trabalhe para quem der valor.
      Aproveitando: há cerca de 5 anos mudei completamente minha vida ao contratar uma nutricionista. Eu achava que minha alimentação era boa, mas estava simplesmente toda errada! Com uma dieta que ela desenvolveu especialmente para mim fiquei mais disposta, mais saudável e ainda perdi uns quilinhos que estavam difíceis de me abandonar! E o melhor: sigo essa dieta até hoje e nunca mais tive variação de peso, o que é ótimo para tudo na vida. Paguei pelo trabalho e por apenas duas consultas e colho os frutos até hoje! Bjs

      • Obrigada pelo retorno. Concordo plenamente com o que respondeu, isso ocorre em todas as áreas. Fico feliz de saber que já utilizou o serviço de uma colega e teve bons resultados. Infelizmente nem todos pensam dessa forma, que é um investimento para a nossa saúde e nosso corpo que é o templo de Deus, mas sigo o meu trabalho pq amo o que faço e não me vejo fazendo outra coisa. Eu emagreci 60 quilos, e na época não tive profissionais para me ajudarem então sei da importância e quero ajudar outras pessoas. Um grande beijo e mais uma vez obrigada pelo retorno.

  • Altas gargalhadas com a foto da Hello Kitty!
    Um amigo meu sempre reclamava sobre essas coisas, ele tocava em bares e normalmente quando acaba a apresentação as pessoas pedem “mais um” e ele não gostava, dizia: “Vc gosta de sair do seu trabalho depois da hora? Isso pra mim é trabalho.”

    • Si, essa da Hello Kitty é hilária. Mas o “bis” para o músico mostra que o público gostou!! rs…rs…

      • Sim! Eu tb pensava assim, mas fiquei pensando que talvez ele tenha uma certa razão, faz sentido. Claro que como ouvinte eu quero ouvir umas 100 músicas hahaha! Mas vendo pelo lado do cantor/músico, ele não deve gostar tanto assim! rs

  • Tem gente que adora se dar bem as custas dos outros.
    Eu trabalho em uma empresa de segunda a Sexta , e nos finais de semana sou manicure em casa, para ganhar um dimdim a mais e as pessoas acham que pelo fato de eu trabalhar fora não preciso de grana a mais e meu trabalho como manicure não vale o que cobro e o tempo que gasto para fazer um pé e mão que as vezes ficaram meses sem ver um alicate, e os materiais acetona e esmaltes são caros, trabalhei em um salão e o valor do pé e mão é R$ 30,00 eu cobro para fazer em casa R$ 25,00 e o povo chora pq está caro ou para pagar a semana que vem, te uma “Criente” que faz as unhas no salão toda semana paga os R$ 30,00 e no dia que ela está sem dinheiro resolve me ligar chorando para pagar a semana que vem rsrs absurdo né!!

    • Manda ela ligar no salão para ver se eles fazem fiado!! rs…rs…

  • Sei bem o que isso é. Sou arquitecta e trabalho em casa, onde também dou explicações a estudantes. Por um lado, as pessoas acham que estou desempregada e perguntam-me inumeras vezes se já arranjei alguma coisa… por outro lado,acham que tenho de trabalhar de graça. Se peço um valor pelas horas que dou explicação aos filhos, acham sempre muito (mas não percebem que faço aquilo que las não conseguem) ou se precisam de alguma coisa de arquitectura, acham que basta pagarem-me uma café para pagar o trabalho. Segundo elas porque eu faço “os bonecos” no computador num instante… Há dias em que já não tenho paciência para explicar, mas recuso-me a trabalhar de graça. Gosto muito de pagar aos outros pelo trabalho deles, portanto também exijo ser paga pelo meu!

    • Você faz em segundos, mas levou anos para aprender. É como meu marido diz: ele pode fazer uma foto em uma hora, mas são 25 anos de experiência + 1 hora de trabalho e isso tem seu preço! 😀

  • Ola Patricia, tudo bem?
    Aproveitando o “gancho” você poderia se possível nós ajudar a calcular o valor do nosso serviço? Eu quero começar a trabalhar com artesanato, mas não tenho noção de quanto cobrar.
    Que Deus continue te iluminando para sempre ajudar o proximo, que você receba tudo em dobro.
    Bjo
    Angela

    • Oi, Angela. No livro Bolsa Blindada 2 há um capítulo inteiro ensinando sobre a precificação com exemplos de cálculo e as fórmulas a serem empregadas. Logo, logo já estará disponível! Bjs

      • Quando vai ser lançado???

        Também tenho dúvidas de como cobrar por serviços, se conto por hora de trabalho ou pelo serviço em si. Consultei alguns colegas de trabalho e não consegui informações claras também…

        Estou relendo o seu primeiro livro… Ansiosa pelo segundo!!! 😉

  • OI Patricia li o seu livro de admiro para mim voce é um exemplo de superação obrigado por dividir com a gente sua história ainda não quitei minhas dividas mas já vejo uma luz no fim do tunel ao ler seu livro percebi que tudo na vida da gente tem uma saida e não me vejo mais perdida como eu estava . obrigado

  • Olá Patrícia acompanho o blog da Cristiane e li algumas msg suas tive curiosidade para conhecer melhor a escritora e cheguei no seu site. Estou adorando!! Bom sobre o assunto de hoje sou advogada e sinto isso diariamente todo dia tem gente ligando apenas para colher informação e barganhar preço . No começo eu dava todas as dicas e no final qdo dava o preço claro q o cliente não fechava . Com o tempo aprendi logo passo o preço se a pessoa achar caro ela tb não atrapalha meu tempo logo ela vai embora . Mas se o cliente tiver realmente interessado na contratação da prestação de serviços ele não liga para o preço ele quer resultado . Aprendi tb que se vc cobra barato não te dão valor . Claro q não vamos “viajar na maionese” mas temos q cobrar um preço justo quem quer amém quem não quer paciência… Bjs

    • Se todos praticassem um preço justo o mercado estaria mais equilibrado. O problema é que enquanto alguns “clientes” querem tudo de graça, alguns prestadores de serviço jogam os preços lá embaixo com medo de perder trabalho e prostituem o mercado. Mas fazendo a nossa parte já estaremos contribuindo positivamente. É como eu sempre digo: vamos fazer uma corrente do bem e certamente ela encontrará algum eco! Bjs

  • Olá Pati!
    Bem, eu amo decoração e quero trabalhar com isso em breve. Além de amar dar dar vida a coisas que iriam pro lixo. Sei que trabalhos assim demandam tempo e criatividade de quem os faz. Hoje, quando quero algo nessa área, procuro eu mesma fazer. Se alguém cobra um preço que eu acho caro, vou na internet e pesquiso como se faz e pronto! Faço eu mesma e ainda aprendo. Hoje eu entendo que trabalhos assim não ficam prontos da noite para o dia. Se é muito caro, então faca você mesmo. Ai sim, a pessoa vai ver que essas coisas não são fáceis assim.
    Beijos 😉

  • Muito bom Paty esse post, a Leticia faz Bolo Cenográfico de biscut, e a alguns dias atrás uma cliente ligou e pediu um orçamento para ela e mandou a foto do que ela queria, porém quando minha filha passou o preço ela ficou insatisfeita com o preço rsrs o pior é que no valor de 530,00 ela queria que minha filha cobrasse 200,00 kkkkkkkk a Leticia não pensou duas vezes, embora ela precisasse do dinheiro o que estava em questão era a valorização do trabalho dela e não simplesmente o dinheiro em si.
    Temos que nos valorizar porque lá fora no comercio dificilmente as pessoas nos valoriza, ou melhor são pouca as pessoas que nos valorizam.

    • Sei como é. A pessoa tem que adequar a verba dela à realidade dela e não desvalorizar o serviço dos outros…

  • ola isso e verdade ninguem quer pagar o preço que vale quando alguma cliente reclama do preço sempre lembro que meu preço e justo e meu trabalho e garantido.
    Gostaria de ter uma base sobre os valores que devo cobrar em um serviço no salão, para que não fique no prejuizo, e cobre um valor justo.
    incrivel seu livro obrigada por compartilhar suas experiencias isso esta me judando muito beijo.

  • Patricia!!! Vc nem vai acreditar!

    Enquanto lisa seu texto, estava tomando um café com minha mãe e uma amiga que está investindo em um negócio de decoração de festas com a minha cunhada. Está dando super certo apesar delas terem seus empregos paralelamente.

    E falávamos justamente disso… E também da nossa falha em não ter firmeza na hora de cobrar o nosso preço. Mostrei a foto da hello kit comentando o que vc escreveu. Rimos muito…

    Mas eu também já passei por isso: trabalho com divulgação de empresas no meu site e o que não faltam são propostas do tipo “coloca meu anúncio e se der resultado fechamos um pacote de patrocínio”. Tá, mas e o meu trabalho, minha credibilidade e todo valor agregado que nem estou incluindo no peço???

    Estive em reunião com uma cliente essa semana e ela comentava que hoje as pessoas querem exclusividade: pagar por algo que poucos podem pagar.

    Reconheci que muitas vezes queremos cobrar um preço baixo e acabamos desmerecendo nosso trabalho.

  • Olá patricia 🙂
    nossa… nem sei como falar rsrsrs
    A verdade é que este post relata exatamente a minha situaçao.
    No caso eu tenho jeito para o desenho,. E pessoas conhecidas pedem-me determinados trabalhos de acordo com as suas necessidades, mas não consigo colocar um valor a cobrar, porque faço os desenhos por amor e fica dificil por algum preço ( mesmo havendo amigos e familiares a aconselhar). Mesmo assim já houve comentarios do genero ” é uma boa maneira de aperfeiçoares “.
    mas depois de ler este post vejo que de uma forma indireta tenho feito os meus trabalhos com e por amor e ao mesmo tempo desvalorizando o mesmo.
    Realmente é chato.. Pois levamos tempo, material, etc.
    Minha amiga partilhou este post comigo dizendo que eu deveria ver rsrsrs e tinha razao 🙂
    Obrigada por esta dica incrivel que mudou minha visão beijinhos

    • Obrigada pelo comentário! E é isso mesmo, a primeira pessoa que deve valorizar seu trabalho é você mesma

  • Muito bom mesmo esse texto, é bem assim mesmo, as pessoas não valorizam os nossos esforços, no meu tempo livre faço ponto de cruz, e tem pessoas que só por me conhecer acha que eu tenho que fazer de graça ou cobrar mais barato. penso assim agora, ” Tá achando fácil e caro, então vai fazer. ” Beijão e adorei os comentários das colegas a cima.

  • Muitas Patrícia. Minha reação? De muita irritação. Trabalho com doces e salgados e já escutei muitas coisas do tipo: esses docinhos são pequenos; ah, na esquina eu vi maior pelo mesmo preço; me dá um desconto? As pessoas no geral não valorizam o trabalho dos outros. O que eu faço é seguir em frente e assim eu continuo arrebentando no que faço. inclusive, vou passar o link da minha página.
    http://www.facebook.com/rainhadosdoces1

    • Sempre vai haver quem valorize seu trabalho, então fique focada nelas!! Bjs

    • Oi, Andrea. Eu creio que investir na carreira fazendo alguns trabalhos até é válido, mas assumir serviços em que outros irão ganhar realmente não é nada bacana. Muito interessante os argumentos no artigo, gostei!

  • Muito bom, rsrs
    Tem mesmo muito sem noção por ai, mas as vezes é até poque não fazem nada, então não dão valor aos que fazem algo da vida..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *