O esquema da preguiça organizada

Assim como existe crime organizado, a preguiça também se “profissionalizou” e tem invadido empresas por aí. Confira como as pessoas estão cada vez mais criativas nesse quesito!

Quando voltei de Londres para o Brasil não foi nada fácil me readaptar. Saí de lá no final do inverno e aqui estava um calor tão grande que passei mal durante vários dias.

Além do clima, tive de me acostumar com esse “mundo virtual” que existe por aqui, onde pessoas marcam compromisso para as 15h e chegam quase às 16h (mas a culpa nunca é delas), gente que assume responsabilidade e não cumpre (mas sempre tem uma ótima desculpa para isso) e por aí vai.

Não que isso não aconteça lá fora, mas posso dizer que estamos mais bem colocados no “ranking dos descompromissados” do que muitos outros povos. Não há nenhuma pesquisa que comprove isso, mas acho que você sabe bem do que estou falando…

Mas o ponto alto da minha indignação aconteceu quando eu conheci o “esquema da preguiça organizada”. Creio que você já deve ter visto algo assim, mas talvez não com o requinte da situação que vou contar.

Eu chefiava duas redações, então tinha que me dividir entre elas para acompanhar o trabalho das equipes. Porém, um dia notei que raramente via toda a equipe de uma das redações junta. Eu entrava na sala e todos os computadores estavam ligados, havia casacos pendurados nas cadeiras e parecia que todo mundo estava lá. Mas meu “radar” apontou que alguma coisa muito esquisita estava acontecendo ali…

Foi quando marquei uma reunião de pauta, que acontecia todos os meses, mas exigi a presença de TODA a equipe. Antes disso, eu já havia passado na redação e visto que aparentemente todos estavam presentes, por isso, disse que não começaria a reunião até que todos estivessem na sala.

Incrivelmente os outros começaram a dar diversas desculpas para justificar a ausência de uma das repórteres:

“Ela está no banheiro, vamos começar.” – disse uma delas. “Não, vamos aguardá-la” – respondi.

“É que ela não está bem… Melhor a gente seguir sem ela” – outro completou. “Então um de vocês vá buscá-la para levá-la à enfermaria.” – eu disse.

“Éééé…. Não é caso de enfermaria… Ela não está tão mal assim… Daqui a pouco ela aparece” – disse a encarregada. “Ótimo! Se ela já vem, vamos aguardá-la” – respondi.

O tempo foi passando e nada da repórter aparecer. Os outros estavam suando frio, engolindo seco e insistindo para que eu começasse logo a reunião. Mas percebi que era mentira e que a repórter não estava na empresa. Chequei novamente o computador da repórter, que ainda estava ligado e vi a agenda aberta com uma caneta (destampada) em cima. E, como um toque final na encenação: o casaquinho de tricô da repórter apoiado no encosto da cadeira. Quando voltei a encarregada começou a chorar e confessou que estavam mentindo e que a “verdade” era que a repórter estava de licença médica e “não queria me aborrecer” com o problema dela.

Conclusão: descobri que cinco delas se revezavam faltando cada uma num dia da semana. As demais faziam o teatrinho para me enganar e até batiam o cartão da que faltaria no dia. Um super esquema, mais organizado que o trabalho delas…

Se você acha que mandei todas embora, acertou. Mesmo as que não participavam do esquema também foram demitidas pelo simples fato de não terem denunciado. Quem acoberta é tão culpado como quem comete o erro.

Por isso, além de não fazer parte do “esquema da preguiça organizada”, se você sabe que ele existe aí na sua empresa, denuncie.

“Para o triunfo do mal, só é preciso que os bons homens não façam nada” – Edmund Burke

 

86

E se você não está no Desafio dos 100 dias, corra porque só faltam 86! Para saber mais e participar, clique aqui.

Nos vemos!

 

 

Jornalista com atuação no Brasil, Inglaterra, Argentina e Israel. Autora do best seller Bolsa Blindada e palestrante na Universidade de Harvard.

  • Carolina diz:

    Toda vez que eu leio posts como esse, fico feliz por saber que ainda existem pessoas corretas. Porque está tão difícil de encontrar.

  • Rosinei Ribas diz:

    Puxa!
    Achei que só eu percebia isso …
    Ja denunciei várias vezes, inclusive esta semana a terceirizada da limpeza que não “bate o ponto” aqui na empresa mas chega e sai na hora que quer deixando todo o trabalho dela por fazer;
    Só que ninguém faz nada por pena!
    Que pena mesmo.
    Abraços

    • Patrícia Lages diz:

      Pois é… “pena” de alguém que está agindo de má fé. Não consigo entender… Sei que é comum, mas não consigo entender… 🙁

  • Elisangela diz:

    Londres, Londres!!! Tao linda cidade, e ainda vem com a pontualidade britanica!!!!!!
    Bjs
    Paty xxxx

    • Patrícia Lages diz:

      Ai, que saudade!! Mas agora que minha best teacher voltou ao Brasil, comecei a ter aulinhas estou matando um pouco da saudade!! 🙂

  • Danielly diz:

    Olá Patrícia!
    Desde pequena me deparo com situações assim. Sou considerada a “X9”.
    No meu último emprego, denunciei o que algumas funcionárias estavam fazendo de errado. Não foi pelo simples prazer de vê-las se dando mal. Mas pelo bom funcionamento do estabelecimento. Minha chefe, que tanto estimava, usou o meu nome e colocou mais lenha na fogueira. No final das contas acabei saindo do trabalho e a pessoa que gerava toda a confusão ficou. Estou tentando juntar os meus cacos, seguir em frente. Mas está difícil.
    Contudo fico com a Palavra de Deus:
    “Eu disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo”.
    João 16:33

    • Patrícia Lages diz:

      Já aconteceu comigo tb, Dani. O seu comentário me fez ver que preciso contar essa má experiência (que virou boa) em mais uns posts. Obrigada por me dar esse “estalo”! 🙂

  • Delândia Silva diz:

    Bom Dia Blindetes Lindas … Bom Dia Nossa Blindete Mor Patty…
    Que post impactante né ???!!!
    Quanto mais vivemos, mais percebemos a dificuldades da vida…
    Fazer a coisa certa nem sempre é fácil por conta das acusações porém é a melhor atitude a tomar.
    Já aconteceu algo parecido comigo, e durante muito tempo me chamaram de tudo porque denunciei…no fim os que fizeram o errado saíram, e eu que ouvi tantas acusações permaneci…valeu a pena.
    Beijos lindinhas !!!

    • Patrícia Lages diz:

      Sempre vale a pena, amiga. Paga-se o preço, mas é como numa caderneta de poupança: um dia vc recebe os dividendos! 🙂

  • Ana Augusta diz:

    Que absurdo….

    Acredito que isso seja digno de justa causa, estou certa?

    Aconteceu isso com um colaborador que eu gerenciava: ele chegava sempre atrasado, mas os registros do cartão de ponto indicavam o horário certo todos os dias.

    Descobrimos que ele tinha um esquema com o controlador de acessos, que pegava o crachá dele em uma gaveta e passava no relógio de ponto pontualmente. Para ajudar, esse colaborador tinha estabilidade por ser da CIPA e atuava de forma super prestativa, pronto para tudo, “simpático”… tudo uma fachada que já estava cheirando mal.

    Engraçado que sempre ouvia comentários da minha equipe me elogiando “ela é tão boazinha” com uma conotação de “bobinha”, quando na verdade, ser boa é sinônimo de ser justa.

    • Patrícia Lages diz:

      É muito difícil que as empresas consigam provar algo que leva a uma demissão por justa causa. A lei existe, mas a prática é difícil, pois muitas vezes parte-se daquele princípio do passado de que o patrão é sempre o que explora e o trabalhador é sempre o explorado (até quando ele erra a culpa não é dele, coitado!). Já sendo “injusta” a forma desse relacionamento explorador/explorado, pende-se sempre para o “lado mais fraco”. Só que, hoje em dia, esse “lado mais fraco” acaba virando – em inúmeros casos – o lado negro da força!! hahahaha… É rir pra não chorar!

  • Carina Braz diz:

    Bom dia,

    Gostei muito desse post, pois realmente e infelizmente no Brasil as pessoas não cumprem horário, confesso que gosto de marcar horários e sempre chegar 15 minutos antes, mas a outra parte sempre chega atrasada, acho isso uma falta de educação. Também já trabalhie em uma empresa onde os funcionários batiam cartão um do outro, e a desculpa é que eles moravam muito longe e que seria injusto descontar do salário, desculpas esfarrapadas como sempre. Até que um dia forma pegos no flagra e oesquema da preguiça foi desmanchado.
    Acho muito importante esse tema e acho que poderia ser mais abordado, parabéns pelo assunto escolhido, e espero muito mais para poder aprender mais ainda sobre esses tipos de esquemas.

    Beijos. Carina

    • Patrícia Lages diz:

      Eu só espero que os próximos exemplos não sejam comigo porque presenciar isso mais de uma vez será dose pra elefante!! hahahahahaha….

  • Carmem Patrícia diz:

    Bom Dia Paty.
    Realmente a preguiça organizada ele existe e aqui onde trabalho não é diferente. Todas se organizam ao ponto de ficarem horas tomando café conclusão sobra todo o serviço para quem fazer?
    Eu
    e o pior de tudo que o dono da instituição nem liga pra nada é mole?

    • Patrícia Lages diz:

      Um dia ele vai ligar. Cedo ou tarde…

  • Viviane diz:

    Amei de novo Paty!!!
    É cada post um melhor que o outro.
    Bjs

    • Patrícia Lages diz:

      Vivi, vc pode amar só o post, mas não a preguiça, hein!!! hahahahahaha…!

  • Elisangela diz:

    Patricia, boa tarde!

    Estou sempre antenada nos posts, sao maravilhosos.
    A propósito…sobre Londres, teacher, aulas de ingles…
    Vc indicaria sua teacher, quero muito ter aulas particulares, nao me acostumo mais com aulas convencionais nessas escolas rs.

    Bjs, tks

    • Patrícia Lages diz:

      Eu super indico, Vc mora em SP? Pode me responder pelo “Contato” que eu te passo os contatos dela! Bjs

  • Debora Luz diz:

    E como eu aprendo com você Paty!!! Até já havia denunciado mas agora sei ainda mais me posicionar! Obrigada!

  • Gislaine Tavares diz:

    Que cara de pau desse povo.

  • Gisele diz:

    Olá Meninas

    Este Post nos leva a uma reflexão de como fazer o que tem que ser feito do jeito certo. Todo esquema de mentira um dia vai ser descoberto.

  • Sabrina Mix diz:

    Este post me fez lembrar de duas situações pelas quais passei, em empregos diferentes.

    1- Tinha uma colega que saía para “almoçar” todos os dias às 11h e só retornava às 16h. Achava aquilo um absurdo, mas a chefe não falava nada e eu simplesmente não sabia o que dizer aos clientes dela, que viviam telefonando. Eu sempre respondia que ela tinha acabado de sair para almoçar (independente de ser 11h ou 15h). Entenda, eu não mentia para acobertar nada, nem amiga dela eu era, mas acho que sentia vergonha alheia e não sabia mesmo o que dizer. Até que um dia um deles me pegou na mentira e levei a situação até a chefe. Nesse dia fiquei sabendo que a colega estava passando por problemas com drogas (tinha até alguma restrição por causa disso) e que a gente não podia fazer nada. Felizmente ela percebeu que aquela situação estava insustentável e pediu licença do trabalho para se tratar.

    2- Em uma avaliação periódica do meu trabalho, fui responder à minha auto-avaliação e dei a nota 4 para a minha pontualidade. Realmente, eu não era muito pontual (agora estou bem melhor, mas sempre na luta). Mas o chefe mandou eu refazer a avaliação e mudar minha avaliação para 10. Fiquei pasma, mas tive que refazer.

    Beijos e sucesso!!!

    • Patrícia Lages diz:

      Dois casos realmente bem pontuais. No caso da colega de trabalho, a chefe deveria ter sugerido a licença e não ter deixado que os clientes da funcionária ficassem a ver navios. A empresa não deve (e nem pode) abandonar um funcionário nessa situação, mas permitir uma conduta que faça os clientes ficarem sem atendimento não está nada certo. Ela não soube gerenciar a crise a tempo. E sobre a avaliação periódica, realmente não dá pra entender o motivo de aplicar uma avaliação onde não se fala a verdade… Coisa de doido!! hahahaha…

  • Fabi diz:

    Boa noite dona Patrícia,

    É triste essa situação, as pessoas negligenciam suas responsabilidades a troco de nada, o pior é quando isso afeta diretamente a vida de outras pessoas. Parece que vivemos no “cartel da preguiça”, onde o certo é o errado e o errado é o certo, é muito comodismo, reclamações e na hora H … nada que se tire proveito.
    Obrigada por se deixar usar pelo Espírito Santo para nos mostrar que muitos hábitos de nossa sociedade não são nada saudáveis e nem devem ser cultivados.
    bjs

    • Patrícia Lages diz:

      😀

  • Juliane Bieda diz:

    Podia jurar que o assunto seria sobre a organização de uma pessoa preguiçosa e fiquei surpresa à medida que li o post!
    Mas como alguém disse em um dos comentários, que bom que ainda existe gente correta (como vc e minha chefe 😛 ), precisamos aprender mais com o povo britânico sobre pontualidade e organização.

  • Joyce Maciel -Belém/PA diz:

    Minha vó já dizia que a mentira tem perna curta 🙂
    Quem é relaxado no que faz está plantando o que é mal e com certeza colherá no futuro breve,os frutos.Quem tem palavra tem bom caráter.

  • Kalyne Amorim diz:

    Chega a ser espantoso tal atitude. Como pode alguém agir assim? Falta de escrúpulos!

  • Andrea diz:

    Fiz aniversário no dia 29/09 e advinha o que eu pedi de presente para o meu esposo…..? Isso ai foi o livro Bolsa Blindada 2 o 1 eu já li e adorei porisso resolvi pedir o 2 e chegou hoje, estou louca para começar a ler….e feliz por ter chegado meu livro…..

    • Patrícia Lages diz:

      Legal!! Depois conta o que achou 🙂

  • Naiane Lima Nascimento diz:

    Gosto muito da sua sinceridade e do seu jeito justo, esse post foi muito interessante principalmente quando você fala que as pessoas que sabiam do erro e não falaram, também foram demitidas, até agora estou refletindo sobre isso.

    • Patrícia Lages diz:

      Passados mais de 10 anos desse ocorrido e eu ainda estou refletindo!! rs…rs…!

  • Fernanda Xavier diz:

    Estou pasma! Já vi muita coisa na vida, mas um esquema desses é demais para meu cérebro! Mandar todos embora mesmo, como confiar em uma turma dessas?!

  • Cassia diz:

    Eu nunca havia ouvido falar sobre isto,mas algo um pouco semelhante e o mais prejudicado é quem comete este erro,pode ser que hoje ela tenha este sentimento que esta tudo bem mas vai chegar a hora em que ela vai ter que acerta as contas de todas suas atitudes. Hoje vimos um exemplo a não ser seguido.

  • Patricia diz:

    Nunca cheguei a cometer tamanhos esquemas, mas confesso que chegava atrasada no meu ex-trabalho e colocava na folha de ponto que cheguei na hora certa. ” Shame on me”! Todos faziam, eu fazia também, pois se colocasse o horário em que cheguei realmente, eu seria descontada ou poderia até ser mandada embora. Que vergonha tenho disso agora. Por isso, é muiiiiito importante a gente ler coisas de Deus e de pessoas que são de Deus, como você, Patricia. A vergonha que sinto hoje me serve para fazer diferente amanhã. Muito obrigada por aprender tanto com você. A amargura do arrependimento faz a gente se transformar na pessoa que Deus quer de nós.

  • Francislene diz:

    ”Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face?
    Se subir ao céu, lá tu estás; se fizer no inferno a minha cama, eis que tu ali estás também”. (Salmos 139.7-8).
    Engano é pensar que Deus não vê o que você está fazendo, ou que Ele vê é que por amor não colhemos as consequências de nossas atitudes. Ele vê tudo; não podemos nos esconder de Deus. Esta semana estava num bate papo com os adolescentes da igreja e Deus me deu está frase: “ Quando você for fazer algo que é errado não olhe para os lados para ver se tem gente olhando, olhe para o alto”. As pessoas podem não ver o que você faz quando está só, mas Deus sabe; para ele todas as coisas são transparentes.

  • Joselene Lima diz:

    Eu confesso que sou péssima com horário (nunca chego na hora em qualquer compromisso, até na igreja 🙁 ) mas sei que é um erro grave meu e nunca tento justificar. Sei que o certo a fazer é me consertar pois já perdi muito com isso, mas confesso que não é fácil 🙁

  • Debora diz:

    muito interessante esse post as vezes de tanto ser feito o erro as pessoas sentem que tem o direito de continuar fazendo. seus posts estão ajudando muito a me equilibrar na minha vida financeira.

  • Karina diz:

    Já fui gerente de um salão de beleza, e tinha que cuidar dos cabeleireiros e manicures (quem conhece os tipos, sabe que não são nada fáceis). Meu patrão me deixava bem a vontade, mas todos os dias eu tinha que passar pra ele tudo que acontecia no salão dele, e eu passava. Era hostilizada pela equipe, porque uns roubavam, outros faltavam, uns gastavam o que não era pra gastar, enfim uma zona. E eu contava tudo pra ele, sofri muito lá e já quase apanhei. Até que saí de lá e a outra gerente não falava nada. Conclusão, ele não aguentou e o salão fechou. bjs

  • Erika Mello diz:

    Nossa fiquei impressionada com os relatos, estou começando minha carreira então estou a todo vapor no trabalho, infelizmente nos deparamos com pessoas que não estão no mesmo gás, mas não compactuo com este tipo de atitude

  • Laís Silva diz:

    Este Post nos leva a uma reflexão,fazer o que tem que ser feito do jeito certo..
    Pois tudo que está escondido um dia será descoberto!

  • Michele diz:

    Com certeza esse post nos ensina uma grande lição, pois nos mostra do que as pessoas são capazes devido a preguiça e ainda nos conscientiza que não basta apenas não sermos preguiçosos, mas não devemos incentivar e encobrir a preguiça alheia.

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: