Se você está na contramão de movimentos que exploram a imagem da mulher e que as usam para difundir mais ódio que tolerância, este desafio é para você!

Mulher na contramão

Neste Dia Internacional da Mulher vamos dar início a um novo desafio aqui no blog!

E, para que você entenda o propósito, veja o que será abordado.

Todos os domingos, terças e sextas vamos trazer um post reflexivo sobre o nosso papel como mulheres.

O objetivo desses posts é exatamente o que o nome do desafio propõe: andarmos na contramão!

Por exemplo:

Você vê esses movimentos que mostram a mulher como alguém que precisa constantemente provar que é melhor que todo mundo, mas não quer ser assim.

Diante de palavras como “empoderamento feminino”, “girl power” e outras nesse estilo, você não se sente representada.

Ou você não está contente com respeito à forma como a imagem da mulher tem sido explorada em tudo.

Se esse tipo de pensamento tem passado pela sua cabeça ultimamente, você já está na contramão!

Portanto, este desafio é para você que quer continuar andando na contramão de ideias que mostram a mulher como uma pessoa encrenqueira, que quer impor suas vontades no grito e que se acha superior a tudo e a todos.

Nós, como mulheres inteligentes, não deveríamos ser constrangidas a aceitar movimentos que não nos representam.

Não temos de acatar imposições que nada têm a ver com os nossos valores, por isso, convido você a andarmos na contramão disso tudo.

E para ter uma ideia de como trabalharemos esses assuntos, aproveite o domingo e leia também este post aqui.

Se você está disposta entrar nesse desafio, comente abaixo o que mais tem incomodado você com respeito a esses movimentos femininos e/ou feministas que se levantaram nos últimos anos.

Nos vemos na próxima terça!

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Olá Patrícia!!!!! Lembrei de uma reportagem exibida no Fantástico onde algumas adolescentes lutavam pelo “direito de usar shortinho na escola”.
    Achei o “Ó”!!
    Mulheres podem se vestir como desejarem (aliás, todos podem), mas eu prezo muito tb o ambiente em que estamos. Escola não é lugar pra desfile de moda.

    • O que me pergunto é: com que intenção isso vira “notícia”… Tantos direitos precisam ser alcançados, mas quem se interessam em noticiar, não é mesmo?

  • Não apoio e não me sinto representada por esse movimento. Acredito na força que a mulher tem, e me sinto feliz por cada conquista que nós tivemos ao longo dos anos. O que mais me incomoda nesse movimento, é a competição desnecessária com o homem, e também a forma como elas usam para “gritar” pelos direitos. Desvalorizando as mulheres.

  • Trabalho no agronegócio e não gosto como o movimento feminista/femininos colocam algumas coisas recentemente vi uma postagem das @mulheres da Fitopatologia. Sou fitopatologista. Nesta postagem mostrava uma mulher que tinha recebido flores e chocolate no dias mulheres usando as flores para bater no homem que as deu. Não acho isso necessário. Tenho 20 anos de profissão, nunca percebi preconceito comigo e tb não me tornei homem para ser respeitada. O respeito à admiração pelo seu trabalho e construído com esforço todos os dias e isso vale para todos os gêneros, raça e cor. Este movimentos não me representa. Muitas mulheres destes movimentos nunca trabalharam, dizem que são pelas mulheres, mas não vejo os movimentos indo a favelas ou outros lugares que muitas mulheres precisam de ajuda. Sempre digo que não sou feminista. Sou emancipada!

  • Minhas amigas acham estranho eu saber cozinhar e gostar de assuntos ligados à vida doméstica, como lavagem e secagem das roupas para durarem mais, como montar uma despensa completa. Tenho 37 anos. Hoje de manhã, estava arrumando meu guarda-roupa. Já tomei a minha decisão: continuar andando na contramão.

  • Adorei esse desafio! Já entrei só pelo título!
    Me sinto exatamente como você descreve no texto. Cheguei à evitar olhar as postagens de parabenização pelo dia da mulher para não precisar lidar com esse dito “empoderamento”, a nova modinha do momento!
    O que mais me incomoda nesse discurso “empoderado” é a mentira que contam para as mulheres mundo a fora. Um discurso hipócrita, que vai contra a natureza e essência da mulher. Ao mesmo tempo que, me entristece perceber quantas delas não sabem seu verdadeiro valor e propósito, e como é linda e importante nossa função, justamente por termos certas características únicas da mulher que tanto esse discurso tenta abafar e desvalorizar. Bjs

  • Vi na TV rapidamente a cena de mulheres com os seios de fora, pintadas de vermelho que suponho seria para representar sangue… a expressão triste de uma delas me fez pensar que ela estava ansiosa por um abraço de alívio… Na contramão, sempre!!

  • O que mais me incomoda é que a mulher não tem feito o seu papel! E ainda quer fazer o papel do homem!

  • Amei esse novo desafio .E vou estar acompanhando!!
    Às vezes , vejo certos comentários de mulheres que se dizem ” empoderadas ” , mais que se submetem às coisas , que não se faz jus ao que se falar.

  • Eu me sinto envergonhada com diversas atitudes destas mulheres. E o pior de tudo é quando ela tem a mesma atitude errada que não gostaria que fizessem com ela… e para descer mais a ladeira ainda gritam: “- Estamos representando as MULHERES!”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *