Mau atendimento virou lei

Você não fica roxa de raiva com a maneira que tem sido atendida ultimamente? O que está acontecendo com esse mundo? 

Longe de querer inventar uma fórmula para não ser mais mal-atendida, o post de hoje tem a intenção de fazer uma reflexão sobre o assunto, além de um desabafo desta blindete que anda cansada de ser mal-atendida! Veja o diálogo abaixo (que aconteceu em um prédio super conhecido na Av. Paulista) e me diga se isso só acontece comigo:

_ Bom dia, meu nome é Patricia. Eu vim falar com a Fulana, da empresa X.

_ Empresa X…? Aqui não tem nenhuma empresa X… – diz o atendente da portaria, que trabalha de terno e gravata, em uma mesa imensa de mármore branco tão bem polido que até brilha.

_ Tem sim, fica no 9˚ andar.

_ Ah, é? E você veio falar com quem?

_ Com a Fulana.

_ Ééééé… Qual seu nome?

_ Patricia.

_ Dona “Priscila”, a senhora tem certeza que é aqui?

_ Tenho, 9˚ andar, sala 911.

_ Você tem o telefone de lá?

_ Tenho. Você quer anotar?

_ “Falaê”, mas eu acho que você está enganada, essa empresa deve ser no outro lado da avenida…

_ Eu posso te dar o telefone, mas você vai anotar onde? Não estou vendo nenhum papel ou caneta com você…

_ Anotar? Ah… espera… Ôôôôôôôô, Cidinhaaaaaa (gritando para uma moça na outra ponta da mesa). Me dá uma caneta? (A Cidinha desliza uma caneta pelo mármore). Pronto, moça. Fala o número.

_ Moço, e o papel? Vai anotar na mão?

_ Pô, Cidinha (gritanto), você nem pra me dar um papel? Pelo amor de Deus, hein? Dá um rascunho, aí!

A Cidinha grita que só tem um bloco e é dela. A fila na recepção cresce, mas o sujeito nem liga e começa a procurar um papel com toda calma do mundo. Como não encontra, resolve tentar outra tática.

_ Cidinhaaaaa, essa moça aqui… Qual o seu nome mesmo, Claudia?

_ Meu nome é Patricia.

_ Ó, essa moça aqui vai na empresa X. Mas não é aqui não, né?

_ Lógico que é! – responde a Cidinha – É no 9˚ andar, sala 911. Liga lá!

_ Bom, se é aqui eu olho na lista de ramais…

A criatura me abre uma gaveta e puxa a lista com TODOS os ramais de TODAS as empresas do edifício. Leva uma eternidade para perceber que o 9˚ andar fica entre o 8˚ e o 10˚ e liga lá.

_ Alô? Quem é? Giovana? Aqui é o Beltrano da recepção, tudo bem? Calor hoje, né, amiga? Olha, eu tô aqui com uma pessoa na portaria é aaaaaa…. (começa a estalar os dedos pra mim e, como eu não respondo, ele cobre o telefone e pergunta). Ô, moça, como é o seu nome mesmo?

_ Pa-tri-ci-a.

_ É a Patrícia que tá aqui na portaria… Oi? Com quem ela veio falar? “Péraê”… “Priscila”, você veio falar com quem mesmo?

_ Meu nome é Patricia e eu vim falar com a Fulana!

_ É com a Fulana que ela quer falar, pode subir? Ela tá nervosa aqui, viu? É… hoje tá que tá essa portaria! Ah, tá… Obrigado, hein! Tchau!

_ Moça, documento com foto, por favor.

Dou o documento e ele fica olhando de um lado e de outro e nada de fazer o meu crachá de entrada. Daí eu não aguento e digo:

_ Moço, por favor, eu tô me atrasando aqui, você pode ser um pouquinho mais rápido, por favor?

_ Moça, tem paciência, não adianta nada ficar nervosa. A senhora devia se acalmar! Cidinhaaaaaaa… Joga etiqueta “aê” pra mim, porque as minhas acabaram!

Cidinha joga as etiquetas e o cidadão percebe que perdeu a caneta que havia acabado de ganhar… Eu respiro fundo e penso que estou nas Bahamas. Depois de quase dez minutos, o sujeito liberou a minha entrada. Detalhe: quando cheguei na portaria, não havia ninguém na minha frente, mas, quando saí, tinha uma fila de umas 20 pessoas bufando e reclamando.

Certamente essas pessoas iam ser mal-educadas com o porteiro, pois estavam cansadas de esperar pela vez. Eram 9 da manhã e já havia uma atmosfera de stress no local, porque uma única pessoa resolveu não fazer seu trabalho direito. Por outro lado, as empresas estão mais preocupadas em ter uma recepção linda e maravilhosa, no que se refere à aparência, do que treinar pessoas para atender linda e maravilhosamente quem chega à empresa… Uma pena.

O que eu quero dizer com tudo isso (além do desabafo), é que você reflita em como os padrões hoje em dia estão baixos. Eu diria que eles estão abaixo do mínimo que se deve considerar. As pessoas não têm o mínimo de habilidade para exercerem suas funções e não estão nem aí para isso. Elas não têm mais vergonha de nada e a falta de vergonha é uma coisa muito ruim. Guarde esta frase dita por Renato Cardoso em uma palestra que tive o privilégio de assistir domingo passado:

“As pessoas vivem na vergonha quando não se envergonham de seus maus comportamentos ou quando não usam essa vergonha como força para sair dessa situação.” 

Nos vemos!

Jornalista com atuação no Brasil, Inglaterra, Argentina e Israel. Autora do best seller Bolsa Blindada e palestrante na Universidade de Harvard.

  • keith diz:

    iiiiiii, isso ja aconteceu com migo ,tbm tantas vzs k até da vontade de ensinar as pessoas k trabalham na recepção .
    Tendo em conta que eu tbm faço o mesmo trabalho(que pena não estão a valorizar esse lindo trabalho)

  • Vânia Maria Gabriel de Souza diz:

    Ontem passei por uma situação parecida num supermercado de uma famosa rede.
    Precisava comprar cravos para uma sobremesa. Ao passar pelo caixa me assustei pelo valor total na máquina registradora. Pedi para conferir o valor exato do pacotinho:
    “Ooooooooo fulana, fulaaaaaanaaaaaa!” E a tal fulana no “maldito” celular! Mandou um rapaz atender! Daí o jovem, com toda má vontade do mundo, grita:
    “Onde a senhora pegou isso aqui?”
    Arregalei os olhos!
    “Moça, por favor, peça a alguém que esteja com vontade de trabalhar para resolver o assunto!”
    “Ooooooo, fulana! A senhora precisa resolver o preço deste produtoooooo!”
    A fulana, ainda no celular, pediu a outra funcionária para atender!
    Alguns minutos depois ela retorna dizendo:
    “Olha, o gerente disse que o preço é este mesmo e que os outros preços são de tal produto, tal produto, tal produto…..”
    Saí de lá com as mãos vazias, sem acreditar no que estava ouvindo! Alguém acreditaria na informação?
    Então fui resolver outras coisas. Depois fui ao SAC da loja que era ali pertinho.
    Muito bem atendida, esperava do lado de fora do portão uma funcionária vir me atender. Só que outra funcionária saiu para “dar um tempinho na calçada e fumar ali perto de mim!”
    Com a demora no atendimento, falei ao Segurança que me desse um telefone porque não dava para respirar cigarro enquanto aguardava!
    Quando ele olhou a moça fumando tranquilamente, a mesma comentou: “Aqui não tem placa de ‘proibido fumar’!
    Eis que fui levada à recepção do tal lugar. Rapidamente uma atendente educada falou comigo, anotou tudo prometendo responder ontem mesmo, me acompanhou até o portão.
    Ainda não recebi minha resposta!

  • Nayana diz:

    Bom dia Patrícia, você tem toda a razão. Eu sou de Brasília e o atendimento em geral aqui é o pior do Brasil, todo mundo reclama. Um dia desses eu conversei com uma pessoa, ele era de Mato Grosso (que eu me lembre), disse que lá o vendedor só falta colocar um tapete vermelho para o cliente passar, enquanto aqui o vendedor/recepcionista só falta te matar com os olhos quando você entra na loja. Está aí uma idéia para empresas capacitadoras investirem – na qualificação do atendimento!!! Urgentementeee! E os erros são clássicos de recepcionistas e vendedores: pressa, gíria, ficar em cima para a pessoa comprar, tudo o que o cliente fala é dado como absurdo ou ridículo, ficar conversando com os outros funcionários em clima de brincadeira enquanto atende, dar preferência ao Facebook ao invés de dar a devida atenção ao atendimento, ai… dá raiva até de pensar. Enquanto isso, tem um médico aqui em Brasília que é muitissimo bem sucedido, ele faz questão de ir até o paciente na recepção e pegar pelo braço para levar ã sala de atendimento, dá um show! Verdadeiro tratamento VIP, e é disso o que precisamos – FAZER DIFERENTE E INVESTIR EM NOSSOS FUNCIONÁRIOS!

  • Lily diz:

    Patricia e verdade, eu trabalho com cosmeticos para uma empresa de luxo aqui na Inglaterra, temos varios treinamentos para dar o melhor atendimento para nossos clientes e creio que dou pois e assim que gostaria de ser atendida. Mas o que acontece e que infelismente quase todas as vezes que vou fazer compras fico frustrada com o atendimento muita das vezes terrivel. P.S Nao acontece com vc apenas rsrsrs…o pior e que e no mundo todo.
    Bjs.

  • Sueli diz:

    Só de ler o ocorrido já fiquei estressada também. Todas nós já passamos por uma problema parecido. Seja pessoalmente ou por telefone. Vemos a falta de educação das pessoas por toda parte. Lembro que alguns anos atrás um homem cedia seu lugar para uma mulher sentar, hoje eles nos empurram para sentar e nem se quer pedem para segurar nossa bolsa (me refiro aos transportes coletivos). Só por Deus! Haja paciência.

    • Patrícia Lages diz:

      Eu me lembro dessa época em que os homens cediam seus lugares. Agora eles sentam e fingem que estão dormindo…

  • Adriana diz:

    Pois é. ..somos tão mau atendidas que o contrário se torna novidade.

  • Ana diz:

    Meu Deus!!

    Isso é uma constante, para não falar nas lojas onde temos a intenção de gastar o nosso tão suado dinheirinho,
    Quando chega é você que tem q abordar a vendedora que está em uma rodinha conversando animadamente e te fulmina com um olhar do tipo- vc está atrapalhando a minha conversa.

  • eliete medas diz:

    Bom dia Pat!
    Meu esposo e eu estivemos em Porto Alegre na semana do natal e fomos a um mercado comprar algumas coisas e vi uma vasilha de plastico que estamos precisando ao preço de R$ 1,99 ,ao passar pelo caixa o valor do produto era R$ 18,00.
    Para nossa surpresa o gerente não soube o que fazer e a caixa que nos atendou disse a seguinte frase” Ai meu Deus,de novo…”.
    Toda a confusão durou uns vinte minutos ,não levamos a mercadoria, o valor foi abatido e meu marido ficou azedo.
    A falta de profissionalismo é muito grande, a todo instante temos que usar os frutos do espírito,pois se não for por eles cometemos loucuras. rsrrs,bjs e um excelente dia!!!

    • Patrícia Lages diz:

      Verdade, Eliete. Temos que ter paciência e relevar. Bjs!

  • ADRIANA diz:

    VERDADE. ISSO ACONTECE MUITO , COMIGO ACONTECEU ALGUMAS VEZES E
    FICO MUITO REVOLTADA. COMO PODE AS PESSOAS TRATAREM OS SEUS
    FREGUES COM TANTA MAR VONTADE!? POXA MINHA VÓ ERA COMERCIANTE
    E SEMPRE DIZIA ” O FREGUÊS SEMPRE TEM RAZÃO” PELO MENOS NA MAIORIA
    DAS VEZES.. HOJE NÓS NUNCA TEMOS RAZÃO E AINDA SOMOS ATENDIDOS COM
    DESDÉM.

    • Patrícia Lages diz:

      Sua avó estava certa…

  • Leila Sousa diz:

    Nossa, é bem isso mesmo!!
    Detesto ir ao supermercados, principalmente aos domingos…
    Os caixas acham que estão nos fazendo um favor!
    Um absurdo!

  • Camille Lago diz:

    É quase inacreditável de tão absurda que foi essa situação. Você ser mal atendido é algo terrível mesmo, ninguém quer entrar num lugar e ser maltratado. O mínimo que se espera de alguém que trabalhe com o público ele que ele trate bem as pessoas. A coisa tá tão feia que até em lojas onde o bom atendimento pode ser responsável por mais vendas a gente vê esse tipo de coisa. Meu primeiro emprego foi numa livraria e não tinha nada a ver com minha área mas eu tratava as pessoas como eu gostaria de ser tratada, mesmo não gostando de trabalhar naquilo.

  • Ana Augusta diz:

    Verdade, Patrícia, esse problema é geral.
    Esta almoçando outro dia em um restaurante de qualidade quando quase levei uma cotovelada na cara da garçonete, que segurando o copo *por cima* (ai) e posicionada do meu lado esquerdo, atravessou a mesa com seu braço direito para servir a minha mãe, que estava na minha frente.

    O problema é que mão de obra operacional está muito escassa e a rotatividade é grande. Chega a pessoa sem noção de nada (de nada nada mesmo), as empresas treinam e logo essa pessoa sai pra ganhar R$50,00 a mais na empresa vizinha. Abordamos isso em um evento em Novembro, o problema de escassez de mão de obra é geral e treinar certos tipos de pessoas é como “secar gelo”…

    Realmente, com o mercado de trabalho aquecido, só não cresce quem não quer mesmo.

    • Ana Augusta diz:

      PS: pensando melhor na minha última frase, “só não cresce quem não tem vergonha”.

    • Patrícia Lages diz:

      Pois é, falta vergonha mesmo!

  • Tarciana diz:

    Bom dia Patricia, acho que não sou deste mundo, kkkk, tenho uma loja e costumo receber meus clientes sempre com um sorriso e um BOM DIA QUERIDO ( A), As pessoas me olham estranho , mas é como eu gostaria de ser tratada quando eu sou a cliente, o ser humano esta cada dia mais MAL EDUCADO. Tenho um bebê de 3 aninhos e pego no pé para q ele sempre peça POR FAVOR, OBRIGADA, DÊ LICENÇA, pois creio que essa educação vem de casa. Somos mal atendidos em tudo, NO HOSPITAL, NO TRANSPORTE, NO COMÉRCIO, NO TELEFONE e quando reclamamos , nós é que somos mal educados. Triste realidade

  • Grazielle diz:

    Realmente Patricia isso esta no geral, aqui em Rio Preto / SP, também esta cada dia pior, é uma falta de vontade que só por Deus, eu me lembro do que vc escreveu sobre a pessoa se realmente ela é digna do salário que recebe, e hoje vejo que muitos não são dignos dos seu salários, e vivem só reclamando e falando mau dos seus patrões….o que será que esta acontecendo nos dias de hoje…..é triste ser mau atendido, ninguém merece.

  • Fabiane Vinhal diz:

    Eu também já passei por mau atendimento várias vezes. A mais recente foi em uma central de atendimento de um consórcio nacional, ou seja, deveria saber atender bem as pesssoas de todo o país que ligam para lá. E o pior além de ser mau atendida me passarem informações errradas me gerando prejuízo financeiro.
    Acho que você poderia escrever sobre como economizar tempo mudando nossas atitudes do dia-a-dia. Olha quanto tempo você perdeu do seu dia, quanto tempo este porteiro despreparado perdeu e quanto tempo a empresa como um todo perdeu por conta de uma coisa que poderia ser resolvida em 1 minuto? E como dizem por aí “Tempo é dinheiro”…Eu, por exemplo, aprendi a economizar tempo e evitar desgaste com este tipo de atitude fazendo muita coisa pela internet ou pelo auto-atendimento, mas infelizmente não existe esta alternativa para tudo, né?

  • de diz:

    Vou contar o outro lado da história.
    Sou operadora de caixa….e procuro aender muito bem os clientes!
    Sei que possuo colegas que não atendem muito bem…..na verdade,nem gostam da prrofissão!
    Eu realmente escolhi trabalhar com isso…e procuro sempre ser simpática,mesmo nos dias que estou com sono,fome ou triste por algo particular!
    Mas a verdade é que..AS PESSOAS EM GERAL estão mal educadas!
    Há momentos muito dificéis para nós que trabalhamos com atendimento ao público….há clientes bons sim,simpáticos,educados….porém,há aqueles que acham q vc não faz mais q sua obrigação….que ele é superior a vc…..que acha q vc merece ser tratado como lixo!Muitos quando vc diz um boa tarde….ja falam….só se for pra vc…ou boa tarde (e algum palavrão)…….qq coisa já começam a te chingar…..te chingar por preço errado….te chingar qd o banco sai do ar…te chingam pq o cartão dele não passa..te chingam pq o fiscal foi pegar o produto para algum cliente….dai alguém da fila fica te chingando….sendo q vc faria isso por qq um…esperar o fiscal pegar o produto…..te chingam pelo gerente….te chingam pq vc segue a risca os passos do atendimento(já me disseram assim….se vc ficar oferecendo isso para todo mundo,vc vai embora só as duas da manha…e nessa,virei piadinha na fila….)….tem pessoas que nos chingam de palavrão…nos chamam de lerda…isso e aquilo…..

    Então,acredito que o problema não seja o atendimento em geral….e sim as PESSOAS….em todos os lugares,sendo o atendente ou o cliente…..o aluno ou o professor…..o motorista deônibus,o cobrador,o passageiro……as pessoas perderam o respeito pelo próximo…o amor…o analisar a situação antes de partir para a humilhação….o fazer o que estiver fazendo com amor….o tratar o outro como vc quer ser tratado!As pessoas precisam saber amar…..

    • Patrícia Lages diz:

      Verdade, querida. Tem razão.

      • Suze diz:

        Concordo com a DE. Trabalho em um banco público e sou uma boa atendente, mas existem clientes educados e clientes mal-educados, e estes últimos às vezes quase conseguem “estragar” o meu dia de atendimento.

  • Carmem Patrícia diz:

    Boa Tarde Patrícia, entendo perfeitamente o que foi esta situação. Trabalho em uma Faculdade de Odontologia e o que mais tem é reclamação do atendimento da recepcionista chega a ser vergonhoso, pois os pacientes toda as vezes pedem para falar comigo e ela fica ainda mais irritada por que não entendi que todos querem tanto falar comigo , outro dia ela falou para a paciente que quem resolve o problema da recepção é ela e não eu foi até engraçado porque a paciente falou em alta voz que o dia que ela resolver alguma coisa ninguém vai pedir para falar comigo .Só que o pior de tudo é que o próprio gestor da Faculdade nem liga isso é muito triste chego a me revoltar pois ganha tanto dinheiro e não reconhece o trabalho das pessoas que se dedicam de verdade, pelo contrario valoriza as pessoas erradas mais continuo na fé que como assim faço o melhor para os incrédulos Deus dará para mim o meu próprio negocio em breve já estou ate fazendo o desafio 8 da PROSPERIDADE sei que vou chegar lá. Um beijo na fé .

  • Stephanie Martins diz:

    Olha…..trabalhei 7 anos no banco aqui nos estados unidos no setor de pepinos, de pessoas pra abrir contas e pessoas com problemas no banco, e aqui as empresas sugam a vida do fucionario para que o cliente esteja em primeiro lugar, se ajuda povo arabe, africano, indiano, espano povo fedendo kkk povo com bafo, povo que chega no banco e exige que falem a lingua deles e sempre estamos la com um sorriso, atrasadas pra ir pra escola, pra buscar os filhos, com dor nas costas mas o centro da atencao aqui eh fazer o cliente feliz. Entao atraves dessa dura lavagem cerebral passei a nao soh ser uma cliente sorridente, que conversa e faz o atendente se sentir valorizado mas tambem observo muito o atendimento que oferecem nos lugares e poxa como faz toda a diferenca voce se sentir bem vindo, voce sentir que a pessoa nao quer te expulsar, que ela nao esta com pressa de ir fazer as coisas e se livrar de voce, a pessoa ter uma conversa normal com voce e mostrar alegria.
    Eu tive dias que saia e nem encontrava meu carro no estacionamento de tanto trabalhar em tantas linguas, falando portugues, falando espanhol o dia todo depois voltava pro ingles, falava espanhol tanto que depois ja nao falava nenhum dos outros idiomas e se visse mais uma pessoa ia cair pra tras mas ainda sim, cada pessoa que sentava na minha mesa recebia a atencao necessaria, com um sorriso, ate resolver o seu problema e elas nem queriam sair mais e ficavam la usando meus servicos como psicologa kkkk.
    Realmente faz toda a diferenca e essa eh uma dar razoes que eu acredito que nao consigo viver no Brasil mais, ai todos te tratam como se estivessem te fazendo um favor e seu tempo nao eh valorizado. Minha mae faleceu a oito anos atras ai no Brasil e tive que ir aos melhores lugares do mundo, cartorios, INSS, receita federal, Iml e olha passei tanta raiva com a burocracia que nunca mais voltei nem a passeio kkkk. Eh triste.

    • Patrícia Lages diz:

      É triste amiga. Fica aí! 🙂

  • Fabi diz:

    Infelizmente nossa cultura tende a ser miníma em tudo.
    A senhora não é a única a passar por esta situação, já perdi as contas de quantas vezes fui mau atendida no serviço público e privado. Parece que as pessoas estão ali somente para bater ponto e receber seu “querido” salário no fim do mês.
    Recebemos o que damos.

    Bjs e na fé!

  • Aline diz:

    Ai ainda bem que alguém concorda comigo, Patrícia, querida, tbm fico com raiva, ai e tal ruim ser mal atendida, acho que as pessoas esqueceram disso: não faça para os outros o que você não quer para vc! Abraço Patrícia! Vejo Deus em vc e tbm muita sabedoria em cada post 😉

  • Fernanda Xavier diz:

    É Patricia tá difícil, estava conversando sobre este assunto com meu marido outro dia, como é difícil ser bem atendida, ou pelo menos o minimo! Pasme, esta semana um dos diretores para que trabalho pediu para ligar no banco para verificar como abrir conta PJ e valores does pacotes, pasme eu tive que ligar 3 vezes e mandar um e-mail, quando recebi a resposta…era assim, 4 tipos de documentos e os pacotes disponíveis você pode olhar no site, bom lá vai a Fernanda procurar no site que também era passismo, liguei de novo e pedi o menor pacote, depois de horas recebi o e-mail, ai eu pergunto banco não sobrevive de tarifas? quanto mais contas um gerente abrir na sua agência ele é promovido? Eu queria informações para abrir uma conta, estou falando de um banco!!! atendimento 0.
    Imagino quando você chegou finalmente neste 9º andar, o exercício psicológico para começar a reunião. Ufa!!

  • Elliana Garcia diz:

    Paty, eu não fico roxa de raiva. Eu fico um arco-iris….hahaha. Depois de ser chamada por tantos nomes, você não ficou com crise de identidade, não? Brincadeiras à parte, a situação é crítica. Dias atrás passei por uma situação semelhante com o despreparo da atendente. E não sei se o despreparo seja por conta da empresa, talvez faça parte da nossa cultura. Acho que as pessoas têm que adotar uma postura profissional e fazer o seu melhor. Voltando ao que aconteceu comigo. Eu cheguei no horário. Aliás, antes do horário, peguei uma senha e nada de ser chamada. Quando me chamaram, claro, já estava no horário de minha consulta. E a primeira coisa que ouvi, foi: Você está atrasada. Oi? E em vez da atendente apressar o processo de atendimento, simplesmente começou a tagarelar com a atendente do lado. Eu bati na mesa e falei. “Querida, você falou que eu estou atrasada e a culpa é sua e dos outros atendentes pelo atendimento tão precário. Tenho certeza que seu patrão não te paga pra você ficar jogando conversa fora nem contando piadinhas. Então, eu quero ser atendida imediatamente e com toda a atenção que mereço”. Nisso a gerente do local veio perguntar o que estava acontecendo e eu falei o mesmo pra ela. Se ela e a equipe parassem de ficar perdendo tempo com coisas à toa e agilizassem o trabalho, dessem prioridade ao que realmente importava, tenho certeza que todos já teriam sido atendidos. Outras pessoas que estavam esperando concordaram comigo. Logo, fui atendida. Quando passei de novo pela recepção ela já estava mais vazia e as atendentes estavam concentradas em atender os clientes. Talvez precisasse de alguém para chamar à atenção delas. Só sei que quando vou a algum lugar e o atendente me atende de qualquer jeito eu sempre falo. “Será que você gostaria de ser atendido do jeito que está me atendendo?”

    • Patrícia Lages diz:

      hahahahahahaha…. Eu quase liguei pra minha mãe pra saber se eu era adotada!!! hahahahaha…. Eu acho que vc agiu certo porque a gente não pode tolerar esse tipo de coisa. Vergonha para a gerente que precisou que uma cliente colocasse ordem na equipe dela. Beijos, Li!

      • Elliana Garcia diz:

        Aperta mais um pouco que a tua mãe vai contar a verdade, paty. Pois, é, só dar uma olhadinha por aí que a gente vê tantos comportamentos absurdos, inacreditáveis.

        • Patrícia Lages diz:

          É verdade, muita falta de respeito!

  • RAQUEL MACEDO diz:

    Estou com tédio só de ler sua postagem Patrícia, meu Deus, é muito descaso desse ser humano, se é que ele pode ser chamado assim. Fico abismada, mesmo tendo a palavra de Deus como base que o amor de muitos se esfriariam. Isso é um acumulo de falta de educação, com desordem e profissionalismo zero. Recebi ontem uma visita em minha empresa e assim que a cliente se sentiu com liberdade para desabafar falou: Fui agora em uma escola que fui tão mal tratada pela Diretora. Poxa, como pode tal façanha por quem está na frente do trabalho. Depois não entendem porque abrem falência um dia 😉 Parabéns pela sua postura, educação, eu teria reagido da mesma maneira, sou muito paciente, mas confesso que se fosse uma loja, restaurante, eu jamais voltaria lá.

  • Juliana Rolim diz:

    Só de ler e imaginar já me deu um baita stress… sério mesmo, uma aflição sabe, só de imaginar rsrs
    É uma tremenda falta de educação… outro dia aqui sabe, na portaria… estava aguardando as meninas terminarem o crachá de um convidado e o segurança (novo contratado, por sinal) não parava de falar:
    – Nossa, mas podia ter um cafezinho aqui pra gente tomar, né?

    Oi???

    Realmente são comportamentos que só mudam quando a pessoa realmente quer.

    Bjs querida!!!!!!!

    • Patrícia Lages diz:

      É… um café, uma TV, sofazinho, de repente uns biscoitos… hahahahaha…

  • Daniela diz:

    Eu moro em Barcelona Espanha e aqui infelizmente não é muito diferente Principalmente em se tratando de orgãos publicos, eu cansada de tudo isso decidi fazer o melhor no meu trabalho e atender as pessoas como eu gostaria de ser atendida e resulta que isso fez a diferença na minha vida, trabalho em um grande centro de feiras e congresos que neste momento esta acontecendo a Mobile Word Congres uma das feiras mais importantes do mundo e no meio de mais de quinhentos garçons eu fui escolhida para trabalhar no protocolo e atender ao principe de Espanha foi todo um lujo e todos me perguntando como eu consegui isso, eu sempre respondo: Eu atendo as pessoas como eu gostaria de ser atendida por isso estou aqui.
    Quando quiser vir por barcelona me avisa Patricia, que sera todo um prazer atendela. Beijinhos.

  • Vanessa (Shenzhen,China) diz:

    Infelizmente e’ a dura realidade! Seja no Brasil ou na China! Por aqui o que vejo e’ uma alta exigencia na educacao escolar e qualificacao profissional desde muito cedo, eles sao extremamente competitivos. Por outro lado nos servicos de atendimento vejo essa carencia de cordialidade, respeito pelo ser humano, se colocar no lugar do outro, o que deveria ser proprio do ser humano, sao valores muitas vezes esquecidos, sao poucos que ainda expressam tal atitude!

  • Vanessa (Shenzhen,China) diz:

    P.S: Desculpe a falta de acentos no meu comentario acima, a culpa e do meu cel… rsrs.

  • Ana Paula diz:

    Inacreditável, achei que isso só estava acontecendo no Rio de Janeiro (notório por atendimentos terríveis), sempre achei o serviço melhor em São Paulo. Funcionários digitando loucamente em celulares já viraram lugar comum, além do fato de você se sentir como se o funcionário lhe prestasse um grande favor ao falar com você. É muito triste perceber como a falta de educação e de polimento estão virando regra. Que a gentileza volte!

  • Daiana Schemes (Rio Grande do Sul) diz:

    Boa noite Pati;

    Bah, mas esse vivente aí é mais grosso que dedo destroncado! Creeedo.

    E pior que está bem assim, as pessoas estão perdendo a noção de tudo, e nós temos que aprender a viver em uma sociedade cada vez mais sem educação e cultura.
    É lamentável esse tipo de atitude.

    Bjão guria.

    Dai.

    • Patrícia Lages diz:

      Hahahahahahaha… Os teus ditos são os melhores guria!!!

      • Daiana Schemes (Rio Grande do Sul) diz:

        kkkkkkkkkkkkkkkk

  • Maiara diz:

    Isso está em todo lugar, o mal atendimento, essa semana fui a Assembléia Legislativa ali bem pertinho do Parque Ibirapuera, tudo estava em reforma então já foi um sufoco descobrir a entrada, precisava retirar um documento porém não sabia onde era a sala, tinha apenas algumas informações.
    Bem na entrada vi um segurança e perguntei
    – Bom Dia, o senhor sabe me dizer onde retiro o documento X?
    – Vai em frente e vire a direita.
    Fui em frente virei a direita e me deparei com uma moça, e lhe perguntei
    – Por gentileza onde retiro o documento X?
    – Não sei
    Escutei um não sei bem arrogante, perguntei para mais dois funcionários e nada, resolvi por si só achar a bendita sala.
    Quando achei que tudo estaria resolvido vem o pior, meu protocolo estava com retirada para 26/02, e fui buscar no dia 27/02, a atendente sem olhar na minha no meu rosto disse
    -Nem está pronto, está tudo atrasado, dia 26? Essa remessa vai demorar para chegar,tem que ligar antes.
    – Mas porque voces não avisaram isso quando o meu esposo veio? eu teria ligado antes sem problemas.
    – Bom é assim que funciona quando der ligue.
    Olha só que delicadeza, respeito né
    Paty voce não esta sozinha srsrsr

  • cristiane araujo brito da silva de sousa diz:

    oi paty!
    no primeiro emprego que tive com 19 anos em uma farmacia, prendi o que era ser uma boa profissional. tinha um gerente linha dura, que exigia limpeza, rapidez e otimo atendimento, embora ele fosse desse jeito, ele sabia reconhecer o nosso trabalho, pronto a nos ajudar sempre que possível. esse gerente me ensinou a tratar bem um cliente, e a manter o meu local de trabalho organizado.
    hoje vemos cada coisa por ai, e eu sempre lembro e falo: ah!!! se fosse la no meu trabalho x, dúvido que isso acontecesse.

  • Francisca diz:

    É um absurdo o que acontece hoje em dia, já passei por isso muitas vezes, e o pior de tudo é que quando ficamos bravas, ou reclamamos, ainda parece é que nós somos erradas, sempre fica aquele clima chato. É péssimo.

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: