Há pessoas que têm uma imagem sobre si mesmas completamente diferente do que elas de fato são. É preciso fazer uma autoanálise real. Confira!

Autoanálise: você é quem pensa que é?

Quando alguém descreve a si mesmo, inegavelmente, diz alguma coisa parecida com as frases abaixo:

  • Sou uma boa pessoa;
  • Se não posso fazer o bem, pelo menos, mal eu não faço;
  • Procuro não prejudicar ninguém;
  • Se dependesse de mim, o mundo seria diferente.

E a pergunta é: será?

Por mais que as pessoas digam esse tipo de coisa sobre si mesmos, muitas vezes, a verdade é outra.

As pessoas se acham boas, mas vivem buscando erros nos outros, fazendo fofoca, criticando e julgando.

Até poderiam ajudar alguém, mas não fazem e justificam com n motivos.

Quando se vêem em uma situação em que podem ser prejudicadas, jogam a culpa sobre terceiros sem pensar duas vezes.

E, por fim, se acham melhores do que todo mundo e, “só não fazem o certo” porque o mundo “está todo errado” de qualquer jeito.

A questão é que o ser humano não é tão bom como crê que é, e isso inclui a mim e a você.

Temos uma imagem errada sobre nós mesmos e costumamos pensar que não há nada em nós que precise ser consertado.

Mas, quando nos deparamos com alguns ensinamentos que, no fundo, já conhecemos, vemos que somos muito menos do que deveríamos ser.

Basta relembrar, por exemplo, do que diz Mateus 7-12:

Portanto, tudo quanto quereis que as pessoas vos façam, assim fazei-o vós também a elas, pois esta é a Lei e os Profetas.

Você faz ou pensa que faz?

Quando olhamos para dentro de nós com sinceridade, fica fácil notar o quanto somos falhos.

Afinal de contas, quantos de nós pratica – de fato – as palavras acima?

Quantos de nós realmente faz para os outros o que gostaria que os outros fizessem para nós?

Para falar a verdade, bem poucas!

Certa vez estava conversando com algumas amigas e, sem perceber, comecei a falar mal de uma funcionária que tinha em casa naquela época.

Ela estava trabalhando de qualquer jeito, quebrando as coisas e tomando decisões como se a casa fosse dela.

Para que você tenha uma ideia, ela chegou a contratar uma diarista para ajudá-la a limpar a casa, sendo que esse era o trabalho dela!

Minhas amigas ficaram indignadas e começaram a concordar comigo de que ela realmente precisava de freios, pois aquilo era um absurdo.

Onde já se viu uma empregada doméstica contratar, sem pedir permissão, uma diarista para fazer o serviço dela e, no fim do dia, pedir dinheiro para pagá-la?

Incentivada pela concordância das minhas amigas, comecei a enumerar todas as coisas boas que fiz para ela, como mobiliei sua casa, vesti suas filhas, ajudei com remédio, médico e tudo mais.

Diante disso, minhas amigas diziam: “mas que mal agradecida”, “uma folgada”, “merecida o olho da rua depois dessa!”

Eu estava me achando a pessoa mais correta do mundo e que havia sofrido uma tremenda injustiça.

Realmente, o que essa ex-funcionária fez (fora várias outras coisas) não estava certo de forma alguma.

Porém, a fofoca toda que fiz a respeito dela também não estava.

Mas a conversa não parou por aí, pois minhas amigas também começaram a lembrar de coisas que suas diaristas fizeram e o clima começou a ficar pesado.

No fim das contas, estávamos todas aborrecidas, querendo demití-las imediatamente, afinal, nós éramos as corretas e elas, as erradas!

 

Más influências e seus resultados

A história que contei para minhas amigas em tom de desabafo naquele domingo não rendeu bons frutos.

Algumas, do nada, brigaram com suas diaristas já na segunda pela manhã, enquanto outras começaram a ficar no pé de suas ajudantes o dia inteiro.

Quando nos encontrávamos o assunto voltava à tona e cada uma arquitetava um “plano de vingança” contra as pessoas que simplesmente estava ali para manter a casa em ordem, sem nem ao menos saber o que se passava.

“Se ela continuar gastando produto de limpeza que nem água, vai ver só!”

“Ai dela se quebrar mais uma coisinha!”

“Vou começar a controlar a geladeira porque aquela mulher acaba com tudo, parece uma draga!”

Se formos parar para analisar friamente, não é fácil ter uma pessoa dentro de casa que quebra as suas coisas, esbanja o que você compra como se tudo fosse de graça e acaba com a comida na geladeira.

Porém, se fizéssemos a elas o que gostaríamos que fizessem conosco, o procedimento não seria o que eu e minhas amigas tivemos.

Quando você faz algo errado, o que quer que as pessoas façam: xinguem, deem bronca, contem para todo mundo ou lhe ensinem?

Se você danifica alguma coisa involuntariamente, o que espera: que deem a conta para você pagar ou que entendam o seu erro, perdoem e permitam que você conserte ou compense de alguma forma?

E se você está exagerando ou abusando em algo, o que prefere: que saiam expondo para todo mundo o que você fez ou que definam o que você pode ou não fazer?

Quando é conosco, queremos um tratamento diferenciado, mas quase nunca oferecemos isso aos outros.

Portanto, façamos uma autoanálise e sejamos honestos para reconhecer que erramos feio em muitas coisas e que precisamos constantemente de aprimoramento.

Somente reconhecendo o quanto somos maus é que poderemos nos tornar pessoas melhores.

 

Nos vemos amanhã!

 

Confira o post anterior clicando aqui.

 

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Se enxergar não é fácil, é preciso uma boa dose de humildade para reconhecer as nossas falhas.

    Houve um dia que eu estava na igreja, e fui limpar uma sala que era usada para guardar material de limpeza.

    Lembro que entrei e vi uma
    bagunça, e logo começei a falar mal de todo mundo, mas dentro de mim assim: AI QUE GENTE PORCA, BAGUNÇADA!
    Até dos obreiros começei a falar mal, até que um dia fui repreendida por Deus, Ele fez eu me enxergar e disse: VOCÊ É PIOR DO QUE TODOS ELES JUNTOS!
    DO QUE ADIANTA TER TUDO LIMPO E ORGANIZADO FORA SE VOCÊ ESTA FALANDO MAL, CRITICANDO E JULGANDO TODO MUNDO?

    Ou seja limpa por fora e podre por dentro!

    depois de ouvir isso, me senti um nada mesmo, porque eu estava me achando muito boa, me achando melhor que todo mundo, porque só eu que me preocupava em deixar aquele lugar limpo e organizado, mas uma coisa não justifica a outra.

    Pedi perdão à Deus, e depois mudei essa forma de agir, não aceitei mais ter esses olhos perversos.

    Constantemente temos que nos avaliar, porque é muito fácil olhar para os outros, difícil mesmo é olhar para nós mesmas.

    Abraço Pati.

    • É, Laurinha, a autoavaliação tem mesmo de ser constante porque nós, muitas vezes, jogamos contra nós mesmas! Beijos e até daqui a pouco no Clube da Leitura. 🙂

  • Olá Patrícia! Pois é, as experiências, sejam negativas ou positivas, servem para nos mostrar também a nossa imperfeição e o que é válido mesmo é o aprendizado, as lições que nos fazem refletir e evitar repetir os erros. Também já passei por poucas e boas situações…melhor deixar para atrás o que já se passou. Aliás, relembrando que o “ontem já é passado”, o “hoje está presente no agora” e o amanhã à Deus pertence! Acrescento a palavra que está no Salmos 119,10: Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos. Abraços!

  • Boa tarde querida! Verdade! Eu mesma sei o quanto preciso melhorar em relação a alguns pontos, mas ñ faço nenhum esforço p isso, quem sabe depois deste post eu melhore um pouco! Um grande abraço! Até daqui a pouco no Clube da leitura 🤩

  • Pois é, Paty.
    Eu tenho me deparado com essa reflexão pois como falei em algum post, pretendo voltar às redes sociais. Ontem mesmo, baixei os aplicativos.
    Me matriculei num curso de branding pessoal. E, cara, quanta coisa eu quero ficar de fora na internet.
    Já até fiz lista. Nada de desabafos, indiretas, seguir a modinha do momento, memes bobos, realitys da própria vida, positivismo barato.
    Comprei o curso por causa do módulo de redes sociais para pessoas introspectivas e introvertidas.
    To descobrindo que também tenho uns momentos “hello, aonde eu tava com a cabeça”.
    Treinamento e cortar o problema já no início evita dores de cabeça depois. Muitas que trabalham como diarista nunca fizeram nenhum curso de qualificação.

  • É difícil e doloroso enxergarmos nossos erros. E quanto mais aprendemos, quanto mais buscamos a Deus, mais descobrimos erros. Às vezes, eu ficava chateada, e pensava: “Poxa, tem sempre algo ruim pra mudar!” Mas, que bom, porque se não tivermos o que mudar não há avanço. E não é nada fácil, mas é a verdade que nos liberta.
    E o engraçado é que Deus é bom, tem bons olhos para conosco, mesmo que sejamos maus. Porém são seus bons olhos que nos ensinam que nosso atual comportamento não é correto, e ao descobrir a verdade optamos por mudar.
    Já vomitei em pessoas ou em seus parentes por terem me prejudicado de alguma forma, e por mais que eu estivesse certa, a forma que me expressei por ter acumulado tudo não foi legal. Como um antigo vizinho que tinha um cão feroz que nos atacou 5 vezes e não estava nem aí, porque a culpa não era dele por deixar o portão aberto para o cão sair.
    Me enfureci quando cão invadiu nossa casa e partiu pra cima da minha filha, quando estávamos indo pra igreja domingo de manhã. Fui no portão da casa dele e discuti com todo mundo lá. enfim, não resolveu, e como o cachorro não arrancou pedaço ele nem ligou e nem ninguém da família.
    Final das contas, brigar, discutir, não resolve. Você fica com maus olhos, se suja por dentro e não resolve nada, pois não vai mudar a outra pessoa. Por isso me analisar e reconhecer que errei não foi fácil, como em outras situações. Deus se valoriza tanto que por amor do Seu nome, não nos consome:
    “Por amor do meu nome retardarei a minha ira, e por amor do meu louvor me refrearei para contigo, para que te não venha a cortar.” Isaías 48:9
    Ele se respeita tanto, que não se corrompe por nossa causa, mas com seus bons olhos, se quisermos, Deus nos ajuda a enxergar o que não víamos antes, que achávamos normal ou que não tinha nada a ver.
    Mas, sempre achamos que somos uma coisa e não somos, então vou aproveitar a oportunidade de hoje para trabalhar mais em mim.
    Excelente domingo!

  • Realmente pois, Patrícia vc está muito certa no seu post. É fácil julgar as pessoas em geral e lhes atribuir um conjuntos de “valores” . Mas, quando se trata da gente msm aí a coisa muda de figura.
    A bíblia nos ensina que devemos tratar os outros da mesma forma que gostaríamos de ser tratado. Vc cita muito bem o O livro de Mateus 7:12. Na vdd a gente quando erramos ou cometemos algum erro ou ainda sei lá, quando de certa forma ofendemos alguém. Sempre queremos ser perdoado ou desejamos na pior da hipótese, ser compreendido. Ms muitas vezes esquecemos de agir assim com nossos devedores não msm? Confesso, que nesse ponto eu particularmente, já melhorei bastante.
    É verdade sim, perdoar e ser perdoado sempre serião uma tarefa difícil pra todos nos meros mortais. Mais ainda sim possível!

  • Adoro seus posts, mas, sempre desconfio de pessoas que fazem mil e uma coisas e dizem que não tem ajuda nenhuma (contratada) para limpar a casa.

  • Boa tarde, mais fácil julgar, do que fazer algo por alguém. Infelizmente já fiz muito isso.

  • O melhor espelho é a Palavra de Deus na Bíblia. Por isso é importante meditar todos o dias. E é cada coisa que a Bíblia mostra sobre mim… e sobre qualquer um… Se a Palavra de Deus não está te repreendendo, não está te cortando, a Palavra então não está fazendo efeito na sua vida. Foi o que eu aprendi em uma meditação Godllywood. E cada dia vejo uma coisa feia que a Palavra me mostra. E todo dia é algo para tirar do meu eu.

  • Boa tarde, Patrícia.
    Você disse tudo! É bem fácil mesmo desatrelar a língua me fazendo de justa e santa… mas quando piso no tomatinho com meus superiores quero um tratamento melhor.
    Obrigada pelo conselho!
    Beijos

    • “Piso no tomatinho”… hehehehe…. Bem sutil, né Vânia?? Amei!!

  • E o pior é que isso começa desde que somos pequenos, dou aulinha para as crianças e elas ficam falando o que os outros fazem de errado, e falam que o outro não fechou os olhos na oração ai eu pergunto: Como você sabe que ele estava com o olho aberto? kkkkk

  • Boa tarde!! O Autoanálise…..é difícil olhar para si mesmo, e reconhecer…..nossos erros….Deixar o orgulho….moldar a si mesmo ….. a cada dia……..é necessário.

  • Nossa Patrícia, minha vontade é de acompanhar todos os seus posts e comentar, mas nem sempre consigo. Isso é uma verdade, as vezes falamos que somos pessoas boas, mas se olharmos profundamente para dentro de nós vamos perceber que não somos tudo isso, se realmente fizéssemos uma autoanálise profunda íamos perceber que precisamos e muito melhorar.

  • Bem lembrado essa Patrícia de quando agente fala dos outros e as amigas nos apoia, agente se empolga mesmo achando máximo por estar certa, se estão nos apoiando estamos certas né verdade? Como você falou as amigas foram fazer o mesmo e que talvez não tivesse a mesma razão que você, um desabo pode levar o outro a querer fazer o mesmo sem ter o motivo justo para tal procedimento.
    Antes de conhecer Jesus, eu me achava a melhor das melhores, só eu estava certa e sempre pensava: porque as pessoas fazem isso comigo? Me afastava de todos como se a única certa era eu, hoje graças a Deus o Espirito Santo tem me ensinado olhar mais para o meu irmão e entender os motivos de suas atitudes, e perdoar assim como Jesus Cristo nos perdoa.

    Ótimo texto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *