Quantos temem morrer, mas não estão atentando para o tipo de vida que têm levado e que pode lhes render muitos arrependimento. Vamos falar sobre isso?

Viva para não ter arrependimentos

Uma enfermeira australiana chamada Bronnie Ware acompanhou de perto muitos pacientes terminais.

Tentando dar o máximo de conforto a eles, a enfermeira normalmente os ouvia e, com isso, ao longo dos anos acumulou muitas histórias.

E uma das coisas que se mostrou muito comum foi que seus pacientes tinham muitos arrependimentos em seus últimos dias de vida.

Diante disso, e para tentar ajudar a dar mais significado à vida de tantas outras pessoas, Bronnie escreveu um livro entitulado:

Antes de partir: Os 5 principais arrependimentos das pessoas“.

Em resumo – não querendo estragar a surpresa de quem quer ler o livro – seguem abaixo quais foram os 5 maiores arrependimentos listados:

  1. Gostaria de ter tido coragem de viver uma vida fiel a mim mesmo e não a vida que os outros esperavam de mim.
  2. Gostaria e não ter trabalhado tanto.
  3. Queria ter tido coragem de expressar meus sentimentos.
  4. Gostaria de ter mantido contato com meus amigos.
  5. Gostaria de ter sido mais feliz.

Nessa lista não aparece: gostaria de ter ganho mais dinheiro, de ter morado em uma casa maior, de ter sido campeão olímpico, de ter viajado o mundo.

Inesperadamente, essas coisas, antes de partir, não importam a mínima…

Entretanto, a maioria das pessoas passa a vida correndo atrás desses objetivos.

Obviamente precisamos trabalhar para ter o melhor e também para oferecermos à nossa família.

Contudo, não devemos esquecer de que há muitas outras coisas além disso.

Vemos durante esse momento de pandemia o quanto as pessoas são capazes de abrir mão da vida por medo da morte.

Porém, para se viver uma vida da qual não tenhamos que nos arrepender, é preciso ter coragem.

Mas, não me entenda mal!

Não estou falando para deixar de lado os cuidados com a sua saúde, mas sim, que você não se esqueça de que o medo não deixa ninguém viver de verdade.

É preciso ter coragem para ser fiel a si mesmo, para dizer não para o que não importa, para expressar o que sente, para manter amizades. Enfim, para ser feliz.

O medo parece trazer segurança, mas ele apenas o impede de fazer as coisas que, mais tarde, podem fazer você se arrepender de não ter feito.

Nos vemos amanhã!

 

Confira o post anterior clicando aqui.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

 

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Olá Patrícia! Bem, quero dizer que assim que terminei de ler o post de hoje, a primeira lembrança que me ocorreu foi um texto, que nem sabia mais onde havia lido, então achei na internet: ‎”Uma noite eu tive um sonho… Sonhei que estava andando com o Senhor, e através do céu passavam cenas da minha vida. Para cada cena que se passava percebi que eram deixados dois pares de pegadas na areia: um era o meu e o outro do Senhor. Quando a última cena da minha vida passou diante de nós, olhei para trás, para as pegadas na areia, e notei que, muitas vezes, no caminho da minha vida, havia apenas um par de pegadas na areia. Notei, também, que isso aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiosos do meu viver. / Isso entristeceu-me deveras, e perguntei então ao Senhor: – Senhor, Tu me disseste que, uma vez que eu resolvi Te seguir, Tu andarias sempre comigo, mas notei que , durante as maiores atribulações do meu viver, havia na areia dos caminhos da vida apenas um par de pegadas. Não compreendo por que, nas horas que eu mais necessitava de Ti. Tu me deixaste.
    O Senhor me respondeu: – Meu precioso filho, Eu te amo e jamais te deixaria nas horas de tua prova e do teu sofrimento. Quando viste na areia apenas um par de pegadas, foi exatamente aí que Eu, nos braços te carreguei…”
    (Do livro “Pegadas na areia” – Margareth Fishback Powers – Ed. Fundamento). Por agora…apenas isso. Abraços,

  • Bom dia querida! Quando eu tinha 30 anos eu falava para minhas colegas de trabalho de um banco que trabalhei durante 13 anos ” eu já tenho 30 anos ñ preciso passar por isso” rsrsr, imagina hj eu com 60 rsrsr..faço o que amo e curto td meu tempo com coisas que me fazem bem. Um grande abraço! 😍😍

  • Bom dia, estamos tão preocupados em fazer nossos desejos que deixamos de viver, de se importar com quem está do nosso lado. Infelizmente e só vi isso com a morte da minha mãe de criação. Eu deixei de aproveita momentos únicos do lado dela, para perde tempo com coisas inúteis. Hoje não tenho como obter aqueles momentos. Por isso hoje tendo aproveita o que posso com meu marido, apesar que hoje ja não tenho tanto tempo que tinha antes, agora e compromissos que faz ter menos tempo para fazer o que gostamos. 😘

  • Às vezes, ficamos tão ansiosos pelas coisas que queremos alcançar. E se estamos ansiosos, é porque na verdade não estamos fazendo nossa parte, pois quem sabe o que quer, sabe o que tem que fazer para chegar ao seu objetivo.
    Enfim, essa correria do dia a dia, nos deixa cegos para o que é de fato importante. Os pais deixam de lado de lado os filhos, achando que presentes irão gerar uma criança feliz e emocionalmente saudável. Os casais não tem tempo para se cuidarem e deixam o casamento cair em uma rotina nada saudável.
    Essa ansiedade por resultados e correria faz com que muitos deixem sua saúde de lado comendo fast-foods, ou então depois de um dia estressante de trabalho, nada mais “merecedor” do que comer toda besteira que puder.
    Sem perceber, vamos nos deixando levar e quando damos por nós mesmos, a conta de todas essas atitudes chega. E o preço é alto demais.
    Patrícia, que Deus sempre lhe inspire a nos abençoar em seus posts.
    Que Deus lhe abençõe!

  • Sabe Paty,eu tinha um amigo q me dizia q eu tinha medo de viver… esse meu amigo vivia sozinho desde os 13 anos de idade,era artista, desenhista, tornou-se acrobata do circo Thiane, infelizmente morreu tem alguns anos, num acidente durante um número no espetáculo, jovem,26 anos,solteiro,sem filhos, mas tenho absoluta certeza q ele viveu!viveu de verdade,o máximo q pôde!
    Desde q isso aconteceu eu repensei muitas coisas na minha vida e todo ano faço ajustes pra q não sofra esse tão temido arrependimento no final da vida.
    Hoje eu sou feliz, e foco em ser cada dia mais feliz e dar valor ao q realmente faz sentido pra mim.
    Esse ano está sendo de grandes mudanças, e na contramão da maioria, foi e está sendo um ótimo ano pra mim!
    Desejo q todos possam refletir sobre suas escolhas e decisões enquanto ainda há tempo de ser mais feliz.
    O quadro q ganhei do meu amigo fica pendurado na parede da minha sala pra q eu não me esqueça e nem tenha medo de viver.

  • Estou amando ler seus posts Patrícia, eles me inspiram e renovam, são como água refrescante no deserto, não são vazios e em cada post aprendo mais, cresço mais! Obrigada e quero dizer que está valendo a pena o seu esforço de escrever todos os dias um novo post. Obrigada obrigada obrigada!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *