“Mereço comprar” tem sido um grande obstáculo para poupar dinheiro e alcançar objetivos. Como poupar sem deixar de fazer o que se gosta?

“Mereço comprar, gasto mesmo!”

Já ouvi pessoas dizendo a frase acima de várias formas, até mesmo em tom de protesto.

“Eu mereeeeeço! Eu gasto meeeeesmo, não tô nem aí!”

Mas, protesto contra o que se esse comportamento prejudica a elas próprias?

Não se trata de algo bom que elas estão fazendo, embora todo mundo esteja dizendo para não fazer.

Pois, se fosse, eu entenderia, claro!

Se todo mundo diz que você não vai conseguir alcançar seus objetivos, mas você vai na contramão, perfeito!

Você está acreditando que merece, enquanto mostra que vai fazer, ainda que digam que você não pode.

Isso é um protesto eficiente, não é mesmo?

Mas esse “eu mereço” que faz a pessoa “gastar mesmo” é como se, no fundo, ela estivesse dizendo:

“Eu mereeeeeeço estar sempre endividada!”

“Gasto meeeeesmo porque já sei que não vou ter nada na vida!”

Isso tem afastado as pessoas de terem um futuro mais seguro e de alcançarem objetivos maiores.

 

Desculpa por indulgência

A palavra indulgência significa disposição para perdoar culpas ou erros.

Antigamente era mais utilizada em caráter religioso, por estar ligada ao perdão, mas hoje seu uso tem sido ampliado.

Na gastronomia, por exemplo, o termo comida indulgente tem sido usado para levar as pessoas a comerem sem culpa.

Afinal de contas, nós fomos ensinados que o que é gostoso faz mal e o que faz bem tem um paladar ruim.

Em finanças, a indulgência está em comprar sem culpa, ainda que você não precise ou não possa pagar…

Mas, é preciso estar vigilante quanto a essas modinhas que surgem, afinal…

Se você comer o que não deve ou exagerar na quantidade, quem é que vai se arrepender depois?

Se você comprar o que não deve ou gastar demais, quem é que vai se virar para pagar?

Ultimamente, o errado tem sido apresentado como certo e o certo como errado.

Até mesmo perdoar, que é um gesto nobre, está sendo usado para justificar atos irresponsáveis.

Isso é tão importante que eu vou repetir para você ler bem devagar:

Ultimamente, o errado tem sido apresentado como certo e o certo como errado.

Até mesmo perdoar, que é um gesto nobre, está sendo usado para justificar atos irresponsáveis.

 

Os maiores obstáculos para equilibrar as finanças

O maior deles você já deve ter percebido:

Mudar a forma de pensar.

Quando um mau conselho vira “verdade” é difícil eliminá-lo da sua cabeça.

Gastar sem pensar no amanhã é um deles.

O amanhã virá e você estará lá para enfrentar as consequências.

Na prática, os maiores obstáculos e suas desculpas têm sido essas:

  • Comer fora – “não tenho tempo”, “não sei cozinhar”, “não quero ser ‘marmiteiro'”
  • Táxi/Uber – “é barato”, “é rápido”, “transporte público é ruim”, “eu mereço andar de carro”
  • Falta de objetivos para o dinheiro – “se eu não gastar com isso, vou gastar com quê?”
  • Falso altruísmo – “se eu não comprar a roda do comércio não vai girar e as pessoas vão perder o emprego”

Diante disso, o que você pode fazer para equilibrar as suas finanças?

Anote todos os seus gastos e veja onde está exagerando ou desperdiçando dinheiro.

E, seguida, adeque ou corte esses gastos.

Depois, defina qual valor pode gastar com as coisas que precisa ou quer, hoje.

E, em terceiro, defina um valor para poupar e poder aproveitar oportunidades futuras.

Poupar não é apenas ter um dinheiro para quando ficar doente ou se aposentar.

Poupar é ter um valor separado para quando surja uma boa oportunidade.

Quando alguém estiver vendendo algo barato porque precisa do dinheiro, você terá para comprar.

Aliás, foi isso que fiz na semana passada quando um amigo precisou vender um iPhone novinho.

Paguei praticamente metade do preço da loja.

Pratique esses passos e não justifique más escolhas com esse tal de “eu mereço”.

 

Quarta-feira vamos falar sobre como começar a poupar, não perca!

Mais posts sobre o assunto, clique abaixo:

 

Não consigo parar de comprar, e agora?

“Gasto demais por influências de blogueiras”

Nos vemos!

Jornalista especialista em finanças, autora do best-seller Bolsa Blindada, colunista do programa Mulheres, TV Gazeta e youtuber.

  • Maravilhosa matéria para começar a semana repensando atitudes, Infelizmente Patrícia, nossa sociedade induz a compra desenfreada, eu recebo diariamente muitos e-mails com a tal oportunidade única. Sei que isso faz parte do plano de Marketing, eu uso o filtro que aprendi contigo se estou precisando, ou apenas quero suprir uma angustia. E tenho consumido apenas o que preciso, parei de fazer estoques de produtos. Obrigada por ser benção em nossas vida e por todos os ensinamentos,. Deus te abençoe cada dia mais querida.

  • Olá Patrícia, Estou adorando esses textos pois acho que é ai que erramos e não conseguimos nos controlar…. acho que já melhorei muito e estou conseguindo poupar alguma coisa, mas é um exercício diário que tenho feito e eu caía justamente nessas enrascadas que vc citou… estou me planejando, vou anotando tudo no meu controle diário, que comprei com vc,vou trocando ideias com meu marido e vamos seguindo para melhorar cada vez mais.. obrigada pelo texto !! bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *