“A empresa não me dá aumento, devo pedir a conta?”

Tenho recebido essa pergunta de várias pessoas que me seguem e ficam na dúvida se deixam a empresa que não reconhece seus esforços ou se permanecem onde estão por conta da falta de emprego. Eis aqui o meu conselho!

aumento

Primeiramente você precisa analisar a sua situação de forma imparcial, ou seja, sem puxar a brasa para a sua sardinha! Faça uma análise como se você fosse outra pessoa, de preferência, como se você fosse o seu superior, aquele que tem a caneta na mão para assinar o seu aumento salarial.

Com esse ponto de vista, vá para o passo 2, que é saber se a sua remuneração está acima do mercado, na média ou abaixo. Tenha em mente o seguinte: essa análise é um parâmetro para saber se você está com um salário defasado ou não e pode lhe ajudar a argumentar com o seu chefe, caso ele dia que você está na média, quando na verdade, está abaixo. Mostrar que você está informada pode ser um ponto positivo (mas faça isso no tom correto, ok?). E, ainda que sua remuneração esteja acima do mercado, isso não lhe impede de pleitear um aumento, pois você pode também estar fazendo mais do que a função pede.

O passo 3 é observar friamente se você realmente tem agido de forma a merecer esse aumento. A pergunta a fazer é a seguinte: se eu fosse meu superior, eu me daria esse aumento? Se você responder que não, é sinal de que precisa melhorar para depois requerer uma remuneração maior. E se você responder que sim, então faça uma lista das razões pelas quais lhe daria esse aumento. Essa lista também vai ajudar a argumentar com seu superior.

O passo 4 é analisar a resposta que você vai receber da empresa. Entre o simples “sim” ou “não”, você pode receber outras respostas e é bom estar ciente das possibilidades. Veja alguns exemplos:

Sim, mas não agora – pode ser que o seu superior concorde que você um aumento, mas que não é momento da empresa conceder por alguma questão econômica ou financeira, mas que isso pode ser revisto futuramente. Nesse caso, aproveite para fixar outra data para a conversa, algo do tipo: “podemos voltar a falar sobre isso daqui a 3 meses?” Caso estejam de acordo, marque na sua agenda e não deixe o prazo passar (e nem espere alguém chamá-la, se está combinado, não precisa de convite!). E claro, analise se você quer dar mais esse tempo de prazo ou não;

Não podemos por causa de… – há empresas que nem discutem o seu merecimento e já parte para a negativa. Nesse caso, tente trazer a conversa de volta para a questão do seu merecimento até saber se a empresa realmente reconhece seus esforços ou se não estão nem aí. Se perceber que eles não ligam muito para a boa performance, repense se é o melhor lugar para estar;

Só você está reclamando! – a empresas que enxergam um pedido de aumento como uma reclamação. Essa é uma mentalidade atrasada, de quem morre de medo de funcionários que querem crescer na empresa e também financeiramente. Também é uma boa hora para repensar se vale a pena continuar lá!

Sua função só lhe permite receber isso, não podemos fazer nada – ouvi essa resposta de um superior mais de uma vez, mas como já estava com a resposta na ponta da língua, em uma delas me saí muito bem! Eu disse que sabia que havia chegado ao máximo dentro daquele cargo, mas que, por isso mesmo, estava realizando mais funções e que poderia ser promovida a um novo cargo, com um novo salário. O cargo que eu queria nem sequer existia no plano de carreira da empresa, mas como eu realmente fazia a diferença e a empresa reconheceu, consegui a promoção e o aumento. Mas se a empresa lhe disser que você é igual a todo mundo, mesmo que ninguém faça o que você faz, novamente é hora de repensar se vale a pena ficar.

No caso de chegar à conclusão de que não vale a pena continuar em um lugar que não valoriza o seu trabalho, você precisa de planejamento. Não é bom pedir as contas no calor da raiva causada por uma resposta atravessada do seu chefe. Use a cabeça e prepare-se para sair de cabeça erguida, rumo a algo melhor.

O planejamento financeiro é crucial para que você possa ter o controle da sua carreira, pois se você estiver presa a dívidas, não vai poder arriscar pedir a conta e nem faltar para ir a uma entrevista de emprego. Mas se você estiver com as contas em ordem, vai se sentir mais livre para procurar uma colocação melhor.

Por isso, programe-se, acredite em você e lute pelo lugar que você merece.

Para mais dicas sobre finanças, carreira profissional e empreendedorismo, cadastre-se aqui no blog:

Cadastre o seu e-mail agora!
Cadastre o seu e-mail abaixo e receba todas as nossas novidades!

Nos vemos!

Jornalista com atuação no Brasil, Inglaterra, Argentina e Israel. Autora do best seller Bolsa Blindada e palestrante na Universidade de Harvard.

  • Juliana diz:

    Mais um texto bem explicado, com situações práticas, passo a passo. De tão prático a gente consegue se visualizar certinho na situação. Parabéns!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: