Cuidado ao pedir “justiça”!

Muitos profissionais hoje não veem problemas em acionar juridicamente as empresas em que trabalharam, levando em conta os mínimos detalhes. Mas, até onde isso é saudável para o mercado? Há limites para exigirmos nossos direitos?

marteloTenho visto que muitos trabalhadores trazem – na ponta da língua – seus direitos, principalmente no que se refere a leis trabalhistas. Mas poucos (bem poucos) se preocupam em cumprir seus deveres.

Infelizmente, o que tenho concluído é que: quanto menos o funcionário é competente, mais ele tenta se segurar nos chamados “direitos”.

Este é o principal símbolo da justiça: uma mulher vendada com uma balança. Mas o que isso representa?

justiça

Que a justiça deve ser feita sem olhar a quem, sem parcialidade, sem presumir de antemão que um está certo e outro está errado. É promover aquilo que é certo, sem pender para nenhum dos lados. Veja que interessante o que diz a Bíblia a respeito disso:

 

“Não cometam injustiça num julga­mento; não favoreçam os pobres nem procurem agradar os grandes, mas julguem o seu próximo com justiça.” – Levítico 19:15

 

Isto é: não é porque é pobre que tem razão, não é porque é rico que deve ser agradado. Perfeito! Isso é justiça e não o que vem sendo realizado nos tribunais trabalhistas pelo Brasil afora, com essa cultura de “fazer acordos” entre empresas e funcionários. Isso porque quase nunca esses acordos são justos: hora o funcionário aceita receber menos do que tem direito, com medo de não receber nada, hora as empresas aceitam pagar o que não devem, com medo de perderem ainda mais dinheiro. Isso é justiça?

15_capit9Você deve conhecer muita gente que mais enrola do que trabalha, mais atrapalha do que ajuda, a exemplo do Enrolilson aí na ilustração (personagem que criei e que tem sua rotina de trabalho descrita no livro Bolsa Blindada)! Mas quando é demitido, corre para um escritório trabalhista para “fazer valer seus direitos”. E eu pergunto: que direitos???

Essas pessoas podem até ganhar uma causa e receberem um dinheiro que não merecem, mas jamais poderão ter o mais importante: poder andar de cabeça erguida. Não se trata de orgulho, mas sim de construir uma carreira sólida e de ser uma pessoa de caráter sólido. Será que dinheiro vale mais do que isso?

1288290463Se você tem uma causa justa, busque seus direitos, se porém, foi demitida, recebeu o que deveria, mas mesmo assim vem sendo bombardeada pelos conselhos “dos amigos” para “exigir seus direitos” (aqueles que você não tem), cuidado! Essa onda toda de “ser contra” as empresas, cedo ou tarde vai sobrar para o próprio trabalhador. As empresas não estão dando conta de pagar por tantos processos sem pé nem cabeça e estão se mobilizando na esfera política para que os direitos trabalhistas venham ser reduzidos. Adivinhe quem perde? 🙁

Para não perder os próximos posts…

Cadastre o seu e-mail agora!
Cadastre o seu e-mail abaixo e receba todas as nossas novidades!

Nos vemos!

 

Jornalista com atuação no Brasil, Inglaterra, Argentina e Israel. Autora do best seller Bolsa Blindada e palestrante na Universidade de Harvard.

  • Larissa diz:

    Bom dia!

    Seu post de hoje e a pura realidade!
    Por ser advogada vejo isso constantemente. As pessoas esquecem de seus deveres, mas não esquecem de seus direitos. Muitas ocasiões querem processa a empresa sem fundamento.

    Abraços

    • Patrícia Lages diz:

      E pior: ganham!

      • Larissa diz:

        E como ganham.

        Mais pra mim, o mais difícil e explica a aplicação da justa causa tanto para o empregador como para o emprego, pois se for bem aplicada não se reverte, mas não impede que o empregado entre com uma ação trabalhista e ganhe cobrando outros direitos pelo fato de serem irrenunciáveis.

        Outra coisa, percebi uma diferença de postura dos empregados em diversas regiões do país: Em SC onde resido as pessoas entram com ações mais facilmente e por diversos motivos, mas no Pará já vi diversas empresas infligirem as leis trabalhistas e os empregados não processarem nem mesmo depois que são dispensados.

        • Patrícia Lages diz:

          Por isso mesmo é que mencionei que, quando se tem direito deve-se requerê-lo, mas quando não, que as pessoas coloquem a mão na consciência e não se aproveitem de um sistema que já é viciado por si só…

  • Mariana Constantino diz:

    Patrícia isso me lembra uma história, aqui na empresa onde trabalho tinha uma funcionária responsável pelo cofre, somente ela tinha a chave na unidade de São Paulo (a matriz é no RJ)e esse cofre nunca era conferido pela diretoria. Até que um dia houve uma mudança e a diretora do RJ veio para SP e aproveitou para conferir o cofre e viram que estava faltando uma diferença de 9.000,00… A empresa pediu explicações e tudo mais ( que não foram esclarecidas) e deu a opção para essa funcionária pedir demissão e sair numa boa, e foi o que aconteceu.
    No mês seguinte receberíamos a bonificação referente ao ano anterior,ao qual essa funcionária tinha trabalhado inteiramente, e ela quis processar a empresa por não receber! Pois na cabeça dela ela tinha direito a esse bonus sendo que ela tinha trabalhado… Sim, ela tinha trabalhado, mas a empresa já tinha dado uma chance pra ela, perdendo o dinheiro desaparecido sem sujar a vida profissional dela com uma justa causa e ela se achava no direito de um processo !

    • Patrícia Lages diz:

      Por essas e outras que muitas empresas não deixam essas coisas passarem em branco. Ela poderia ter recebido uma justa causa e arruinado a carreira, mas resolveu “agradecer” exigindo seus “direitos”. Sinceramente é muita cara de pau!

  • Elisangela diz:

    Bom dia Paty!

    Como diz minha mãe: “A barriga não doí uma vez só” rsrsrsrs…

    Este post de hoje é muito interessante e tomara q muitas de nos refletimos sobre isso.

    Tenho um conhecido q foi indicado por um amigo meu e dele, para trabalhar em uma empresa de seguro de cargas, com um ótimo salario combinado,com moradia em outra cidade combinada antes do contrato. E depois de trabalhar e morar nesta cidade por 2 anos, ele precisou resolver um problema da empresa em outro Estado, a empresa dava-lhe passagens de ônibus ( mais ou menos 7 horas de viagem), ele não quis ,exigiu passagens aéreas, a empresa não cedeu pois não via necessidade. Ele pediu pra sair da empresa ,levou a empresa na justiça alegando ter abrido mão de tudo inclusive deixando seus familiares para morar em outra cidade e foi muito prejudicado por isso.Colocou o amigo q havia indicado em uma situação desconfortável com a empresa, pois ele trabalhava la também. e ganhou no processo 120 mil, viajou por quase todo o Brasil no período de 2 meses, comprou um carão e um caminhãozinho ….. fim da historia, vendeu o carão e o caminhãozinho, esta com um carro popular e esta procurando emprego, e fazendo um bico aqui outro ali…
    Quem tem coragem de indicar?? rsrsrs

    • Patrícia Lages diz:

      Como diz o outro, torrou a grana e acabou ficando na mão… O que vem fácil, vai fácil….

  • patricia alvarenga de albuquerque diz:

    Bom dia,
    Gostei, você foi realista e verdadeira, escreveu claramente o que vem acontecendo. Sou encarregada em uma firma e isso infelizmente acontece
    e muito. realmente tem que mudar a mente das pessoas.
    bjs

  • Noelia Lima diz:

    Bom dia Patrícia
    Isso é a mais pura verdade.
    Houve uma época em que alguns colegas ficavam no meu ouvido o tempo inteiro dizendo que eu tinha q buscar meus direitos na empresa que trabalhava, mas preferi fazer as coisas ao meu modo . Ainda bem que não segui os conselhos deles, pois depois de alguns anos precisei voltar e me receberam de braços abertos, pois sai de lá de cabeça erguida fazendo o certo.
    Beijos.

    • Patrícia Lages diz:

      Isso tb aconteceu comigo e foi ótimo não ter dado ouvido aos conselhos dos “amigos” 😀

  • Cidalia-Tunisia diz:

    Boa tarde Patty,

    Bem verdade que esta vergonha de agir tornou-se cancer mondial.Aqui na Tunisia e na Europa é a mesma coisa . Da boca sai ´meus direitos’ enquanto os braços não querem nada a ver com os deveres!!!
    Esta Terra está de cabeça para os pés!!
    Beijinho Querida e obrigada pelo post.
    Cidalia

    • Patrícia Lages diz:

      Amei a expressão “de cabeça para os pés”!! Beijos 😀

  • Geisilaine diz:

    Boa noite Patricia!

    Já ouvi dizer que existem empresas que antes de contratar um funcionário fazem uma busca para saber se o mesmo já processou alguma empresa, para impossibilitar a sua contratação.

    É sempre muito agradável as leituras que faço aqui no seu blog. Muito obrigada!
    Bjsss

  • Cidalia-Tunisia diz:

    a minha cabeça traduzio direto do françês

    Se houver uma Blindete que possa corrigir o meu português eu agradeçoooo!!!
    Bisous
    Cidalia

    • Patrícia Lages diz:

      Está ótimo!! Em São Paulo dizemos “de ponta-cabeça”, mas os normais (hahaha!) dizem “de cabeça pra baixo”!!! Bjs

  • Juliana Alves diz:

    Paty, sou advogada trabalhista e ADOREI seu post. Falou tudo que MUITA gente precisa ouvir. Abs

    • Patrícia Lages diz:

      🙂

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: