Confundindo desperdício com fartura

Cada americano joga fora, todos os anos, quase 40 quilos de roupas. Isso é fartura ou desperdício? Os brasileiros estão indo pelo mesmo caminho? Confira o post!

Pensando no caminho que a moda vem traçando ao longo da história, vejo que hoje as coisas passam tão rápido que a última década, para mim, não tem cara de nada… Explico:

1920Quando penso em moda dos anos 1920, por exemplo, logo me vem à mente aqueles looks de cintura baixa, os casacos longos e chapéu cloche.

Eu não queria ter vivido essa época porque, para as baixinhas como eu, esse tipo de roupa “encurta” ainda mais o corpo. É como se “faltasse perna”! hahahaha…

Mas independentemente de gostos, o que quero reforçar é que a moda dos anos 1920 deixou uma “cara”, uma imagem. Você vê uma foto daquela época e consegue ter uma ideia da data em que foi feita.

 

1940Os anos 1940 também ficaram representados pelos vestidos de cintura bem marcada e que delineavam melhor (na minha opinião) o corpo da mulher do que as silhuetas dos anos 1920.

O segundo vestido, da esquerda para a direita, por exemplo, eu usaria fácil em pleno 2017!

 

 

RoupasAnos60Fotos1Os queridinhos anos 1960 trouxeram uma moda que eu gosto muito. Os looks mais estruturados, os tailleurs bem cortados, os vestidos de manga longa e as golas imitando o guarda-roupa masculino. Demais!

Quando vejo fotos dessa época acho todo mundo tão chique que dá vontade de viajar no tempo!

 

 

Já os anos 19Moda-Anos-70-a70 têm até uma palavra que descreve a época super bem: psicodélica!

Os looks hippies, as calças boca-de-sino, os cabelos mais desalinhados e os óculos escuros enormes. Fácil matar a charada quando vemos uma foto da época.

 

 

80Depois vieram os exageros da década de 1980!

Gente… eu usei aquelas roupas coloridas todas misturadas – o famigerado new wave – saias de babado, mangas bufantes (valha-me Deus) e muuuuuuito gel no cabelo! Não tenho saudades… haha!

 

 

2000O ano 2000 é até onde consigo ver uma “cara” que represente uma época.

As cinturas das calças ficaram incrivelmente baixas ao mesmo tempo que as blusas viraram mini.

Britney ditava as regras e as teenagers da época seguiam ao pé da letra!

 

Depois disso, a moda tem passado tão rápido que nem me lembro o que marcou a década passada. Até pesquisei, mas vi tanta coisa diferente que não cheguei a conclusão alguma. Aliás, surgiu até um termo: fast fashion. Isso mesmo, moda rápida.

Taiara-Desirée-Oxford-Metálico-Bloguesia10Tudo é descartável, tudo muda rápido demais e o oxford prata metalizado que sua amiga comprou mês passado porque “necessitava ter um” já está tão “batido” que ela não quer mais tirar do armário.

Sim, já tem blogueira dizendo que está na hora de aposentar esse brilho todo!

Com isso, o volume do desperdício só aumenta, enquanto as contas bancárias só diminuem… E os números apontados por pesquisas americanas nos deixam de cabelo em pé:

  • Os americanos jogam quase 40 quilos de roupa no lixo, todos os anos. Sim, no lixo. Porque são roupas de uma moda que vai passar tão rápido que não compensa comprar peças caras. Peças baratas = qualidade baixa. Usou, lavou, lixo.
  • 85% dos têxteis nos EUA terminam nos lixões. Apenas 15% são reaproveitados de alguma forma (revenda, doação).
  • Roupas são a segunda maior fonte de poluição, só perdem para o petróleo.
  • O varejo tem produzido roupas mais rápido do que nunca e, portanto, precisa vender mais rápido do que nunca. O que era moda no mês passado, tem que ficar fora de moda o quanto antes.

 

DesperdícioO resultado de tudo isso, traduzido em uma palavra é DESPERDÍCIO.

E o que mantém essa roda girando a uma velocidade vertiginosa é a insatisfação. A indústria precisa fazer com que você esteja sempre insatisfeita, assim você vai consumir cada vez mais.

 

Gente satisfeita…

  • …não vai afogar as mágoas no shopping
  • …não se desfaz de metade do guarda-roupa só porque a moda mudou
  • …consome menos
  • …desperdiça menos
  • …se vê melhor no espelho

Mas gente insatisfeita…

  • …quer mais uma calça jeans (ainda que tenha 20)
  • …quer mudar novamente a cor do cabelo
  • …sonha em poder tomar um banho de loja duas vezes ao ano (ou mais)
  • …nunca tem o bastante
  • …gasta o que não tem para tentar ser o que não é e agradar quem nem conhece

Tudo o que a indústria da moda quer é gente insatisfeita.

Por isso, amiga, pense bem antes de deixar boa parte do seu suado salário no shopping. Pense bem se é um nariz novo ou um quadril mais fino que vai fazê-la sentir-se feliz. Pense, apenas pense e não se deixe levar pelo pensamentos dos outros.

Eu espero, sinceramente, que você pense.

Compartilhe esse post com aquela amiga que você tanto gosta! E para mais posts sobre finanças, empreendedorismo e carreira profissional, cadastre-se aqui no blog.

Cadastre o seu e-mail agora!
Cadastre o seu e-mail abaixo e receba todas as nossas novidades!

Siga-me nas redes: Facebook, Instagram e inscreva-se no meu canal do YouTube.

Nos vemos!

Jornalista com atuação no Brasil, Inglaterra, Argentina e Israel. Autora do best seller Bolsa Blindada e palestrante na Universidade de Harvard.

  • Marta diz:

    Muito bem colocado. O desperdício é fruto de pessoas insatisfeitas, e a insatisfação com o guarda roupa é fruto de baixa auto-estima. E a baixa auto-estima vem quando damos mais importância ao que o mundo dita, as revistas femininas e a opinião dos outros, do que o que nós próprias pensamos, ou o que o próprio Deus pensa a nosso respeito. Daí a necessidade de usar a cabeça para pensar por nós próprias.

  • Liliani diz:

    Concordo com vc! Temos q parar de desperdiçar senão não teremos um planeta para os nossos descendentes herdarem.

  • Fernanda de Oliveira diz:

    Obrigada pelo Post… sempre chega na hora certa.

  • Andrea Poggi diz:

    Estou chegando a conclusão que não sou normal!
    Eu não ligo para modismo apenas procuro me sentir bem.
    Não afogo minhas mágoas em roupas, muito menos de grife mas adoro tecnologia e procuro usar a meu favor….
    Gosto de comprar coisas boas porque duram mais tempo e uso o limite da garantia
    Uma vez comprei uma mochila para minha filha e essa mochila quando estava completando 1 ano deu problema, levamos na loja e foi trocada. Um ano se passou deu o mesmo problema, foi trocada novamente…
    Por 4 ou 5 anos as mochilas foram trocadas….
    Resultado? Nunca mais comprei mochila de outra marca! Pagava mais caro mas a garantia valia…
    Assim procuro fazer com tudo que compro.
    Como sou uma pessoa muito cuidadosa, simplesmente guardo quando enjoo… Assim passado um tempo, uso novamente.

  • Marcia de Souza diz:

    Isso mesmo!
    Além disso, se a indústria têxtil produz cada vez mais por causa do consumismo, mais poluição é gerada e há mais consumo de água e energia!
    Consumo consciente é bom para nosso bolso e para a Terra!
    Beijos!

  • Rute Barros diz:

    Muito Bem colocado Dona Patricia as pessoas estão sendo cada vez mais descartavéis e tudo faz parte deste ciclo. com isso acumulam dividas e gastos desnecessários que as levam consequentemente ao stress.

  • Adriana diz:

    Esse post e o comentário da Andrea Poggi me mostram que estou no caminho certo. Tenho comprado poucas coisas e com uma qualidade superior. O resultado? Menos tralha na minha casa e utensílios domésticos e roupas durando mais.
    Tenho um problema com meus pais, que quando vêem que o pote não é de 1,99 ou a blusa não é do Brás, vem dizer que não dou valor ao dinheiro. E digo que, exatamente, por dar valor ao dinheiro, é que compro coisas mais duráveis, de marca melhor e com garantia.
    Me mudo semana que vem e amanhã o pessoal das Casas André Luiz vai buscar algumas coisas lá em casa. Fiquei assustada com o tanto de coisa que tínhamos e sem necessidade e em todas as áreas: cama, mesa e banho, móveis, eletrodomésticos…

    • Patrícia Lages diz:

      É um ponto de vista ilusório achar que preço baixo é economia porque não é. Tem coisas que nem sequer vale 1,99 de tão ruim que é… Sem falar na casa entulhada de coisas que não servem pra nada depois de duas lavagens. Vc está certa sim, dê valor ao seu dinheiro e compre o que tem qualidade e durabilidade. Ah! Minha avó era a rainha da doação para as Casas André Luiz, a qual chamava de “Zé André Luiz”, sabe-se lá porquê!Hahahaha!

      • Adriana diz:

        To seguindo os passos da sua avó. Não é a primeira vez que ligo pra eles, hahaha.

  • Camila Ogassavara Fernandes diz:

    E eu aqui sofrendo pq preciso de roupas para o trabalho, pois as minhas estão passadas hahaha Vou fuçar o lixo deles e ver se tem algo q me sirva rsrs
    Brincadeiras a parte…
    Geralmente 1x por mês dou uma olhada no guarda roupa e a única regra para me desfazer (no caso, doar!) são roupas que não me sirvam ou que sei que não usarei mais.
    Eu “sigo” a moda até onde vai o meu limite, mas elas não me regram. Até pq aprendi muito administrar meu dinheiro com os livros da Patricia 🙂
    Se eu comprei hoje uma blusinha, eu procuro ver se tem 2 para doar e assim por diante. Só jogo fora se estão rasgadas ou manchadas ao ponto de não sair mais.
    Tenho 2 filhAs e não vejo a hora de podermos dividir roupas e compras hahaha

  • loíde diz:

    Oi Patricia , como eu gosto de ler os seu email, me ajudam tanto , a ser uma pessoa mais moderada nos gastos ,e uma pessoa bem melhor .Que Deus abençoe você.

    Loíde

  • Cláudia Assis diz:

    Oi Patrícia, é por este motivo que prefiro o estilo mais básico,nao sigo a moda, prefiro peças atemporais. Assim evito peças que vão ficar encalhadas no guarda roupa e invisto mais nos acessórios… Bjsss

    • Patrícia Lages diz:

      Faço o mesmo, Claudia!

  • Bethania diz:

    Excelente texto! Pura verdade, vivemos na era que a moda é o consumismo e o desperdício, e quem não segue isso vira do contra e é olhado por todos como alguém esquisito… fala sério!

  • Ana Maria do Nascimento diz:

    Amei verdadeiramente este post. Em tudo é extremamente valioso. Não costumo comprar pela emoção como antigamente fazia, mas sempre é bom lembrar de coisas que referem-se a nossa postura. Além de obter informações preciosas e relembrar o quanto a moda passa rápido. Uma observação: não havia notado de forma tão clara, o quanto nos últimos anos a moda tem passado tão rápido que nem sabemos o que é ou não moda, melhor estar com os pés no chão o tempo todo. Obrigada Patrícia. Muito bom. Ana Maria.

  • bastosregina diz:

    Muito bacana! Adorei.. e é a mais pura verdade, a tal insatisfação é a culpada por sermos impulsivas! Não há nada melhor do que fazer compras pra se distrair! Kkk

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: