O conformismo com as situações adversas traz uma passividade às pessoas a ponto de estarem diante das respostas que precisam sem nem mesmo perceber. Fuja disso!

Conformismo e passividade

Conformismo e passividade andam lado a lado.

As pessoas estão tão conformadas em perder que acabam ficando passivas diante das situações adversas.

Diante desse quadro, é claro que nada muda.

Mantenho esse blog há mais de 6 anos e recebemos 28.332 comentários até o momento.

Todos eles foram lidos, pois nada é postado publicamente antes que seja moderado por mim.

Essa moderação, além de garantir que comentários ofensivos, com discurso de ódio ou algo similar sejam postados, também me obriga a ler todos.

Diante dessa grande quantidade de material dá para tirar várias conclusões.

Já li muitas coisas positivas, interessantes e que me motivam a continuar.

Mas também pude notar que muitos estão conformados com sua situação adversa e aceitam o fato na maior passividade.

Várias foram as vezes que o texto sugeria exatamente o que fazer para resolver um problema, mas logo abaixo, a pessoa comenta que não sabe o que fazer…

Antes, eu achava que a pessoa não tinha lido ou não havia compreendido, mas nem sempre é isso.

Em alguns casos, a pessoa leu, entendeu, mas já se conformou com a situação.

 

Deixa assim mesmo!

Um dos comentários que ilustra isso foi sobre um vídeo que publiquei no meu canal do Youtube.

A pessoa escreveu que, por não sabe investir no Tesouro Direto e pelo gerente do banco não querer ensina-la, vai ter que continuar perdendo dinheiro na poupança.

Você deve estar se perguntando sobre o que era o vídeo, não é mesmo?

Bem, era sobre como aplicar no Tesouro Direto!

Essa pessoa colocou na cabeça que, para ela poder mudar de investimento, dependia do gerente do banco.

É como se o dinheiro não fosse dela, como se ela não pudesse fazer isso sozinha…

E isso não é proveniente de ignorância, afinal, ela estava diante da explicação.

Isso é proveniente de um conformismo tão enraizado que torna a pessoa passiva, mesmo diante da solução.

É como se, por estar tão acostumada e conformada em perder, ela não pudesse fazer nada para ganhar!

Quantas não foram as vezes que aconselhei a pessoa a fazer determinada coisa e ela, apesar de ver que era possível e que sabia que era o certo, dizia que ia continuar como estava.

Por quê? Por puro conformismo e passividade!

Isso está acontecendo com você?

Se você percebe que está conformada com alguma coisa e, por isso, não está agindo, mude agora mesmo!

Deixe de ser passiva diante dos problemas e aja, pois tudo depende de você.

Pare de dar desculpas, pare de depender dos outros. Apenas aja!

E se o seu problema é financeiro, eis abaixo o link para você mudar isso agora!

Para pedir um dos livros da nossa loja virtual, clique aqui e saia dessa!

 

E se você precisa mudar o seu negócio, seja ele micro ou pequeno, faça o nosso curso Como e Quanto Cobrar.

Estamos com uma edição presencial para São Paulo dia 05 de outubro.

Para saber sobre o curso, clique aqui.

Nos vemos!

Jornalista especialista em finanças, autora do best-seller Bolsa Blindada, colunista do programa Mulheres, TV Gazeta e youtuber.

  • a verdade é que algumas pessoas têm medo do novo, não se permitem tentar algo diferente , e ficam sempre achando que as mudanças que esperam em suas vidas serão feitas por outras pessoas e não por elas mesmas, e a formula da estagnação, sem crescimento, e sem melhoria de vida como ser humano, acumulando frustrações e decepções consigo mesma e culpando os outros pelos suas derrotas, sem ao menos perceber que sua inêrcia diante das oportunidades a levou a essa realidade ruim.

  • o Conformismo e a Passividade me impedem de ir a luta e emagrecer, já estou na obesidade grau I. Sinto dificuldades de brincar com minha bebê. Mas o conformismo em deixar do jeito que está me impede de dar um passo além.

    • Impeça que o conformismo impeça você. eu acredito que você pode, você crê?

  • Esses seminários de como e quanto cobrar bem que poderiam virar um livro. Seus livros são tão bons, com uma linguagem tão acessível…

    Moro no Rio de Janeiro e já utilizei seus modelos de planilhas com adaptações que eu mesma criei. Venci o medo do Excell e fui a luta. Muito obrigada pela força. Bjs

  • Olá!
    Adoro seus posts, são muito claros e objetivos. Sempre expondo verdades.
    Lembrando também do seu post anterior, vejo que a imagem que brasileiro passa é de que não tem poder de reação. Não consegue se revoltar com sua situação. Não consegue dar um basta! Só sente certo remorso, não se arrepende, não muda!
    As eleições estão à porta para provar. No discurso das pessoas a necessidade de mudança, o inconformismo com o governo, e a vergonha que o Brasil passa no exterior, nas pesquisas, o contrário. Poucas são as novidades, até mudam algumas “caras” mas os planos são os mesmos.
    Poucos são os que buscam informações à fundo dos candidatos. Muitos votam no conhecido ou no candidato com maior intenção de voto pelas pesquisas, para não “perder” o voto. Poxa! Conformismo total! Culpam o povo em geral, sem assumir a parcela de culpa! Depois passam-se quatro anos com reclamações para na próxima oportunidade, NÃO fazer diferente.
    Enquanto cometermos os mesmos erros, nunca teremos novos resultados.
    Passividade e conformismo são aliados à preguiça. Preguiça não deixa a pessoa sair da zona de conforto. É um clico vicioso e cada um depende da revolta interior para sair dele.
    Beijos!

  • Eu creio que consigo. Que serei capaz e que logo poderei vir contar que consegui.

  • Paty, isso é exatamente o que tem acontecido comigo. Não consigo acreditar que posso ir além. Obrigada por suas dicas.

    • E eu não consigo acreditar que vc realmente acredita nisso. É óbvio que vc pode ir além!

  • As vezes, o que falta é a confiança em si mesmo, a pessoa se inferioriza achando que por mais que tente não vai conseguir! É um pensamento derrotista que deve ser repreendido, pois atrasa a vida da pessoa e só ela pode mudar essa situação, diagnosticando suas deficiências e trabalhando para supera-las.

  • Oi, Patrícia! Percebo que o Brasileiro é assim, ele quer sempre que alguém pegue na mão dele e diga o que deve fazer. E confesso que já fui assim, mas acordei em tempo 😁.
    E como sai dessa “zona de conforto”, comecei a reparar isso nas rodas de conversa. Há em nós uma raíz de paternalismo muito forte, não conseguimos agir por conta própria, sempre culpamos alguém, terceirizamos a responsabilidade da nossa vida.

    😘😘😘😘 Admiro muito seu trabalho. Parabéns!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *