Em meio a tantas fake news fica cada vez mais difícil saber em que podemos acreditar. O que fazer para filtrar as informações?

Confinamento – Dia 3

O que mais tem circulado nas últimas semanas são notícias falsas: as fake news.

Há quem diga que o coronavírus é apenas uma gripe que, em uma baixa porcentagem, pode matar um determinado grupo de pessoas.

Enquanto isso, outros dizem que trata-se de algo tão terrível que uma parte importante da humanidade será dizimada.

Bilhões estão sendo gastos, enquanto outros bilhões não estão sendo ganhos, uma vez que a maioria das pessoas em todo o mundo está confinada em suas casas.

Uns dizem que empresas vão quebrar e que, talvez provavelmente, o desemprego matará muito mais pessoas do que o vírus em si.

Alguns dizem que tudo irá ficar bem dentro de poucos meses, porém, outros dizem que o futuro será terrível pelos próximos anos.

A nós, simples mortais, resta a pergunta:

O que é verdade e o que não passa de fake news?

Em casos como esse, onde é difícil para pessoas que não têm conhecimento de causa saber em que acreditar, nos resta usar o bom senso.

Um dos meus questionamentos, por exemplo, é por que o Brasil, um  país onde 48% das pessoas não têm acesso a esgoto, investe tanto em uma gripe?

Não estou questionando a importância da pandemia e nem querendo levantar teorias da conspiração, mas há tantas doenças que têm matado tanta gente há décadas neste país e que ninguém parece ligar…

De 2017 para 2018, por exemplo, houve um aumento de 73% nos casos de hepatite A, mas você ouviu alguém falar sobre isso?

A hepatite A é causada principalmente pela falta de tratamento de esgoto.

Mesmo assim, houve aumento no investimento em saneamento básico?

A verdade é que continuamos com quase metade dos brasileiros sem acesso a esse quesito essencial à saúde.

“Lavem as mãos”, eles dizem, “mas com que água?”, metade dos brasileiros pergunta…

Na minha opinião, o que está havendo é uma demonstração prática de que os governos têm total controle sobre nós.

Se dizem que não podemos sair de casa, não podemos sair de casa.

E se decretam que não podemos abrir as portas das nossas empresas, elas ficarão fechadas.

Para mim está claro que a palavra-chave não é saúde, mas sim, controle.

Se fosse saúde já teriam tomado providências há décadas, pois doentes não nos faltam…

Não estou encorajando ninguém a desobedecer as leis, os decretos e as recomendações que temos recebido. EU ESTOU EM CASA, CONFORME SOLICITADO.

Mas enquanto somos livres para raciocinar e ainda podemos publicar o que pensamos, proponho uma reflexão a respeito.

É somente pensando que teremos condições de avaliar o que é real e o que é fake.

Novidades – sem fake news – no curso Gerenciando a Si Mesmo

Vários leitores e seguidores não puderam adquirir o curso Gerenciando a Si Mesmo, lançado há alguns meses.

Inicialmente, o curso era composto de um combo com todos os meus livros e uma caneca, enviados em uma caixa exclusiva.

Porém, diante dessa situação que estamos enfrentando, decidimos mudar o modelo de vendas e facilitar para que todos possam ter acesso.

Nesse momento de incertezas e que não sabemos quem continuará no emprego e nem como pagar as contas, é preciso que você saiba como gerenciar a sua vida como um todo.

Por isso, o curso poderá ser adquirido em módulos, ou seja, você pode comprar a parte que mais lhe interesse.

O Gerenciando a Si Mesmo tem 3 partes:

  • Finanças
  • Carreira Profissional
  • Aprendizado

Você pode escolher uma delas e comprar separadamente por um preço especial e ainda parcelado em 10 vezes no cartão.

Clique no SAIBA MAIS abaixo e você também poderá acessar 6 posts do Desafio 2020 com dinheiro.

Confira!

 

Confira os posts anteriores:

Confinamento Dia 1 – Quando a guerra estoura

Confinamento Dia 2 – Fuja da hipocrisia

 

Nos vemos amanhã!

 

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Oi Paty! Isso está acontecendo pq recomendação da OMS, pq está atingindo todo o planeta. O restante dos nossos problemas de saúde atingem apenas a nós e, pelo visto, se fosse considerado realmente importante, a OMS interviria. Se as milhares de mortes por violência, dengue, tuberculose, ou o aumento de casos de DSTs, por exemplo, atingissem os países de primeiro mundo, tenho certeza de que eles meteriam seus dedos, narizes, opiniões, etc., para mudar esse quadro. Ninguém faz nada por ser realmente o certo a ser feito. Fazem quando interessa, economicamente falando.

  • Patricia ainda no inicio da semana eu vendo no jornal a construção de leitos hospitalares em estádio de futebol, altos investimentos na construção de hospitais, eu me perguntava? Por que só agora que estão fazendo isso?

    Há anos que vejo nas reportagens hospitais cheios, gente no chão, atendimento precário, enfim e porque não foi feito nada antes ?

    Só agora com esse vírus é que tomaram providência!

    Assisti a reunião ontem que o bispo Renato explicou sobre essa pandemia, ali meus olhos se abriram, e só não enxerga quem não quer!

    E é isso mesmo que você disse: Controle

    Grande abraço

  • É verdade Patrícia. Eu trabalho em um hospital público e já vi, por diversas vezes, faltar máscara, luvas,. agulhas de insulina, remédios pra hipertensão, ou seja, insumos de baixo custo, quando não cirurgias sendo canceladas, pois tivemos corte no orçamento da saúde. Realmente o você disse, a palavra que define tudo isso é o controle que o Governo exerce sobre nós pois, como de uma hora pra outra surgiu tanto dinheiro pra investir na saúde? E também estou muito curiosa pra saber de onde vai surgir tanto dinheiro pra essa distribuição de renda que os Governadores querem pra minimizar os efeitos que essa pandemia vai provocar nas pessoas. Até outro dia pouco se importavam com se as pessoas estavam doentes ou não, mas de uma hora pra outra ninguém pode trabalhar para conter a doença? Muito estranho isso. Claro que não podemos nos descuidar na questão da saúde, mas também como ficará a economia, visto que agora em abril as contas vão chegar e quem só trabalhou metade do mês, só terá metade do salário ou o empregador pagará o mês inteiro? E as empresas de energia elétrica, as imobiliárias, as administradoras de cartão serão compreensivas com quem não terá o valor total pra arcar com as suas contas? As pessoas estão mesmo iludida achando que todo mundo vai entender que não terão como pagar as contas ou que o Governo proverá recursos para o pagamento das mesmas?
    Desculpe um texto tão grande, foi um misto de opinião do post de hoje com os outros dois já publicados.

  • Concordo. Temos que ficar atentos. Fiquei inconformada com a informação de 48% da população brasileira não ter acesso ao esgoto e com o aumento da Hepatite A 😳😳😳. Sem palavras….

  • Sem fake news e teoria da conspiração: essa pandemia foi um ótimo experimento para o mundo. Você dá um reset na economia, ferra com tudo, diz que saúde em primeiro lugar e mostra que sem governo, o mundo não existe. Mas, como não dá pra enganar todo mundo o tempo inteiro, muitos já estão percebendo a narrativa, palavra da moda. Nas eleições, estaremos de olho…

  • Eu te perguntei hoje no Insta algo sobre isso. Ainda não tinha lido esse post…rs

    Bjs

  • Concordo plenamente, Patrícia! O outro lá mandou a gente sair à rua normalmente e arriscar nossas vidas. Quer demonstrar controle sobre nós. Vou contra essa recomendação e seguir as recomendações da OMS. Nós é que sabemos o melhor para a nossa saúde e a da nossa família. Nesse momento, o melhor, no meu ponto de vista, é FICAR EM CASA.

    • Eu tenho um outro ponto de vista. Se uma pessoa diz que você pode sair e fazer o que acha que deve, não é controle, é liberdade. A recomendação da OMS é que o grupo de risco fique em quarentena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *