Se você tem uma dívida, tem um “produto” a ser negociado. Por isso, é imprescindível saber como negociar esse produto da melhor forma para ambas as partes. Confira o post de hoje!

dívida

Dívida, quem nunca?

Quem conhece a minha história sabe que eu sou uma ex-super endividada. Tive um comércio atacadista que deu muito errado e me deixou uma dívida de mais de 150 mil dólares.

Conto essa história – em meio a muitas dicas práticas – no meu primeiro livro, Bolsa blindada, que você encontra em diversas livrarias e também neste link.

Sei muito bem o que é ser acordada logo cedo com ligações de cobrança, passar o dia angustiada por querer pagar o que se deve, mas não ter condições para isso e sei até mesmo o que é ser ameaçada por não ter pago uma conta em dia.

Os problemas na vida de quem deve se potencializam a ponto de fazer qualquer um perder a paz, mas não adianta ficarmos reclamando das injustiças da vida, não é mesmo? O que precisamos é saber o que fazer para sair dessa, então vamos lá!

Uma dívida é um produto

Assim como você pode negociar a compra de qualquer produto, também pode negociar o pagamento de um débito. Uma dívida é um produto financeiro que tem um valor e, como tal, não só pode como deve ser negociado.

O que vemos hoje em dia é um oportunismo por parte de alguns bancos e financeiras que, em vez de focarem em auxiliar seus clientes a pagarem suas dívidas, promovem ainda mais o endividamento.

Em alguns casos, os credores agem até de forma ilegal para coagir os endividados e fazê-los pagar ainda mais juros por suas dívidas. Não caia nessa!

Existem alguns passos que você pode seguir para uma boa negociação de dívidas, anote aí!

Passos práticos para negociar dívidas

Não permita ilegalidades

Você precisa conhecer seus direitos como devedor e não permitir que os seus credores violem esses direitos. Para conhecer os seus direitos, leia este post após terminar esta leitura. Será de grande valia para começar a negociar;

Dever não é crime

Não creio que você esteja endividado de propósito nem para dar um golpe em alguém. Na grande maioria das vezes as dívidas acontecem por descontrole financeiro (quem nunca?) ou por imprevistos que não foram considerados.

Por isso, não permita que lhe tratem como bandido só porque você tem uma dívida. Respeito é bom e todo mundo tem direito.

Planeje-se para pagar

O pagamento de uma dívida requer planejamento, por isso, nunca tome uma decisão só porque o credor está pressionando. Não aceite um refinanciamento sem analisar se poderá pagar as parcelas e nem sem saber quanto essa dívida vai custar no fim das contas.

Primeiramente planeje-se e veja quanto você pode dispor para pagar mensalmente e faça uma oferta. Se o credor não aceitar, não se desespere. Junte dinheiro, corte despesas e volte a negociar mais tarde.

Credor não aceita negociar? Tenha calma

O credor vai pressionar você a tomar uma decisão rápida e, de preferência, sem pensar, para arrancar ainda mais juros de você. Tenha calma. Seu nome está sujo e você quer limpar imediatamente, eu sei, mas não deixe que as pessoas se aproveitem disso.

Se o seu credor não aceita as suas condições e quer fazer a dívida subir ainda mais, espere. Ele não é obrigado a aceitar as suas condições, assim como você também não é obrigado a aceitar as dele. Se a negociação não está boa para você, não aceite. Espere um pouco mais, junte dinheiro enquanto isso, e depois  volte a fazer uma oferta.

Saiba tudo sobre a sua dívida

Esse passo é importantíssimo. Muita gente nem sabe direito quanto deve nem quanto já pagou pela dívida. Pode ser que você tenha feito um empréstimo de 3.000 reais, já tenha pago 2.500 e ainda deva 2.000… Isso é bem comum, mas muito injusto!

É claro que todo empréstimo ou financiamento tem juros e você concordou em pagar, mas as taxas praticadas ultimamente passaram de todos os limites.

E como vale o que for acordado, o credor vai trabalhar intensamente para fazer você aceitar condições que nem sequer são legais.

Saiba de quanto era a dívida, quanto você já pagou e ofereça um valor justo para quitar o débito. Não permita que uma dívida de 10 mil vire 50 mil, pois isso não tem cabimento.

Compartilhe!

Conhece pessoas que estão nessa situação? Então não deixe de ajudá-las compartilhando este post. Publique nas suas redes sociais, mande para seus grupos de WhatsApp e nos auxilie nessa missão de ajudar as pessoas a saírem do sufoco.

Se cada um varrer a sua calçada, a rua inteira ficará limpa!

Para não perder nada aqui do blog, cadastre-se:

[newsletter]

E para acompanhar meus vídeos semanais, inscreva-se no meu canal do YouTube, clicando aqui.

Nos vemos!

Jornalista especialista em finanças, autora do best-seller Bolsa Blindada, colunista do programa Mulheres, TV Gazeta e youtuber.

  • Patricia, Boa tarde.

    Me encontro desempregada desde de Setembro/2017 tenho dividas com Bradesco/Banco do Brasil e Itau dividas de empréstimo, cartão de credito e cheque especial. quitei algumas coisas assim que recebi meu FGTS e Rescisão, mas não tive como pagar mais eles me ligam o dia inteiro as assessorias já me fizeram ameaças, recebi cartas informando que um oficial de justiça ira na minha casa e coisas mais.E o valor da divida só aumenta a cada dia na verdade o valor dos juros porque como eu disse abati muitas parcelas assim que perdi o emprego.
    e me encontro em uma ansiedade terrível não sei o que fazer, esse post me ajudou bastante viver numa situação assim é muito difícil.

  • bao tarde patricia tudo bem c vc , gostaria de saber por fvor como faco para descobrir com que gosto de fazer , NAO QUERO SO TRABALHAR SO POR DINHEIRO , TAMBEM PRESISO DO DINHEIRO , MAS QUERO FAZER ALGO QUE GOSTO , ALGO QUE VAI FAZER DIFERENCA NA VIDA DA POPULACAO TAMBEM , POR FVOR TE ADMIRO MUITO TE AGURDO ABRACO

    • A princípio vc tem de perguntar a si mesma. Pense no que vc faz com amor, que as pessoas elogiam, que te satisfaz realizar e vc encontrará seu caminho! Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *