Você se sente perdida em meio a tantas coisas diferentes para fazer que não sabe nem por onde começar? Pois você não é a única! Confira o post de hoje e tenha uma nova visão. 

 

Dar conta de tudo
Precisa dar conta de tudo

Você tem que estar linda todos os dias, fazer exercícios físicos regularmente, a sua casa precisa brilhar de tão limpa e arrumada, os seus filhos têm que ser super educados, o seu marido necessita dos seus cuidados e atenção, sua alimentação tem que ser balanceada para manter a saúde em dia e, como se isso fosse pouco, você tem que ser uma profissional super bem-sucedida e ter todos os diplomas possíveis e imagináveis.

Antes de mais nada, saiba o seguinte: essa conta não fecha. Não, não fecha mesmo. Ainda que você encontre centenas de postagens pela internet dizendo que é possível, que a mulher de hoje dá conta de tudo, saiba que isso não é verdade. Nós, mulheres, conseguimos dar conta de várias coisas, sim, mas não de tudo o que estão colocando sobre os nossos ombros ultimamente. É uma questão de lógica e matemática.

Acompanhe esse raciocínio:

Se uma mulher casada e mãe trabalha 8 horas por dia, passa mais 4 na faculdade e, aproximadamente mais 2 horas nos trajetos entre um local e outro, significa que ela terá para si apenas 10 horas por dia. Porém, ela terá que usar, pelo menos, 6 horas para dormir (o que já estaria abaixo do recomendado), ficando com 4 horas para cuidar de todo o resto: filhos, marido, exercício físico, casa, comida e outros cuidados pessoais. Isso sem lazer e sem nem sequer ter tempo para pensar. Vida espiritual, então… passa longe!

Diante de uma rotina assim, essa pessoa não trabalha direito, pois vive cansada, não estuda direito porque vive estressada pensando no filho que mal viu, no marido que não ajuda, no que vai comer quando chegar em casa, na casa que está uma bagunça, nas contas que não consegue pagar de tanta dívida que já fez. Ela não se cuida porque não tem tempo, veste qualquer coisa de manhã porque nem sabe o que tem no guarda-roupa, se alimenta mal porque está cansada demais para fazer qualquer coisa, se sente a pior mãe do mundo, se distancia do marido, enfim… sua qualidade de vida se esvai sem que ela se dê conta!

Qual é a solução?

Priorizar as coisas mais importantes e abandonar o resto. Sim, abandonar. Pode parecer radical – e é mesmo – mas se não formos radicais com aquilo que nos rouba a própria vida, o que será de nós? Que sentido há em correr tanto se, no final das contas, você não vive de fato?

Resolvi escrever esse texto pela quantidade de mulheres casadas e mães que têm imposto a si mesmas uma rotina absurda e acabam não fazendo nada direito. São casadas com uma pessoa que, pouco a pouco, já não reconhecem mais de tão distantes que vivem, são mães de filhos que gritam por atenção e que, em lugar disso, recebem brinquedos, presentes e mais atividades que preencham o máximo possível de seu tempo. Você sabia que foi divulgada uma pesquisa apontando as crianças brasileiras como as mais estressadas do mundo? Que tipo de adultos elas serão?

Fora isso, também recebo mensagens de mulheres de 35-40 anos que vivem essa rotina impossível e me escrevem pedindo dicas de como incluir a maternidade no seu dia a dia, pois o “relógio biológico está correndo e elas precisam ser mães”. Precisam? Quem disse isso? E mais: vão ser mães durante 2 ou 3 horas por dia? Como?

Meninas, nós temos um limite diário de 24 horas. Ricos, pobres, doutores ou analfabetos, todos recebemos o mesmo tempo e não há nada que possamos fazer para ampliar isso.

Priorize o que é importante para você e viva o presente. Pare de deixar de viver o hoje para garantir um futuro melhor. O seu futuro é agora, portanto, faça da sua vida HOJE uma vida de qualidade.

Se você não está dando conta de tudo, reduza a quantidade de coisas. Será que essa faculdade é realmente necessária? Será que o seu emprego atual do outro lado da cidade tem realmente valido a pena? Repense sua vida agora para não deixar o barco correr e se arrepender mais tarde. O tempo não volta, aproveite-o bem. Agora!

Nos vemos!

 

 

Jornalista especialista em finanças, autora do best-seller Bolsa Blindada, colunista do programa Mulheres, TV Gazeta e youtuber.

  • Bom dia, faltou falar que temos que incluir todos os membros da familia nas tarefas domésticas essenciais, afinal TODOS comem, sujam , e se assim for feito, sobra mais tempo para todo mundo…

  • Verdade, Patricia.
    Bem isso mesmo. A midia faz parecer que tudo é possivel.
    Mas, não é bem assim.
    Vejo as executivas do meu trabalho, a maioria delas, embora mais velhas, nao tem filhos, e muitas vezes nao tem um relacionamento estavel… A conta nao fecha mesmo… Nao cabe tudo.
    O que realmente nos faz feliz??
    E o que nos fara felizes daqui a dez anos?

  • Goste muito de ese post, e pura realidade. As veces temos que fazer um stop em nossa vida para revisar, como é que esta as nossas prioridades reais i não a que o mundo nos impõe.

  • Bom dia Patricia, muito boa reflexão trabalho fora mas procuro aproveitar o máximo do tempo coma minha família, pra mim não tem dinheiro que pague, quero sim concluir minha faculdade mas prefiro esperar as crianças crescerem pois minha maior riqueza são eles, amo seus conselhos .

  • Bom dia, Paty! “A escolha de Sofia” minha foi justamente o meu filho. Talvez minhas finanças não tivessem chegado ao fundo do poço se eu tivesse o conhecimento que tenho hoje. Mas, não me arrependo da escolha! O resultado valeu a pena! (espero que assim continue! rsrsrs)

  • Texto Maravilhoso!!!
    Li duas vezes!
    Parabéns mais uma vez Patrícia.
    Bjs

  • Nossa!!!precisava ouvir isso. Estou até com crise de ansiedade de tanta coisa que tenho que fazer e não dou conta, chego no meu trabalho já com o coração a mil de tantos problemas que tenho que resolver, chego na minha casa a mesma coisa.
    Vou começar a ser radical se não a minha saúde física e emocional vai ficar em frangalhos.
    bjs

  • É para se Refletir..O tempo é precioso e tem coisas na vida que não se pode voltar atrás. .ver os filhos crescerem dar o máximo de atenção,falo por mim mesmo,afinal nosso papel de mãe é prepará-los para o futuro e ninguém substitui o papel da mãe e Dona Lar. Não desmerecendo as demais coisas,mas priorizando o que é importe para nossa vida ?

  • Sempre expirador seus textos, valeu a força. Aguardando os proximos.

  • Ufa finalmente alguém para dizer a verdade nua e crua. Até hoje só li mulheres falandoque era possível ser uma super mulher. obrigada Deus por usar a Paty para falar algo que é óbvio mas que nenhuma mulher quer acreditar!

  • Bem legal seu texto, parabéns. A maioria das mulheres passa por isso, e é difícil encontrar o equilíbrio, sem aprender a priorizar e dizer não. Contar com uma rede de apoio também ajuda muito nesse processo.

  • Verdade! Esse será um post que vou ler, imprimir para lembrar, reler e agir todos os dias.
    Muito forte!

  • Essa publicação precisa ser lida por todas as mulheres ???
    Pois, realmente, existe uma pressão sobre as mulheres darem conta de tudo e com excelência, caso contrário, somos taxadas de moles.
    Muitas vezes, isso vem de outras mulheres,infelizmente.
    Estou me policiando para não dar ouvidos para esses comentários,afinal,sou eu mesma que arco com as consequências físicas,mentais e espirituais dessa sobrecarga.

  • Maravilhoso texto! Temos que repensar nossas vidas priorizando o que é de fato importante. Como Cortella diz:”Prioridade é uma palavra sem plural, pois quando coloca o s, deixa de ser prioridade.” Acredito nisso!
    Para amarmos o outro, esse amor precisa passar primeiro por nós.

    Grande beijo Paty!

  • Eu concordo com tudo que foi dito.
    Patricia, você é um canal de benção em nossas vidas! Não sabe o quanto me ajudou e ajuda sempre, com seus textos inspirados pelo próprio Deus.
    Um grande beijo!

  • Tem o meu aval a 300%….. Vivo em Portugal e sou portuguesa mas sigo o seu percurso desde o inicio quando a vi na TV por cabo.
    Eu vivo esse sentimento todos os dias a trabalhar no hospital como fisiologista clinica (8h/dia), como mãe de uma menina artista que estuda violino, canto, teatro e cinema desde os seis anos na escola de artes (inclusivamente a escola obrigatória), que faz remo, badminton, natação e é escuteira e que depende de mim para todas as deslocações, ensaios e afim…. a casa para tratar (sem empregada)…2 cães….um marido….doença auto-imune incapacitante pois atingiu-me os ossos e…..quando digo que preciso de tempo para mim o que dizem: filha – o dia devia ter 48 horas para mim (se acontecesse suicidava-me); marido – o que é o jantar? ; cães que me seguem até no banheiro….. como eu a entendo….

    Beijo e força pois voçê é uma grande ajuda para mim que me faz respirar e pensar em mim.

  • Olá, Acompanho o seu blog a muito tempo e é a primeira vez que deixo um comentário….pois esse texto merece ser aplaudido de pé.

    Inspirador e fonte de decisão pra muitas mulheres.

    Parabéns pelo seu trabalho, um grande beijo e abraço.

  • Oi Paty. Que post lindo, uma bela mensagem para refletirmos o que verdadeiramente vale a pena no nosso dia a dia. Você vale ouro. Beijo

  • Todos os textos do blog são maravilhosos. Mas esse é especial pois, como alguém já disse nos comentários acima diz a verdade nua crua. Não somos a mulher a maravilha e não temos super poderes. Acho indispensável olhar pra mim mesmo e analisar os meus limites. Só dessa maneira vou conseguir aproveitar, de fato, as minhas conquistas!

  • Ola Patricia,Como vai?meu nome e Fernanda e durante esta semana me chamou a atenção o blog da senhora,pois quero aprender a como organizar a minha vida financeira.
    E ao ler este post da senhora me identifiquei muitos.
    So não sou casada,mais sou mãe de dois filhos,trabalho fora.E e como a senhora falou achamos que damos conta de tudo.Acima de tudo tem a minha vida com Deus e a obra do meu Deus.
    Amo cuidar da minha casa e dos meus filhos,mais co. A corria do meu dia,não tenho me dado como queria.Gosto muito do meu trabalho.
    Gosto muito de cozinha,gostam muito do meus doces ?.Fui mãe aos 14 anos,hoje tenho 25 meu filho mais velho tem 11 e minha menina ? tem 8.
    Vejo como a minha presença faz falta para eles.

    • Oi, Fernanda! Será que é possível que vc trabalhe em casa para estar mais próxima deles? Bjs

  • Ótimo Texto Patrícia, nós mulheres nos cobramos demais. Eu era funcionária de carreira em industria, coordenadora de setor, rata de academia e baladeira. Com 30 anos resolvi mudar tudo até atingir meu objetivo que era ser mãe: estudei pra concurso publico pra voltar a minha cidade natal, o namorado virou marido, aos 36 consegui ser mãe, os amigos de balada sumiram!!! Pra renda não diminuir muito, pois funcionário publico municipal ganha uma micharia, investi em casas de aluguel e corretor e tenho uma pessoa que me ajuda quinzenal e assim vou VIVENDO a minha vida. Infelizmente não dá pra mulher ser tudo!!! Pode parecer um pouco de inveja sexista, mas juro que não é: se eu fosse homem, eu teria conseguido conciliar a carreira na industria, estaria ganhando meus 15 mil e seria um otimo pai (essa parte é a do meu marido, ele seguiu a carreira dele, e é um otimo pai, esposo e etc…., mas qdo meu filho está doente sou eu que corro com ele… sei lá é diferente pro homem!!)

    • Eu também conheço pouca ou nenhuma executiva com filhos!!! que eu me lembre conheço uma gerente com um filho, mas o marido é a mãe, vamos dizer assim, tem um emprego mais flexivel e leva a criança pra todo lado, ganha menos mas não se importa!!! dificil achar homem assim!!!

  • Me identifico!
    Sou cartazista de supermercado,acordo às 5:00,trabalho 8:00 por dia e tbm sou artesã, pra dar conta de tudo agora durmo “parcelado” em duas vezes rsrs,um pouco a tarde, um pouco à noite.
    No momento o marido dá conta das tarefas domésticas pois não está trabalhando fora, mas ainda assim tenho que dar um “capricho” de vez em quando.
    sinto-me estressada, cansada,exausta!
    e ultimamente isso tem se refletido em dores e alergias.
    Sinto que preciso parar, mas como fazer isso se no momento sou praticamente a única fonte de renda da casa?
    Vou levando enquanto dá :/

    • Cris, quando a gente está cansada, a gente descansa, não para. Pense: vc está trabalhando a mesma quantidade de horas da grande maioria das pessoas (8h) e ainda tem no artesanato (que pode ser bem relaxante) uma renda extra. Tudo está na sua forma de olhar as coisas. Faça seu trabalho com satisfação, dando valor às pequenas coisas e a sua visão vai mudar.

  • Meu irmão acaba de entrar numa faculdade à distância, e insistiu que eu tbm deveria fazer, porém não tenho disposição pra isso, e se decidisse fazer com certeza teria que abandonar o artesanato pois não teria tempo pra tudo.
    É bem frustante 🙁

    • É uma simples questão de escolha e não acho que vc deva ver com frustração. Se vc não tem disposição e não quer abandonar o que faz, qual é o problema? Essa faculdade traria mais satisfação ou resultados do que o que vc já faz? Fazer as coisas só porque os outros estão insistindo pra vc fazer é que será frustrante lá na frente!

  • Patricia, só queria te agradecer por esse texto.
    Depois que me tornei mãe, tenho tentado dar conta de tudo com excelência e algo tenho deixado esquecido, eu mesma.
    Me desdobro pra cuidar da casa, dar atenção ao meu filho, trabalho fora e com isso tenho dormido menos de 4h por dia e o cansaço é evidente.
    A partir de hoje vou mudar, se a casa tiver que ficar de lado, ela ficará.
    Priorizarei minha saúde fisica e mental, meu filho e meu esposo.

    Que Deus continue te usando pra trazer encorajamento a nós mulheres e que te abençõe grandemente!
    Um forte abraço!

  • Me sinto emocionalmente esgotada. O sentimento de culpa e constante. Meu marido divide as tarefas comigo porem meu trabalho esgota minha mente de tal forma que não consigo ter ânimo pra mais nada. E nisso meus filhos saem prejudicados pq fico sem paciência e a culpa só aumenta. me ajuda

    • Vc acha que, nessas condições, vale a pena continuar nesse trabalho? Vc já considerou buscar outra fonte de renda? Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *