Brasileiros X americanos

Qual dos dois é mais produtivo? Qual dos dois é mais eficiente? Qual dos dois é mais competente? Veja uma pequena diferença de posicionamento que causa uma das maiores diferenças entre nós e eles. 

Car mechanic

O carro do brasileiro quebra e ele leva para a oficina mecânica – já chateado porque considera alta a probabilidade de ser enganado pelo mecânico. No meio do caminho ele vai pensando em mil maneiras de evitar ser passado para trás, mas no final das contas, ele pensa: “Se o cara cobrar caro, mas pelo menos o carro ficar bom, tudo bem!”

Uma vez na oficina, o mecânico, também brasileiro, examina o carro, olha daqui, olha dali, balança a cabeça de um lado para outro em reprovação e, por fim, pergunta indignado ao dono do veículo: “mas o que foi que você fez com esse carro?”

Sem saber o que responder, o dono do carro pergunta: “Tem conserto?” E o mecânico, responde: “Não sei! Vou ver o que posso fazer… Vou tentar ‘te ajudar’, mas não sei não…”

Conclusão: o cliente sai aborrecido, desanimado, sem saber se terá seu carro funcionando de novo, afinal, quem garante que esse mecânico vai realmente “ajudá-lo” se nem sequer o conhece?

cfe35fac92b3d5c376cc55b342dc31ff

O carro do americano quebra e ele leva para a oficina. Chegando lá, o mecânico, também americano, examina o automóvel e diz: “O problema é grave.” E o americano pergunta: “Tem conserto?” O mecânico responde: “Não sei, mas vou fazer o meu melhor.”

Conclusão: o cliente sai aborrecido com o fato do carro estar quebrado, mas aliviado porque achou alguém que vai dar o seu melhor para resolver seu problema.

Percebe a diferença de posicionamento? Enquanto um pratica seu “exercício de pequeno poder”, fazendo com que o cliente se sinta como seu refém e que dependa da boa vontade de sua tentativa “ajudá-lo”, o outro dá uma palavra firme e disposta: “vou dar o meu melhor”. Não é favor, não é ameaça, não é palavra de dúvida, é a certeza de que o que puder ser feito, será feito.

Você não pode mudar a cultura brasileira, mas pode mudar a sua cultura. Menos “vou ver o que posso fazer” e mais “vou fazer o meu melhor”.

A frase “I’ll do my best” (vou fazer o meu melhor), é muito comum entre os americanos, por isso é mais comum ver um americano fazendo o seu melhor, enquanto o brasileiro está apenas tentando fazer o que pode…

Mude de posicionamento e não faça o que pode, faça o seu melhor!

NOVIDADE!

 

banner-bolsa-blindada

Agora você de qualquer parte do Brasil pode participar do workshop Gestão Profissional e Financeira, comigo e com a coach Shana Wajntraub. Serão 4 horas de aula online e ao vivo, onde você vai poder interagir conosco, fazer perguntas e usufruir de todo o conteúdo. Para saber mais, clique aqui!

Nos vemos!

Jornalista com atuação no Brasil, Inglaterra, Argentina e Israel. Autora do best seller Bolsa Blindada e palestrante na Universidade de Harvard.

  • Charlene diz:

    Top demais este post… muito ensinamento em poucas palavras. Bjs Paty.

  • Sula Laiane diz:

    E quantas vezes essa tal cultura brasileira é desculpa para tudo: “-Ah, como mudar a situação do lixo nas ruas? Isso é cultural”;falar alto em vias públicas “é cultural”…

    Pois é, já que tudo de errado é cultural, que tal cada um seguir esse conselho e mudar a sua própria cultura?!

  • Gezane Santos de Almeida diz:

    Hoje eu estou assim, não posso mudar como as pessoas são, mas posso mudar a minha forma de agir e reagir!!!

  • Sara diz:

    Amei o texto Paty! Moro aqui em USA e vejo como as coisas funcionam aqui da mesma maneiros que vc citou no post! Realmente a única diferença daqui para o Brasil é a palavrinha chamada “boa vontade” e a educação das pessoas! O que facilita e muito a vida das pessoas, e caso algo ocorra de errado, o cidadão tem seus direitos assegurados, independente de ser pobre ou rico! Amo seus textos Paty, sempre me faz refletir muito! Boa semana! Bjs

  • Denise Angeli diz:

    Amei demais esse artigo Patrícia.
    Fazer o meu melhor sempre! Concordo e estou nessa também.
    Não buscando mudar o mundo, mas buscando ter boas atitudes pra começar por mim. E quem sabe alcance outros também, né?
    I’ll do my best – Como lema.
    Beijos, querida.

  • Danielle friash diz:

    Que Bacana Paty! Minha mãe sempre ensinou isso “Não importa o que você faça ou a quem ou onde mas faça o melhor”! Ahh e também Acorde Cedo!! kkkkkkk Mas essa eu comentou depois… Master Bjos!! 🙂

  • MARCELA diz:

    A diferença dos profissionais em qualquer area é esta ….“vou fazer o meu melhor”….DEUS abençoe você e sua família cada dia mais!!!

  • Fernanda diz:

    Paty
    Quando a mente muda, tudo muda…bem isso mesmo.
    bjos

  • Dani diz:

    Muito bom o post! “Vou dar o meu melhor”‘!

  • Patricia diz:

    Excelente. Esse post me lembrou o livro que estou lendo que se chama “Os quatro compromissos”, quais sejam:

    1. Seja impecável com a sua palavra
    2. Não leve nada para o lado pessoal
    3. Não tire conclusões
    4. Sempre dê o seu melhor

    O quarto compromisso fala exatamente sobre o que vc escreveu. Agora carrego esses 4 compromissos como um mantra. Vale muito a pena a leitura.

    Alguns trechos dele aqui: http://alma-da.org/4compro.pdf

  • Joselene Lima diz:

    É mas nos dias atuais profissionais que agem como o brasileiro estão perdendo os clientes e ficando para trás, afinal, estes estão mais exigentes e não estão aceitando qualquer desculpa como resposta não, pelo menos comigo é assim, atendeu mal, perdeu uma ótima oportunidade de ganhar dinheiro!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: