Autorresponsabilidade exige disciplina – 18 de 90

18/01/2021

Autorresponsabilidade exige disciplina – 18 de 90

Geralmente são as próprias pessoas que fabricam seus problemas por não terem autorresponsabilidade, mas como desenvolvê-la? Autorresponsabilidade exige disciplina Recebo…

Geralmente são as próprias pessoas que fabricam seus problemas por não terem autorresponsabilidade, mas como desenvolvê-la?

Autorresponsabilidade exige disciplina

Recebo diariamente dúvidas sobre questões financeiras, não apenas aqui, como também no meu canal do YouTube e via Instagram.

Seja como for, na maioria das vezes os casos se resumem a 2 fatores:

  • Não querer fazer o que já sabe que deve fazer
  • Falta de autorresponsabilidade

O primeiro deles tem a ver com o tema do post anterior, quando a pessoa não consegue vencer a si mesma e deixa de fazer o que já sabe que precisa fazer.

E o segundo mostra a falta de capacidade de assumir a responsabilidade pelos próprios atos, mas, em vez disso, a pessoa culpa terceiros.

Só a título de ilustração, recebi esses dias um comentário no YouTube dizendo assim:

Comprei um consórcio e após um ano pagando vi uma cláusula no contrato: caso seja contemplado preciso ter uma renda 4 vezes maior que a parcela. Não tenho e isso nunca foi citado na venda. Terem me aceitado mesmo sabendo que não vou ser aprovado na análise de crédito, para mim, entra como golpe. Como recorrer?

Primeiramente, percebo que é crescente o movimento do “para mim isso”, “para mim aquilo”.

E se você quer a verdade, aqui vai ela:

Não importa como você interpreta as coisas, mas sim, o que as coisas de fato são.

Dito isso, vamos ao exemplo que mostra os dois fatores combinados:

Não fazer o que sabe que tem de fazer e, por consequência não ter autorresponsabilidade.

Quanto ao primeiro: será que existe alguém na face da terra que ainda não saiba que NÃO se assina um contrato sem ler?

Mesmo que o vendedor diga qualquer coisa que seja, o que vale é o que está ESCRITO.

Com o intuito de vender, há quem fale tudo o que o cliente quer ouvir, ainda que não seja verdade. Será que tem alguém que nunca tinha percebido isso antes?

E aí vai lá a pessoa, sem nenhuma autorresponsabilidade, e assina SEM LER, acreditando em tudo o que foi falado por um vendedor que, na maioria das vezes, ela nunca viu na vida!

Com um ano de atraso a pessoa vai fazer o que não fez, isto é, ler o contrato e em vez de assumir que errou, quer “recorrer” porque se acha vítima.

Não é um caso de golpe causado por um terceiro, mas sim, de um golpe que a pessoa deu em si mesma!

Imagine se o caso fosse a julgamento, que ridículo seria…

“Meritíssimo, esse vendedor me aplicou um golpe! Ele não me avisou que eu teria que ter uma renda 4 vezes maior que a parcela e eu não tenho. Ele não deveria ter me aceitado como cliente!”, diz o reclamante.

Então, o juiz pergunta ao vendedor: “Você não o avisou?”

“Não”, responde honestamente o vendedor e acrescenta: “nós não perguntamos a renda na hora de vender, pois esse é um dado particular que não impede a venda. Todos as cláusulas e condições estão detalhadas no contrato para que o comprador analise e assine. Ele recebeu todas as vias e assinou.”

“O senhor assinou o contrato?, pergunta o juiz ao reclamante, que responde:

“Assinei, mas eu não li. Eu só fui ler só um ano depois!”

“O que aconteceu? O vendedor o impediu de ler? Ele o forçou a assinar?”, pergunta o juiz e o reclamante responde:

“Não… eu não li porque ninguém lê… mas a culpa é dele!”

 

E a pergunta é: tem cabimento isso?

O Brasil é um país onde acontece um golpe a cada esquina, mas as pessoas agem como se todo mundo fosse 100% honesto, como se fossem amigos de infância!

Para que um golpe d6e certo é preciso de duas coisas: um enganador e um enganado.

Se você tiver autorresponsabilidade e fizer o que já sabe que tem de fazer, dificilmente será enganado.

Portanto, analise em que você não tem sido autorresponsável, mas tem culpado terceiros.

Assuma a sua posição, seja responsável e você estará um passo mais próximo de ser bem-sucedida!

 

Nos vemos!

 

Confira o post anterior clicando aqui.

 

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

22 comentários

    Comprar roupa pela internet é uma benção. Detesto a abordagem das vendedoras. É algo cultural aqui no Brasil, não vai mudar tão cedo. E misturado com treinamento ruim. “Ai, ficou lindo”. “Ai, prova mais esse”. Não respeitam o tempo da cliente, não falam a real que não tem a roupa que você viu no manequim, oferecem trocentas peças no lugar da que você quer. Péssimo.

    Bom dia, leio todos os seus posts, estão me ajudando muito a ser mais organizada, ter disciplina é estar um passo a frente para o sucesso. Gratidão!!! E uma ótima semana pra vc!!! ????

    Incrível Pati. Esses casos mais recorrentes do que se imagina. No local onde eu trabalho uma vez apareceu uma senhora reclamando do seu benefício e tal. Ela não tomou uma providência que cabia somente a ela e perdeu seu benefício. Eu a atendi e perguntei se ela realizou o procedimento do item tal do acordo judicial. Ela disse que falou com uma pessoa num lugar, ligou pra outro…Enfim, deu mil voltas e não fez a única coisa que precisava fazer é que estava escrita no acordo. Eu perguntei se ela não viu. Ela disse “é, eu assinei sem ler, mas é daí? Nós tínhamos que resolver…” Absurdo né. O pior é que fez o maior escândalo. Então é nítido o comportamento daqueles que não tem razão então parte para agressão. No final jogou a bola para os outros resolver. Bom dia.

    Bom dia querida! Verdade! Eu mesma já fiz consórcio de carro lá nos anos 90 e nunca li contrato nenhum, ainda bem que nunca tive problemas, com um ano pagando fui contemplada por sorteio e peguei meu carrinho, na época um Uno EP branco (era meu sonho de consumo ) eu tinha um fusca 78 amarelo (gema de ovo)???

    Isso é verdade Pati, uma coisa leva a outra… quando não fazemos o que devemos fazer, já deixamos uma brecha para algo não vá bem. E quando algo não vai bem, o maia fácil e culpar a terceiros. Isso aconteceu com Adão… ele sabia que não poderia comer daquele fruto, mas foi lá e comeu. E quando deu perguntou à ele (olha os fatos: quem comeu primeiro foi EVA, mas Deus perguntou primeiro para Adão, por que?) Devido a responsabilidade ser dele é não dela, e logo ele responsabiliza EVA pelo seu erro… o segredo, que eu aprendi aqui com você essa palavrinha é NÃO PROCRASTINAR no que temos que fazer.
    #Firmenodesafio #Contareiminhasvitorias

    Olá Patrícia, bom dia! Penso que a autorresponsabilidade além de exigir disciplina, é preciso desenvolver o equilíbrio entre o racional e o emocional para não agir de forma impulsiva e se arrepender depois. No caso citado, a “emoção” de comprar um bem prevaleceu sobre a “razão” e, provavelmente o comprador, não se deu conta de que tipo de contrato estava assinando. Não é uma justificativa mas isso pode acontecer centenas de vezes. Ocorre também, nos casos de situação de perigo, uma pessoa no “calor de uma discussão” reage com violência e pode ter sua vida ceifada. Tem até um ditado popular tipo “melhor ser um valente guerreiro que um herói morto”. Há também o que consta em Provérbios 16,32: “Melhor é o homem paciente do que o guerreiro, mais vale controlar o seu espírito do que conquistar uma cidade.” Abraços!

    parabéns, é isso mesmo!!!!
    as pessoas assinam e não leem nada.
    INFELIZMENTE essa atitude está em todos os seguimentos da sociedade.
    a falta de autorresponsabilidade é notória e tem acarretado muitas desavenças e problemas.
    esses dias ouvi um relato de um amigo que achei muito complicado. ele relatou que esse mês, segundo ele, não teve outra alternativa a não ser dobrar o valor de gastos do cartão de credito, que já é altíssimo, se comparado ao salario que possui.
    Comentei com meu esposo. Onde vai a responsabilidade desse chefe de família? dobrar os gastos no cartão de credito sabendo que não conseguirá pagar????
    e a célebre frase dele, ao ver meus olhos de reprovação foi: “vou confiar em Deus e ele vai me ajudar a passar o mês”… confesso que fiquei assustada!!!

    Bom dia, Paty1
    Atenção aqui é a palavra chave. Necessário estarmos atentos a tudo o que fazemos “consciente ou inconscientemente”.
    O mesmo vale para aquela exposição involuntária e negativa que as pessoas fazem de si mesmas e depois do prejuízo advindo de alguma má interpretação daquele comportamento, quererem se queixar dos receptores da mensagem acerca da má receptividade que estes tiveram.

    Olá!
    Eu caí na conversa de um prestador que, argumentando ter sido infectado com a Covid, precisou adiar o término do serviço lá em casa…. depois, ligou implorando que eu pagasse o restante (pelo mesmo motivo). Resultado: só deixa recado no meu celular – normalmente tarde da noite – com voz de sofrimento, dando desculpas que ainda não terminou, mas precisa do meu voto de confiança que ele irá….. só não sei quando!!! Tonta fui eu…. ele mandou o orçamento pelo whats App, tenho as fotos dos pagamentos salvas….. mas fazer o quê?

    Bom dia, a verdade é que as pessoas deveria passar o que está no contrato, e não mentir. Infelizmente para vender muitos prefere iludir a pessoa, e as pessoas preferem a facilidade, que e acreditar no belo discurso do vendedor do que ler um contrato. Que muitas vezes vem com uns letrinhas bem difícil de ler. Provavelmente para fazer a pessoa de desistir de ler e só assinar.

      Os contratos são difíceis com o propósito de desencorajar as pessoas da leitura, mas se ninguém assinasse, eles teriam que mudar sua postura.

    Bom dia,muito bem estou sempre acompanhando e lendo seus comentários rsrs,beijin Deus abençoe!

    Olá Patrícia!
    Esse texto do julgamento é hilário, achei ótimo hahaha, mas ao mesmo tempo é real, porque é justamente isso que as pessoas fazem, arruma sempre um culpado para justificar sua irresponsabilidade. Já aconteceu comigo na venda de uma casa, não assinei e me arrependi amargamente, hoje tudo o que faço é documentado. Quando estava atolada de dividas sempre a culpa era dos clientes que demoravam a me pagar, das pessoas que compravam no meu cartão, do movimento fraco, mas a culpa nunca foi dos montantes de cosméticos que enchia o banheiro, da loja de sapato que tinha em casa, dos restaurantes com monte de amigas, minha? Jamais! Eu era a vítima da situação. Passei bom tempo da minha vida culpando os outros, demorou até entender que a culpada era minha e de mais ninguém. Hoje aprendi a vencer minha maior concorrente, EU!

    Grande abraço.

    Oi Patrícia!

    Concordo 100% com o que você escreveu!

    A responsabilidade é de cada um, não temos que culpar ninguém pelos nossos atos.

    Não sei se ja contei por aqui essa experiência que tive há uns anos atrás.

    Bom, mas vale a pena compartilhar pode ser que ajude alguém de alguma forma.

    Eu recebi do banco uns papéis e pediram para eu assinar e devolve pra eles.

    Li aquelas letras minúsculas e houve uma cláusula que eu não concordei e resolvi não assinar. (estava escrito que poderiam abrir conta em meu nome em outros países, etc…)

    Me ligaram pedindo o papel assinado e eu não assinei.

    Passado alguns meses, recebi uma carta dizendo que aquele banco estava encerrando as atividades aqui em Portugal.

    Me lembrei na hora dos papéis que não assinei.

    E se fosse algum funcionário mal intencionado que enviou os papéis?

    eu não sei até hoje dizer, mas uma coisa é certo, eu com dúvida de alguma coisa eu não assino.

    Seja o que for!

    Dá preguiça de ler aquelas miniaturas de letras? dá!

    Mas é preferível investir tempo na leitura de um contrário do que se ferrar lá na frente.

    Ainda hoje orientei minha mãe sobre isso, meu irmão faleceu e ela e meu pai tem o direito de ficar com tudo o que ele deixou, então eu disse: quando for ao banco não assine nada se tiver dúvidas, leve ao advogado primeiro.

    No mundo que estamos hoje é preciso andar vigilante em tudo.

    Grande abraço Patrícia!

      Arrasou!

    Boa noite!

    Quando desenvolvemos autorresponsabilidade trazemos clareza para todos os problemas que os afetam.
    Muito bom!

    Boa noite Patrícia!
    Em 2019 estive no Brasil por 3 meses, resolvendo vários assuntos meus e visitei a minha mãe.
    Não via a hora de ir até lá e resolver todos os problemas que ela tinha com o banco e o cartão de crédito (que todo mundo usava).
    77 anos e um cartão no valor de 12.000 reais. Imagina a farra.
    Cancelei o cartão, baixei o limite do cheque especial de 800 para 300 reais, tirei uma cesta de serviços que ela nunca usou, pois o gerente do banco abriu uma conta corrente para que ela recebesse a aposentadoria, alegando que não poderia ser mais conta poupança, mas não ofereceu a ela o pacote sem custo, claro.
    Deixei-a bem avisada: cuidado com o que você assina para não cair novamente em novas armadilhas. Nem preciso dizer que o quanto ela economiza até hoje.
    Infelizmente eles aproveitam da ignorância das pessoas, principalmente os mais velhos quando estão sozinhos, resolvendo todas estas burocracias.
    Beijos querida.

      Eles não têm respeito por ninguém…

    Olá Patrícia,
    O verdadeiro problema, na maioria dos casos, está na forma como vemos o problema e não no problema em si.
    Enquanto encaramos o problema como resultado de fatores externos agimos de uma forma reativa e nunca faremos nada para resolver, afinal não é culpa nossa, nós somos as vitimas. A culpa é do fulano, é do governo, é do tempo, enfim, é de todo o mundo, menos nossa.
    Quando percebemos que somos responsáveis pela nossa própria vida tudo muda. Tornamo-nos pró-ativos, não dependemos de terceiros para fazer o que tem de ser feito, vamos à luta, procuramos soluções para de facto resolver o problema. Os fatores externos deixam de ter poder sobre nós. Se não dá de um jeito procuramos de outra forma. Afinal a nossa vida é resultado das nossas atitudes.

      É uma vida de verdade, mas dá trabalho e nem todo mundo está disposto!

    Ótimo texto !!!

    Ocorreu isso com meu pai, aposentado, achando que estava se saindo bem e acabou se dando muito mal, um foi no próprio banco e a outra com uma compra realizada e não viu que o valor na máquina tinha sido aumentado um zero a mais …. tenso, mas, não adiantava falar, já tinha conversado para tirar uma quantia e passar a semana e que esquecesse o cartão, não havia necessidade de andar com ele na carteira e muito menos ficar usando….. houve ranger de dentes sobre o que tinha proposto e veio ocorrer os fato acima, lamentável, mas tem coisas que não adianta, é sobre um dos post que li, mesmo sabendo da consequência é realizado mesmo assim, parece que tem que passar para aprender e ficar se lastimando sobre o ocorrido, conteúdo de um post lido, enfim !!!

    !!!Bom dia?!!

Gostou? Comente aqui!

Deixe um comentário




Outras notícias


Produtos




TV Patrícia Lages




Não perca nada. Seu dinheiro agradece!

Digite seu e-mail no campo abaixo para se
inscrever em nossa newsletter.

Shopping cart

0

No products in the cart.