Em um mundo onde tudo muda tão rapidamente é preciso que você preserve suas raízes para não deixar de ser quem você acredita que é.

Preserve as suas raízes

Primeiramente precisamos entender se nós realmente somos quem achamos que somos.

Por exemplo: as pessoas costumam dizer, por exemplo, que são boas e que amam ajudar as pessoas.

Mas quando você pergunta o que elas fazem efetivamente para ajudar as pessoas, não há uma resposta.

 

 

Ou seja, elas não são tão boas – no quesito ajudar pessoas – como acham que são.

Às vezes elas dizem: “eu faço doação de roupas e de coisas que não uso”, ok!

Porém, nem mesmo se lembram da última vez que fizeram isso…

Ajudar as pessoas não é algo que faz parte do dia a dia, mas sim, apenas em datas como Natal ou na campanha do agasalho uma vez ao ano.

O que elas fazem no dia a dia é justamente o contrário:

Não pagam os outros em dia, furam fila, tomam para si os méritos dos outros, enfim, querem levar vantagem em tudo.

Então, onde está a pessoa boa e que ama ajudar que elas acham que são?

A questão aqui, como em vários outros exemplos que poderiam ser citados, é que a pessoa perdeu as suas raízes.

Ela foi ensinada que o certo seria ser de uma forma, porém, elas não são, embora achem que sejam.

 

Autoanálise, autocrítica e ação

É preciso que estejamos a todo momento nos policiando para verificar se realmente somos quem achamos que somos.

Quando você posta uma frase de efeito nas suas redes sociais, pense antes:

Eu faço isso, minhas atitudes são coerentes com o que eu digo ou isso só vai me fazer parecer uma hipócrita?

Certa vez, uma moça entrou no meu Instagram e me ofendeu por não concordar com algo que eu postei.

Curiosamente, a foto dela de perfil passava uma imagem serena e feliz.

Para saber se eu conhecia a a tal que apareceu do nada para me xingar, fui ver seu perfil e eis que sua biografia dizia:

“Saber conviver com quem pensa diferente é uma arte. Tolerância e mais amor, por favor.”

Bem, tolerância é o que menos essa moça demonstrou ter…

Portanto, se você fala sobre tolerância, se acha tolerante, mas age com intolerância, você abandonou as suas raízes.

Se você fala sobre bondade, se acha uma boa pessoa, mas age como uma má pessoa, você abandonou as suas raízes.

Acho que já deu para entender, então, nos vemos amanhã!

 

Confira o post anterior clicando aqui.

 

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

 

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Diva me lembrei agora da cena de Amat com Terá! aquela frase ficou guardada dentro de mim: Não é o que você fala, mas sim o que você faz que mostra em quem você crê!

    O que falamos tem que acompanhar com atitudes!

    Grande abraço pra ti.

  • Boa tarde!

    Realmente temos que nos policiar se não acabamos nos tornamos pessoas hipócritas que acha que é uma pessoa não sendo.

    Muito obrigada pelo ensinamento de hoje.

  • Boa tarde!
    Eu ajo em obediência e não porque sou a fofa do momento.
    E nem tenho que espalhar porque afinal…. Deus me ouve no secreto e me conhece no íntimo, né?

  • Excelente post. É verdade. Temos que nos analisar todos os dias para não deixarmos que este mundo arranque ou sufoque nossas raízes e se elas estão verdadeiramente dando frutos bons ou se estamos vivendo somente de aparência.

  • Boa tarde Patrícia! Esse exemplo que vc deu sobre colocar frases de efeito em redes sociais é interessante, raramente entro no face, mas quando entro dou risada, é muita mentira, as pessoas demonstram ser o que na realidade ñ são, mudam até a aparência. As pessoas estão perdendo a noção. 🤗

  • O que a mão direita faz, a esquerda não precisa ficar sabendo, mas…. não é assim que funciona, a realidade é outra!
    Só faz o que mando ou o que escrevo, não o que eu faço !!!! Muitos são assim …. lamentável!!!

    Obrigada.

  • Eu estava pensando sobre isso hoje, caramba. Mas o foco foi o seguinte: o quanto eu me distancio de alguma ideia que tenha tido de tanto ouvir o que os outros me disseram e aí, concluí, que o planejamento escrito também serve como bússola para checar o quanto estamos nos distanciando do objetivo original de tanto ouvir a voz dos outros e não ouvirmos a nossa, ou o quanto posso acrescentar de dicas interessantes sem perder o elo com a ideia original ali exposta. Precisamos ter um lugar para onde voltar, seja nossa alma ou um simples caderno com os rabiscos de uma ideia que tomou forma.

  • Olá Patrícia! Talvez haja uma “explicação” que justifique a atitude de “surfar” na superficialidade da internet para postar no perfil algo que não é real e, a resposta pode ter como “desejo”: “ficar bem na foto” e ganhar muitos “likes”… Acrescento o que está em Sabedoria 4, 3 “Mas para nada servirá, ainda que numerosa, a raça dos ímpios; procedendo de renovos bastardos, não estenderá raízes profundas, não se estabelecerá numa base sólida.” E, ainda Eclesiástico 23, 35 “Seus filhos não pegarão raízes; seus ramos não darão frutos.” Abraços!

  • Essa autoanálise, autocrítica e ação devem ser diárias. E realmente, não é fácil não, mas se Deus mandou Moisés pegar a serpente pela cauda, a serpente que ele fugia, que tinha medo (Êxodo 4:2-4), então, vamos pra cima!

  • Boa noite Patrícia!
    Não sou tolerante, nem boazinha. Mantenho minhas raízes.
    Estava conversando ontem mesmo com minha irmã sobre tolerância.
    Ela me contou que a psicóloga dela uma certa vez, disse que ela era tolerante demais, então ela me perguntou: – o que é ser tolerante?
    kkk. Eu respondi você nasceu tolerante e eu não, só fazer as comparações entre mim e você.
    Ela me respondeu que é obediente a Deus e eu fiquei pensando: e eu não sou? afff.
    Isso tudo dá mesmo para refletir em autoanálise, autocritica, mas partir para a ação, complica um pouco. A gente tenta.
    Passando por uma rápida autoanalise sei que minha primeira resposta à qquer assunto polêmico ou que me contraria é: na minha opinião…
    Já me pequei diversas vezes usando esta expressão quando se trata de algo que não concordo.
    Beijos e até o Clube da Leitura.

  • Boa tarde Patrícia
    Algumas pessoas se acha que são suficientemente boas ; porém deveriam se policiar ,pois nem tudo é o que é..
    As vezes pensamos que conhecemos as pessoas , mais infelizmente nós enganamos, pq como fala minha mãe: coração de gente é terra que ninguém vai kkkkk
    Estou amando todos os seus posts

    ❤️💋💕❣️

  • Patrícia concordo com você,as pessoas criam personagem e não são o que parecem ser .

  • Ótima reflexão, Patricia!

    Já pensei sobre esse assunto. Hoje, antes de postar qualquer coisa, penso bastante se vai fazer sentido ou acrescentar na vida das pessoas.

    Procuro tomar cuidado porque tenho seguidores adolescentes.

    Obrigada

  • Nossa esse post veio de encontro com uma publicação em um status de uma pessoa que li neste exato momento, onde essa pessoa dá a entender estar cansado de fazer o bem e se decepcionar. Mas a realidade nao é bem essa, pois fazer uma ação para “ajudar” e depois cobrar pela ajuda dada… Onde está a bondade nesta ação? È bem isso, a pessoa se acha boa, mas na vdd não é tão boa assim na prática. Temos que nos atentar a isso. Adorei o post. Obrigada!!!

  • pois é…. e como diz o ditado com relação à atitude dessa moça citada no seu texto: “enfim , a hipocrisia”…. pior que ela não é a única ne???? somos bombardeados todos os dias por atitudes hipócritas que, em muitas vezes, nos provocam a esquecer nossas origens e repetir o padrão…. Deus nos livre

  • È verdade, nossas raízes dizem muito de nós. Já aconteceu comigo Paty, de eu não me fechar por tanta crueldade. Mas hoje eu sei que minhas raízes são boas e verdadeiras, então não tenho o que temer do que pensam ou acham de mim….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *