Conheça a história que vai te mostrar que, quando a pessoa quer e faz por onde, ela consegue!

Elisangela Ramos é uma blindete das boas! Ela postou um comentário contando a história dela e eu achei demais. Então, lóóóóóógico que eu ia publicar para vocês se inspirarem e mudarem os rumos da vida como ela fez.

Ela trabalhava em uma loja de móveis fazendo serviços gerais. Você sabe… serviços gerais quer dizer fazer tudo! Tem caixa para carregar? Elisangelaaaaa! Tem pó para tirar? Elisangelaaaaa! Tem chão para varrer? Elisangelaaaaa! Enfim, era Elisangela pra lá e pra cá o dia todo. Mas você pensa que ela fazia corpo mole?  Que ficava reclamado de ter que fazer tudo? Que nada… Ela queria mais ainda!

Sempre que chegava um cliente e todos os vendedores estavam ocupados, lá ia Elisangela fazer o pré-atendimento. Ela ia sanando as dúvidas dos clientes e, como ela diz “repetindo igual papagaio tudo que eu ouvia os vendedores dizerem!”

Certa vez, um cliente entrou na loja e, novamente, todos os vendedores estavam ocupados. Ela não teve dúvida: deixou a flanela na gaveta, escondeu a vassoura num canto e foi acompanhando o cliente. Como nenhum vendedor apareceu, Elisangela vendeu uma mesa super chique e cara. Efetuada a venda, ela passou a bola para o patrão, que foi finalizar a ficha e receber o pagamento.

O chefe da Elisangela, que não era bobo nem nada, ficou impressionado porque ela havia vendido um móvel difícil e realmente bem caro. Ela ganhou os parabéns e voltou para a flanela e a vassoura.

Mas no dia do pagamento, o chefe lhe pagou a comissão dessa venda, que ela nem estava esperando. Elisangela ficou toda feliz e continuou trabalhando com toda a vontade de sempre. Depois de alguns meses, o chefe a convidou para trabalhar como vendedora. Foram cinco anos trabalhando naquela loja e, até hoje, ela trabalha nessa profissão.

Agora pense comigo em alguns pontos muito importantes:

  • Ela estava à toa na vida ou prestando atenção aos vendedores para ver o que eles faziam?
  • Ela reclamava e fazia corpo mole no seu trabalho ou estava atenta a uma oportunidade?
  • Ela estava mal-vestida só porque tinha um cargo pequeno? Eu creio que um cliente com dinheiro para comprar um item caro não iria querer ser atendido por alguém que estivesse maltrapilho.

Elisangela estava preparada para subir na vida, por isso subiu. E você? Está preparada para quê?

Capa_livroMeus recadinhos!

O blog Caraminholas Femininas, publicou uma resenha fofa sobre o livro Bolsa Blindada. Para ler, clique aqui.

Se você quiser pesquisar os melhores preços para adquirir o livro, pesquise aqui. E se quiser conhecer e curtir nossa fanpage no Facebook, clique aqui.

Nos vemos!

 

 

Jornalista especialista em finanças, autora do best-seller Bolsa Blindada, colunista do programa Mulheres, TV Gazeta e youtuber.

  • Amei esse post!!
    Me despertou para a vida!!! Tenho deixado tantas oportunidades passarem!!!

  • Minha história é um pouco parecida com a da Elisangela, eu comecei a trabalhar em um escritorio de uma loja como office girl, mas o tempo que eu ficava esperando serviços pra mim eu ia na loja ajudar o pessoal, venda, estoque, pacote e caixa entre outros, hoje vou fazer 19 anos em outra firma, mas entrei em um cargo que aprendi a fazer na primeira firma ,que exige confiança e sigilo.É sempre bom aprender coisas novas, mesmo que não faça parte da nossa rotina, estou , não parei por ai não, continuo aprendendo.
    bjos

    • Vc foi inteligente, pois aprendeu de graça e ainda recebendo um salário. Infelizmente as pessoas não enxergam assim. Já pensou se vc tivesse tido que pagar um curso para aprender o que vc sabe hoje? Parabéns pela iniciativa!

  • Si a intenção era inspirar….me inspirou Pati!!!Bj e muito obrigada!

  • A que lindo ver meu testemunho publicado neste espaço tão precioso…….Gloria Deus……
    Deus tem muito a nos surpreender mas temos que estar disponíveis e preparados………..

  • Eu li esse comentário ontem, achei o máximo!!!
    Um grande exemplo mesmo…
    Trabalhei com supervisão de equipes de limpeza (hospitalar) e algumas candidatas choravam, tentando nos comover para conseguirem a efetivação.
    MAS na prática, eram pegas dormindo no setor, faziam o trabalho de qualquer jeito…
    Por outro lado, outras supervisoras também haviam começado como auxiliar de higiene.

    Não adianta querer uma coisa e nossas atitudes mostrarem o contrário.

  • Parabéns Patrícia, li o post sobre seu livro no blog Caraminholas Femininas, o livro desperta muito interesse pela forma prática e divertida de tratar um assunto considerado enfadonho. Parabéns e sucesso mais e mais.

  • Oi Paty! Esta história é um grande exemplo para todas nós, principalmente para aquelas que acham que a oportunidade aparecem para todos, menos para ela. Tem que entrar no próximo livro.

  • Bah esses posts me fazem cair os butiás do bolso 🙂

    Tenho que mudar de atitude, e estar preparada para oportunidades, Obrigada Pati, bjksss.

    Dai.

  • e o que eu penso aqui no meu trabalho por exemplo qualquer mudança e motivo de murmuração. no meu ponto de vista cristão eu vejo como oportunidade.. almejo chegar ao cargo de supervisão já fui reprovada quatro vezes mais vamos que vamos que o show não pode parar.

    • Rosineide, busque fazer uma análise das 4 reprovações e procure saber porque elas ocorreram. Trabalhe nos pontos fracos e a quinta tentativa será um sim!

  • É como temos aprendido dar o nosso melhor em tudo que fizer,como para Deus,mesmo que ninguém veja,mas Deus vê e aí é que está o segredo para crescer. Muito bacana mesmo!! Arrebentou!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *