Quem nunca ouviu essa pergunta quando criança? É muito bonitinho ver as crianças respondendo essa questão com toda criatividade que é inerente a elas. Mas e quando a pergunta é feita para quem já cresceu e ainda não sabe a resposta?

Por que essa pergunta é feita quando somos criança e, depois, ela se perde com o tempo? Se nós continuássemos pensando no que queremos ser, muitas coisas na nossa vida seriam melhores.

Você odeia seu trabalho, mas provavelmente já se esqueceu porque foi parar nele.  Será que não foi por que você se esqueceu do que queria ser quando crescesse? Será que não foi por que, por exemplo, você queria ser professora, mas deixou o sonho porque professor ganha pouco? E agora? Você ganha mais, mas está insatisfeita…

Este é só um exemplo, então, nessa semana de feriados, aproveite para PENSAR (lembra que este é o mês de pensar?). Pense no que você quer ser. Isso não significa ser o que você queria quando criança, mas o que você quer agora.

Todo mundo tem que trabalhar, isso nós sabemos. Mas só será perito no que faz aquele que faz o que ama. Então, pense no que quer ser. Não importa se você não tem condição de ser o que quer. Importa saber o que você quer ser. Descoberto o que se quer, você deve se empenhar em desenvolver o que quer.

Quando você era criança, não tinha condição de fazer inúmeras coisas, mas você foi aprendendo, se desenvolvendo. Pois saiba que nada mudou. Você pode não ter condições, mas se você se empenhar, vai conseguir.

Seja criança para sonhar, seja humilde para aprender e, amanhã, você vai ser o que quiser.

Nos vemos!

Jornalista especialista em finanças, autora do best-seller Bolsa Blindada, colunista do programa Mulheres, TV Gazeta e youtuber.

  • Oi Patricia, acompanho seu blog desde o começo e você tem me ajudado muito, minha situação financeira estava lastimável e eu já não sabia mais oque fazer, mas graças a você consegui quitar minhas dividas e agora penso muito antes de fazer novas contas, o tema de hoje foi muito bom para mim, pois a meses venho refletindo sobre isso, faço oque gosto mais ganho pouco, não tenho ensino superior mais é porque nunca gostei de estudar (que vergonha de dizer isto), mas estou prestes a voltar, mas vou refletir e ver oque realmente quero, estou com 37 anos, as vezes penso que para fazer uma faculdade estou um pouco velha, pois penso se quando eu terminar terei oportunidade no mercado de trabalho, então estou pensando em fazer algum curso profissionalizante. Beijos e muito obrigada pela ajuda.

    • Nunca é tarde, Paty. Seja faculdade ou curso, aprender é sempre bom! Bjs

  • Olá!

    Desde criança eu decidi o que seria quando crescesse: advogada!
    Para realizar o meu sonho, estudei, estudei e fui em busca de informações, quais faculdades tinha na cidade, como conseguir bolsa de estudo, pois não tinha como pagar o curso e não me desviei por nada do meu objetivo. Assim, após 16 anos de estudos (dos 06 anos aos 21 anos) me formei.
    E hoje, depois de dois anos de formada, me sinto muito realizada, não trocaria essa profissão por nenhuma outra, nem mesmo por carreira em concursos, as quais em tese eu receberei mais, porém creio que eu não me realizaria como agora.
    Não importa o sonho que temos, se realmente estivermos decididos a realiza-lo e fizermos o que for necessário, mais cedo ou mais tarde ele se concretizará.

    Beijos

  • Bom dia Patricia…é uma reflexão que eu estou fazendo todos os dias de minha vida, muito forte isso que vc nos escreveu…bjs

  • Oi, Patrícia!
    Bom dia! Adorei o desafio de hoje.
    Temos que ter cuidado para não deixar que nossos sonhos se percam nas dificuldades.
    Sou formada em Administração de empresas e Gestão de Pessoas e quando eu crescer serei Juíza do trabalho, Estou estudando para concurso público federal(VOU TRABALHAR NO TRT DE PE) e hoje começo a estudar para o vestibular de Direito, ainda tem muito chão pela frente? Sim, tem muito e o bom é isso, viver cada dia com entusiasmo, dedicação e perseverança. Mesmo eu tendo mais de 30 sei que ainda há tempo para conseguir o que eu quiser basta querer e fazer por mim.
    Beijos pra você e para todas as blindetes.

  • Oiee Paty
    ameeeei o texto de hoje!!!
    me fez refletir muito!
    Estou firme nos desafios! ameeeei esse desafio 9
    continuo blindando e divando aqui também!

  • Ótimo o desafio de hojePati! Realmente estou nessa situação, não sei o que eu quero ser, que profissão tomar… Sou daquelas que já fez milhares de testes vocacionais mas ainda não se identificou com nada… fiz um curso tecnólogo por insistência externa, pq nunca quis fazer aquele curso, hj sou formada, em uma profissão que não gosto nem um pouco.. me sinto desanimada pois sei q sou nova e posso fazer outra faculdade ou algo assim, mas ão faço a minima ideia do que quero… Vou colocar o desafio em prática e analisar e descobrir o que eu quero! Seu post me ajudou muito! Espero me decidir! Bjinhs

  • Muito interessante, isso Patrícia!
    Entrei para a área de Hotelaria pelas oportunidades e tendências, o mesmo para a hotelaria hospitalar.
    Mas desde criança, sempre amei dar aulas e escrever. Minha realização era colocar os óculos, pegar a máquina de escrever da minha mãe e “marretar os dedos” fingindo que estava escrevendo super concentrada rsrsr… eu me sentia toda importante.

    Acredita que eu estudava dando aula para os meus cachorros? É, com direito à lousa e tudo mais. Engraçado que eu descobri cedo que tinha facilidade de aprender para ensinar. Mas o mais engraçado é que a minha carreira foi se voltando para área acadêmica: palestras, aulas, treinamentos…

    É muito bom fazer o que gosta e traz tanta realização que realmente, nem parece trabalho.
    Claro, que tudo tem um sacrifício e algumas vezes, a gente tem que aprender a gostar do que faz, sem perder o foco.
    Mas poder fazer o que a gente tem facilidade, talento e domínio em fazer, é super prazeroso e os resultados fluem.
    Do contrário, os resultados parecem um parto. Quem já fez ou faz o que não gosta, entende bem o que estou falando.

    • Verdade, Ana. Nem tudo o que se refere ao meu trabalho é legal de fazer, mas quando a gente faz com esmero, acaba gostando. O importante é poder ter um mínimo de realização no que se faz no momento e caminhar para que, amanhã, possamos ter o privilégio de só fazer o que gostamos. Bjs

  • Olá Patrícia! =)
    Há cerca de um ano atrás vivi esse dilema. Tinha tirado um curso superior, e percebi que o tinha feito quase por impulso, sem pensar se era isso mesmo que queria ser quando crescesse. Por conta disso, na hora de ir procurar um trabalho, não sabia onde ir, porque não sabia o que realmente gostava ou o que queria especificamente. NUNCA TINHA PENSADO NISSO!
    Graças ao Espírito Santo, que me iluminou quando clamei por auxílio, desesperada por uma direção (não queria passar a minha vida a fazer algo que não gostasse), eu descobri a minha vocação, o porquê de ter estudado psicologia, e HOJE (3 de Março de 2014), comecei a trabalhar num lugar maravilhoso, que parece que foi criado à minha medida, tal e qual eu concebi na minha mente!
    Muito obrigada pela sua paciência para nos ajudar a PENSAR!!!
    Seja retribuída em DOBRO!!!
    Um beijo com carinho,

    Ana Côrte (Ilha da Madeira, Portugal)

    • Que máximo, Ana! Parabéns pelo novo emprego, vai arrebentar!! 😀

  • Desde muito pequena sempre achei que as pessoas deveriam trabalhar com o que gostassem, e que fazer algo que a gente não gosta deveria ser horrível. Então sempre tive um certo medo de trabalhar com algo que eu não gostasse.

    Aqui a gente tem essa cultura que a saída é ser funcionário público, que esse é o melhor futuro. Eu cresci ouvindo isso do meus pais, da minha família e digo que é difícil seguir o que a gente gosta, ainda mais quando tentam te convencer que um concurso público é o melhor que tem pra você. Mas o desejo de fazer o que eu gosto, sempre foi maior do que o desejo de ganhar dinheiro. Eu sempre fui repreendida por ter feito a faculdade que fiz, pelo emprego que tinha, por ganhar pouco, por não querer fazer concurso…a frase que sempre ouvi foi “isso não dá dinheiro”. Me demiti do meu primeiro emprego porque não era aquilo que eu queria pra mim, estava decidida a fazer o que eu gostava e fui mal vista pela minha família, eles faziam “brincadeiras” dando a entender que eu não gostava de trabalhar, mas às vezes a gente tem que ignorar certas coisas que a gente ouve. Hoje sou muito agradecida por trabalhar com o que eu amo, música, e por ter tido a oportunidade de estudar o que eu queria estudar e trabalhar com o que eu sempre quis.

    • A gente não é piolho para ir pela cabeça dos outros, né?? rs…rs… Bjs

      • Pois é rsrsrs! De piolho tô fora, já tive tantos qnd era criança com a minha cabeleira que me dá até arrepio em pensar em piolho! hahaha

  • Bom dia Paty , é verdade sonho em ter uma gráfica, hj tenho um pequeno negócio uma portinha na frente da casa, faço pequenos serviços pela Internet, inscrições, 2 Via de contas etc, mesmo não ganhando muito, aprendi a me empenhar em ajudar aos meus clientes, seja numa xerox ou na compra de uma passagem área, fico feliz em ver que o cliente saiu satisfeito e com seu problema resolvido, tenho investido em novas máquinas e me qualificado, creio que em breve poderei realizar esse sonho, graças a Deus e tb as suas dicas,bjuss.

  • Quando comecei a pensar veio tantas coisas,rs,quando criança eu ia sempre ao extremo (sim essa é a Gislaine,rs),de médica a modelo(imagina tudo a ver né?.Só se fosse do termo popular que de médico e louco…rs).
    Mas eu ao ler o post ,comecei a analisar muitas coisas,sempre me preocupei em deixar a pessoa bem,fisicamente,e com ela mesma,queria dar motivos como uma modelo para inspirar as pessoas,aí refleti que de certa forma,o caminho me levava a mesma coisa,rs

  • oi Paty,eu gostei desse post,me faz pensar mto em quando meu sonho era ser NUTRICIONISTA,PORÉM NUNCA EU TIVE APOIO EM CASA PRA SEGUIR MEUS SONHOS.Penso muito em fazer uma faculdade,um sonho pra mim,as vezes penso que minha época já passou,tenho que pensar só nos estudos do meu filho.Sou cabeleireira,é uma profissão que me dar um bom lucro,mas sabe quando aquela fogueira ainda ñ se apagou totalmente?pois é,no fundo,no fundo eu ainda tenho uma imensa vontade de ter o meu curso superior!

  • Paty,falando num assunto a parte ao texto,estou doida pra vc fazer um um post sobre como anda as nossas finanças desde que começamos os desafios,o que mais estamos aprendendo….Pois estou cheias de bençãos pra contar,sendo que comecei os desafios mês passado,e Deus já esta me honrando.Já li todo o livro,adorei o seu testemunho financeiro.venho conversando com todos a minha volta sobre finanças,sonhos,metas,objetivos!O livro agora já esta com minha irmã,que de tanto eu falar sobre o mesmo começou a ler hj e esta amando e comentando ao seu esposo.Temos muito em comum Paty,um dia Deus vai cruzar os nossos caminhos,vc é verdadeiramente uma mulher do Senhor!

    • Jaqueline, não precisa esperar um post! Pode mandar os seus resultados positivos, vamos amar ler!! Bjs

  • Bom dia Pati;

    Desculpa a demora em comentar, mas estou firme no propósito, e tenho certeza que não ficará apenas no desejo, mas vou realizar aquilo que determinei 🙂

    Bjs guria.

    Dai.

  • Quando criança queria ser arquiteta e designer de moveis.Aos 12 anos comecei a pesquisar sobre a profissão e me apaixonei mais,porem para ser designer eu teria que ir para SP ou RJ,para estudar.Porem a vida me levou por caminhos que tiver que escolher entre sonho a longo prazo e realidade imediata.N~´ao estudei o que queria,só consegui entrar na faculdade com 32 anos,me formei em RH que aprendi a gostar,mais não trabalho na área,no momento desempregada,tentar emprego em qualquer área.Hoje o que eu gostaria de ser é uma artesã de sucesso,estou tentando ir neste rumo,porem aqui na Bahia esse mercado não é rentável,não tem muito valor para as pessoas.É o que mais amo fazer.

    • Veja pelo seguinte ângulo: se esse ramo é fraco em Salvador, vc terá menos concorrentes! Vá em frente!! Bjs

  • olá.
    tenho 25 anos e estou nessa situação desempregada e não sei o que quero, ás vezes fico desesperada mas não consigo pensar em nada.

  • Estou começando a fazer os desafios e estou vendo pequenas mudanças, mas, estou mudando! Esse mês estava querendo entrar para faculdade, mas, confesso que estava com medo de fazer um curso e não gostar depois, como aconteceu com um curso técnico que fiz. Hoje estou frustrada e doida para mudar de profissão, pois vi que não tem nada a ver comigo. Como você mesma falou sobre ganhar mais e estar insatisfeita, é assim que estou. Escolhi o curso devido ao salário e hoje estou arrependida. Depois desse post meus olhos abriram, vou escolher o que amo e não pelo salário. Aprendi com você que devemos pensar, e é isso que estou fazendo, pensando, pesquisando, lendo tudo sobre o curso que quero, para tomar a decisão certa e não me arrepender depois.
    Que Deus continue te usando, pois tem me ajudado muito… Obrigada de coração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *