Essa é a manchete de capa da revista Super Interessante deste mês. Neste post, comento o assunto baseada na matéria. É preciso refletir sobre isso!

A era da burrice, estamos nela?

Sim, estamos!

A matéria da revista Super Interessante começa com um parágrafo tão perfeito em termos de definição do que estamos vivendo que vou transcrevê-lo na íntegra:

Discussões inúteis, intermináveis, agressivas.

Gente defendendo as maiores asneiras, e se orgulhando disso.

Pessoas perseguindo e ameaçando as outras.

Um tsunami infinito de informações falsas.

Reuniões, projetos, esforços que não dão em nada.

Decisões erradas.

Líderes políticos imbecis.

A matéria é muito interessante e vale a leitura (Editora Abril, R$ 18).

Mas só essas primeiras frases valem reflexões importantes e convido você a analisar comigo uma a uma.

Amanhã podemos dar sequência a esse tema, o que você acha?

Deixe seu comentário para eu saber do seu interesse e seguir no assunto, ok?

 

“Discussões inúteis, intermináveis, agressivas”

 

As redes sociais estão aí para confirmar a veracidade da frase.

Gente que diz não ter tempo para nada (e por isso não executa o trabalho que deveria e nunca termina suas tarefas mais básicas) passa horas a fio discutindo inutilmente.

Inutilmente, aliás, por vários motivos, como:

Não ter ideia do assunto que se propôs a discutir, apresentando argumentos, no mínimo, ridículos.

De quebra, muitos aproveitam para demonstrar sua falta de domínio com o próprio idioma.

Intermináveis porque o fogo cruzado nonsense não chega a lugar algum, mas as pessoas têm uma disposição incrível para perder tempo.

E agressivas porque passam a xingar e ofender quando os argumentos acabam (mesmo os ridículos).

O intuito é querer parecer mais do que o outro, não importando mais nem mesmo o tema que deu início à discussão…

 

 

“Gente defendendo as maiores asneiras, e se orgulhando disso”

 

A matéria cita que estudos comprovam um fato absurdo:

Quanto mais ignorante uma pessoa é em determinado tema, mais ela tende a achar que o domina.

Então, se você acha que sabe tudo sobre a política americana, sobre o conflito entre israelenses e palestinos ou sobre a ditadura brasileira a ponto de discutir isso nas redes, cuidado!

Você pode passar vergonha achando que está abafando.

Defender o que não conhece é burrice.

Acusar e ofender o que não conhece também é burrice.

 

 

“Pessoas perseguindo e ameaçando as outras”

 

Muito se fala em democracia, mas basta alguém ter uma opinião diferente para ser atacado, xingado e ameaçado (pelos “defensores” da democracia).

Há quem ache a meritocracia um absurdo, porque vivemos em um país injusto que deve ser paternalista com os “menos favorecidos”.

Mas na iminência de alguém apresentar um argumento contrário às suas ideias, ameaçam calar a pessoa a força.

Meritocracia não, mas ameaça sim, né? Ah, tá!

Democracia sim, desde que não vá contra o que a pessoa pensa, né? Ah, tá!

Tô entendendo…

 

 

“Um tsunami infinito de informações falsas”

 

Outra fase muito importante extraída da matéria da Super Interessante:

O cérebro luta para manter nossas opiniões – mesmo que isso signifique ignorar os fatos.

Então, se uma fake news apoia o que a pessoa pensa, o que ela faz?

Checa a fonte, se certifica se é verdade e, em caso de ser mentira, não compartilha?

Não, claro que não!

Ela posta na hora, como sendo a mais pura verdade, mesmo que seja piada do Sensacionalista.

O que importa é ter razão, ainda que não tenha.

Entendeu o “raciocínio”? Espero que não!

 

 

“Reuniões, projetos, esforços que não dão em nada”

 

No afã de querer ser cotada como alguém muito importante, a pessoa quer parecer muito ocupada.

No afã de parecer muito ocupada, ela se enche de reuniões.

No afã de querer ser o centro das atenções nas reuniões, ela vai para falar, jamais para ouvir.

Os interlocutores fazem o mesmo, daí, claro que não sai nada.

Todos falam, ninguém ouve, nada acontece.

Os cérebros estão calibrados para convencer o outro de que seus donos são demais!

Qual o assunto da reunião? Que importa?

É preciso estudar o assunto e levar propostas e ideias palpáveis? Claro que não!

O importante é dizer algo como:

“Nossa! Só hoje, participei de oito reuniões!”

Ainda que não lembre sobre o que foi a primeira…

 

 

“Decisões erradas”

 

Com um cérebro abarrotado de informações inúteis, de onde tirar subsídios para tomar decisões corretas?

As pessoas sabem tudo nas redes sociais, mas, na vida real, não sabem tomar decisões simples no dia a dia.

Elas xingam Donald Trump pelo muro que ele teria tido a ideia de construir na fronteira dos Estados Unidos, mas não sabem que quem começou a construir Bill Clinton.

Aliás, a frase acima já vai servir de “munição” para as pessoas dizerem que estou “defendendo” Trump…

Os fatos não bastam. A verdade não importa.

Importa que se elas detestam Trump vão usar qualquer motivo para atacá-lo, seja verdade ou não.

 

 

“Líderes políticos imbecis”

 

Precisa falar?

É sério mesmo que você defende os políticos a ponto de perder amizades?

É sério que você acha que o SEU candidato (aquele que nem sabe que você existe) vai salvar o país inteiro?

É sério que brigar até com a família vale a pena?

É sério mesmo que esse pessoal que aí está te representa a tal ponto?

Eu vou votar no “espinheiro” que vai espetar menos essa nação já tão esburacada.

Mas não vou brigar por ele de jeito nenhum!

#issonão

#issonunca

 

Nós estamos na era da burrice sim, mas não temos que ser burros.

O texto não é agradável, mas é extremamente necessário.

Quem tem inteligência vai entender e refletir.

Quem não tem…

 

Nos vemos!

Jornalista especialista em finanças, autora do best-seller Bolsa Blindada, colunista do programa Mulheres, TV Gazeta e youtuber.

  • Patrícia, achei ótimo esse assunto.
    Não aguento mais receber mensagens sobre políticas e que assuntos…meu Deus!!!!!!!

  • Ufa!! Finalmente um texto coerente…. não tenha dúvida que passarei na banca para apanhar meu exemplar!
    Obrigada, querida!

  • Excelente texto Paty! É incrível como perdemos tempo com inutilidades que não nos levarão a lugar algum, pelo contrário, representam um retrocesso mental. Sem contar o desfavor que os pseudodemocratas nos tem feito, misericórdia… Estudei Ciência Política na UFMG e mesmo permeada pela ideologia, o senso crítico e respeito sempre foram largamente fortalecidos. Infelizmente temos que conviver com a intolerância de muitos que inclusive deveriam legalmente defender a liberdade de expressão. Queira Deus que nosso povo acorde desse pesadelo o mais breve possível! Abs!!

  • Oi Patricia,
    O assunto é tão importante que você deveria não só continuar discutindo aqui no blog como também no Programa
    Mulheres para poder atingir todo tipo de público.
    As pessoas perderam totalmente o bom senso e o discernimento.

  • Sensacional.
    Eu super aprovo você continuar com esse assunto e é extremamente que assuntos uteis assim sejam compartilhados nas redes sociais.

  • Olá Querida Patrícia,
    Ótimo texto, perfeito para reflexão e com certeza gostaria de ler mais posts sobre o assunto. Obrigada!

  • Uau, não parei nem pra tomar água, que demais. Por isso te admiro, mulher sábia, minha jornalista favoritista.

  • Boa tarde,

    Excelente texto, infelizmente é exatamente isso que estamos vivendo…
    Hoje a liberdade de expressão é cada vez mais desrespeitada, pois muitos se acham no direito de opinar, julgar sobre assuntos que as vezes não fazem nem ideia do que seja, ou não querem nem ter o trabalho de pesquisar as informações corretas.
    Triste realidade, mas estamos mesmo vivendo na era da burrice…

  • Continua esse assunto sim Paty! As coisas no Brasil andam de mal a pior, as pessoas não estão pensando! É muito louco isso! Ninguem percebe que isso respinga em todo mundo! Bjsss

  • Faz a continuação Paty!!!!

    Lembrando desse tema e do depoimento de uma professora, dizendo que essa geração é a que menos pensa, hoje incentivei meus alunos das aulas que dou como professora voluntária, a pensarem e não saírem aceitando tudo o que dizem por aí (ainda que sejam seus professores).

    Quando fiz magistério (na época que ainda existia magistério rsrsr) nosso maior aprendizado no curso era ensinar os alunos a terem raciocínio crítico, e ensinar como “aprender a aprender”. Conhecimentos técnicos se atualizam, conteúdos novos são criados todos os dias, muito do que aprendemos na escola pode se tornar obsoleto ou sem utilidade. Mas se aprendemos a pensar e tirar um aprendizado de todas as situações e experiências, seremos pessoas que acrescentam, que fazem a diferença, que agregam valor onde estiverem: que são influentes, formadores de opinião e não meros influenciáveis, seguindo a multidão sem nem saber pra onde estão indo.

    Bjos Paty!

  • Gostei demais! Continue, por favor. Tenho aprendido muuuuito com você. Sou fã! 🙂

  • Excelente texto. Qro continuar lendo sobre esse assunto. Refletindo sobre isso até agora e analisando o momento em q vivemos…

  • Excelente matéria, Paty. Bem esclarecedor e reflexivo. Vale a pena continuar.

  • Simplesmente maravilhoso o assunto… aguardo a continuação

  • Oi Paty.
    É verdade, nós estamos na era da burrice mesmo e se não tomarmos cuidado, acabamos por fazer as mesmas coisas…
    Mais seus textos são coerentes e sensatos, parabéns!
    Fale mais sobre o assunto sempre que possível. .
    Deus abençoe sempre o seu trabalho, obrigado

  • Excelente post, Paty! Faz a continuação! 🙂

    Pegando o gancho do comentário da Ana Augusta acima, o que está faltando é justamente esse raciocínio crítico que era ensinado aos professores no magistério!
    Durante minha vida acadêmica, e mais recentemente na pós-graduação, tive poucos professores que ensinavam a seus alunos o raciocínio crítico, a pensar sobre o tema, a questionar, e não simplesmente decorar conceitos e fatos.

  • Oi, Paty!
    Que post excelente!! Continue sim, por favor!
    Fiz questão de ler o tópico sobre “Reuniões, projetos, esforços que não dão em nada” para os meus colegas de trabalho. Vivemos isso diariamente! 🙁

    • Eu estou totalmente anti-reuniões que não dão em nada! rs…rs…

  • Gostei muito do seu post, hoje em dia as pessoas saem falando sem saber….as crianças estão com preguiça de pensar…tudo é já ta pronto? é o mais fácil? E se você leva a vida diferente há uma enorme rejeição das pessoas em volta. Aguardo continuação.

  • Bom dia patrícia, pode continuar com esse tema. É algo bem interessante mesmo e precisamos nos policiar para não cometermos esses atos de burrice, pois, as vezes cometemos mesmo sem perceber, é algo para nossa relexão.

  • Excelente, quero sim que o assunto continue. É preciso que caiam as escamas dos olhos e o capacete do cérebro, pois está ficando insuportável! Vamos acordar, por favor…

  • A chamada quase me ofendeu, rs… Mas depois que li, achei tudo verdade!

  • Ótimo texto Patricia
    Precisamos de várias continuações sobre ele.
    As pessoas hoje estão com preguiça de pensar, de questionar, de contrariar… a única preguiça que não tem é de encher as redes sociais com discurso de ódio e intolerância.
    Trabalho com vendas e as pessoas elas não leem. Você faz o anuncio, coloca a descrição, o valor e o primeiro comentário que recebe é: valor? tá disponível?

    enfim, tá muito difícil.

  • Realmente vivemos na época da burrice. Na democracia se respeita a liberdade de expressão, mas não o seu extermínio como ideias ligadas a ditadura. A imbecialidade não está apenas em líderes políticos, pior ainda, em líderes religiosos que pregam que o “espinheiro” salvará as famílias do inferno, no mínimo, loucura.

    • Graças a Deus eu não ouvi ninguém falando em espinheiro salvador!

  • Anciosa aguardando a sequência, acho que, quando Deus soprou o fôlego de vida na Patricia ele pensou: filha, você vai nascer em uma era onde as pessoas não pensará mais sozinha, por isso vou iluminar com muita sabedoria, para que você una com seu esforço, fé e possa ajuda-las.
    Você é incrível Paty.
    Fiz até minha filha ler o post e todos os seus livros também, ela vai iniciar no mercado de trabalho, e falei que seria muito importante ler seus livros antes.
    Bjs até a próxima joelhada

  • Agradeço à Deus por existirem pessoas como você!
    Gosto muito de acompanhar seu blog, seus posts abrem os olhos e despertam a mente!
    Muito obrigada por sempre compartilhar seu conhecimento.
    Beijos

  • A política de deseducação já vem causando estragos no Brasil de maneira crescente há algumas décadas, não é algo recente. Essa ignorância proposital a que o povo foi levado a se inserir reflete hoje em dia de uma maneira cada vez mais aparente e generalizada.
    Fico pasmo ao ver por exemplo uma mulher se dizer feminista e ser cantora de funk com letras que dizem …”me chama de cadela, de pir…” é um disparate enorme.
    Há quem chame essa “cultura”, nesses moldes dessas músicas, de bestialização, e não acho que seja um nome inapropriado, penso que reflete bem o que está acontecendo com nossos jovens.
    A mente de um jovem tem de ser moldada com valores bons, amizade, amor, família, respeito, honestidade, hombridade, etc… e os meios de comunicação (principalmente a tv) divulga o oposto todos os dias sem se preocupar com essa ignorância crescente.
    Tenho 49 anos e vejo dia a dia a nossa sociedade se degradando, uma pena.

  • Oi Patricia, tudo bom? Eu gostei muito do assunto que vc levantou. Estive procurando o texto da revista na íntegra para trabalhar com meus alunos (sou professora de português na Argentina) e não o encontrei disponível. Você poderia mandá-lo para mim? Agradeço antecipadamente. Abraço

    • Olá, Valéria! Eu comprei a revista, não tenho o conteúdo online e nem a editora disponibiliza. Bjs

  • Olá, obrigada Patrícia pelas reflexões! Em um mundo cada vez mais reativo e menos reflexivo, é bom saber que não somos as únicas que fazemos reflexões parecidas. Obrigada pela coragem de se expor! Obrigada pelos ensinamentos! Tenho três livros seus (e pretendo adquirir os mais recentes), já os emprestei algumas vezes, rs, e admiro a forma como você trabalha, com seriedade, ética e boa vontade. Sei que você não precisa dos meus elogios, só gostaria de expressar que ler seus posts me anima, me informa, me faz refletir e amplia a minha visão. Me formei a pouco tempo em psicologia e minha carreira profissional é algo que tem exigido a minha atenção, muito do que você escreve tem me ajudado a não desistir pelas dificuldades. Obrigada!

  • Parabéns pela abordagem. A matéria da Super Interessante resumo tudo. O nível de desinformação é absurdo. Abraços.

  • Belíssimo texto.
    Seria muito bom se todos os brasileiros pudesse ter a oportunidade de visualizar lo.
    Ajudaria muito.

  • Gostei bastante do texto apesar de ter dados imprecisos no mesmo. Onde é dito que o muro entre EUA e México foi construído por Obama isso não está correto. A construção do referido muro teve início em 1994 na presidência de Bill Clinton, ironicamente no mesmo ano do tratado NAFTA.

  • Nossa Paty, é perfeita a forma como descreve esta situação. Estou ansiosa para comprar a revista.

  • Uauuuu!!! Que texto ótimo!!! Estamos vivendo dessa forma mesmo!!! Esse texto deve ser compartilhado muitas e muitas vezes!
    Gratidão!!!!

  • Excelente texto, realmente a que se pensar em rever as atitudes nas redes sociais, principalmente em relação à discussões que não levam a lugar nem, alias, levam, a conquistas de inimizades, afinal, estamos em momento onde o mundo virtual tem muito mais significado do que o real, que se tornou agora “chato” para algumas pessoas. Vou repensar minhas atitudes. Você me fez lembrar daquela antiga e atual frase de Sócrates….

  • Sei não, Patrícia! Essa informação do muro não confere. Pesquisei aqui e não bate. Ficou meio distorcida essa info (‘meio distorcida’ é eufemismo). Seguinte: vc é jornalista. Manda aí uma fonte confiável para analisar. Pode ser? De resto o texto parece interessante. Pena que perdeu o brilho com a informação inconsistente.

    • Oi, José! O texto foi atualizado e a informação do muro revisada. Obrigada!

  • Impressionante o texto, eu percebi o fato embora não consiguia expressar tão sabiamente quanto às suas palavras. Realmente a burrice cresce em progressão geométrica.

  • Infelizmente chegamos à era do control c control v. As pessoas não raciocinam, falam asneiras sem processar antes, repassam informações sem comprovar a veracidade, são perguntas idiotas todo o tempo. E penso que é uma incoerência porque estamos tbm na era da informação com acesso extremamente disponível via internet…pelo celular, computador, tablet e afins. Surgiu um dúvida…em segundos a resposta, mas falta o senso crítico de confirmar a informação em outra fonte. Nossas crianças voltaram a aprender conteúdos mecanicamente…sem questionamentos ou discussões. Eu estou na fase da tolerância zero para coisas óbvias que as pessoas insistem em perguntar por preguiça de “ler nas entrelinhas” ou de fazer a interpretação do ambiente para obter respostas. Considero que o analfabetismo funcional está proliferando…quando a pessoa lê e não sabe interpretar.

  • Assinante de SUPERINTERESSANTE, li o artigo, achei-o realmente superinteressante e quis divulgá-lo, daí entrei no GOOGLE, com o título, mas a telinha, para mostrar o texto, exigia que eu fosse agora assinante do site SUPER, só R$ 3,90/mês, com direito a todo o conteúdo da revista, online, mas a minha velha burrice de 84 anos me fez deixar para depois; mesmo porque deparei ali mesmo, na telinha, com este seu texto, Patrícia Lages, que me confirmou (“confirmou”?…”correligionária”!!!), que o artigo é muito bom, deve ser divulgado.
    Como o Brasil surge frequentemente com cópia piorada dos modelos externos, é desconcertante saber que os testes de inteligência, que subiam no século passado, em países desenvolvidos, como Alemanha, França, Inglaterra, Holanda, Noruega, Suécia, Finlândia, agora, neste novo milênio, estão caindo ali, gradativamente, e que os políticos estão ajustando cada vez mais seu discurso a tal infantilismo, tal como fazia a Xuxa com seus “baixinhos”, só que os eleitores são altos e maduros (não é Venezuela; é Europa!!!).
    De Comte, século retrasado, veio o ORDEM E PROGRESSO, de nossa bandeira. Ele sugeriu uma biblioteca, para o preparo do proletário (!!!), formada por 150 livros, inclusive a Bíblia e o Alcorão; não tive o “civismo” de tê-la e lê-la, porque não sou proletário, já sou do Século XX, e Comte não é mais levado em conta… Contudo, ainda gosto de saber das coisas…

    • Que comentário nota 10!! Espero ler mais coisas suas por aqui, obrigada! 😀

  • Prezada Patrícia: Ganhei um “10” seu?
    (Isto é bom, ou poderia significar que compartilhamos a mesma seita fanática fundamentalista? Eu não sou de cortar cabeças, pois cortar a de Lavoisier não acabou com a Química; contra a qual aliás nada tenho, se não for gás sulfídrico…)
    O METRÔ DE XANGAI NÃO EXISTIA EM 1992.
    HOJE, É O MAIOR DO MUNDO.
    MAS HÁ GENTE QUE AINDA ESTÁ EM 1992; QUE SE RECUSA A ACREDITAR NA SEGUNDA FRASE.
    https://www.efe.com/efe/brasil/patrocinada/xangai-se-esfor-a-para-continuar-ter-o-maior-metro-do-mundo/50000251-3332427
    A EVOLUÇÃO, EM TSUNÂMI, DA TECNOLOGIA PRECISA SER ACOMPANHADA DE DESENVOLVIMENTO DE AGILIDADE VERSÁTIL DA MENTE, DESDE A INFÂNCIA, PARA QUE O ADULTO NÃO SE TORNE COMO QUÊ UM GADO INÚTIL, NUMA IMAGINÁRIA SOCIEDADE VEGANA…
    TAL PROBLEMÁTICA FOI MUITO ESTUDADA POR JEAN PIAGET, QUE MOSTROU A GRAVIDADE DE O CÉREBRO NÃO RECEBER OS ESTÍMULOS ADEQUADOS, NAS FASES DE INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. (É MINHA DESCULPA PARA, AOS 84 ANOS, NÃO ESTUDAR MANDARIM: NÃO VAI “ENTRAR” DE JEITO NENHUM, CREIO…)
    https://amenteemaravilhosa.com.br/piaget-teoria-aprendizagem/

    • Hahahaha! Que ótimo! Eu não sou a favor do corte de cabeças, mas às vezes dá vontade de abrir algumas para tentar colocar algo dentro!! Piaget estava muito certo, com tudo à mão e o excesso de facilidades, as pessoas deixam de raciocinar. Mas eu acho que vc está desobrigado do mandarim, assim como espero que eu também esteja!! rs…rs…

  • esta matéria deveria ser enviada, todas as pessoas para que pudessem refletir sobre sua própria ignorância.

  • Caramba Patricia. Até que enfim algo com conteúdo pra acrescentar. É muita mediocridade na rede,falta de informação qualificada,muita superficialidade.É claro que o apelo atual é tão grande que nos deixamos levar e me incluo nessa. Também tenho minhas superficialidade,mas artigos como este,faz a gente refletir e voltar ao rumo,na busca sempre por entender melhor tudo que se passa e poder fazer algo que acrescente.

  • Pena vivenciarmos a crise da inteligência. Como li o seu texto só agora, faço tardiamente o comentário. Você é um antídoto a esse tipo de mal.
    Parabéns e obrigado por suas sábias palavras

  • O texto é maravilhoso; vamos usá-lo para reflexão entre professores. Ponto primordial: falta de leitura. A internet deixa tudo muito fácil. Aí cabe a frase “quem lê pensa. Quem não lê será para sempre um servo”

  • Oie Patricia lages preciso fazer um trabalho sobre a revista a Era da burrice é estou precisando muito de ajuda sera que voce poderia me ajudar ?

    • Minha contribuição sobre o tema está no post. No que mais vc acredita que eu poderia ajudar?

    • Oi, Cleidiana. Isso é você quem precisa fazer justamente para demonstrar o que entendeu da matéria. Ninguém deve fazer isso POR você, entendeu? Bjs

  • Sim e porque eu não consegui ler a materia toda por isso não estou conseguindo fazer por não tenho acesso a esta revista mesmo assim obgd

  • Ai eu so precisavam de um resumo para mim ler e fazer o meu trabalho mas mesmo assim muito obgd

    • Para fazer um resumo vc não deve ler um resumo, mas sim, a matéria toda. Não confie no resumo de outros, pois a ideia é que vc faça o seu, segundo o seu ponto de vista. Beijos

  • Gostei do texto, no entanto, não considero que seja a ERA da burrice, mas sim um tempo cronológico específico. E claro, que se não tomarmos cuidado, podemos, sim, tornar este assunto em era… Parabéns pelo magnífico desenvolvimento…

  • nossa! havia algum tempo que eu não lia algo tão prazeroso, se nossa colega não teve tempo de tomar água , eu nem conseguir respirar; Brilhante seu comentário a respeito da matéria da Superinteressante, é como eu me sinto: todos tem opiniões sobre tudo, “são especialistas e estudiosos sobre o assunto” seja ele qual for; E por ser sincero e admitir que sobre determinados assuntos não tenho a mínima ideia, sou criticado por não opinar ou quando opino e contrario sou também criticado e rotulado . Atualmente não tenho redes sociais, e um dos motivos é justamente o que a matéria da revista aborda, detesto reuniões para marcar outra reunião, não sou mais paciente em ver contradições no agir e pensar das pessoas… parabéns pelo post.
    Sonho em um dia, que teremos um programa de TV em rede nacional ABERTA, em horário comercial, que nos permita refletir assuntos como este, já pensou em ENCONTRO com PATRÍCIA LAGES.

    • Obrigada, Diovan!A verdade é que parece que somos ETs para esse mundo “moderno”… rs…rs…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *