Muitos profissionais hoje não veem problemas em acionar juridicamente as empresas em que trabalharam, levando em conta os mínimos detalhes. Mas, até onde isso é saudável para o mercado? Há limites para exigirmos nossos direitos?

Continue lendo