Milhares de pessoas fizeram fila desde as 4 horas da manhã em São Paulo para comprar roupas usadas e maquiagens que pertenceram a influenciadoras. Valores invertidos…

Valores invertidos em um país de pessoas sem noção

O que dizer de um país onde as pessoas perdem a hora para a prova do Enem, mas fazem fila desde as 4 horas da manhã para comprar roupa usada?

O caso é o seguinte:

Aqui em São Paulo, no bairro dos Jardins, houve um bazar beneficente onde seis influenciadoras colocaram itens como roupas e maquiagens de seu uso pessoal à venda.

O bazar duraria alguns dias, começando às 10h da manhã da última terça-feira.

Porém, desde as 4h da manhã já havia uma fila com mais de mil pessoas que não queriam correr o risco de perderem a oportunidades de suas vidas:

Comprar itens usados por suas influenciadoras preferidas.

Se isso não significa valores invertidos eu realmente não sei o que seria…

Trata-se do mesmo país onde a gente tenta ensinar as pessoas a poupar e elas nos mandam “cair na real” porque brasileiro não tem dinheiro para isso.

O mesmo país onde as pessoas não chegam quase nunca na hora certa para seus compromissos e culpam o trânsito.

O mesmo Brasil onde as pessoas acham um livro de 40 reais caro, mas uma peça de roupa usada por 140 reais é barata.

Comprar algo de uma influenciadora vale tanto que as pessoas se sacrificaram em uma fila de mais de 5 horas, pagaram 10 reais para entrar e tiveram apenas 20 minutos para escolher, pagar e sair.

Alguém reclamou das regras?

Claro que não!

Alguém reclamou dos preços?

Não, ninguém.

Alguém reclamou do calor tremendo enquanto as pessoas ficavam na calçada aguardando?

Óbvio que não…

Cadê os pais reclamando que suas filhas se sujeitaram a passar a madrugada na rua?

Cadê os jovens que reclamam tanto das condições de fazer a prova do Enem?

Por que não vemos as mesmas reclamações?

Simples: porque os valores estão invertidos.

Não seja sem noção

Se você tem valorizado mais a etiqueta do seu jeans do que o seu próprio conhecimento, tem algo de errado aí.

Reconheça, pense e não seja mais uma sem noção.

Você não vai consertar o país e nem muito menos eu, mas você pode mudar a si mesma.

Se o mundo valoriza o que você tem e não está nem aí para o que você pensa, o problema não é seu.

Não se sacrifique por coisas que não têm valor algum, mas sim, por aquilo que não é perecível.

E coloque uma coisa na sua cabeça:

Enquanto, lá no fundo, você achar que livro é caro, que estudar é MUITO sacrifício e que o trabalho é um tédio, a sua vida será sempre ABAIXO DA MÉDIA.

Nosso blog não é popular, não fala o que as pessoas querem ouvir e não promove coisas que agradam.

Mas nós escolhemos andar na contramão, ainda que seja um caminho sacrificante.

Esse é o tipo de sacrifício que vale a pena: a consciência tranquila de que estamos fazendo a nossa parte.

Nos vemos!

Jornalista, especialista em finanças, autora de 5 best-selleres, colaboradora dos programas Mulheres (TV Gazeta) e Escola do Amor (Record TV). Colunista do portal R7 e youtuber.

  • Bom dia!
    Eu não vi problema em um bazar para ajudar, era pra ser algo simples, mas como falou o problema está nessa adoração louca e nessa inversão de valores. Quando se lança um celular novo da Apple ou um show de um cantor estrangeiro tem fila de espera, mas pra investir em coisas de fato importantes como vida espiritual, família ou em nós mesmas para sermos melhores não há a mesma disposição, pelo contrário há até reclamação pelo esforço.
    Num mundo assim, a resistência na verdade somos nós, que somos taxados de loucos por achar tudo isso tão louco.😝😘

  • Lamentável saber que as pessoas se sujeitam a esse tipo de situação!

  • Concordo em gênero , número e grau. Realmente há uma inversão de valores. Bjs

  • é isso ai, quem não gosta de ouvir verdades, não é obrigado a ler… ( dá trabalho… hahaha)

    beijos 😉

  • texto simplesmente perfeito… penso exatamente igual a você… eu vivo minha vida sempre na contramão

  • Oi Paty, quando comecei ler o texto achei que seria sobre a fila para o cadastramento da biometria, que muitos deixaram para o ultimo dia e ficaram na fila mais de 4 horas, mas essa do bazar é mais espantoso. Aonde vamos chegar?

    • A da biometria o povo reclama, surta, vai embora… Mas dessa aí ninguém arredou pé!

  • falou tudo e mais um pouco, realmente a doença das pessoas em idolatrar outras pessoas esta muito mais muito alem da linha vermelho, e nessa as pessoas deixam sua vida de lado para fugir da realidade e mergulhar num mundo de fantasias

  • Oi Paty bom dia.
    Estou amando todos os posts.
    Graças a Deus q eu sempre penso de maneira equilibrada e tudo q realizo penso bem antes aquilo q pra mim é bom ou ñ.
    Aprendir com seus posts e blogs e videos no youtube q os bons habitos financeiros nos faz viver com mais tranquilidade e eficácia.
    Vc é uma pessoa muito preparada e esforçada.
    Q Deus te abençoe com todas as bênçâos dos céus.
    Beijos

  • “Esse é o tipo de sacrifício que vale a pena: a consciência tranquila de que estamos fazendo a nossa parte.”
    Perfeito!!

  • Trata-se do mesmo país onde a gente tenta ensinar as pessoas a poupar e elas nos mandam “cair na real” porque brasileiro não tem dinheiro para isso.

    Putz, é isso. É interessante ver gente que ganha R$ 10 mil por mês usando esse argumento. Minha avó guardava dinheiro numa lata de biscoito, morreu sem ter conta em banco, fico tão chateada de ver que a sabedoria dos mais velhos não está sendo absorvida pela geração mais nova. Não deixou herança mas também não deixou dívida.

    • As gerações mais novas não estão sendo instruídas porque muitos pais não acreditam nos valores das gerações de seus pais. É assim que as coisas vão se perdendo, infelizmente…

  • Eitaaa, texto lindo! Navegar é preciso, mas na contramão. Choque de realidade.

  • Concordo plenamente!
    Estou sempre na contramão e sou questionada por isso!
    Pode?

  • Olá Pati.
    Bom.. Sou uma dessas. Admitir que preciso de disciplina e delicado. Mas é necessário por um cabresto na minha indisciplina. Muito grata. Beijos.

  • Essa frase é ótima .” Se não podemos mudar o mundo , mudamos a nós mesmas “. É a pura verdade quando mudamos a nós mesmas e vivemos em uma vida de noção , já estomos fazendo nossa parte.😘

  • Ótimo texto, coeso simples e verdadeiro, não gosto de coisas e pessoas fúteis.

  • Eu fico chocada com um situação dessa.
    Patrícia, aqui na minha cidade tem influenciadoras que fazem bazar de peças que recebem de minos de empresas. Numa semana estão fazendo story divulgando produtos da marca X, na seguinte estão vendendo as mesmas peças nos bazares. Elas não perdem as oportunidades e monetizam, saem ganhando sempre. Cai nessa quem quer neh?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *