Uma das coisas que atrasam a vida é ter um pensamento pequeno e, para piorar, aqui no Brasil, esse mal é tratado até como sinal humildade… Quebre o ciclo!

Pensamento pequeno: quebre esse ciclo!

Na semana passada usei a ferramenta “Faça uma pergunta” nos stories do meu Instagram.

Primeiramente, quero ressaltar que é muito interessante essa interação e como podemos aprender apenas com respostas rápidas.

Mas sabe qual é a maior dificuldade que eu vejo nas pessoas?

Elas não conseguem, muitas vezes, elaborar em uma pergunta simples, aquilo que querem saber.

Aliás, essa é uma questão que nos impede de ajudar mais pessoas.

Há quem escreva um e-mail enorme contando a vida toda só para dizer que está endividada.

Enquanto ela não deixa claro que é de família séria, que não se endividou porque quis etc. etc., a conversa não chega no “finalmente”…

Conforme a pessoa vai relatando seu histórico “humilde”, de quem não teve sorte na vida, que não teve chance de aprender nada, posso perceber que o problema não é a dívida em si, por exemplo, mas o pensamento em relação a si mesma.

Apenas ao final de todo cenário de “derrota” é que, enfim, a pessoa toma coragem para simplesmente perguntar algo como: “o que faço para sair do cheque especial”?

Salvo quando não são mensagens de pessoas que acreditam que “merecem” ser ajudadas porque ganham salário mínimo.

É assim que funciona, infelizmente, a cultura de boa parte dos brasileiro: se vitimizar para obter algo.

A chamada autocomiseração, ou em um português bem claro, a pena de si mesmo, ainda é forte por aqui.

Entretanto, tudo isso se resume em uma coisa: pensar pequeno!

Trata-se de um mal que atravessa gerações, portanto, é necessário que alguém quebre esse ciclo.

Como romper essa barreira

Eventualmente alguém na família toma coragem, se levanta e vira a mesa.

Geralmente, quem faz isso é criticado, vira alvo de fofoca e perde até o contato amigável com os demais membros.

Porém, ainda que haja todo esse mal-estar é preciso que aconteça.

 

Para pensar grande, cadastre-se!

Você receberá um e-mail a cada postagem nova.

Nosso compromisso com você é enviar sempre conteúdo de qualidade!

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

 

Leia também: É possível virar o jogo!

Nos vemos!

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Patricia, obrigada pelo seus textos, eles sempre me fazem refletir. Cresci em uma família em que a vitimização era bastante comum, até que um dia eu despertei. Realmente as pessoas me criticam muito por ser “diferente”. Parte dessa transformação agradeço a você. Continue fazendo essa trabalho maravilhoso a educação transforma. Um grande abraço.

  • Olá Patricia
    Bom dia
    Gosto muito de seus posts;vídeos e livros ;todos esses tem me ajudado bastante em relação as minhas finanças.
    Na realidade temos mesmos que pensar grande.
    Nunca fui vítima de mim mesma e nunca me considerei um derrotada graças a Deus que aprendido ser determinada em meus ideais e meus projetos de vida..
    V
    Comprei o diário de consumo da bolsa blindada e estou amando pq controlo meus gastos gerais e cartão de crédito.
    Q Deus te ilumine sempre
    Abraços

  • Grata,estou indivindada darei a volta por cima, porém quero msm é conhecimento para desenvolver minha mente.

  • Prontinho, já estou seguindo você no Instagram!
    Você está certa. Sábado eu estava no supermercado e fui abordada por uma senhora que começou desfiar um rosário de tragédias justificando estar pedindo dinheiro (e eu não ando com dinheiro!). Cheguei pensar avisar algum funcionário, mas valeu para eu refletir quanto já fiz isso na vida e também como vez ou outra “poso” de “tadinha”.

  • Muito obrigada pelo post. Eu sou a pessoa que virou a mesa após anos de problemas em família. Tenho me estressado muito com minha irmã, que não tem emprego, está gastando o tempo em casa com cursos rápidos aleatórios e vídeos sem sentido, enquanto passa o tempo para um concurso público a se realizar em agosto. e não aceita opiniões em contrário. Meus pais são assim também.
    Isso tudo me cansa muito e por vezes, me pergunto para quê fazer tanto esforço e remar contra a maré? Mas Deus envia pessoas como você, para responder que devo continuar a fazer a minha parte. Minha vida e minhas condições financeiras e pessoais são responsabilidade Minha. Sou uma mulher adulta e tive e tenho, sim, oportunidades, ainda que não sejam perfeitas. Vitimismo é coisa de gente que só quer receber, sem fazer qualquer esforço. E ainda reclamar que recebeu pouco.

  • Bom dia Patricia! Que tapa na cara de muita gente. Afinal de contas, pensar pequeno ou pensar grade da o mesmo trabalho rs. O que eu vejo muito também é o julgamento alheio e a comparação, pessoas que observam o sucesso do outro, julgam e comparam consigo mesmo, sem saber o que a outra pessoa teve que fazer, abdicar, mudar de mindset para conseguir estar em uma situação de vida melhor, comparando com a sua própria situação de inercia como se fosse ter o mesmo resultado. Aproveitando, vou fazer e mandar o meu vídeo do clube da leitura, o difícil vai ser escolher qual dos livros eu vou querer fazer, tenho todos.
    Obrigado por compartilhar os seus conhecimentos conosco.

  • Conheço várias pessoas assim Pati, mas posso falar? É muito mais fácil se fazer de vitima e conseguir esmolas do que arregaçar as mangas e ir atrás dos seus sonhos!

  • Muito bom esse texto nos ensina muito.
    Nossa vida é responsabilidade nossa e não de outras pessoas então temos que nos esforçamos e seguir em frente.
    Obrigada pelas orientações!!!

  • Sou funcionária pública e estou querendo complementar a renda, pensando em conquistar coisas que meu salário e do meu marido não permite. Nunca pensei assim, mas meu marido sempre quis e agora essa vontade despertou em mim. Comprei um curso de confeitaria, visando entrar nessa empreitada com meu esposo, mas ele que tinha ficado animado com a ideia não tem se dedicado nem em assistir as aulas comigo. Não quero fazer isso sozinha. O que eu faço para despertar a vontade nele?

    • Entendo que vc queira que ele faça companhia, mas se vc se condicionar a só fazer se ele fizer, nenhum dos dois fará. A maneira que nós influenciamos é pelas atitudes, logo, se vc assistir as aulas e começar a fazer o que deve com alegria, sem reclamar e mostrando a satisfação que isso traz, ele seguirá vc mais tarde. Bjs

  • É verdade Paty, com os conteúdos que vc disponibiliza eu aprendo muito. Obrigada.

  • Que profundo essa mensagem. A gente acaba utilizando as diversas situações tristes da vida como muleta para não sair da zona de conforto. Mudar não é fácil mas a única forma de evoluir e que benção ter pessoas como você para nos guiar nessa jornada. A cada dia aprendo mais com você. Imagino todo esforço que faz para trazer tanto conteúdo ao seu público e ainda cuidar dos seus compromissos. Hoje escutei sua live com a Lilian Cardoso e ela falou sobre sua humildade, incrível como isso é natural em você, acredito que venha da sua fé. Obrigado Obrigado Obrigado!

  • Gosto muotp do seu canal e tenho encontrado mo seu trabalho uma mova forma de ver a vida e encarar situacoes…as vezes ps baques q a vida nos da nos deixa inseguros e nos perdemos um pouco dentro de nos..e precoso parar pra se reemcontrar..
    E foi assim comigo..buscando me reencontrar achei o seu canal e te digo …vc e um presente de Deus na minha vida…te desejo toda sorte de bencaos..
    Sucesso+sucesso+sucesso ….jesus e contigo..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *