O Brasil tem muita burocracia estúpida que engessa o progresso, mas é nas leis absurdas que temos de ficar de olho e exigir que sejam extintas.

Leis absurdas atrasam o progresso do país

 

Imagine a seguinte situação:

Você passa pela rua e vê um mendigo sentado na calçada com a mão estendida, pedindo uma doação.

Com o intuito de ajudar, você consulta a carteira e vê que tem 5 reais.

Então, você se dispõe a dar esse valor e oferece ao mendigo que, por sua vez, recebe a nota e agradece com entusiasmo.

Porém, do nada, aparece um fiscal do governo e começa a questionar você:

Por que você deu apenas 5 reais?

Você não sabe que esse dinheiro não dá para comprar tudo o que esse homem precisa? Não vê que ele precisa de 3 refeições por dia, que está sujo e precisa de banho e roupa nova?

Além disso, ele também precisa de um par de sapatos e 5 reais não dá para tudo isso… Se quiser doar, conheça as regras e faça direito!

Mas, por ter feito da maneira errada, você será multado em 500 reais. Tome aqui sua multa!

Da próxima vez sua carteira poderá ser apreendida, portanto, nunca mais faça doações fora das normas!

Parece uma situação absurda, não é mesmo?

Mas, por incrível que possa parecer, até bem pouco tempo atrás, isso era praticamente real.

Havia uma lei que regulamentava como os estabelecimentos como restaurantes, hospitais e supermercados deveriam agir para poderem doar a comida que, inevitavelmente, sobra todos os dias.

Não estamos falando da comida que sobra no prato dos clientes, ou seja, os restos.

Mas estamos falando de sobras de comida em perfeito estado, que deixou de ser vendida e ia parar – sem dó nem piedade – no lixo.

E aí você se pergunta: por que os estabelecimentos não cumpriam as regras para poderem ajudar as pessoas e evitar tamanho desperdício?

Bem, para responder é preciso conhecer a lei e suas regras ridículas.

Como “boas intenções” viram leis absurdas

A Lei n° 8.137, de 1990, trata dos crimes contra as relações de consumo e cita como CRIME o fornecimento de alimentos impróprios ao consumo. Até aí parece ótimo, não é mesmo? Só que não…

Na prática, o que parece ser para o nosso bem, fez com que diversos estabelecimentos preferissem jogar comida no lixo do que arriscar seus negócios.

Isso porque, se um estabelecimento doar alimentos, mas o beneficiado alegar que a comida lhe causou algum mal, o doador será responsabilizado e poderá receber multas, sofrer apreensões e até mesmo ter suas atividades interditadas.

Diante disso, é óbvio que a grande maioria prefira jogar tudo fora do que se arriscar a ter um problema enorme.

Para você ter uma ideia do grau de “cuidado” que essa lei exige, veja apenas duas das muitas regras:

  • Que o alimento a ser doado NUNCA tenha sido exposto.
  • Que o alimento obrigatoriamente esteja em temperatura abaixo de 6 graus negativos ou acima de 60 graus positivos.

O que isso significa na prática? Que restaurantes self-service eram obrigados a jogar TODA a sobra de comida do buffet porque trata-se de preparações que ficaram expostas.

A gente podia se servir e PAGAR pela comida exposta, mas o restaurante não podia DOAR justamente porque ficou exposta, sendo que EXPOR a comida é a característica principal do self-service. Quanta estupidez!

E quanto à temperatura então… chega a dar náuseas! Na prática, se um estabelecimento doar uma comida própria para o consumo, mas ela esfriar no caminho e ficar abaixo de 60 graus, poderá ser enquadrado em um crime de relação de consumo. Tem cabimento isso?

Então, segundo essa maravilhosa lei que “protege” as pessoas menos favorecidas, é melhor que elas passem fome do que comam alimentos cuja temperatura seja considerada “inadequada”…

Meninos, eu vi!

Conheci os donos de uma empresa de doces finos na década de 1990, quando as lojas de doces por peso viraram febre nos shoppings.

Lembro-me de que os chocolates eram pintados à mão, mas alguns deles não passavam no controle de qualidade por coisas irrelevantes, como por exemplo, uma carinha ter ficado com os olhinhos tortos.

No fim do dia, havia sacos enormes de balas, bombons e todo tipo de doce que, apesar de estarem próprios para o consumo, não podiam ser vendidos por não estarem perfeitos esteticamente.

Essa empresa reuniu um furgão cheio dessas sobras e doou para um orfanato, achando que as crianças ficariam felizes em receber doces finos (e deliciosos, por sinal), que não teriam condições de comprar.

Porém, diferentemente de um obrigado, a empresa recebeu um processo por parte do orfanato, que alegou que várias crianças tiveram problemas, como diarreia e dificuldades para dormir.

A questão é que, entre a doação e o processo passaram-se pouquíssimos dias, ou seja, os dirigentes do orfanato deram todos os doces de uma só vez para as crianças, sem nenhum critério e, dessa maneira, é óbvio que passariam mal! Não sobrou nem mesmo uma amostra da doação para ser periciada.

Era a palavra da direção do orfanato – uma “pobre instituição beneficente” – contra a de um fabricante de doces – “rico e cruel”.

A empresa teve de responder o processo, mas a coisa não parou por aí…

Depois disso, os donos decidiram jogar tudo fora e nunca mais doar uma bala sequer. Mas não foi o suficiente…

Tiveram de investir em um sistema de descarte “de lixo” onde todos os doces – mesmo próprios para o consumo – deveriam ser lacrados e colocados em um local onde ninguém pudesse ter acesso. Isso porque se alguém abrisse os sacos, comesse e alegasse ter passado mal, a empresa seria responsabilizada.

Além de ter atraído uma fiscalização burra que começou a ver defeito em tudo, a empresa teve de gastar muito dinheiro para jogar fora o que poderia ser doado.

Novos ares, menos estupidez

A partir de quarta-feira passada (24/06/2020) está vigorando uma nova lei onde a doação de alimentos não configurará mais relação de consumo.

Seguem informações publicadas no site da Agência Brasil:

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei nº 14.016/2020 que autoriza a doação de alimentos e refeições não comercializados por parte de supermercados, restaurantes e outros estabelecimentos.

Para ler a matéria completa, clique aqui.

Esta é apenas uma das leis absurdas que imperam neste país e que nos impedem até mesmo de ajudar a quem precisa.

Mas tudo isso travestido de regras “para a nossa segurança”.

A questão, meus caros leitores, é que quando o governo se mete em querer “cuidar de nós”, ideias ridículas como essa surgem.

Nós podemos nos cuidar muito bem e não precisamos de leis absurdas que regulamentem tudo o que podemos ou não fazer, o que podemos ou não doar…

No meu ponto de vista, estaríamos muito melhor se o governo fizesse a parte que lhe cabe e parasse de se meter na nossa vida particular.

Que se ocupem do saneamento básico, por exemplo, que muito político socialista – que diz defender os pobres – votou CONTRA…

Mas isso é assunto para outro post!

 

Para não perder nada, cadastre-se!

Coloque o seu melhor e-mail para receber nossos posts em primeira mão.

[jetpack_subscription–form]

 

Leia também: Virar o jogo é possível

 

Nos vemos!

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Muito bom esse post! Realmente, jogar comida fora, sendo que está boa para consumo, chega ser de um absurdo que parece até um grande pecado contra a humanidade, visto que há muitas pessoas que comem comida podre tiradas das latas de lixo. Quem nunca viu um mendigo tirando comida do lixo e colocando na boca? A fome dói e muito! Quem já passou fome sabe disso. Chega a ser ridículo o fato da comida exposta, como nos self- service, sendo paga está boa, mas para doar não? Que proprietário de estabelecimento de alimentos vai doar comida estragada propositalmente, sendo que isso pode acabar com o trabalho dele e o sustento da própria família dele? Realmente tem coisas muito mais importantes e que afetam a vida de muito mais pessoas como um todo que é o saneamento básico, por que é bem claro que sem saneamento básico, ocorrem muito mais doenças e atrai certos animais que transmitem doenças de todo tipo. População saudável é país evoluído e desenvolvido. Sem saúde, ninguém para em pé. Deveriam mesmo olhar para isso, com interesse genuíno pelo bem estar da população.

  • Gostei muito do alerta do post até para ficarmos atentos ao desiquilíbrio de muitas leis…que bom que esta lei foi corrigida a tempo…e está sendo uma mudança boa.

    • Infelizmente esta lei absurda vigorou por TRINTA ANOS!!!
      Nem consigo imaginar quantas pessoas foram prejudicadas e quanto desperdício aconteceu por conta de uma burrice dessas! Revoltante….

  • Meu marido trabalhou numa rede de restaurantes e dava um dó!!!! Toda a comida jogada fora!!!! Nem os funcionários podiam levar pra casa.
    Daí a gente vê pessoas morrendo de fome e percebe que essa equação está totalmente errada!!! Realmente, eu não sei pq as pessoas complicam o que é pra ser óbvio e simples!!!

  • Realmente é muita ignorância , trabalhei em uma rede de supermercado de classes A e eu ficava horrorizada com a quantidade de frutas, verduras e outras coisas ótimas que eles jogavam no lixo só porque os clientes “ricos” diziam que não servia para eles consumirem.

  • Eu ficava revoltada de ver no supermercado o atendente de frios jogar o final da peça no lixo, e ele não tinha culpa, mas não podia nem levar para a casa , era lixo mesmo. Bom saber que a Lei mudou e daqui para frente vai ser diferente .

  • A palavra que vc usou traduz isso, estupidez, quer dizer, a comida não fica exposta pra quem vai pagar?! Fala sério! Em meio a essa pandemia haverá eleições municipais, será que os mesários terão o direito de “escolher” trabalhar? Desculpa o ter mudado o foco mais ao mesmo tempo digo que é tudo muito empurrado guela abaixo e tudo muito contraditório…

  • Minha mãe trabalhou na cozinha de um estaleiro por alguns anos. E realmente ela dizia que dava muita pena de ver o quanto era jogado fora todos os dias. Tabuleiros inteiros de lasanha, empadão, quilos e mais quilos de carnes, arroz, macarrão… Fora a comida da diretoria, que era mais requintada. Nem os funcionários podiam levar para casa, mas eles sempre davam um jeitinho de trazer, escondido pq se não era justa causa. E era uma época que comíamos muito bem em casa, e ainda dividimos com familiares e vizinhos.kkk Não podia dar a comida nem para os cachorros que viviam na saída do estaleiro, pq se o cachorro morresse, alguém podia se aproveitar para processar a empresa…

  • Incrível Patrícia, muito bom olhar as coisas com outras perspectiva, parabéns pelo post!

  • Eu vivi isso na pele, quando trabalhei de balconista de padaria, era obrigada a jogar os pães passados fora, quando minha vontade era levar pra casa e comer com muito gosto. Ao invés disso, tinha q pagar valor normal do pão.

  • Antes de falar dessa lei que tal consultar pessoas que entendem da mesma? Nutricionistas, Engenheiros de Alimentos e outros profissionais? A lei existia para resguardar a vida e a saúde dos consumidores e sim, mesmo que não tenham pago pela comida, entende-se que existe uma relação de consumo.
    Infelizmente não basta olhar para um alimento e achar que ele tem um bom aspecto, existem diversos fatores, exposição ao tempo e temperatura que condicionam o desenvolvimento de microrganismos que causam doenças.
    Isso é muito sério. Doenças veiculadas por alimentos podem matar: crianças, idosos, gestantes e pessoas com problemas de imunidade. Se eu pensar apenas em mim (que não sei que doenças possuo) e “sou jovem” e no máximo vai me causar uma dor de barriga, eu estarei sendo irresponsável e egoísta ao não lembrar que existem pessoas mais vuneráveis do que eu.
    A lei não era inútil e temo pelo o que virá pela frente.

    • A lei é absurda em um país onde milhões de pessoas (MILHÕES) passam fome e outras milhares se alimentam literalmente de LIXO. A possibilidade de que algum alimento cause dano é infinitamente menor do que a certeza dos males da fome (tanto físicos quanto psicológicos). As toneladas de alimentos próprios para o consumo que eram jogadas no lixo chegam a ser imorais em um país extremamente desigual como é o Brasil. Se estivéssemos na Suíça eu teria um posicionamento parecido com o seu, mas aqui, impossível…

  • Eu não sabia dessa lei . Mas não entendia porque vejo restaurantes jogando comidas limpa no lixo e moradores de rua comendo no lixo . E foi quando eu vi essa realidade que parei de jogar comida no lixo . Para mim confesso que foi muito triste quando pela primeira vez vi uma pessoa comendo comida no lixo … Mas agora entendi porque os restaurantes preferem jogar comida no lixo , que doar . E como você falou no post comida que compramos e se estiver estragada vai nos fazer mal e está exposta e compramos assim mesmo. Mas é engraçado que não serve pra ser doada . Mas graças a Deus pela nova lei . Gostei de ter visto esse artigo …. E , na espectativa de lê o próximo post . bjsss

  • O governo precisa fiscalizar e a sociedade civil participar ativamente no debate e na execução.

    Alimentos devem ser doados independente de lei, levar a cesta básica ao pobre ninguém quer. Nao precisa ser so o restaurante, nos em nossas casas também.

    (Que se ocupem do saneamento básico, por exemplo, que muito político socialista – que diz defender os pobres)
    Em relação a frase do saneamento básico DISCORDO, uma coisa e que acreditam que a iniciativa resultará na privatização da água a partir da venda de empresas públicas ai sabe quem vai pagar o pobre.

    • Talvez por falta de pontuação, não entendi qual é a sua opinião em relação ao saneamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *