Vem aí o Dia Internacional da Mulher que, pelas prévias das comemorações, mais parece se referir ao Dia Internacional da Militante. Por quê?

Dia Internacional da Mulher ou dia da militante?

Como resultado do trabalho de homens e mulheres no passado, hoje, temos acesso a praticamente tudo que quisermos.

Nós, mulheres, não tínhamos a liberdade e nem a igualdade de direitos que temos hoje e, de fato, isso é muito bom.

Porém, estudando a história, vemos que tudo foi alcançado com trabalho e união de homens e mulheres.

 

Apesar de alardearem de uns tempos para cá que as conquistas das mulheres vieram de militância, gritaria, rebeldia e luta contra os homens, a história diz o contrário.

Por exemplo, no meu quinto livro – Sucesso não cabe na bolsa – conto a história das cinco filhas de Zelofeade, um ex-escravo hebreu, contemporâneo de Moisés durante a saída do Egito rumo à Terra Prometida.

Em resumo, essas cinco mulheres, que eram órfãs de mãe, perderam o pai antes de receberem a herança em Canaã.

Por consequência disso, segundo a lei, teriam de viver de favor com algum parente até se casarem.

Isso porque, naquela época, filhas mulheres não podiam herdar terras, mas apenas filhos homens.

Ou seja, até que se casassem, não teriam onde morar e viveriam da dependência de algum parente que as quisesse acolher.

Eventualmente teriam até que viver separadas, pois era mais provável que um parente aceitasse sustentar uma ou duas delas do que todas as cinco.

Mas o que elas fizeram em uma época em que, segundo a cultura da sociedade (e não segundo as leis de Deus), as mulheres só serviam para ser mães?

Elas fizeram manifestações? Queimaram suas roupas? Exibiram seus corpos no meio do acampamento dos hebreus para chamar a atenção? Não, nada disso…

As cinco filhas de Zelofeada deixaram as emoções de lado e agiram com a razão. E é isso que traz resultado.

 

Trabalho em conjunto é diferente de militância

Surpreendentemente, elas foram até o próprio Moisés para expor a sua demanda.

Disseram a ele, diretamente, que achavam injusto o que a lei determinava e que queriam ter direito à herança de seu pai.

Moisés as ouviu, considerou a lei, mas também levou em conta o que as mulheres demandaram, afinal, fazia todo sentido.

Posteriormente, ele consultou a Deus que, em resposta, disse que elas estavam certas e que deveriam ser atendidas.

Dizem por aí que a Bíblia é machista e querem até mudar as verdades nela escrita, mas isso é pura ignorância.

O próprio Deus nos criou dando-nos os mesmos direitos e, diferentemente do que se diz por aí, foi a sociedade que tolheu a mulher e não Deus.

E quanto às filhas de Zelofeade, Moisés obedeceu à ordem de Deus e não apenas atendeu às cinco, mas mudou a lei para que todas as mulheres passassem a ter direito.

Portanto, não foi a militância que trouxe resultado naquela época, assim como não é essa imposição de termos que brigar por tudo e qualquer coisa que traz resultados.

Não é a divisão que traz as conquistas, mas sim, a união.

Porém, ao contrário disso, as imagens em “comemoração” ao Dia Internacional da Mulher do ano passado seguiram esta linha:

 

 

São imagens de mulheres (e até uma criança) sempre de cara amarrada, expressando raiva, literalmente agredindo o homem e com uma imagem masculinizada.

Ah, diga-se de passagem, as ilustrações acima são de um homem…

É triste ver que este ano seguimos na mesma toada, com imagens de mulheres de punho cerrado, cara feia, difíceis até de discernir se são mesmo mulheres ou homens.

Será que é isso que queremos? Nos transformarmos em homens, sermos raivosas, violentas e termos a fama de briguentas e barraqueiras?

Sobretudo o que iremos ver no próximo dia 8, deve estar o nosso raciocínio, a nossa cultura e o nosso querer e não aquilo que essa sociedade absurdamente hipócrita quer nos impor.

 

Nos vemos!

 

Confira o post anterios clicando aqui.

 

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Jornalista, especialista em finanças e autora de 5 best-selleres. Colunista do portal R7 e apresentadora do JR Dinheiro, no Jornal da Record.

  • Bom dia Patrícia!
    Falei sobre isso ontem com meu marido e ele disse: se prestar atenção verá que é uma minoría.
    A maioria das mulheres estão desempenhando seu papel. Cuidando da casa, do marido, dos filhos, trabalhando fora.
    Essas feministas, um bando de suvaco peludo, expondo seus peitos e se achando mulheres.
    Neste mesmo livro que vc cita as filhas de Zelofeade, tem um capítulo inteiro que fala sobre a mulher virtuosa de Provérbios 31. Espetacular. Essa tbém pode ser utilizada e copiada para celebrar o nosso dia.
    Beijos!

    • Ser a mulher de Provérbios 31 é difícil, é mais fácil gritar na rua pela falta de direitos imaginários, afinal de contas, existe algo que alguma lei nos proíba de fazer?

  • Bom dia querida! Eu amo ter nascido mulher e nunca tive problema nenhum em estudar, trabalhar, já tive vários empregos, sempre trabalhei com homens e nunca me senti dimunuida ou nunca senti nenhum preconceito por parte deles por eu ser mulher, nunca precisei lutar por direito algum, pois sempre tive tds. 🤗🤗

  • Ótimo texto, Patrícia. Por que será que querwm transformar as mulheres em homens, negando a natureza feminina e delicada da mulheres? Até desenhos animados agora mostram mulheres lutando entre si…

  • Olá Patrícia, boa tarde! Por mais que não se busque acessar nas redes sociais essas mensagens distorcidas sobre o papel da mulher moderníssima na sociedade, as postagens simplesmente “chegam” e é difícil ignorá-las. Penso que a alternativa é ler e descartar o que não faz sentido para mim. Relembro a juíza Debora, conforme Juízes 4:4-16, que era uma mulher virtuosa, mãe de família, profeta, temente a Deus e líder militar. Como líder, não se intimidou por ser mulher e ganhou o respeito dos líderes de Israel. Como estrategista, buscava maneiras de combater os inimigos, buscando inspiração junto ao Senhor, por isso tinha êxito em tudo que fazia. Como conselheira, era preocupada com as pessoas e sempre dava conselhos, discutindo e sugerindo soluções para quem estava com problemas. Acrescento o que está em Provérbios 31,10-12.16-18 “10.Uma mulher virtuosa, quem pode encontrá-la? Superior ao das pérolas é o seu valor. 11.Confia nela o coração de seu marido, e jamais lhe faltará coisa alguma. 12.Ela lhe proporciona o bem, nunca o mal, em todos os dias de sua vida. 16.Ela encontra uma terra, adquire-a. Planta uma vinha com o ganho de suas mãos. 17.Cinge os rins de fortaleza, revigora seus braços. 18.Alegra-se com o seu lucro, e sua lâmpada não se apaga durante a noite.” Abraços!

  • Olá Patrícia!
    As mulheres foram corajosas em lutar pelos seus direitos, trazendo resultados positivos para a sociedade, mas isso, não a torna masculina, é ridículo representar a conquista feminina dessa maneira. Vamos fazer valer a história das mulheres, que sacrificaram suas vidas para nos proporcionar uma vida melhor, não deixar a sociedade impor nossas conquistas dessa forma, mulher nunca foi, e nunca será homem!

    Grande abraço.

  • Um dos melhores posts que já li na vida!!!! Sensacional!!! Isso sim é ser mulher!!! Obrigada por compartilhar e fico feliz em saber que penso como você!!! Essa sociedade não vai me mudar!!!!

  • PERFEITO…. TENHO UMA FILHA ADOLESCENTE E O QUE VEJO É QUE OS FORMADORES DE OPINIÃO TENTAM MANIPULAR ESSAS MENINAS A SE TORNAREM MILIANTES E NÃO MULHERES, INFELIZMENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *