Um tiro no pé!

As leis trabalhistas estão aí para defender os funcionários. Mas você já pensou no que as empresas podem fazer para não serem vítimas de ex-funcionários mal intencionados? Será que o feitiço não irá virar contra o feiticeiro? 

artigoEsta semana me deparei com a notícia de que a C&A terá que pagar horas extras a uma ex-funcionária. Até aí, nada de mais. Mas o que me chamou a atenção – e me fez ficar (de novo) grená! – foi o motivo das tais horas extras. Entenda o caso:

 

O que a funcionária alegou: que levava 30 minutos para colocar o uniforme e se maquiar pela manhã e que a empresa só permitia que ela batesse o ponto uniformizada e maquiada. Além de ter de chegar meia hora mais cedo, na hora de ir embora, batia o ponto, mas permanecia na empresa por mais 30 minutos para tirar o uniforme e a maquiagem e poder, definitivamente, ir embora.

O que a C&A alegou: que o uniforme era somente uma calça e uma camisa polo e a maquiagem exigida era base, lápis de olho e batom e que isso não levaria mais do que 5 minutos.

Resultado: primeiramente o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) achou indevida a petição da ex-funcionária, mas ao entrar com recurso, ela acabou ganhando no TST e a C&A teve de pagar as tais horas extras.

O que eu acho (e você não é obrigada a concordar comigo): todo mundo deveria chegar pronto ao trabalho. Eu chego e todo mundo que eu conheço chega. E, até onde sei, ninguém morreu por causa disso… Qual é o problema de ela já ir maquiada? E, mesmo que não fosse, por qualquer motivo, será mesmo que se gasta 30 minutos para vestir uma calça, uma camisa e passar base, lápis e batom?

Ressalva: e ainda que isso fosse incrivelmente verdade, quem gostaria de ter uma funcionária tão lenta como essa?

Mas o pior vem agora: você acha que as empresas vão deixar isso barato? Você acha que, agora que o antecedente foi criado, as empresas não vão se armar contra os próximos possíveis pedidos de indenização por causa disso? Você acha que eles vão tirar o dinheiro dessas perdas de onde? Do bolso deles? Ou você acha que, se a moda pegar, eles não vão cortar custos demitindo pessoas, baixando salários nas novas contratações e cortando benefícios? Ou ainda: aumentando os preços dos produtos que já estão caríssimos neste país? Isso foi dinheiro no bolso de uma pessoa e um tiro no pé de todos os trabalhadores.

Quem vai pagar essa conta somos todos nós, de um jeito ou de outro. É preciso rever esses conceitos sobre o que realmente beneficia os trabalhadores e o que só cria areia movediça para os próprios se afundarem. Sinta-se livre para comentar, pois creio que o assunto merece uma boa análise com todo tipo de opinião. 🙂

Nos vemos!

Jornalista com atuação no Brasil, Inglaterra, Argentina e Israel. Autora do best seller Bolsa Blindada e palestrante na Universidade de Harvard.

  • Carolina diz:

    É inacreditável o que esse TRT fez. Por isso que eu acho que a Justiça do Trabalho protege em excesso ao funcionário.

    • Rose diz:

      É desculpa de quem quer ganhar dinheiro fácil! Minha nora entra no trabalho de madrugada, já sai maquiada e de uniforme de casa, e não reclama disso!

  • DANIELE diz:

    a verdade e que muitas pessoas nao tem compromisso com seu trabalho, são verdadeiras oportunistas e assim acabam prejudicando os demais.

  • Cássia Djanira diz:

    Eu acredito realmente que ela já poderia ir maquiada, até por que se pedia maquiagem simples.Ao meu ver ela quis um dinheiro extra .

  • Luiza Freire diz:

    Isso é algo que pode até ter a ajudado hoje, mas cria uma mancha na carreira dela.
    Caso ela vá procurar uma nova colocação no mercado, isso soará muito ruim.

    Não vi como válido ela mover um processo contra a marca por conta desses minutos, pois ela poderia já ir maquiada e uniformizada de casa (contando que lojas como C&A não costumam contratar funcionários que morem longe do posto de trabalho).
    :$

  • Kátia Bernardes diz:

    Ei Pati, concordo com você em gênero, número e grau! Achei de super má intenção o que essa garota fez e tenho certeza que por mais que tenha ganhado dinheiro com isso, como foi ilícito, ela não terá proveito algum dele.
    Outra coisa que acho errada é a pessoa querer sair da empresa e, ao invés de pedir as contas, quer que a empresa a demita porque “não pode perder o FGTS”. Eu acredito que todos têm direitos e deveres. O dinheiro do trabalhador dispensado sem justa causa é receber todos os benefícios que a lei se concede, mas se ele quer abandonar a empresa, que receba também os dias trabalhados e equivalências. Como a empresa não pediu e não quer que ele saia, ela não deve pagar tudo o que ele quer. O problema do brasileiro é que quer levar vantagem em tudo sempre! Ah, e ainda falam mal da Dilma! kkkkkkk

    • Patrícia Lages diz:

      Pois é, em TUDO culpam o governo, mas e esse tipo de coisa? Esse querer levar vantagem é algo cultural e independe de governo, de Dilmas e de Aécios. É que é mais fácil culpar os outros, né?

  • Luciane diz:

    Por causa de um, todos acabam saindo no prejuízo.
    Não sei se é cabe o meu comentário, mas isso aconteceu na empresa onde minha amiga trabalha. Nesta empresa eles pagavam a faculdade dos funcionários que tivessem mais de um ano de casa e auxiliavam todos em cursos de idiomas e etc., uma bela funcionária fez toda a faculdade e curso de inglês pago integral pela empresa (ela era a funcionária mais antiga) e após os 4 anos de faculdade e de inglês e quando a empresa pagou a última mensalidade a abençoada para não falar o contrário, pediu demissão e foi pra outra empresa alegando que lá não tinha mais nada a oferecer a ela, porém mediante isto o diretor cortou o benefício a todos os outros funcionários e a empresa nunca mais sequer auxiliou em mais nada os colaboradores, ou seja pela má fé de uma todos os outros pagaram.

    • Patrícia Lages diz:

      Comentário muito oportuno. É claro que a empresa esperava que ela desse retorno desse investimento todo. A pena é que outros não terão o que ela teve…

  • Maria diz:

    Isso demonstra, que ela não só queria o dinheiro e sim se vingar de algo ou alguém, sem pensar nas consequências mais sim nas emoções que dominava aquele momento.

  • Adriana Oliveira diz:

    Nesse caso eu concordo em tudo com você mas há outras lojas que realmente merecem pagar e muito aos funcionários. Ex.: O Mc Donald`s meu esposo trabalha em um Shopping muito conhecido e que tá crescendo muito na zona Norte do RJ (inclusive comprou um espaço e fará mais uma extensão)voltando ao Mc Donald`s eles fazem jovens puxarem como burros de cargas caixas que na expressão de seus rostos tem que fazer força para levar até a loja (inclusive moças, o que eu acho erradíssimo pois a mulher não foi feita para carregar pesos. Sempre ensinei isso aos meus filhos homens)e para me estender mais um pouquinho esse Shopping também merece e muito ser multado e indenizar os funcionários pelas péssimas condições de trabalho, de acomodação para seus funcionários e a água meu esposo tem que levar de casa pois está sem condições de ser ingerida. A Fiscalização vai lá eles são multados mais continua a mesma coisa, ontem estourou a tubulação de esgoto dentro da Loja Casas Bahia que passa por cima foi… pra tudo que é lado, mês passado quem tinha sido premiada foi a Loja C&A por isso que tem empregadores que merecem e pedem para serem processados. Pronto falei. E o Shopping é o Norte Shopping.

  • cristina diz:

    Com isso daqui a pouco as empresas irão contratar somente homens. Ainda tem aquela lei de estabilidade para gestante na experiência, onde eu trabalho uma menina se aproveitou desta lei. Ela era estagiária e foi contratada como funcionária e aos 2 meses de contrato de experiência ela já estava grávida de 2 meses, fez tudo de caso pensado. Agora a empresa não quer mais efetivar as estagiárias.
    Essa legislação trabalhista é uma piada, tem muitas brechas e os “espertinhos” ficam tirando proveito (tanto funcionário como empresários). Acredito que devem ser revistas essas lei de 1900 e bolinha e colocar a coisa de forma justa para ambos os lados.

    • Patrícia Lages diz:

      Concordo 100%

  • Joyce diz:

    Estou impressionada que o TST tenha reformado a sentença das instâncias inferiores… o problema aí também pode ser a prova produzida em audiência. Tenho sido preposta pela empresa em diversas audiências trabalhistas e não é raro ex-empregados se unirem para mentir e levar vantagens indevidas da Justiça. O estranho é que já existe uma súmula que isenta o pagamento de horas extras (366 TST) até 10 minutos por dia (que parece ser o razoável para trocar uma blusa e uma calça e fazer uma maquiagem simples dessas). Por isso acho tão importante que você ao comentar sobre finanças, sempre reforça “valores”, pois muitas pessoas passam por cima em troca de algumas cifras…

    • Patrícia Lages diz:

      Obrigada pelo comentário! Eu li que os 10 minutos são toleráveis e a empresa alegou isso, mas nesse caso, como vc mesma matou a charada, a ex-funcionária “provou” com testemunhas que levava mais de 30 minutos antes e outros 30 depois. Nesses casos a justiça não deveria se basear no que as pessoas dizem, mas no que é crível e o que não.

  • Elisangela diz:

    Como pode ter pessoas tão oportunistas, no meu ver e obrigação do empregado se apresentar no trabalho já pronto! E o mínimo, depois reclama que o salário no Brasil ta pouco, que não há emprego etc… Também com funcionários assim… pelo amor…..

  • Fabiane Vinhal diz:

    Patrícia, sou advogada especialista em Direito do Trabalho e não concordo com a decisão do TST, embora sem ter acesso aos autos fique difícil saber exatamente o que motivou a decisão. Porém, o que percebo é que nos casos em que o empregado dá uma de espertinho e consegue êxito em direitos duvidosos como este o empregador não tem respaldo, documentos comprobatórios.
    O que eu sempre aconselho os empregadores é que documentem a relação de emprego e não faça favores, faça o que a lei lhe prescreve, pois qualquer precedente pode virar direito adquirido.
    Enfim, é da cultura do brasileiro querer tirar proveito em tudo, por isso quanto mais o empregador estiver respaldado mais evitará transtornos com empregados maliciosos.

    • Patrícia Lages diz:

      Muito obrigada pelo comentário. É sempre bom termos uma opinião profissional!

  • Simone Tateishi diz:

    Trabalho em escritório de contabilidade e, sinceramente, acredito que os dois lados falharam, e falharam feio. Tem muito patrão picareta por aí que realmente dá vontade de denunciar ao MTE, mas a ética não permite, e muitos funcionários idem. Então, os instruímos conforme as Leis vigentes, mas mesmo assim, eles pensam que podem criar as próprias leis e a gente só descobre quando há denúncia dos funcionários nos sindicatos ou no próprio MTE. Damos nova chance e, na terceira reunião sobre o mesmo assunto, já vi clientes grandes serem dispensados. SE cada um fizesse a sua parte como deve ser feita, nosso país não sofreria tantos abusos exploratórios como vemos estampados em tudo quanto é jornal, mas é mais fácil colocar a culpa na corrupção do governo do que olhar e reavaliar as próprias atitudes…

    • Patrícia Lages diz:

      As leis são criadas para os transgressores, se todos realmente fizessem sua parte não precisaríamos delas. E vc está super certa: cada um deveria cobrar de si mesmo a honestidade que cobra dos outros.

  • Patricia A. Albuquerque diz:

    O que mais me entristece é saber que quando alguem vem pedir serviço, faz uma experiencia, e concorda com o serviço, tudo é lindo, voce a registra e tudo muda, todas as perguntas que são feitas com o RH caem por terra.
    Falo isso porque sou encarregada numa firma e INFELIZMENTE, já ví muitas pessoas falarem algo, e serem diferentes.
    MUITO TRISTE, principalmente se o emprego for numa firma de nome, porque se for na vendinha do ´seu`Zé ninguem procura [seus direitos]
    att mais

    • Patrícia Lages diz:

      O ruim é quando as pessoas agem de ma fé. Seja com o grande ou com o pequeno, má fé é algo que realmente entristece!

  • Sabrina diz:

    Sou ex funcionária da C&A Modas, e concordo com você Patricia ela é muinto lenta mesmo, pois eu não gastava nem 10 minutos para trocar de uniforme e me maquiar. bjs

    • Patrícia Lages diz:

      Muito obrigada pelo comentário. Pena que a “justiça” acha que essa moça teve razão…

  • joselene lima diz:

    A justiça do trabalho sempre irá beneficiar o trabalhador.Talvez a moça não gostasse de maquiagem, por isso precisava de tempo para maquiar-se e para retirar a make e com isso passava mais tempo no local de trabalho. Ninguém é obrigado a gostar de maquiagem, concorda? Eu particularmente adoro andar maquiada, mas nem todo mundo gosta, fazer o quê? Acho que as empresas devem respeitar o gosto de cada um, conheço mulheres que ficam lindas sem nenhuma maquiagem no rosto. Nesse caso eu também daria ganho de causa para a moça em questão.

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: