Tenho capacitação, mas não consigo emprego

É cada vez maior o número de pessoas formadas que sofrem com o problema de não conseguir ingressar ou se recolocar no mercado de trabalho. O que está havendo?

 

 

306302_2011081643Primeiramente preciso alerta-la sobre o fato de que, provavelmente, este será um dos meus posts mais impopulares, ou seja, muitas pessoas não vão gostar… Mas acima dos gostos pessoais está a questão de alertar  sobre esse problema que tem acontecido aos montes.

O que vai tornar este post tão impopular é a questão de que nem todo mundo que se diz capacitado está mesmo capacitado… Me entristece muito ver em que situação muitas pessoas se encontram. Acompanhe meu raciocínio lendo algumas mensagens que têm chegado a mim.

“Patricia, fis faculdade mas não consigo arranja emprego mim ajuda a sabe como resolve ese poblema por favo o mercado é muito injusto hoje em dia”.

Como ajudar a resolver essproblema? Será mesmo que é o mercado que está sendo injusto? E como responder a uma pessoa que escreve:

“será que tem jeito de arruma enprego sem te que faze redação? Esiste  alguma lei que proibe as empreza de exigi redação nas entrevista de enprego? Acho devia ter! Meu trabalho não tem nada haver com redação. Meu diploma devia se mais respeitado!”

Enquanto não trabalharmos nos alicerces, não será possível levantar a casa. Enquanto não investirmos na construção de estruturas sólidas, nenhuma parede estará segura. E não é só um problema de escrita, mas na comunicação em si. Será que você conseguiria entender a conversa baixo? Eu simplesmente não consegui entender, nem muito menos responder…

“Patricia, você conhece algum caso, assim, de alguém… de alguma pessoa, assim… tipoooo, amiga sua, colega sua, que tenha trabalhado com você… Tipo… pode ser um parente também, qualquer pessoa que necessite desse trabalho que eu estou fazendo… que pudesse estar interessada e tudo… Entendeu? Entããããããão, você pode me responder?”

capaz

Estamos na era da comunicação, das redes sociais, da globalização, mas cada vez mais pessoas acham que um diploma significa capacitação plena. Estou falando de pessoas formadas que têm esse nível de comunicação e não sabem porque estão desempregadas ou num emprego inferior ao que julgam merecer!

Na vida real só permanece aquele que realmente demonstra – na prática – ser capaz. Pintar a casa para cobrir o mofo não adianta, pois com o passar do tempo, a pintura nova vai dar espaço ao mofo outra vez… É isso que muita faculdade tem feito por aí. Recebe as mensalidades, mas não capacita de verdade. Não reprovam o aluno para não perderem o cliente.

Não fique acomodada porque tem um diploma, vá à luta. Um diploma é apenas o comecinho, o restante da sua jornada é você – com seus talentos – que vai trilhar.

A vida não é uma superfície plana cheia de árvores frutíferas ao longo do caminho. A vida é um caminho tortuoso, que temos que seguir sem mapa, sem GPS, sem manual de sobrevivência.

Capacite-se de verdade. Estude sempre. Foque em aprender o que você tem tido dificuldade e vença os obstáculos. Olhe para si, seja humilde para reconhecer seus pontos fracos e trabalhe neles. Capacitação é uma coisa que teremos de fazer a vida inteira e não somente nos 4 anos de faculdade. Esteja sempre buscando ser uma versão melhor de si mesma.

E, por favor, reserve 40 minutos da sua vida para assistir esse vídeo do Professor Pier que pode mudar os seus conceitos, portanto, o seu modo de aprender e se capacitar!

Para receber nossas próximas mensagens…

Cadastre o seu e-mail agora!
Cadastre o seu e-mail abaixo e receba todas as nossas novidades!

Nos vemos!

Jornalista com atuação no Brasil, Inglaterra, Argentina e Israel. Autora do best seller Bolsa Blindada e palestrante na Universidade de Harvard.

  • Cássia Djanira diz:

    Meu Deus!
    Acredito que a escrita é a base de tudo.

  • Laura - Portugal diz:

    Gostei Patrícia!!

    É a mais pura realidade! Normalmente o mais fácil é culpar o mercado de trabalho, do que reconhecer que, quem precisa aprimorar os conhecimentos e investir nos meu talentos sou eu mesma.

  • Gessica diz:

    Genial, Patrícia! É cada dia mais comum pessoas se escondendo atrás de um pedaço de papel, mas sem a capacitação que lhes é esperada! Acredito sim que TODAS as pessoas têm o DIREITO de ter acesso a educação formal, a um curso superior, caso queiram. Isso NÃO significa que todos precisem de um diploma pra provar sua competência – nem todo mundo tem vocação pro academicismo.
    Acredito que falta no Brasil um investimento maior em cursos profissionalizantes, que ensinem às pessoas um ofício, uma profissão e não que sejam abertas mais portas de faculdades (vamos lembrar que o interesse do dono da faculdade é ganhar dinheiro!!). É de interesse do governo publicar dados de que X% da população tem curso superior para melhorar a imagem no contexto internacional, mas não é tão interessante EDUCAR essas pessoas! Fica a dica! Falei demais rsrs
    Bom dia

  • Angelica diz:

    Olá Patricia, o seu texto expressa o que penso, concordo com tudo.

  • Larissa diz:

    Bom dia!
    Patrícia esse post me lembra de quase três anos atrás quando era recém formada em direito e mesmo ja tendo a OAB não conseguia emprego porquê ainda não estava fazendo pós graduação ou não tinha concluido.
    Na época nao tinha condições de continuar estudando então comecei a atender meus primeiros clientes em casa e hoje consigo manter um escritório, uma funcionária alem de fazer a especialização.

    Beijos

  • patricia alvarenga de albuquerque diz:

    Bom dia, parabéns pelo post, eu assino também. Sou encarregada em uma firma, portanto entrevisto os candidatos e aparece cada um…. sempre se
    achando o máximo, o melhor o povo não tem humildade, acha que o diploma
    é a chave magica. Me lembro no meu tempo de escola, que todos os meses
    a professora de português nos dava um livro para lermos, fazer um resumo,
    e tinha uma prova sobre a historia. Hoje em dia nas escolas os alunos
    escrevem errado, e ainda passam .
    É uma vergonha para o país.[ Os seus posts me ajudam muito, obrigada!]
    Beijos

  • Alessandra diz:

    Perfeito!!!!
    A base é fundamental em tudo!!!!

  • DENISE diz:

    Vou trabalhar neste meu problema! Obrigada!

  • Leidy diz:

    Adorei o post Patricia!

    Realmente sempre precisamos nos capacitar, elevar nosso nível, se atualizar e nunca estagnar!
    um grande beijo!!

  • Edy diz:

    Patriciaaaa , que vídeo maravilhoso!!! Como eu estava errada

  • Vânia Maria Gabriel de Souza diz:

    Patricia, bom dia,
    O seu “post” está perfeito!
    O vídeo do Professor Pier diz tudo! Também quero aprender a ser inteligente, cimentando mais ainda o “saber escrever bem”.
    Beijos e bom dia!
    Vânia

  • Edy diz:

    Patriciaaaa , que vídeo maravilhoso!!! Como eu estava errada

  • Giselli diz:

    Pati, esse post deveria ser o mais popular e não impopular.
    É triste ver a quantidade de pessoas que mal dominam a escrita da sua própria língua. Sinto até uma dor no coração quando leio certas coisas.
    Assino embaixo do que disse e compartilho pra que muitos amigos venham ser ajudados.

  • Dália diz:

    Patricia, muito obrigada pela vídeo educativo. Muito bom

  • Juliana de Oliveira Fagundes diz:

    Patricia,

    Estou assistindo ao professor Pier, não o conhecia. Adorei a didática que ele tem para nos explicar por exemplo sobre a diferença entre aluno e estudante e ele ressalta o quanto é importante lermos.
    Gostaria de indicar o Mário Sergio Cortella, ele também é ótimo.
    Leio todos os dias seu blog.

  • Carla diz:

    Amei esse post e me surpreendi com tanta falta de noção das pessoas que não enxergam o erro que cometem.

  • Grazielle diz:

    Patrícia sensacional este vídeo, estou maravilhada com tudo o que esse professor nos ensinou, vou comprar os livros dele, e vou dar um pra minha filha assim que ela aprender a ler, pois ela tem 6 anos e já percebo que ela tem interesse por ler, pois já comprei vários livros infantis pra ela, e ela ama, ela pede para que eu e o meu esposo contemos história para ela todas as noites, e são os livros que eu comprei, que são da história de José do Egito (ela é apaixonada pela história de José, nos assistimos na Record), e um livro que tem as histórias da Bíblia, e ela gosta muito, graças a Deus.
    Muito obrigada por essa oportunidade que você tem nos dado a cada dia, e eu descobri o prazer de ler só depois de adulta, mas esta valendo muito.
    Um grande beijo.

  • Priscila diz:

    Bom Dia, Paty!!

    Concordo plenamente com você!

    Tenho procurado me capacitar!

  • Rosângela Nascimento diz:

    Bacana!

  • Thamires Vanderlei diz:

    É verdade Paty um diploma não diz quem sou. E conhecimento é uma coisa. Saber fazer ( sabedoria) é outra. Acredito que temos que estudar sempre. Que nos aprimorar sempre. Até aproveitando nosso cérebro que não tem limites. 😀

  • Danielle friash diz:

    Olá Paty!!! Mais Claro do que essa explicação não tem! E que bacana que você postou o video o Profº Pier, gosto dos videos dele…me ensinou a ver os estudos de uma forma diferente a ser ESTUDANTE e não um simples aluno… Ter o Diploma não lhe garante nada, pode até lhe dar um “cargo” mas atitude e conhecimento isso sim pode nos levar ao sucesso… Como diz minha mãe quem: ” Lê, fala e escreve bem vai Loooonge!!”. Abraços! :*

  • Suelen Silveira diz:

    Bom dia!
    Amei o post, faço curso superior a distância e com isso me tornei uma estudante é incrível a diferença, também tenho o habito da leitura diária.
    Esse post abriu ainda mais a minha visão, vou compartilhar com meus conhecidos.

    Obrigada!

    Suelen

  • Gislaine Tavares diz:

    Rsrsrs como essas pessoas escrevem não dá pra entender nada e ainda perguntam se você entendeu rsrsrs.

  • Regina Miranda diz:

    Fico triste quando vejo as pessoas escrevendo e falando assim. Parece que a nossa educação está caindo vertiginosamente. Tenho apenas 30 anos, e quando fiz ensino fundamental os alunos ainda podiam ser reprovados, o que ajudava muito, pois ninguém carregava erros tão grosseiros para as próximas etapas.
    Essa preguiça de fazer redação não é só de escrever, mas de ler e raciocinar também. Quando fazia entrevistas, via na redação uma ótima oportunidade da empresa me conhecer melhor, e eu poder expressar com mais calma tudo que não havia falado.
    Não sei escrever todas as palavras do português, as vezes dá um branco se alguma escreve com S ou com Z, mas logo vou ao dicionário procurar. As pessoas tem preguiça de revisar os e-mails antes de enviar para alguém. Parece que não estão preocupadas com que o outro vai ler ou entender.

  • Aline Matos diz:

    Sobre as faculdades é pura verdade. Me formei junto com pessoas, que não tinham noção nenhuma… Formada, segurando o diploma de Ciências Contábeis, sem saber qual que tipo de nota fiscal emitir para cada operação. Abraços

    • Adriana diz:

      Aline, somos duas, então. Nem tirei o CRC pois estou numa crise. Fiz o que não deveria ter feito… uma faculdade que serve ao banco aonde trabalho e não era o que eu queria fazer. Agora, todos falam de fazer pós a distância para aumentar a pontuação interna e concorrer a cargos maiores e eu, sinceramente, tenho me questionado fortemente o que eu quero mesmo ser quando crescer.

  • Hilda diz:

    Olá, Patricia, lamentável ouvir de uma pessoa que diz ter faculdade e escrever tão mal assim, infelizmente o nosso ensino não é dos melhores, mas as pessoas precisam se ajudar,1º reconhecendo que precisam de ajuda (neste caso aprender a escrever), 2º não se fazendo de vítima, 3º não jogar sobre os outros a responsabilidade pelos seus fracassos.
    Trabalho em uma lan house e sempre recebo muitos alunos do ensino médio e fundamental que me pedem para fazer pesquisas escolares, e quando pergunto qual o assunto a ser pesquisado, eles simplesmente me mostram um rascunho mal escrito, que eu não entendo nada, e quando novamente eu pergunto qual o assunto da pesquisa, simplesmente falam que a professora que mandou, mas não sabem decifrar sua próprias letras.Não dá pra aceitar esse tipo de descaso, né Patricia, Obrigada pelos seus post tem me ajudado muito, Beijos.

    • Patrícia Lages diz:

      Meu Deus!!

  • Silvana Miquelin diz:

    Olá Patricia,
    Adorei o post de hoje, já estava mais do que na hora de você falar sobre isso. Fico aqui do outro lado, lendo as mensagens que você recebe e me indignando como pode. Na minha opinião é inadmissível uma pessoa frequentar ou até mesmo se formar, sem ao menos saber falar ou escrever a própria língua. Será que a pessoa não consegue perceber, ou se percebe, tentar se atualizar? As vezes fico pensando, que talvez seja esse mundo virtual e de redes sociais que tem “emburrecido” as pessoas rs.
    Bjs,

    • Patrícia Lages diz:

      “Na minha época” (hahahaha) se alguém respondesse certo, mas escrevesse errado tinha a questão anulada. Acho que isso era fundamental para os estudantes, pois éramos obrigados a prestar atenção pra não levar bomba!

  • Priscila diz:

    Eu adorei!! Me identifiquei com esse post e agradeço por compartilhar conosco… Me encontro a um bom tempo desempregada mais não deixo de estudar, estou terminando um curso técnico e durante ele já terminei outro curso e pretendo no meio do ano ingressar na faculdade(todos os conhecimentos no mesmo ramo – saúde). Como já disse estou desempregada um bom tempo mas não desanimo, esta sendo difícil mais temos que olhar para o alvo que é o Senhor e o meu desejo é esta do jeito e no lugar que Ele deseja que eu esteja para que possa me abençoar com suas maravilhosa vontade!!!Esse deve ser sempre o nosso objetivo!!
    P.S Tenho o livro e mesmo sem renda fixa colo em prática todas as dicas!!!
    Mais uma vez o meu Obrigada!!

  • Fernanda Maldonado diz:

    Amei o post, principalmente o vídeo.
    Acabei de descobrir que sempre fui aluna e nunca estudante.

    • Patrícia Lages diz:

      Que bom que vc foi sincera em reconhecer. Tenho certeza de que de hoje em diante vc será uma estudante, pois já começou a entender o processo! Parabéns 😀

  • Imaculada Silva diz:

    Olá Patrícia!
    Excelente post e o vídeo então, nem se fala!
    Muito obrigada pelas suas dicas! Estou sempre aprendendo com elas.

  • geane diz:

    Pati desculpa, não consegui terminar de ler sem comentar, pessoas que se dizem tão capacitadas escreverem tão errado, é no mínimo estranho né?

  • Nayana Eduarda diz:

    Paty, que contribuição preciosíssima essa de você ter partilhado conosco o vídeo dessa brilhante pessoa que é o Professor (com “P” maiúsculo) Pierluigi Piazzi. Eu não o conhecia até então e realmente só veio acrescentar na minha vida. Muitas coisas que ele falou eu fazia e não sabia que estava errada, mais precisamente sobre o erro de estudar em véspera de provas. Muito obrigada por compartilhar esse vídeo, eu fiquei sem palavras para descrever minha alegria nesse momento. 😀 😀 😀 Deus a abençoe grandiosamente sempre!
    Bom, isso tudo me inspirou para te dar uma sugestão. Aqui em seu Blog até mesmo dicas jurídicas tem – para noooooossa alegria rsrsr – mas eu percebo que não há dicas na área da “saúde” para as leitoras. Eu venho acompanhando há um certo tempo o trabalho do Dr. Lair Ribeiro (não sei se você já o conhece) e no youtube existem milhares de vídeos dele, inclusive trechos da pós graduação em nutriendocrinologia funcional que ele ministra para médicos que tem uma linguagem simples, dá para qualquer leigo compreender e aplicar as dicas no dia a dia. Então segue o link: https://www.youtube.com/results?search_query=Lair+Ribeiro+sa%C3%BAde

    Beijos!!!

    • Patrícia Lages diz:

      Sim, o Prof. Pier é genial! Conheço o Dr. Lair Ribeiro sim, mas faz tempo que não o assisto, vou acessar o link, obrigada! 😀

  • Nayana Eduarda diz:

    Refleti aqui que talvez você pense: “Mas o que a área da saúde tem a ver com o meu blog?” Bom, ao meu ver, tudo. Assim como temos que buscar a saúde financeira, pessoas doentes fisicamente não terão condições de colocarem as dicas para tal empreitada em prática. Você já deu dicas em seu livro falando que comprar uma fruta por vezes sai mais barato do que comprar besteiras e é, sem dúvida, mais saudável. Por isso pensei em retribuir com a ideia de criar uma aba para assuntos de saúde por aqui 😀 Beijo!

    • Patrícia Lages diz:

      Eu sempre acho muito interessante falar de saúde, mas como não tenho formação nessa área, não posso desenvolver o tema por mim mesma. Precisaria de uma colaboradora da área disposta a esse fim e com tempo para dar atenção às blindetes. Não é uma tarefa fácil! 😀

      • Adriana diz:

        E a Kátia Cardoso que escrevia no blog da Cris? Lembro que tinha ela e uma colaboradora, acho que Fabíola, que tinha formação e alternava entrando posts da Kátia mais dia-a-dia e posts com a colaboração dela, mais embasados. Como elas não escrevem mais lá… (sei que é meio complicado pescar quem escreveu no blog de outra pessoa).

        • Patrícia Lages diz:

          Quem sabe… Rs…rs…

  • Nayana Eduarda diz:

    Pois é, pensei nisso também, para não correr o risco de transmitir informações erradas. Poxa, se eu tivesse essa formação contribuiria com o maior prazer (se fosse aprovada no teste, evidentemente rsrs) E eu no momento não tenho ninguém para indicar também, mas fica a dica aqui, PARA BOM ENTENDEDOR MEIA PALAVRA BASTA, se eu tivesse formação na área da saúde, sendo uma blindete, não perderia essa OPORTUNIDADE!!! (Será que entenderam? rsrsrs)
    Mas como não sou boba nem nada (como diria a Paty) já tenho uma outra sugestão de contribuição… mas essa eu só falo em mensagem privada kkkkk

  • Janaina Moura diz:

    Muito bom!!!! Sempre busci mais conhecimento do que já tenho. Estudei há 2 anos atrás, me formei e não conseguia um emprego na minha área, ficava tão triste porque os entrevistadores sempre me pediam experiência ( como vou ter experiência se não tenho oportunidade de desenvolver o que aprendi?), cada vez que me pediam experiência eu procurava me aperfeiçoar em algum curso que envolve minha área. Esse ano ganhei um presente de Deus!!! Depois de muito esforço consegui um emprego em minha área. Estou muito feliz e aprendendo muito. Conhecimento nunca é demais. Temos que fazer a nossa parte e esperar em Deus. Um abraço Paty e meninas…

  • Dayane Joon diz:

    Muito bom, vale a pena assistir!

  • Patricia diz:

    Patricia,

    como me mudei do Brasil há um ano e dois meses, eu passei a acompanhar blogs de outros emigrantes, assim como eu.
    Acho engraçado ver que algumas pessoas escrevem errado o português, de forma consciente, e ainda se desculpam dizendo que estão sem praticar a língua por um tempo. Ahh, por favor, né? Se ainda fosse na comunicação oral, tá ok esquecer algumas palavras. Mas na escrita, você tem tempo pra procurar, estudar, e se esmerar para escrever o certo. Por consideração ao leitor, no mínimo.

    Não cabem mais desculpas toscas na era digital. Já existem corretores ortográficos, dicionários online, sites de ortografia e gramática, e por ai vai rs.

    Adorei o post!
    Beijo
    Patricia, na Noruega. 🙂

  • Erika Queiroz diz:

    Patrícia, você disse tudo!!! E além da capacidade de escrita e comunicação, também o pensar, o saber fazer, o aprender a ser e a conviver, são pilares que estão sendo esquecidos pela grande massa da população, infelizmente.

  • Paula Nunes. diz:

    Nossa este post foi a fundo em tudo que pensamos e muitas veses não temos coragem de falar para aqueles que nos procuram com estes questionamentos.
    Mais uma vez adoro ler o que posta, como sempre blindete assumida.
    Obrigada.

    • Patrícia Lages diz:

      Blindete de carteirinha! 😀

  • Rosinei Ribas diz:

    Conheço várias pessoas que estão buscando freneticamente aprender outro idioma quando na verdade não conseguem falar o próprio idioma.
    Pior que ler erros absurdos é ouvir estes mesmos erros: a quantidade de fala é superior a quantidade da escrita.
    Percebo que as pessoas estão tentando escrever exatamente como falam.

    • Patrícia Lages diz:

      É isso mesmo, Rosinei. Vc ouviu o prof. Pier dizendo que quem fala errado, escreve errado? É bem isso…

  • Daniela diz:

    UAU Paty! Que maravilhoso esse post! Você está de parabéns, suas mensagens cada dia melhores. Todos os dias não vejo a hora de ler suas publicações, acho que você nem sabe o quanto nos ajuda! Muito obrigada. Que Deus te abençoe!

  • FERNANDA diz:

    Perfeito, Patrícia. Parabéns pela coragem e pela iniciativa de publicar esses comentários. Também amei o vídeo indicado. Precisamos ter humildade e olhar dentro de si e aprender antes de criticar ou se sentir injustiçado. Te animo a continuar escrevendo nessa linha em seu blog. Um abraço.

  • Michele diz:

    Concordo plenamente! Isso acontece também porque muitas pessoas acham normal e até legal escrever errado nas redes socias e no whats. Depois levam isso para o trabalho e os estudos. Acho um absurdo pessoas que tem estudo, falar, escrever errado e não saber se expressar. Sendo que na escola, no curso técnico e na faculdade é preciso ler muito! Observo isso no dia a dia, não se pode mais nem conversar com as pessoas! Dia desses estava conversando com uma colega de trabalho, crente que estava prestando atenção no que eu falava, mas não. A mesma não tirava os olhos do celular! Nem ouviu o que falava!!! Fico horrorizada, como as pessoas se tornam tão dependentes dessas tecnologias! Tenho facebook e waths, mas não me permito escrever errado e Graças a Deus não sou viciada nessas coisas! Um abraço!

  • Jéssica Costa dos Santos diz:

    muito obrigada querida Patricia, foi de grande valia !!!!

  • Carolina Ferreira diz:

    Muito bom este post, para mim bastante popular e necessário. O que você aborda Patricia é uma realidade. Precisamos estar sempre nos capacitando e o principal, buscando construir visão, através de planejamento, prática e muita determinação. Eu sempre me considerei uma estudiosa, gosto de participar de cursos de capacitação, mais se eu não tiver uma visão clara de onde quero chegar, pouco vai adiantar culpar o mercado. Deus a abençoe. Bom trabalho.

  • Jaqueline diz:

    Caramba que vídeo!!!
    Não conhecia esse professor,mas ele é muito bom.Tudo o que ele explicou esta correto e como entendi cada raciocínio com tanta clareza,me fez até voltar aos tempos de escola,e também digo: Eu deveria ter assistido esse vídeo antes.
    Agora vou aplicar tudo isso na vida do meu filho.Uma coisa me deixou feliz,sempre amei ler,e já estou colocando o meu filho no mesmo ritmo.Muito obrigada Paty,por tanta coisas boas que vcs nos apresenta!

  • Joselene Lima diz:

    Acredito que algumas faculdades particulares são as maiores culpadas por formarem esse tipo de profissional, afinal, para muitas delas se pagar está dentro (inclusive conheço pessoas que preferem comprar a monografia ou tcc do que fazer) e o pior: as bancas avaliadoras nem percebem e aprovam os alunos, um absurdo! Quero ver passar numa pública e escrever mal assim, duvido! Até hoje não conheço ninguém!

  • Patrícia diz:

    Olá, boa noite! E quando a pessoa não comete erros de português e mesmo assim não consegue emprego? Há pessoas que concluem um curso de nível superior com muita dificuldade e por isso nem sempre possuem condições de continuar estudando. O que fazer então?! Vagas de nível médio parecem não querer o candidato e vagas para a área de formação exigem experiência e/ou continuar estudando…

    • Patrícia Lages diz:

      Oi, xará! Quando digo que devemos sempre continuar estudando não me refiro a cursos pagos ou a pós, mestrado, doutorado etc. Mas a estarmos sempre prontas para aprender, selecionar bem nossa leitura e estarmos por dentro do que acontece. Sei que o mercado não é fácil, pois eu tb vivo nele. O que vc precisa é achar o seu lugar. Por exemplo: vc menciona que “vagas de nível médio parecem não querer o candidato”, mas o que eu tenho visto são empresas que dizem “não achamos candidatos para nossas vagas”. Vagas existem, mas as empresas estão encontrando pessoas e as pessoas não estão encontrando as empresas… Existe algum “vão” nessa comunicação, por isso minha dica é: quando for a uma entrevista de trabalho, pesquise a fundo o que aquela empresa quer e que tipo de candidato busca. Assim vc já terá uma ideia se o seu perfil se molda à vaga. Bjs

  • Moreira diz:

    Olá,tudo bem ?
    Estou desesperado ! Já fiz cursos profissionalizantes como informática e hardware, tenho inglês básico (rumo à intermediário) mas não consigo emprego. Durante a faculdade não consegui uma oportunidade e infelizmente tive que trancar o curso.
    Não tenho experiência, pois nunca trabalhei. Hoje me candidato á vagas “simples” que não necessitam de experiência e pedem no máximo informática, mesmo assim não sou sequer chamado para uma entrevista.
    Alguma dica? Não quero abandonar meu sonho de estudar novamente e trabalhar “no pesado” (como construção civil).

    • Patrícia Lages diz:

      Olá, Moreira. Pense em uma alternativa: se o mercado não tem reconhecido sua capacitação, que tal usar essa mesma capacitação para trabalhar por conta própria? Nos teremos no dia 12/03 um workshop sobre como ter seu negócio, informe-se aqui http://www.bolsablindada.com.br/shop

      • Moreira diz:

        Obrigado Patrícia, ótimos posts. Ficarei atendo para as novas oportunidades, como esse workshop.
        Obrigado.

  • Jackelinne diz:

    Olá patrícia, muito bom esse seu post.
    Eu li alguns comentários dos quais me identifiquei, sou recém formada e estou com essa mesma dificuldade, já que a área que eu escolhi quase não existe estágio (ao menos na cidade onde moro), consegui uma bolsa para cursar a minha pós graduação e mesmo assim não consigo nada, é um pouco desmotivador, já fiz projetos para familiares e conhecidos achando que serviria para portfólio, mas nada. O que me resta é ainda insistir pois sou nova e sei que ainda posso conquistar o “mundo”. Obrigada por compartilhar suas idéias.

  • Mark diz:

    Tais pessoas sempre existirão. E sobre quem de fato tem capacitação e mesmo assim não consegue emprego? Achei que o post seria sobre isso. Ou essa parcela culta, capacitada e desempregada em seu ramo de atuação não existe?

    • Patrícia Lages diz:

      Esse post era para as várias pessoas que “acham” que são capacitadas, mas infelizmente estão aquém. Há outro em que falo sobre os verdadeiros capacitados http://bolsablindada.com.br/sou-capacitado-mas-nao-arrumo-emprego/
      Como são posts de épocas diferentes, havia me esquecido do título anterior e acabei criando outro muito parecido. Espero que ajude! 😀

  • Jonh diz:

    Estudei numa faculdade pública extremamente concorrida, viajei, sei inglês fluentemente, todos os requisitos da maioria das vagas. Mas nada aparece. E quando vejo as pessoas que estão empregadas e conheço, não sabem nem escrever um texto. Algumas me pedem até ajuda para cálculos, me sinto injustiçado,oras, eu sei o que elas não sabem.
    O que acontece??

    • Patrícia Lages diz:

      Não sei se estou tocando no ponto certo, pois só tenho as poucas linhas que vc escreveu como parâmetro, mas vou extrair do seu texto uma frase que pode ser um indício do que acontece. Vc disse “nada aparece”. Bem, emprego, dinheiro, posição, empreendimento, nada disso “aparece”. Nós temos que expor nossas qualidades de uma forma positiva e fazer com que as empresas, pessoas, clientes enxerguem o que temos de bom e sejam despertadas e levadas a nos dar uma chance. Sentir-se injustiçado é o primeiro pensamento que vem à mente, mas deveria ser o último, pois não vai ajudá-lo em nada. O fato de vc ter conseguido se formar numa faculdade concorrida, ter tido a oportunidade de viajar e falar outro idioma é privilégio de poucos e, com isso, outros tb poderiam se sentir injustiçados por não terem tido as oportunidades que vc teve. É uma questão de pontos de vista que só servem para acalorar discussões, mas não trazem resultado efetivo. Foque no positivo, vá em busca da vaga que vc quer e não espera nada aparecer. Abs!

      • Jonh diz:

        Concordo em partes. Ninguém pode falar que fui privilegiado, sou pobre e me esforcei muito pra conseguir, esforço em dobro. Ainda moro em periferia. Ainda me esforço muito em busca do primeiro emprego, nunca esperei cair nada no meu colo, até porque aqui não cai nada pra gente.
        A seleção do mercado de trabalho,hoje, não seleciona nada mas segrega. Você não precisa saber nada de sua profissão mas tem que ter um Q.I.

        • Patrícia Lages diz:

          O privilégio a que me refiro é em relação às demais pessoas da sua mesma região que não tiveram essa oportunidade. E não tiveram exatamente porque não fizeram o que vc fez. Privilégio é algo que se conquista e não ter algum conhecidos influentes (QI). Faça o mesmo esforço que fez para os estudos (sem QI) que vc vai conseguir trabalho (sem QI)!

  • Gabreil Kesslerde Souza diz:

    e como fica um pobre como eu que estudou, gastou seu dinheiro suado de todos os dias. Não valeu de nada para mim estudar o que eu quero é emprego essas poesias de conhecimento não vale.

    • Patrícia Lages diz:

      Olá, Gabriel. Aqui vai uma resposta sem “poesia”: vc gastou todo o seu suado dinheiro para simplesmente conseguir um emprego? Se vc não consegue emprego significa que seu esforço não valeu? Vc está esperando os outros lhe darem uma chance? Pare de esperar! Achar que um dia alguém vai aparecer e reconhecer seus esforços é que é romancear a vida. Vá atrás do que quer, se preciso for, comece um negócio próprio, mas não ache que tudo o que fez foi em vão. Valorize o seu esforço e tudo o que investiu em si mesmo. Use seus conhecimentos para si mesmo e não espere nada de ninguém. Boa semana!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: