Super agradável ou super sincera?

Certamente você já esteve numa situação em que não sabia se era melhor ser sincera e desagradar uma pessoa ou ser “falsa” para agradá-la. No mundo corporativo, o que se deve fazer?

 

Fiz este post baseada em um comentário enviado por uma de nossas blindetes, a Juliana.

“Paty, por favor me oriente: o meu chefe é uma pessoa bastante sensível e guarda rancor. Estou pensando em pedir para sair da empresa, e quando eu o fizer ele vai querer saber o porquê. Qual atitude seria a melhor:

1) Dar uma desculpa qualquer para que ele não fique zangado e lembre de mim positivamente (afinal de contas o mundo é pequeno e alguém pode pedir referências minhas para ele);

2) Falar toda a verdade: que é porque a empresa não vai para frente porque os funcionários se preocupam demais em criticar, falar mal, fofocar ao invés de trabalhar e por isso não conseguimos atingir metas e objetivos; que é porque ele não tem pulso firme e deixa todo mundo fazer o que bem entende, inclusive chegar atrasado; que ele sufoca demais os funcionários que trabalham bem, fazendo-os, inclusive, refazer o trabalho ruim de outro funcionários, ao invés dele pedir para que este funcionário refaça…

Enfim, se eu falar a verdade ele pode ficar muito chateado, mas se eu inventar uma desculpa qualquer, Deus pode ficar chateado comigo por eu ter omitido (não sei se a omissão é uma espécie de mentira). Por favor, me oriente.”

Amiga, você está colocando duas opções que são totalmente opostas: ou faz o papel de “super agradável” ou abre o jogo de vez e dá uma de “super sincera”. Eu creio que você deve considerar que em tudo devemos ter equilíbrio. Nem lá, nem cá!

Falar a verdade é sempre a melhor opção, mas isso não significa que você pode sair “descascando a mandioca” pra cima das pessoas. Entendo que você vê todos esses erros nele e na empresa, mas despejar tudo sobre seu chefe não vai ajudar em nada. Ao contrário, amanhã você pode até ser prejudicada por isso (como você mesma disse, o mundo é pequeno).

No seu lugar, eu seria franca. Não inventaria nada, pois em primeiro lugar está a minha consciência e o respeito que tenho pelo meu nome (nem eu acreditaria em mim se saísse inventando coisas por aí). Mas, vá com calma. Ser franca não é descarregar um caminhão de melancia em cima dos outros!

Você pode dizer que não está contente com o sistema que se instalou e até que não acha justo que uns sejam cobrados demais e outros de menos. Mas, não precisa levar nada para o lado pessoal com coisas do tipo “você não tem pulso firme”. Isso seria ofensivo e desnecessário. Diga que você está procurando outro tipo de sistema de trabalho e que acredita que há outras oportunidades para você, que quer conhecer mais o mercado etc. Mantenha o tom da conversa em um nível 100% profissional. Não aproveite para descontar tudo o que ele te encheu a paciência, o quanto você está cheia da empresa etc. etc.

Leve a conversa em um tom tranquilo, sem sentimentos, sem começar a chorar as pitangas ou “entregar” os colegas preguiçosos. Saia melhor do que entrou, sempre deixando as portas abertas, pois ninguém sabe o dia de amanhã.

Conheço uma blindete que foi muito humilhada pelo chefe, que a demitiu achando que nunca mais a veria na vida. Qual não foi a surpresa desse ex chefe quando foi prestar serviços para uma empresa na qual essa mesma blindete havia se tornado a gerente. Ele teve que “comer na mão dela” para que ela não fosse contra a contratação dele. Legal, né? 🙂

Então, amiga, seja sempre verdadeira, mas com equilíbrio. Deixe sempre as portas abertas e trate a todos como gostaria de ser tratada.

Nos vemos!

Jornalista com atuação no Brasil, Inglaterra, Argentina e Israel. Autora do best seller Bolsa Blindada e palestrante na Universidade de Harvard.

  • keith diz:

    hahahha , eu ja passei por uma s ituação parecida no meu anterior trabalho
    descaskei a mandioca em uma reunião de conselho , mas kndo remete a minha carta de demissão o clima foi sim 100% por isso hj em dia quando encontro meu ex chefe na rua por acaso tenho passado por ele kuase sempre pois é meu caminho para o trabalho .
    Temos um relacionamento mto bom sem problemas

    • Silvana fonseca diz:

      É melhor se sincera mas com equilíbrio super paty bjs

  • Juliana Rangel diz:

    Oi Paty há quanto tempo td bem? Mt forte este post nos obriga a pensar analisar a situação e buscar uma atitude equilibrada bjis que Deus te abençoe.

    • Patrícia Lages diz:

      Não suma, Ju!! rs…rs…

  • Patricia diz:

    Olá, esse post ajudou-me demais! Quero também vir a apresentar a minha demissão mas o motivo é ligeiramente diferente, é porque o salário não é o melhor e também porque o trabalho não me satisfaz, não foi para isto que estudei. Só que o meu chefe sempre foi muito condescendente comigo, chegou-me a dar férias mesmo quando eu não tinha direito. Vai ser difícil sair mas esse post elucidou-me um bocadinho sobre como haveria de fazê-lo. Obrigada!

  • Gisele Roberta Mantovani Santana diz:

    Dona Patricia achei muito legal sua orientação também vou agir da mesma forma.

  • Cristina/Sergipe diz:

    Dona Patrícia, gostei muito da sua orientação. Vou passá-la para o meu filho que está muito desgostoso com o andamento da empresa onde trabalha: chefe sem autonomia, fraco sem autorizade alguma e os funcionários fazendo o que bem querem.
    Um abraço.

  • Jackeline Silva diz:

    Era o que eu precisava aprender… Me encontro na mesma situação. Obrigada!

  • Samira Tosas diz:

    PERFECT amiga!!! Adorei!! Creio seja a dúvida de muitas pessoas que se encontram numa “saia justa” como esta. Não é fácil lidar com este tipo de situação. Vou lembrar o seu conselho.
    PS: fazia tempo que eu não passava por aqui né? rssrs
    Beijos!
    😉

    • Patrícia Lages diz:

      Fazia tempo, sim senhora. Faça o favor de não sumir mais!! rs…rs…

      • Samira Tosas diz:

        Sim senhora!!! 😉

  • Bianca diz:

    Oii Paty! Me encontro quase na mesma situação da Juliana… minha chefe é conhecida de outros lugares, amiga da minha sogra, me trata super bem e me ajudou quando eu precisei de emprego. Mas o serviço não tem nada a ver com a área que me formei, e na empresa, tinha até uma chance que eu pudesse ajudá-la na minha área… E também eu não gosto do serviço que desempenho… Há uns quatro meses ela sempre me perguntava o que eu tinha, que sempre estava cabisbaixa… Resolvi conversar com ela, contar o que estava acontecendo, como eu gostaria de estar fazendo algo que envolvesse minha área e tal, também pedi que ela me ajudasse a pagar um curso que eu estava fazendo, que quando eu entrei na empresa ela disse: “esse tal curso é necessário para quem trabalha aqui, e se você fizer, eu te ajudo a pagar”. Passou-se quase um ano e ela nunca me ajudou, e quando eu pedi a ela, a resposta que tive foi: “ah,preciso verificar, pois se eu começar a pagar para você, vou ter que pagar para os outros funcionários também”… Sendo que eu me lembro perfeitamente que na minha contratação ela disse que pagaria. Quando fui pedir demissão ela veio falar que quer conversar comigo algum horário (que fazem duas semanas que ela disse e nada) e que não abre mão de mim, e tal… É complicado, porque quando eu pedi ajuda, eu não recebi… Me sinto frustrada sabendo que eu trabalho com algo que não gosto, e muitos outros funcionários se aproveitam de mim e da outra companheira de cargo…

    • Patrícia Lages diz:

      Oi, Bianca. Receber uma ajuda quando se está precisando de emprego é algo muito bacana e que deve ser retribuído com o melhor desempenho possível. Porém, essa gratidão pela ajuda não pode reduzir você a permanecer no emprego pro resto da vida. Vc deve sim, dar o seu melhor, mas se este trabalho não tem correspondido ao que vc espera, vc realmente deve buscar algo que seja mais adequado. E se vc pretende sair, não creio que seja justo que a empresa pague o curso, pois quando as empresas pagam, elas esperam capacitar esse funcionário para si mesmas. Elas esperam um retorno desse investimento. Imagina vc terminar o curso e pedir demissão… Vc vai sair com o benefício do que aprendeu, mas, provavelmente, essa empresa não vai voltar a investir em outras pessoas. Vai ficar uma imagem negativa e vc pode não ter uma boa referência amanhã. Bjs

      • Bianca diz:

        Obrigada Paty! Com certeza estou saindo em busca de algo melhor… Claro, agora não é mais o meu interesse sobre pagar o curso. Mas quando eu pedi eu não tinha pretensão de sair, somente queria ajuda financeira para pagar o curso, pois tirar do dinheiro que eu recbia estava muito difícil, pois ajudava a pagar as contas de casa e não me sobrava nada. Todo meu dinheiro ia para as contas do mês e para o curso… Isso foi me deixando muito desanimada, além do fato de não gostar do serviço que desempenhava… Sou dessas pessoas “perfeccionistas”, lá eu nunca fiz de qualquer jeito, nunca atendi alguém grossa, simplesmente com o que não me agrada. O que me intriga é que eu queria ajudar sabe? Eu queria fazer algo mais pela empresa e fui “bloqueada”… Não sei se pelo fato de que eu sou nova, as pessoas acham que não sou capaz… Dei o meu melhor, fiz o meu melhor. Estou cansada e querendo buscar algo melhor para mim, e depois que eu comuniquei minha chefia a respeito da demissão, eu tenho sido tratada de qualquer jeito, como se eu sempre tivesse feito tudo errado e não importo; creio que isso é desumano, um superior tratar seu funcionário com desprezo quando ele está cumprindo o aviso prévio!

        • Patrícia Lages diz:

          Isso é muito comum, Bianca. Infelizmente há pessoas ainda que misturam questões pessoais com profissionais. Você fez o seu melhor, então deve sair de cabeça erguida. E tb fez o certo: não está contente, pede demissão e assume sua posição. A maioria faz corpo mole para ser demitido e receber um seguro-desemprego. Espero que vc se recoloque logo e em algo que lhe dê satisfação! 🙂

  • Fabiola diz:

    ola paty, ando confusa nao sabendo oq fazer, eu trabalho como tecnica de enfermagem area q eu amu me sentido realizada com o q eu faço, porem ganho pouco, ate porq e base da categoria, entao mesmo eu tanto o melhor de mim no meu trabalho, sigo todas as dicas blog, a questao e q nao consigo um aumento de salario, apesar de todos me elogiar, entao desitir mudar estou fazendo curso na area da beleza o qual estou gostando tambem mas nao é aquela paixao q tenho pelos meus pacientes, so que ainda nao tive coragem de sair do hospital, coloco na balança o amor a profisao ou a parte financeira.
    Se pudesse me dar uma dica oq eu posso fazer.
    obrigada

    • Patrícia Lages diz:

      Oi, Fabíola. No seu caso é importante ter o máximo de informações possíveis. Veja se existe um plano de carreira no hospital, pois se vc está ganhando a base, tem de ter um teto. Analise esse plano de carreira – que vc pode pedir no RH – e veja até onde pode chegar e o que deve fazer para alcançar as promoções previstas no plano. A enfermagem é uma área ótima, diferente de todas as outras, pois requer mais do que talento, você precisa ter esse dom de cuidar das pessoas em um momento difícil. É mais que profissão, vejo como uma missão. Mas, não é por isso que vc vai trabalhar de graça. A área de home care e de cuidador de idosos está crescendo e, até onde sei, é bem remunerada. Pense em todas as possibilidades antes de deixar uma função tão importante 🙂 Bjs

  • Ranilza Teixeira diz:

    Ola patrícia
    Amei sru livro. Em dois dias li tudinho.
    Como foi importante para mim ler cada pâgina e guardar no coração cada instrução e experiência.
    Obrigado por compartilhar com todos suas experiências.
    Valeu. Um grande beijo
    Estou te acompanhando. Até mais.

  • Renata diz:

    Boa tarde! Patricia, a minha pergunta foge um pouco do assunto. A 6 meses fiz uma compra no meu cartão no valor R$ 260,00 a uma colega de trabalho, pois a mesma tem filhos pequenos e um está preso, fiquei com pena quando ela me pediu para passar a compra no meu cartão alegando que não havia nada para comer em casa. Até hoje não me pagou e quando cobro ela sempre tem uma desculpa. Como devo agir? Continuo cobrando ou deixo pra lá.
    Um abraço, Renata.

    • Patrícia Lages diz:

      Oi, Renata. É uma questão difícil agora que vc já emprestou… Se vc pode deixar para lá, OK. Mas se precisa do dinheiro, então deve abrir o jogo e cobrar sim. Mas, a título de curiosidade e até material de pesquisa: nessa compra de 260 reais ela só comprou mesmo o básico?
      Use essa experiência para não cair nessa de novo, amiga.

      • Renata diz:

        Sim, comprou leite, biscoitos iogurte,higiene e dois brinquedos. Obrigada, estou amando fazer os desafios, pois com sua ajuda consegui colocar minhas finanças em ordem, e já comecei a guardar uma quantia todo o mês. Estou impressionada comigo mesmo porque pensava que nunca iria conseguir fazer com que meu salário rendesse tanto. Que Deus lhe abençoe.

        • Patrícia Lages diz:

          Abalou Paris!! rs…rs…

  • Cristiane de Faria diz:

    Falou tudo .Otima dica…bjs…

  • Leticia Vianna diz:

    OK, MUITO BACANA, COMO O EQUILIBRIO É IMPORTANTE NA VIDA DA GENTE!!!ESSE DESAFIOS , ASSIM COMO gODLLYWOOD TEM TRANSFORMADO MINHA VIDAAA, É MARAVILHOSO.

  • Luiz diz:

    Oiieee Pati, essa orientação é muito boa!!!
    aprendí muito com esse post ….. ameeeeei !!!
    pode ter certeza que se algum dia eu passar por uma situação semelhante vou me lembrar e agir conforme os seu conselhos!
    uma ótima tarde pra vc floor ^^
    beijinhooos

  • diz:

    Oi Paty, tudo bem? Estou com uma situação um tanto atípica pra mim. Sou educadora, no entanto trabalho nos negócios de minha família. Trabalho diretamente com meu irmão há um ano e confesso que esse tempo tem sido tem sido bem difícil pra mim. Meu irmão é ótimo como irmão, mas como colega de trabalho mente, humilha os colegas de trabalho, inclusive eu, na frente de clientes. Ele não tem maturidade para entender/comportar-se diante dos seus erros e sempre sobrecarrega seus problemas emocionais nos outros. Tentei ajuda-lo mas quando falo algo ele fica duas semanas sem falar direito comigo e me trata mal. Já tivemos várias conversas como amigos, irmãos em Cristo (e dos perigos da mentira para nós), como colegas de trabalho … e continuamos assim. Ele diz que sou sua amiga confidencial. Entretanto, não sei como ajudar. Oro por ele, e sei que o mentiroso precisa ser confrontado em sua mentira pra cair na real, mas cadê o homem se dar conta do problema?
    Se você poder falar sobre mentira no contexto de trabalho vou apreciar um bucado.

    • Patrícia Lages diz:

      Oi, Jô. Para mim, a mentira não é aceita em contexto nenhum, nem trabalho, nem família, nem relacionamentos, nada. Mentiu, mentiu. Não tem mentirinha ou mentirona. Para mim, nenhum tipo é aceito e em nenhuma situação é justificável. Quem vai prestar contas com Deus sobre essas mentiras é ele e não tem muito o que vc possa fazer… Quanto ao tratamento que vc recebe, acho que vc tem que coloca-lo contra a parede: ou ele te trata direito, sem humilhações, ou vc vai buscar outro emprego. Bjs

  • veralucia diz:

    Oi descobri o bolsa blindada no face e amei porque as dicas me ajuda muito amei!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: