Sua visão e suas palavras: vida ou morte

Hoje abordaremos um assunto muito importante que toda mãe deve levar em consideração, confira:

madre gritando

Mãe, se sua visão tem se inclinado mais para o lado negativo dos seus filhos, se você em um momento de raiva, quando fazem alguma coisa errada, se dirige a eles de forma negativa, xingando, depreciando suas atitudes, criticando negativamente, saiba que essas palavras têm grande influencia sobre eles. Da nossa boca pode sair palavras de morte! Sim, isso mesmo, palavras que causam danos inimagináveis! Sou a prova viva disso e vou contar-lhes o que vivi quando criança…

Cresci ouvindo que era inútil, que não era ninguém e que nunca seria nada na vida, cresci ouvindo que minha existência era um erro. Ouvia que eu era muito teimosa, muito burra, muito feia, muito gorda etc. Então, inconscientemente, eu absorvia todas aquelas palavras negativas e passei a acreditar, passei a ver-me exatamente da forma que sempre ouvia dos outros, me sentia incapaz, inferior e por consequência comecei a odiar minha existência.

Fui uma criança frustrada, depressiva e triste! Ninguém imaginava que aquelas palavras que escutava diariamente eram parte daquele grande problema que eu estava vivendo. Ficava doente sem motivo aparente, tinha baixo rendimento escolar, minha auto estima vivia no chão. Por isso sou a prova viva do quanto as palavras e a visão negativas, têm influencia na vida de uma criança. Graças a Deus, quando cheguei à Sua presença e O conheci, tudo isso mudou, passei a ser uma jovem totalmente diferente, passei a amar minha vida, minha nova e feliz vida com Deus, pois entendi a atuação do mal naquilo tudo e aprendi a me valorizar.

Lhes deixo meu relato para que possam observar mais as palavras que saem de sua boca em relação aos seus filhos e a forma em que vocês os vêm. Nossos pequenos são como esponjinhas que absorvem tudo o que está a sua volta. Eles acreditarão naquilo que dissermos e apresentarmos a eles. Pois estão conhecendo o que é viver e nossos exemplos de palavras e atitudes, são o que eles terão como referência para a vida.

Continuamos orando por eles, mas se fortalecermos nossas orações com mudanças de atitudes e palavras, seremos mães invencíveis, formando pessoas maravilhosas!

O que você pensa a respeito? Deixe sua opinião nos comentários!

Beijos e até sexta que vem!

Casada há 27 anos e mãe de um rapaz de 25, já vivi em 5 países e sempre tive que usar a criatividade para criar meu filho e economizar no dia a dia. Atualmente vivo em Porto Alegre.

  • Aline diz:

    Olá bom dia!
    Me identifiquei com este post porque tenho passado por essa situação. Minha mãe muitas vezes diz coisas pra me diminuir, pra me colocar pra baixo. Mas sei que não é ela, que é um mal, e estou lutando, custando a aprender mas estou me esforçando e recorrendo a Deus.

  • Vitor Silva diz:

    Reconheço que muitas das vezes tenho repreendido o meu filho – perante atitudes extremas – que a continuar assim não será ninguém, que se emende, que crie interesses, que cresça- muitas das vezes acompanhadas, claro, de algumas ameaças, do tipo, “assim não serás ninguém na vida”, mas é com o intuito de o “arrancar do marasmo que se vai tornando o seu dia-adia”, de o acordar, porque a “deixar andar ou a pôr paninhos quentes”, estou pondo no mundo um “VIVE À CONTA”, para não o dizer de outra forma.

  • Fran diz:

    Ótima reflexão para começar o dia!

  • ANGELICA ROJAS ELMAUER diz:

    Bom dia Sandra,

    Eu me policio muito nas palavras que uso com meu filho (de 1 ano e 4 meses), e procuro sempre elogiar ele com seus pequenos aprendizados e entendimentos. E também oro muito pela vidinha dele e pra Deus me dar sabedoria e estratégia na educação que passo pra ele.

    Obrigada por mais uma sexta-feira de aprendizado.
    Deus abençoe.

    Bjos

  • Katharine diz:

    Bom Dia!
    Sou filha e sei muito bem como as palavras dos pais podem nos tornar pessoas do bem ou não. Graças a Deus tive bons exemplos dentro de casa e boas lições. Muito do que pratico hoje, devo a educação que tive quando criança. A minha mãe me ajudou a enfrentar os apelidos que tanto me faziam mal – eu era uma criança gordinha – e sofria muito com isso. A minha mãe dizia: “Não ligue pra eles. Comece a ignorar, brincar com o que eles dizem, e eles perderam a graça de xingar você” E não deu outra! Passei a “zoar” as palavras que me faziam mal e eles perderam a graça de me perturbar! rsrs
    Não lembro de ter ouvido palavras negativas quando criança. Apenas ouvi palavras que me motivavam, que me ensinavam e me moldavam.
    Muito bacana esse post, pois, vejo nos lares hoje, crianças sendo encorajadas a fazerem e dizerem o que é errado como se fosse algo normal. Ai eu penso: “Meu Deus, o que vai ser dessa criança quando ela crescer?”
    É sério a coisa….
    Beijos 🙂

  • Natalia (Chile) diz:

    Así es…. Cuando era niña recibía palabras negativas que solo me atemorizaban y no me dejaban expresarme… Luego con mi primera hija, al principio, cometí los mismos errores… (Uno siempre da lo que tiene o lo que aprendió, yo no conocía otra forma) Hasta que conocí a Dios y El me fue (y me va)moldeando y cambié mi manera de ser con ella… Empecé a valorar y a marcar todo lo positivo… Resultado: mi hija termino el año 2014 como mejor promedio en su curso (le entregaron diploma y obsequio por el logro) y becada para el 2015 por la universidad Austral en un curso de talentos….
    Es así… Hay que elogiarlos, motivarlos, ser como sus directores técnicos alentándolos… Vale la pena, por los resultados que se logran…!!!! Cariños y que Dios siga bendiciendolas!!!!

  • Joselene Lima diz:

    Muito bom!

  • Vanessa diz:

    O que penso sobre isso é que realmente é uma verdade. Passei por isso, e não foi quando criança,mas em um certo momento da minha vida. Foi difícil, mas Graças a Deus, consegui me libertar disso. Imagina nós adultos sofremos com isso, Imagina uma criança,que está formando o seu caráter… Como devemos vigiar com nossas palavras!!!

  • CARMEM LUCIA diz:

    É uma tentação os pensamentos negativo com dos filhos à super proteção , cofiar em Deus entregando -o na mão Dele , é que afasta -os de todo mal e que me conforta, para controlar a lingua

  • Leila Cristina dos Santos diz:

    Olá, meu nome é Leila, tenho 42 anos e convivo até hoje com um complexo de inferioridade muito grande, resultado de uma infância reprimida, já tentei de quase tudo um pouco para me livrar do problema, mas é complicado e isso afeta a minha vida em todos os sentidos.

    • Sandra Lages diz:

      Oi Leila, querida já não permita mais que aquilo que lhe afetou na infância continue a lhe causar complexos! Hoje você é uma mulher e pode dar um basta, pode se enxergar de uma maneira diferente!molhe para suas qualidades, pois tenho certeza que são muitas, você é especial! Beijos

  • Alice diz:

    muito bom,estou aguardando novas postagens

  • Jaqueline diz:

    Maravilhoso esse post,eu sei bem como dói as palavras,mais que pancadas.Sou filha de criação de uma família que já tinha sete filhos biológicos,então eu sou a oitava. Minha mãe nunca teve muito jeito de falar as coisas com os filhos e com ninguém,fala o que vem a sua cabeça e pronto.No meu caso as palavras sempre doíam mais,pois qualquer coisa de errado que eu fazia,era porque eu não era filha deles,não puxei pra eles,sempre ouvia que eu era péssima,egoísta,safada,preguiçosa,queria ser o que a folhinha não marca,queria ser rica,que nunca iria arrumar um namorado,e se um dia eu casasse apanharia do meu esposo pq era muito preguiçosa.
    Posso dizer que as palavras machucam mesmo,mais existe um Deus superior a tudo isso e que vê cada injustiça que vc passou,e quando nos achegamos aos seus braços,ele te limpa,te lava,te cura de toda amargura,que estiverem entranhadas em vc.Te mostra tudo o contrário do que vc ouviu,te dá um casamento,filhos,dignidade,amor pra seguir em frente e dizer:TUDO POSSO NAQUELE QUE ME FORTALECE! E foi o que ele fez comigo.

  • Diane diz:

    Olá. Este post é um retrato de mim mesma a 2 meses atrás… vivia pela imagem que minha mãe dizia de mim e muitas vezes até debochava do que eu dizia por muito tempo sem saber vivi presa por um ciúmes e inveja da minha prima por ter a admiração que eu tanto desejava da minha própria mãe mas tudo mudou quando Deus usando minha tia que é obreira me chamou pra ajuda-la no final de ano e ai eu me tornei outra… cheguei com minha mente regredida, vida parada e sem reconhecer a mim mesma e na virada de ano de 2014/2015 eu decidi me tornar outra e nascer de novo… depois de muitos anos eu evangelizei e me senti tão feliz de levar Deus as pessoas que não parava de sorrir… tenho que agradecer a Deus hj amanhã e por toda eternidade por essa oportunidade pq eu nunca mais vou voltar pra trás nunca mais quero regredir.

  • Salete Aparecida Alves Barrros diz:

    Ótimo artigo.

  • michele diz:

    Não só concordo,como também cometi esse erro com meu filho lindo,com meu esposo,com meus pais…me sinto horrível,até briguei devido as minhas palavras.
    Tanto esse site quanto os livros têm me ajudado a ser uma mulher melhor.
    Obrigada.

  • Laila diz:

    Poxa…
    A gente nunca para pra pensar no que a gente fala pode ajudar a levantar ou a derrubar… Acaba indo no automático…
    Temos sempre que nos policiar…
    Muito bom esse texto!!

  • Misleine diz:

    Vejam pelo que a Sandra passou e a mulher que ela se tornou, a deduzir pelos textos que ela escreve… maravilhoso é pouco para o amor de Deus em nossas vidas! Sandra, você é uma querida!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*


Carreira Profissional

Cartão de Crédito

Investimentos

Pagamento de Dívidas

Faça uma busca no site:

Acompanhe também a Bolsa
Blindada nas redes sociais:


Receba todas nossas novidades!

Livros Bolsa Blindada:

Desenvolvido por: